Desligamento de energia neste sábado

06/04/2011 10:22

A Prefeitura Universitária informa que haverá desligamento de energia elétrica neste sábado, 9 de abril, das 8h às 12 horas, nos seguintes locais do Campus: Centro de Cultura e Eventos, SecArte, RU, CDS (ginásios e piscina), IU, Agecom, NUMA, LED, Editora, Centro de Convivência, Fundação Certi, Laboratório de Microscopia Eletrônica e Arquitetura/CTC. O desligamento será feito para execução de serviços relativos à manutenção preventiva e corretiva de alta tensão, junto às subestações. Mais informações pelo ramal 9580.

Tags: Campusdesligamentoenergia

“Nosso problema com a Ponte Hercílio Luz”, por Salma Ferraz

06/04/2011 10:01

Por Salma Ferraz /professora do Departamento de Língua e Literatura Vernáculas da UFSC

Nunca antes na estória desta Ilha se ouviu e viu tanto absurdo com dinheiro público: 180 milhões serão gastos para tornar novamente a ponte Hercílio Luz trafegável. Sem falar que uma montanha de dinheiro público já foi gasto para sua construção. O Projeto de dois engenheiros norte-americanos Robinson e Steinmann foi iniciado em 1922 e concluído em 1926. Para sua construção o então Governador Hercílio Luz fez um empréstimo que dava quase dois orçamentos anuais do estado de Santa Catarina. O pagamento do empréstimo junto aos bancos norte- americanos levou exatamente 50 anos para ser concluído. O valor final pago sobre é controverso, mas fala-se em 14 milhões 478 mil 107 contos e 479 réis. Cacau Menezes já chamou isto de “Indústria da Ponte”.

Temos uma relação mal resolvida com as pontes nesta Ilha. As Pontes aqui são Pontes para muito Ouro… Geralmente muita água e muito ouro passam debaixo destas pontes e o ouro não volta nunca mais…

Argumenta-se que a Ponte Hercílio Luz tem que ser recuperada porque é cartão postal da Ilha. Sim ela é linda, mas existem dezenas de praias exuberantes que se apresentam com cartão postal. Dizem que é símbolo da Ilha? Que tal elegermos a velha e centenária Figueira, que afinal está na IIha há mais tempo que Ponte, para símbolo da Ilha? Não sou agrônoma, mas creio que com uns 50 mil reais por ano daria para manter a velha Figueira em pé. Afinal Num pedacinho de terra/belezas sem par!/Ilha da moça faceira,da velha rendeira tradicional/Ilha da velha figueira, tantas coisas saem mais em conta do que  a Ponte…

Sim, podem argumentar que a Ponte é Patrimônio Cultural de Santa Catarina. Mas o que justifica manter um Patrimônio Cultural ao preço camarada de 180 milhões de reais? Quantas casas populares poderiam ser construídas com este dinheiro? Quantas cestas básicas poderiam ser distribuídas entre a população carente? Quantas escolas básicas com computadores poderiam ser instaladas nos morros? Quantas barreiras de proteção nas encostas dos morros poderiam ser levantadas evitando desabamentos e catástrofes? Quantos postos de saúde poderiam ser implantados aqui. Que tal utilizarmos parte deste dinheiro para a implantação de um Instituto de ponta sobre tragédias climáticas em Santa Catarina com instrumentos de última geração? Isto para prevenir tantas tragédias ocorridas por aqui. Outra parte poderia ser usada para comprar medicamentos e vacinas para pessoas carentes. Ou ainda investir na desfavelização dos morros. Gastar 180 milhões num monumento que pode desabar a qualquer momento…

Patrimônio Cultural para mim é o povo com a barriga cheia e o cérebro ocupado com coisas acima de Rebolation e mulheres frutas.

Proponho um plebiscito entre o povo Ilhéu, explicando o que poderiam comprar com 180 milhões, para tornar mais inteligível o valor de tantos zeros. O plebiscito poderia se chamar Salve a Ponte ou Salve o Mané. Lanço aqui a campanha!

O povo deve ser esclarecido que este dinheiro vai sair dos cofres do Estado e da Prefeitura. Busca-se parcerias, mas precisamos de parceria para tantas outras coisas mais racionais  e urgentes.
Quem nos garante que este dinheiro vai resolver o problema da estrutura da ponte, uma vez que suas duas irmãs norte-americanas já estão devidamente enterradas: a Silver Bridge desmoronou em 1967 e matou 46 pessoas. A outra  St. Marys foi demolida em 1971, para evitar que caísse. Porque só nós não somos práticos e pragmáticos e insistimos numa sandice destas?

A Ponte foi tombada como Patrimônio Histórico pelo Município pelo Decreto 637/92. Em 1997 pelo Estado pelo Decreto 1830,  pela União através da Portaria n. 75 de Maio de 1997. Se o problema é jurídico – a questão de manter um patrimônio cultural-  há de se achar uma  saída legal: a lei ter que estar a serviço do ser humano e não o ser humano a serviço dela.

Maior Patrimônio Cultural desta Ilha, além das praias e a Velha Figueira é o povo desta Ilha, o ilhéu, nosso querido manézinho, este sim precisa ser preservado e para isto é preciso saúde,  educação e moradia!

Salve o Mané, não salve a Ponte!

Por Salma Ferraz /professora da UFSC

NUTEL
Núcleo de Estudos de Teologia e Literatura
ALALITE
Associação Latino Americana de Teologia e Literatura.
UFSC

Tags: ArtigoPonte Hercílio Lusalma ferraz

Jornalismo em Debate estreia quinta na Rádio Ponto UFSC

05/04/2011 17:11

Estreia nesta quinta-feira, 07/04, Dia Nacional do Jornalista, o programa Jornalismo em Debate, transmitido pela emissora virtual do Curso de Jornalismo, a Rádio Ponto UFSC, em www.radio.ufsc.br

O tema desta primeira edição é “Liberdade de Expressão e Liberdade de Imprensa: o Brasil tem ou não?”, e os convidados são o diretor executivo da Associação Nacional dos Jornais, Ricardo Pedreira, o procurador do Estado de Santa Catarina e professor de Direito da UFSC João dos Passos, o diretor institucional da Fenaj Sérgio Murillo de Andrade, o professor de jornalismo da UFSC Francisco Karam e o diretor de comunicação da Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e Televisão, Théo Rochefort. Também veicula depoimentos de jornalistas, direções de entidades do jornalismo e da Universidade.

Jornalismo em Debate é uma produção dos acadêmicos dos cursos de graduação e pós-graduação em Jornalismo da UFSC, supervisionada pela professora Valci Zuculoto e com mediação do professor Áureo Moraes.

O programa marca a volta da Cátedra Fenaj/UFSC de Jornalismo para a Cidadania, uma parceria do Jornalismo da UFSC com a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj). A produção terá edições quinzenais e se destina a promover debates sobre temas relativos ao exercício da cidadania e à prática responsável do jornalismo.

A transmissão de estreia inicia às 18h30 desta quinta-feira, 07/04, mas, assim como as próximas edições, ficará disponível em áudio e texto no site da Rádio Ponto UFSC, em www.radio.ufsc.br

Tags: debatefenajjornalismorádio

Exposição Imagens dos Açores prepara Sombrio para a 18° AÇOR

05/04/2011 16:55
Exposição pretende mostrar as semelhanças entre a cultura açoriana de SC e a de Portugal

Exposição pretende mostrar as semelhanças entre o cotidiano dos descendentes catarinenses e dos moradores de Açores

A exposição Imagens dos Açores, do historiador e fotógrafo Joi Cletison, diretor do Núcleo de Estudos Açorianos (NEA) da UFSC, abre, a partir da quarta, 06/04, uma série de eventos que o NEA irá realizar em Sombrio como preparação do 18° AÇOR – Festa da Cultura Açoriana de Santa Catarina, que acontece na cidade entre os dias de 23 e 25 de setembro.

São 30 imagens em tamanho 40X50 cm em papel fotográfico em cores, mostrando arquitetura, festas populares, costumes tradicionais,  freguesias rurais, artesanato,  folclore e também as belezas naturais do arquipélago. A exposição tem como objetivo mostrar aos descendentes de açorianos as semelhanças entre diversos aspectos da vida nos Açores e o cotidiano dos morados do litoral catarinense.

O evento  marca também mais um aniversário da Casa da Cultura. Na abertura haverá a apresentação do Grupo Folclórico Açor Sul mostrando danças originárias do Arquipélago dos Açores. A promoção do 18º AÇOR será da Prefeitura Municipal de Sombrio em parceria com a UFSC.

Serviço

Abertura: 6 de abril de 2010, às 19h

Local: Casa da Cultura de Sombrio – Centro

Período: 7 a 29 de abril (segunda à sexta- feira, das 13h30 às 22h)

Realização: Casa da Cultura de Sombrio e NEA -UFSC

Mais Informações: (48) 3533.1958 com Clair ou 372-18605 ou

Joi Cletison Alves, natural do estado de Santa Catarina/Brasil, é historiador e especialista em história de Santa Catarina. Atualmente exerce a função de Diretor do Núcleo de Estudos Açorianos da UFSC. Atuou na direção do Departamento Artístico Cultural da UFSC onde implantou a Galeria de Arte da Universidade, além de dirigir várias Instituições culturais no Estado de Santa Catarina. Atua como fotógrafo há mais de 30 anos com dezenas de exposições realizadas no Brasil e outros países.

Tags: AçoresexposiçãofotoNEA

Sal e sódio X hipertensão

05/04/2011 14:53

Palestra promovida pelo Núcleo de Prevenção para Doenças Cardiovasculares. Com a nutricionista do Hospital Universitário (HU) Maria Luiza Aires de Alencar.

Nesta sexta-feira, dia 8 de abril, às 8h30, no Auditório do Hospital Universitário. Informações com a professora Geny: , 3721-9712, ramal 221 ou 9101-4927.

Congresso Sul-Brasileiro de Comunicação no Serviço Público tem inscrições abertas

05/04/2011 14:44

Estão abertas as inscrições para o 2º Congresso Sul-Brasileiro de Comunicação no Serviço Público. O evento acontece de 10 a 12 de maio, no Majestic Palace Hotel, em Florianópolis, com o apoio da Agecom/UFSC.

No evento será debatido o papel da comunicação pública no Brasil e a comunicação social como instrumento de cidadania e ferramenta que propicia a transparência das gestões públicas. Entre os palestrantes estão profissionais da Infraero, Petrobras e Exército.

Informações e inscrições através do site www.congrecom.com.br.


Programação:

Domingo, 10/05

09h – Mídia e segurança pública: Os desafios da comunicação

10h45 – A cadeia produtiva da comunicação: Como integrar as áreas de atendimento ao cidadão, assessoria de Imprensa e gestão de riscos. Palestrante: Lea Maria Cavallero Barbacovi – superintendente de Marketing e Comunicação Social – Infraero

14h – Quem disse que não dá para medir? A mensuração de resultados de comunicação, no Serviço Público, requer modelos diferentes daqueles utilizados na área. Palestrante: Cristina Panella, presidente da CDN Estudos&Pesquisa.

15h45 – O petróleo na vitrine – Como a Petrobrás planeja e realiza o trabalho com a imprensa brasileira e internacional. Palestrante: Lucio Mena Pimentel, gerente de Imprensa da Comunicação Institucional da Petrobrás.

Segunda, 11/05

09h – Planejamento de comunicação: Critérios para definir stakeholders em áreas do governo.

10h30 – Ética e transparência no serviço público: O dilema de quem é intermediário entre a autoridade e a sociedade. Palestrante: Ana Lúcia Henrique Teixeira, assessoria Técnica da Liderança do PDT – Câmara dos Deputados

14h – Desafios da ouvidoria na interação com o cidadão. Expectativas e percepções do ouvidor na interação com o cidadão. Palestrante: Bruno Konder Comparato, professor no curso de ciências sociais da Unifesp.

15h45 – De portas abertas: a política de comunicação do exército. Palestrante: Carlos Alberto Barcelos, chefe do centro de comunicação social do Exército.

Terça, 12/05

09h – Matrizes de Influência: a importância de conhecer as lideranças regionais e como interagir com elas para melhorar a comunicação com o governo. Palestrante: Eduardo Pugnali – coordenador de Imprensa da Secretaria de Comunicação do Governo do Estado de São Paulo

10h45 – Construção de políticas de comunicação interna no serviço público. Palestrante: Mauro Lopes – diretor da Abracom – Associação Brasileira das Agências de Comunicação.

14h – Investimento em cultura como ação estratégica de comunicação do governo.

15h45 – Gestão de crise e comunicação. Palestrante: João José Forni – gestor de crise.

Tags: comunicaçãocongresso

Debate público sobre o trânsito no entorno da UFSC

05/04/2011 14:07

Lançada campanha educativa para sensibilizar a comunidade universitária para discutir e contribuir com sugestões sobre como melhorar o sistema viário no entorno da UFSC. As contribuições devem ser postadas pelo formulário eletrônico do site da campanha http://pare.paginas.ufsc.br. Também haverá um Debate Público dia 5/4, das 15h às 18h, no Auditório do Centro Tecnológico ( CTC). Período da campanha: 30/3 a 30/4.

O trânsito do entorno da UFSC está um caos e isso não é novidade para transeuntes e motoristas da comunidade universitária. Além do estresse que causa a quem transita diuturnamente pelo campus João David Ferreira Lima, o excesso de veículos vem provocando um gradativo aumento de acidentes. Os atropelamentos ficam mais evidentes a cada dia.

Para analisar e apresentar propostas à melhoria do sistema viário no entorno da UFSC, em especial o alargamento da Rua Deputado Antônio Edu Viera e a instalação de um sistema de escoamento binário para o fluxo de veículos, foi constituída, em novembro de 2010, uma comissão mista integrada por representantes da Prefeitura Municipal de Florianópolis (PMF), do Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis (IPUF) e por servidores da UFSC designados pelo reitor para compor uma comissão interna.

A Comissão para Análise do Entorno Viário da UFSC, em março de 2011, terminou o seu levantamento de informações e análises e agora organiza, junto ao gabinete do reitor, um debate público para colher opiniões e sugestões da comunidade universitária. O site http://pare.paginas.ufsc.brr com informações sobre o assunto disponibiliza um formulário eletrônico para que a comunidade universitária possa enviar as suas sugestões.

O debate público será estimulado por uma campanha de comunicação educativa “Pare! Não me atropele” culminando com a realização de um evento: Debate Público sobre as melhorias do sistema viário no entorno da UFSC, dia 5/4, das 15h às 18h, no Auditório do CTC.

Informações: Assessoria de Comunicação Educativa da Seplan – ACE/Seplan

Tel: 3721.6480 ou Esta imagem contém um endereço de e-mail. É uma imagem de modo que spam não pode colher.

Tags: debate públicoentorno viário UFSCnão me atropellepare

Congresso de Comunicação e Marketing no Serviço público

05/04/2011 12:30

Estão abertas as inscrições para o 2º. Congresso Sul-Brasileiro de Comunicação e Marketing no Serviço Público. O evento acontece de 10 a 12 de maio, no hotel Majestic, em Florianópolis, com o apoio da Agecom/UFSC. Informações e inscrições no site www.congrecom.com.br

Confira a programação:

Dia 10/05/2011

9h – Mídia e segurança pública: Os desafios da comunicação

10h45min – A cadeia produtiva da comunicação: como integrar as áreas de atendimento ao cidadão, assessoria de imprensa e gestão de riscos. Palestrante: Lea Maria Cavallero Barbacovi – Superintendente de Marketing e Comunicação Social – Infraero

14h – Quem disse que não dá para medir? A mensuração de resultados de comunicação, no Serviço Público, requer modelos diferentes daqueles utilizados na área. Palestrante: Cristina Panella, Presidente da CDN Estudos&Pesquisa.

15h45min – O petróleo na vitrine – Como a Petrobrás planeja e realiza o trabalho com a imprensa brasileira e internacional. Palestrante: Lucio Mena Pimentel, Gerente de Imprensa da Comunicação Institucional da Petrobrás.

Dia 11/05/2011

9h – Planejamento de comunicação: Critérios para definir stakeholders em áreas do governo.

10h30min – Ética e transparência no serviço público: O dilema de quem é intermediário entre a autoridade e a sociedade. Palestrante: Ana Lúcia Henrique Teixeira, Assessoria Técnica da Liderança do PDT – Câmara dos Deputados

14h – Desafios da ouvidoria na interação com o cidadão. Expectativas e percepções do ouvidor na interação com o cidadão. Palestrante: Bruno Konder Comparato, Professor no curso de ciências sociais da UNIFESP.

15h45min – De portas abertas: a política de comunicação do exército. Palestrante: Carlos Alberto Barcelos, Chefe do centro de comunicação social do Exército.

Dia 12/05/2011

9h – Matrizes de Influência: a importância de conhecer as lideranças regionais e como interagir com elas para melhorar a comunicação com o governo. Palestrante: Eduardo Pugnali – Coordenador de Imprensa da Secretaria de Comunicação do Governo do Estado de São Paulo

10h45min – Construção de políticas de comunicação interna no serviço público. Palestrante: Mauro Lopes – Diretor da Abracom – Associação Brasileira das Agências de Comunicação.

14h – Investimento em cultura como ação estratégica de comunicação do governo.

15h45min – Gestão de crise e comunicação. Palestrante: João José Forni – Gestor de crise.

Tags: Comunicação e Marketing no Serviço Público

Professor detecta “crise terminal” no capitalismo

05/04/2011 11:58

O escritor e professor universitário Rafael Cuevas Molina, nascido na Costa Rica e radicado na Guatemala, abriu na manhã desta terça-feira, dia 5, a sétima edição das Jornadas Bolivarianas, no auditório da Reitoria da UFSC, afirmando que “o sistema capitalista vive um momento de crise terminal”. Ele baseia sua convicção, entre outros fatores, no esgotamento de fontes energéticas essenciais, sobretudo o petróleo, nas enormes pressões da produção sobre o meio ambiente e no que chamou de “explosão da desesperança” em regiões estratégicas, como o mundo árabe. O evento é organizado pelo Instituto de Estudos Latino-Americanos (IELA) da UFSC.

Antes de apresentar esse diagnóstico, contudo, o palestrante fez uma análise da dinâmica cultural e sua relação com o imperialismo na América Central, que é o foco de seus estudos. É comum, disse o professor Cuevas Molina, considerar a região onde vive como marginal, embora tenha uma importância geopolítica fundamental, especialmente para os Estados Unidos, a grande potência do norte. Neste sentido, a América Central funciona como uma ponte que liga as Américas do Sul e do Norte, e um istmo que separa o oceano Atlântico do Pacífico.

As guerras internas, as revoluções fracassadas (a única exceção foi a Nicarágua) e as migrações massivas para os Estados Unidos marcaram profundamente as nações da região. Ali, surgiram oligarquias que também ajudaram a manter um quadro de pobreza e a transformar os países em fornecedores de banana e de mão de obra para os parceiros mais ricos. As revoluções mexicana e cubana inspiraram levantes e revoltas nas décadas seguintes, na tentativa de dar nova configuração a países econômica e politicamente periféricos, mas os resultados não foram os que se esperava.O efeito de tantas distorções é que os Estados Unidos já abrigam 18% da população de El Salvador, onde 16% do Produto Interno Bruto (PIB) vem dos recursos enviados ao país pelos migrantes que trabalham em território americano.

O professor e escritor também ressaltou que, do ponto de vista cultural, os países da América Central são vistos como o “pátio externo” dos americanos e que as sociedades locais estão hoje fragmentadas e socialmente desorganizadas. A violência é outro fator preocupante, porque 48% da droga consumida nos Estados Unidos passa pela região. É usando esse argumento que os vizinhos ricos do norte justificam sua presença e suas ações na América Central.

Perguntado, no debate que se seguiu à conferência, sobre como o Brasil é visto na América Central, Rafael Cuevas Molina afirmou que se trata de um país emergente que surge como candidato a potência no continente. “Luiz Inácio Lula da Silva aparece como um líder progressista”, disse, negando que o Brasil seja tratado como agente de um sub-imperialismo localizado na América do Sul. “No geral, o país é encarado com certa simpatia pelos centro-americanos”, garantiu.

Por Paulo Clóvis Schmitz / Jornalista na Agecom


Leia também:
Jornadas Bolivarianas acontecem até sexta-feira na UFSC


Confira a programação:

05 de abril de 2011

– Manhã – Auditório da Reitoria – UFSC

9h – Conferência: O imperialismo na América Central

Rafael Cuevas Molina – Costa Rica

Coordenação: César Medeiros

– Tarde – Auditório da Reitoria – UFSC

14h30 – Apresentação de trabalhos

Coordenação: Vitor Hugo Tonin

– Noite – Auditório da Reitoria – UFSC

18h30 – Conferência: Imperialismo e cultura andina

Silvia Rivera Cusicanqui  – Bolívia

Coordenação: Fernando Correa Prado

Lançamento do livro “O Mapa da Crise”, organizado por Nildo Ouriques e Elaine Tavares

06 de abril de 2011

– Manhã – Auditório da Reitoria – UFSC

9h – Conferência: O cinema latino-americano e a indústria cultural

Sérgio Santeiro – Brasil

Coordenação: Nildo Ouriques

– Tarde – Auditório do CCE

14h30 às 18h – Reprodução de filmes de Fernando “Pino” Solanas –

– Noite – Auditório da Reitoria – UFSC

18h30 – Conferência: A mídia e o Imperialismo

Aram Aharonian – Venezuela

Coordenação: Elaine Tavares

07 de abril de 2011

– Manhã – Auditório da Reitoria – UFSC

9h – Mesa redonda: Imperialismo e cultura na América Latina

Aram Aharonian, Fernando Rojas, Rafael Cuevas Molina, Sérgio Santeiro e Nildo Ouriques

Coordenação: Waldir José Rampinelli

– Tarde – Auditório do CSE – UFSC e Hall da Reitoria

14h30 às 18h – Reprodução de filmes de Fernando “Pino” Solanas –

Noite

20h – Em frente à reitoria

Festa Latino-Americana

Atenção: As inscrições acontecem no local do evento e quem quiser o certificado deve sempre assinar a lista de presença.

Outras informações no IELA/UFSC (www.iela.ufsc.br).

Telefone (48) 3721-4938

UFSC divulga sexta chamada de calouros e de remanejados

05/04/2011 11:30

O Departamento de Administração Escolar da UFSC divulgou nesta terça-feira, 5 de abril, os  editais nº 16 e nº17,  referentes à sexta chamada de calouros 2011 remanejados e à sexta chamada de calouros 2011.

Os três candidatos matriculados e remanejados para o primeiro semestre letivo devem comparecer na coordenadoria do respectivo curso para retirada do documento comprobatório de matrícula, iniciando em seguida as aulas.

Os 81 estudantes contemplados na sexta chamada de calouros 2011 devem efetuar sua matrícula no período de 5 a 7 de abril, munidos da documentação exigida. A matrícula deve ser feita no campus correspondente à classificação do aluno e respectiva coordenadoria do curso, entre 8h e 12h e das 14h às 18h.

Mais informações no site www.dae.ufsc.br e pelos telefones do DAE (48) 3721-9707 / 3721-9331 / 3721-6553

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Tags: DAEsexta chamada de calourosvestibular 2011

Jornadas Bolivarianas acontecem até sexta-feira na UFSC

05/04/2011 08:54

Há sete anos  o seminário internacional Jornadas Bolivarianas traz para a capital catarinense reconhecidos pensadores do Brasil e de outros países.  O evento, que  se consolida como  espaço relevante na vida intelectual e comunitária da Universidade Federal de Santa Catarina e da cidade, repercutindo no país e no exterior, começou  segunda-feira, 4 de abril, no Auditório da Reitoria da UFSC,  e se estende até o dia 7, quinta-feira. Nesta sétima edição das Jornadas, promovidas pelo Instituto de Estudos Latino-Americanos (IELA/UFSC),  o tema discutido é Imperialismo e Cultura na América Latina, com duas grandes conferências diárias.

Na abertura o  conferencista  foi o cubano Fernando Rojas, vice-ministro da Cultura da nação caribenha, que abordou, para um auditório repleto,  o tema “Cuba: do experimento neocolonial à liderança  antiimperialista”. Nesta terça-feira, às 9 horas, a conferência é de Rafael Cuevas Molina, da Costa Rica, que fala sobre “O imperialismo na América Central. À tarde, autores de estudos sobre a temática das Jornadas apresentam seus trabalhos selecionados, a partir das 14h30min.

À noite, a partir das 18h30min fala a  socióloga aymara Silva Cusicanqui, da Bolívia.  Na quarta-feira,  os conferencistas convidados são o cineasta brasileiro Sérgio Santeiro e um dos criadores da Telesur, Aram Aharonian. As Jornadas estão sendo transmitidas ao vivo pelo site mms://tvled.egc.ufsc.br/aovivo

Livres de modismos

Debates desafiadores caracterizam as Jornadas Bolivarianas, pois, como lembra Waldir Rampinelli, professor de História e presidente do IELA, elas têm trazido para dentro da universidade brasileira temas  que já não são mais moda no mundo acadêmico e que, possivelmente,  raramente aparecem nas discussões das  universidades do chamado eixo Rio/São Paulo, embora sejam frequentes em importantes universidades latino-americanas.

Este é um dos motivos de as Jornadas representarem hoje um espaço de discussão teórica com importância nacional e internacional. Elas trouxeram para a cena intelectual e teórica nestes sete anos temas frequentemente desprezados pela academia, como nacionalismo, socialismo, a política imperialista estadunidense, teoria social e eurocentrismo, a crise das ciências sociais, bolivarianismo e poder popular.

Sobre o tema desta  sétima edição das Jornadas,  Rampinelli lembra que trata de realidades  atinentes desde a chegada dos europeus  à América, que vieram trazendo a espada, que é a força bruta, e a cruz, que é ideologia imposta. “O  intuito dos que aqui chegaram sempre foi o  de dominação completa, o que poderíamos chamar de colonialismo imperialista cultural. E quem resume isso muito bem  é Pablo Neruda, ao dizer: ‘A espada, a cruz e a fome iam dizimando a família selvagem’”.

Todavia, a luta e a resistência  ao colonialismo imperialista cultural começou já quando Colombo fincou a bota na América. “Tanto é que o primeiro levante indígena contra isso foi comandado por um cacique indígena chamado Enriquillo,  na ilha Hispaniola, hoje Haiti e República Dominicana”, explica Rampinelli. Este levante, em forma de guerrilha nas montanhas, que durou décadas, já era  expressão da luta contra o colonialismo imperialista cultural. “Só que os lutadores foram atraídos pelos  conquistadores com a promessa de um pacto e foram todos liquidados,” recorda o historiador.

O fato é que os povos originários se insurgiram   contra os colonizadores desde o início da conquista violenta. Escravizados e subjugados, eles se opunham principalmente de duas maneiras, comenta Rampinelli. Primeiro,  através da ação educativa das mães e dos velhos, que contavam  às crianças a  história  de seu povo, seus usos, costumes sua  luta e  resistência. A segunda forma de enfrentar os opressores era a negação ao trabalho, um modo de resistência que levou os invasores a chamarem os “indígenas” das Américas de “vadios e preguiçosos”.

Rampinelli destaca ainda a grande resistência cultural  protagonizada pelos negros escravizados, que também se rebelaram e utilizaram a  ação educativa para não permitir que seus meninos e meninas esquecessem a própria história. No Brasil, por exemplo, os povos africanos escravizados se embrenharam em locais de difícil acesso,   criando os quilombos, onde podiam preservar seus saberes, sua cultura, economia, usos e costumes. Esses refúgios remotos nas matas e montanhas formaram  aldeias  em que os  negros, feitos pela própria luta homens e mulheres livres, praticavam uma economia  de subsistência e até o comércio. Entre os que mais prosperaram, o mítico quilombo dos Palmares, em Alagoas, durou quase um século.

Antiimperialistas na história

Povos e homens foram fundamentais no processo de resistência e luta dos povos latino-americanos. E um desses homens – Simón Bolívar –  inspira  o nome das Jornadas Bolivarianas.  O Libertador, cognome que imortaliza Bolívar na  história, lutava pela concretização da Pátria Grande, a unidade latino-americana para enfrentar o imperialismo inglês e o estadunidense, que ele já previa nos anos das guerras de independência da América espanhola.

O sonho de Bolívar, ao conceber a  Pátria Grande, era de poder enfrentar em  pé de igualdade a Inglaterra e não permitir que os Estados Unidos,  que já despontavam como uma potência no início do século XIX,  fincassem garras no continente e tomassem  conta da América Latina.

Na segunda metade do século 19, Rampinelli destaca a figura de José Martí, possivelmente quem mais teorizou, até então, sobre a questão  luta antiimperialista e que preconizou, como Bolívar, o internacionalismo. “Ele defendia a tese de que a América fosse para a humanidade e não subjugada pelas  potências, dizendo que devíamos ser como árvores, para impedir a passagem do gigante de sete léguas, leia-se Estados Unidos.”

Martí advertia, em 1891, no seu emblemático texto “Nuestra América”:  Ya no podemos ser el pueblo de hojas, que vive en el aire, con la copa cargada de flor, restallando o zumbando, según La acaricie el capricho de la luz, o la tundan y talen las tempestades; ¡los árboles se han de poner en fila para que no pase el gigante de las siete legua! Es la hora del recuento, y de la marcha unida, y hemos de andar en cuadro apretado, como la plata en las raíces de los Andes.

Ao falar em anti-imperialismo assoma também a figura do  cubano Julio Antonio Mella, fundador da Liga Antiimperialista das Américas, líder do movimento estudantil e revolucionário nas lutas das organizações operárias e estudantis contra o imperialismo estadunidense. Rampinelli destaca ainda Che Guevara, que defendia a tese de que seriam precisos um dois ou três Vietnãs para derrotar o imperialismo.

José Carlos Mariátegui,  socialista antiimperialista, é outro intelectual importante neste cenário de pensadores libertários antiimperialistas. O intelectual peruano afirmava que, para existirem nações na América Latina,  seria preciso enfrentar o imperialismo, mas também a oligarquia e a burguesia latino-americana, sócias menores do imperialismo.

Na atualidade, diz Rampinelli,  é preciso não esquecer quem mais enfrentou o imperialismo estadunidense, inclusive vencendo-o militarmente, na invasão da Baía dos Porcos. “E o caminho consistente que Fidel Castro encontrou na luta antiimperialista  foi o socialismo, com raízes cubanas. É por isso ele se declara marxista- leninista-martiano.”

Rampineli ressalta  a importância de se discutir o   imperialismo cultural no ambiente universitário, lembrando que este fenômeno   atinge de modo preocupante as crianças, adolescentes e jovens, por meio, principalmente,  da  mídia, de jogos de computador, história em quadrinhos, cinema hollywoodiano, Disneylandia e seus correlatos.  “E por meio da tecnologia, por exemplo, que se vende um modo de ser estadunidense e europeu, que  se apossa de cabeças e corações. E é dessa forma que a realidade deles, que é caótica, acaba sendo  imposta como a ‘verdadeira civilização’”.

A universidade, predominantemente,  também  é uma repetidora do imperialismo cultural,  diante do qual  se esfuma  a crítica e certos temas passam a ser vistos como fora de moda, quando não uma “heresia”. Mas  enquanto uma certa intelectualidade despreza
temas como o nacionalismo,  países como os Estados Unidos atacam os nacionalistas,  inclusive assessorados por intelectuais de
direita.  Rampinelli cita o documento de Santa Fé II,  de 1988, que orientou a política externa do Departamento de Estado estadunidense, o qual  afirmava que “o matrimônio do nacionalismo com o comunismo na América Latina representava o maior perigo para a região e para os interesses dos Estados Unidos.”   Isso porque, diz o professor,  “o nacionalismo enfrenta o imperialismo cultural.”

Esses temas e outros tantos  vão aparecer nessas jornadas de abril do   IELA. Elas  contam  com o apoio do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH), Centro Sócio-Econômico (CSE), Secretaria de Cultura e Arte (SeCArte), Departamento e Pós-Graduação em Serviço Social, Departamento e Pós em Ciências Econômicas, Pós-Graduação em História e Sindicato dos Eletricitários de Florianópolis e Região (Sinergia).

Por Raquel Moysés / Jornalista do IELA

Confira a programação:

05 de abril de 2011

– Manhã – Auditório da Reitoria – UFSC

9h – Conferência: O imperialismo na América Central

Rafael Cuevas Molina – Costa Rica

Coordenação: César Medeiros

– Tarde – Auditório da Reitoria – UFSC

14h30 – Apresentação de trabalhos

Coordenação: Vitor Hugo Tonin

– Noite – Auditório da Reitoria – UFSC

18h30 – Conferência: Imperialismo e cultura andina

Silvia Rivera Cusicanqui  – Bolívia

Coordenação: Fernando Correa Prado

Lançamento do livro “O Mapa da Crise”, organizado por Nildo Ouriques e Elaine Tavares

06 de abril de 2011

– Manhã – Auditório da Reitoria – UFSC

9h – Conferência: O cinema latino-americano e a indústria cultural

Sérgio Santeiro – Brasil

Coordenação: Nildo Ouriques

– Tarde – Auditório do CCE

14h30 às 18h – Reprodução de filmes de Fernando “Pino” Solanas –

– Noite – Auditório da Reitoria – UFSC

18h30 – Conferência: A mídia e o Imperialismo

Aram Aharonian – Venezuela

Coordenação: Elaine Tavares

07 de abril de 2011

– Manhã – Auditório da Reitoria – UFSC

9h – Mesa redonda: Imperialismo e cultura na América Latina

Aram Aharonian, Fernando Rojas, Rafael Cuevas Molina, Sérgio Santeiro e Nildo Ouriques

Coordenação: Waldir José Rampinelli

– Tarde – Auditório do CSE – UFSC e Hall da Reitoria

14h30 às 18h – Reprodução de filmes de Fernando “Pino” Solanas –

Noite

20h – Em frente à reitoria

Festa Latino-Americana

Atenção: As inscrições acontecem no local do evento e quem quiser o certificado deve sempre assinar a lista de presença.

Outras informações no IELA/UFSC (www.iela.ufsc.br).

Telefone (48) 3721-4938

Tags: IELAJornadas Bolivarianas

Universidade sedia etapa de competição mundial de batucada para estudantes

05/04/2011 08:37

Réguas, borrachas, lápis, tesouras, canetas, cadernos e livros são os materiais necessários para participar da primeira competição mundial universitária de batucada, a Red Bull Tum Tum Pá. A disputa mobilizará alunos da UFSC nesta sexta-feira, 8/04, às 12h30min, no hall da Reitoria. O evento tem apoio da Secretaria de Cultura e Arte da UFSC.

No Red Bull Tum Tum Pá estudantes testarão sua criatividade musical tocando apenas com materiais escolares. O objetivo é que as equipes  mostrem seus talentos em dois desafios de 60 segundos, realizando um cover e uma composição original.

As inscrições para o Red Bull Tum Tum Pá são gratuitas e limitadas a quatro participantes por grupo. Os interessados devem se inscrever pelo e-mail , ou se apresentar para o “check-in” no local da prova, com uma hora de antecedência. O vencedor da UFSC disputará com outros grupos brasileiros quem será o representante do país na final mundial.

Mais informações: redbulltumtumpa.com ou Tiago Freitas 9631-2118

Tags: competição de batidaRed Bull Tum Tum Pá

Feminismo e Maternidade

05/04/2011 08:24

Palestra nesta quarta-feira, 6 de abril, com a professora Lucila Scavone, da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp). Auditório do CFH, 10h30min. Promoção do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social e Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas.

Tags: feminismo

Seminário Energia Limpa prossegue nesta terça-feira

05/04/2011 08:10

O Seminário Energia Limpa: Conhecimento, Sustentabilidade e Integração iniciou nesta segunda-feira à noite e prossegue nesta terça, 5 de março. O evento é gratuito e aberto ao público. É realizado no Centro de Cultura e Eventos da UFSC. Aos participantes será fornecido certificado, totalizando 14 horas de atividade de extensão.

Informações na UFSC com o professor Ricardo Rütter, , (48)  3721-9846

Acompanhe a programação:

Dia 5 de abril – Manhã (9h)

– Conhecimento, Sustentabilidade e Integração na América Latina
Prof. Enio Luiz Pedrotti, secretário de relações institucionais e internacionais da UFSC, representando a Associación de Universidades Grupo Montevideo
Carmelo Benitez, do Parlamento do Mercosul
Federico Gomensoro, secretário-geral do Centro de Formação para Integração Regional (CEFIR) do Uruguai
Representante do Escritório Regional de Ciência da UNESCO para América Latina e Caribe
José Baltazar S. Andrade Guerra, coordenador do Consórcio de Universidades Européias e Latino-Americanas em Energias Renováveis (JELARE) – UNISUL – Brasil
Mauro Passos, presidente do Instituto Ideal

11h 45min – Lançamento do Concurso ECO_lógicas

14h – Fechando o ciclo da produção: menos consumo, menos lixo e mais energia
Palestra Lixo: novos desafios com a Política Nacional de Resíduos Sólidos – consultor em desenvolvimento sustentável, Walfrido de Assunção Ataíde

Palestra A experiência de Maldonado na geração de biogás em aterro sanitário – engenheiro da prefeitura municipal de Maldonado (Uruguai), Sebastián Bajsa

·Palestra Consumo Consciente – Ações individuais para o bem do planeta – consultor do Instituto Akatu, Carlos Alberto de Faria Gaspar

16h30min – Geração Fotovoltaica, a luz que falta na nossa matriz energética

Palestra Sol: vamos fazer uma Copa Brilhante? – Professor do LabSolar/UFSC, Ricardo Rüther
Palestra Eletricidade solar aqui e agora – Projeto Megawatt Solar – Engenheiro da Eletrobras Eletrosul , Rafael Takasaki

19h Palestras de encerramento Energia Eólica, a bola da vez das fontes alternativas
Projetos de geração eólica na prática: a experiência da Eletrobras Eletrosul – Ronaldo Custódio, diretor de engenharia da Eletrobras Eletrosul

Ventos: panorama e perspectivas para a geração eólica no país – Lauro Fiuza, vice-presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica)

Tags: energia limpaenergias alternativas

Abertas inscrições para concurso de cartazes sobre transfobia, lesbofobia e homofobia

05/04/2011 08:05

Estão abertas até o dia 6 de maio as inscrições para a terceira edição do concurso de cartazes realizado pelo Núcleo de identidades de Gênero e Subjetividades, ligado ao Laboratório de Antropologia Social da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). O concurso faz parte das atividades desenvolvidas por meio do projeto de extensão “Papo Sério – Educação, Gênero e Sexualidades”, vinculado ao Departamento de Projetos de Extensão da UFSC com apoio do Núcleo de Educação e Prevenção da Grande Florianópolis (NEPRE), vinculado à Secretaria Municipal de Educação.

Na visão dos organizadores, a ausência da discussão sobre as violências de gênero em sala de aula pode perpetuar as possibilidades de situações discriminatórias na escola. Objetivo do concurso é estimular o debate sobre a transfobia, lesbofobia, homofobia, bem como outras expressões de violências presentes no ambiente escolar.

Podem participar do concurso alunos da rede pública de ensino da Grande Florianópolis. Os estudantes devem produzir cartazes que obedeçam à proposta do concurso, atuando sob orientação de professor ou profissional da educação de sua escola. Os interessados deverão enviar os cartazes obrigatoriamente em cartolina para o NIGS, com ficha de inscrição que está disponível no site do concurso. Os trabalhos serão avaliados quanto à criatividade, originalidade e comunicação.

Na semana de 9 a 13 de maio será realizada exposição no hall do Centro de Filosofia e Ciências Humanas. A mostra será integrada às atividades referentes ao Dia Mundial de Combate à Homofobia, 17 de maio. Além de certificados de participação, os autores dos cartazes vencedores receberão uma coleção de livros sobre Gênero, Educação e Sexualidades para as bibliotecas de suas escolas.

Veja o edital do concurso.

Mais informações pelo e-mail / fone (48) 8462-4283 / sites http://sites.google.com/site/concursonigs/ ou www.nigs.ufsc.br

Tags: lesbofobia e homofobiatransfobia

Decisão judicial mantém processo seletivo para o Mestrado em Direito da UFSC

05/04/2011 07:51

Decisão publicada no início da tarde desta segunda-feira, 04/04, pelo Tribunal Regional Federal da  4ª. Região, com sede em Porto Alegre-RS, mantém o processo seletivo promovido pela UFSC para candidatos ao Curso de Mestrado em Direito.

O Poder Judiciário acatou o recurso formulado pela Procuradoria da UFSC, mantendo a lista de alunos selecionados pela banca examinadora para a linha de pesquisa Direito, Estado e Sociedade.

Atendendo recurso de um candidato não aprovado, a Justiça já havia determinado a abertura de novo processo seletivo, que foi efetuado nos dias 10 e 11 de março, em substituição à seleção de candidatos realizada no mês de outubro passado. O Desembargador Federal Fernando Quadros da Silva foi o relator do efeito suspensivo. As aulas iniciam nesta terça-feira, dia 05 de abril.

Mais informações: prof. Luiz Carlos Cancellier de Olivo, Chefe do Departamento de Direito e presidente da segunda banca, fone 9947-8026; ou com Procurador Geral Nilto Parma, fone 3721-6014 ou 8405-8465.

Tags: ação judicialMestrado em Direito

Curso de Especialização de Jovens e Adultos e Educação na Diversidade teve início na UFSC

04/04/2011 15:56

O professor Marcos Laffin, coordenador do curso fez a abertura da aula inaugural que aconteceu dia 1º de abril. Disse que a parceria entre departamentos de ensino, com o apoio institucional e a articulação entre as Secretarias Municipal e Estadual de Educação e o MEC, possibilitaram a oferta deste curso que apresenta uma proposta teórico-metodológica entre os fundamentos da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e a Economia Solidária.

(mais…)

Tags: Curso de Especialização de Jovens e Adultos

Site Cotidiano ganha prêmio de jornalismo Online

04/04/2011 15:31

O site Cotidiano ( www.cotidiano.ufsc.br) recebeu o primeiro lugar da região Sul no 3º Prêmio ESMPU de Jornalismo Universitário pela reportagem Trabalho escravo não é trabalho. Publicada no dia 17 de dezembro do ano passado, a matéria té um especial sobre o trabalho escravo, em especial em Santa Catarina, com foco na atuação do Ministërio Público Federal.

A professora Maria José Baldessar, orientadora do projeto, destaca a importância do esforço em equipe: “Historicamente o jornalismo sempre foi uma profissão caracterizada pelo trabalho em equipe. Proporcionar  essas experiências, ajudam o aluno a compreender esse tipo de trabalho, ouvir a equipe, trocar idéia, valorizar o conhecimento de cada um”.
O concurso, organizado pela Escola Superior do Ministério Público da União, avaliou produtos publicados em mídias-laboratórios de todo o país que divulgassem a atuação do Ministério Público (MP) ou algum de seus ramos. De acordo com o portal da premiação, os materiais foram julgados pela atualidade do tema, relevância, profundidade da abordagem, qualidade técnica e precisão. O objetivo é levar ao público informações sobre a instituição e seu papel social.
O prêmio, de cinco mil reais, será utilizado em parte utilizado para comprar novos equipamentos para o Cotidiano.

Fonte: Professora Maria José Baldessar

Tags: Site Cotidiano ganha prêmio

Unidades de Educação Infantil ligadas ao governo federal têm novas normas de funcionamento

04/04/2011 15:01

Foi homologado no dia 11 de março pelo Ministro da Educação a Resolução CNE/CEB nº 5/2009 que fixa as “Normas de funcionamento das Unidades de Educação Infantil ligadas à Administração Pública Federal direta, suas autarquias e fundações”. A partir dessa resolução os Núcleos Infantis ligados à Universidade – caso do NDI da UFSC – passam a ter “uma identidade universitária, uma função acadêmica”, como conta a professora Marilene Dandolini, diretora do NDI. Desde 1987, ano do I Encontro Nacional de Creches Universitárias realizado em Florianópolis, essas unidades buscam uma integração federal que reafirmem sua importância dentro das unidades universitárias.

(mais…)

Tags: Unidades de Educação Infantil

Exposição imagens dos Açores na Casa de Cultura de Sombrio

04/04/2011 14:13

A Casa da Cultura de Sombrio abre nesta quarta-feira, 6 de abril, a Exposição fotográfica Imagens dos Açores. O evento visa comemorar mais um aniversário da Casa da Cultura. Na abertura haverá a apresentação do Grupo Folclórico Açor Sul mostrando danças originárias do Arquipélago dos Açores/Portugal.Este é o primeiro de uma série de eventos que o Núcleo de Estudos Açorianos da UFSC (NEA) realizará  em Sombrio, como preparação do 18º AÇOR – Festa da Cultura Açoriana de Santa Catarina que ocorrerá, na cidade, de 23 a 25 de setembro de 2011.

(mais…)

Tags: Exposição NEA Sombrio

Homenagem aos aposentados

04/04/2011 11:36

Marcada para quarta-feira, dia 6, às 10h30min, a terceira solenidade que homenageia os aposentados do mês da UFSC. Como as anteriores, será na Sala dos Conselhos e contará com a presença de pró-reitores, chefias e familiares dos homenageados. A iniciativa é da Pró-Reitoria de Desenvolvimento Humano e Social (PRHDS). A organização do evento é coordenada pela Divisão de Serviço Social do Departamento de Desenvolvimento de Atenção Social à Saúde. O cerimonial fica por conta do Departamento de Cultura e Eventos. O reconhecimento da UFSC no dia 6 contempla 14 servidores, entre técnicos e docentes. Em janeiro e fevereiro foram 68 aposentados.

Tags: aposentadoshomenagemSala dos Conselhos