Pós em Enfermagem no topo da qualidade

15/04/2011 09:59

A revista Texto & Contexto garante visibilidade internacional

Funciona na Universidade Federal de Santa Catarina um curso que é referência no Brasil e cujo renome já ultrapassou as fronteiras do país. O Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (PEN-UFSC) divide com três programas da Universidade de São Paulo (USP) o privilégio de ostentar o conceito 6, segundo avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), vinculada ao Ministério da Educação.

Esta é a nota máxima já obtida por um curso de pós-graduação em Enfermagem, e demonstra que o trabalho realizado desde 1976 pela instituição catarinense vem dando os melhores frutos possíveis. O conceito de excelência, conferido neste caso, tem em vista não apenas o desempenho em termos de produção científica, mas em liderança e internacionalização do Programa. Um grupo forte de professores, produção científica de qualidade e respeito ao princípio da solidariedade, promovendo a consolidação do campo da Enfermagem em outros países e regiões do Brasil, ajudam a explicar essa performance, segundo a coordenadora do programa, professora Flávia Regina Souza Ramos.

Com a política de internacionalização, o PEN não apenas recebe alunos estrangeiros, mas dissemina seu bom conceito e o amplo reconhecimento de seus méritos e diferenciais. Em sua proposta de concepção, o Programa propõe-se a formar “enfermeiras (os), bem como profissionais da área da saúde, em nível avançado, para a produção de conhecimentos em saúde e para assumir papel de liderança no campo educacional, assistencial e político da área”.

Hoje, existem 144 alunos regulares no programa, sendo 66 no doutorado, 51 no mestrado, 24 no mestrado profissional, além de três pós-doutorandos, incluindo profissionais de outros estados ou  países, que escolheram a Universidade para a sua pós-graduação. O ingresso se dá em uma de suas diferentes linhas de pesquisa, as quais também realizam intercâmbios e recebem professores de outras instituições, atraídos pela qualidade da UFSC e pela oportunidade de realizar aqui o seu pós-doutorado.

O Programa de Pós-Graduação em Enfermagem também recebe diversas solicitações de convênios para realização de projetos DINTER e MINTER (Doutorado e Mestrado Interinstitucionais), por parte de IES de Santa Catarina e de outras regiões, incluindo o norte e nordeste do país. “Infelizmente não podemos atender a todos os pedidos, mas avaliamos criteriosamente o potencial e as necessidades de mantermos estas iniciativas, geradoras de grandes impactos regionais para a Enfermagem”, afirma a coordenadora.

O mestrado, criado em 1976, e o doutorado, que é de 1992, já diplomaram mais de 530 mestres e 190 doutores. Desde 2005, também é oferecido o estágio pós-doutoral em Enfermagem, voltado para a produção de pesquisas e estudos avançados na área da saúde. Hoje, a UFSC presta seu apoio na criação de cursos de pós-graduação dentro e fora do país (como na UFPA ou na Venezuela, recentemente), assim como já o fez para a criação dos vários Programas em Enfermagem hoje existentes na região sul do Brasil. Enfermeiros da rede de serviços de saúde também vêm procurando o mestrado e o doutorado, como forma de integração das competências técnicas, políticas e de investigação, sem falar de profissionais de outras áreas, como Odontologia, Fisioterapia, Educação Física, Psicologia e Serviço Social, que igualmente demonstram interesse em fazer pós-graduação na Enfermagem.

Produções importantes

O PEN-UFSC também atua com o Ministério da Saúde e a Organização Panamericana de Saúde (OPAS/OMS), parceiros em projetos bilaterais e multilaterais, para prioridades ligadas aos recursos humanos em Enfermagem. Paralelamente, o Programa passa por um processo de designação como Centro Colaborador da OPAS/OMS, assumindo recentemente uma colaboração em Projeto Brasil/Cuba/Haiti para a formação de técnicos de enfermagem e agentes de saúde para atender a séria defasagem quantitativa de pessoal naquele país, especialmente após as perdas ocasionadas pelo terremoto de 2009.

Novo prédio vai proporcionar melhores condições de pesquisa - Fotos: Pâmela Carbonari/bolsista Agecom

A isso se soma o incremento das publicações no Brasil e fora dele e o apoio a intercâmbios específicos na área da pesquisa. Em 2010, foram publicados 142 artigos, o que equivale a mais de seis textos por docente. “É uma produção significativa e que representa a crescente qualificação e incremento das linhas de pesquisa”, diz a professora Flávia Regina. Já a revista “Texto & Contexto – Enfermagem” é uma das que receberam a melhor classificação entre revistas brasileiras da área, extrato A2 pelo QUALIS Periódicos da CAPES, além de estar indexada em diferentes bases de dados internacionais, inclusive o Web of Science. “Isto amplia a visibilidade e reconhecimento Internacional do Programa”, ressalta a coordenadora.

Existem oito linhas de investigação no Programa, dentro da área de concentração “Filosofia, Saúde e Sociedade”. Esta estrutura está sendo reformulada, atendendo a evolução do Programa, e se organizará em duas áreas de concentração, “Filosofia, Cuidado em Saúde e Enfermagem” e “Educação e Trabalho em Saúde e Enfermagem”. Estas novas áreas continuarão associadas a 13 grupos de pesquisa, todos cadastrados no CNPq e com projetos em desenvolvimento. Esses grupos estudam temáticas variadas e complexas, coerentes aos compromissos assumidos com a realidade brasileira e o campo profissional internacional, conforme se observa na denominação dos grupos (abaixo). “São trabalhos com grande possibilidade de aplicação prática, desde a atenção primária até a alta complexidade, nos campos da educação, do cuidado e da gestão”, reforça a subcoordenadora, professora Vânia Marli Schubert Backes.

Espaço e pessoal

Uma das carências a serem superadas, segundo a coordenadora, é a do espaço físico, mas está previsto para 2012 a conclusão do Centro em Tecnologia do Cuidado, um prédio de R$ 1,6 milhão financiado pela Finep, que resolverá o problema das instalações insuficientes para os laboratórios e grupos de pesquisa. “Com a construção do bloco, ganharemos um novo fôlego, com uma estrutura mais ampla e adequada às nossas necessidades e atuais projetos”, afirma a coordenadora.

Assim, o principal entrave, como em outros setores da Universidade, continua sendo o da carência de pessoal. Apenas uma servidora do quadro da Universidade dá conta de toda a parte acadêmica da pós-graduação. “Seria preciso mais pessoas para a gestão de projetos nacionais e internacionais e todo o trabalho administrativo que envolve um Programa com este escopo de atuação”, informa Flávia Regina. No momento, a própria pós-graduação arca com as despesas de pessoal para manutenção da revista e de outros projetos.

GRUPOS DE PESQUISA

1) GESPI – Grupo de Estudos sobre Cuidado de Saúde de Idosos

2) NUCRON – Núcleo de Estudos e Assistência em Enfermagem e Saúde às Pessoas com Doenças Crônicas

3) C&C – Cuidando e Confortando – Grupo de Pesquisa Cuidando e Confortando

4) GIATE – Grupo de Pesquisa em Tecnologia, Informações e Informática em Saúde e Enfermagem

5) GEHCES – Grupo de Estudos de História do Conhecimento de Enfermagem e Saúde

6) EDEN – Grupo de Pesquisa em Educação em Enfermagem e Saúde

7) NUPEQUIS – Núcleo de Pesquisa e Estudos sobre o Quotidiano e Imaginário em Saúde

8) PRÁXIS – Núcleo de Estudos sobre Saúde, Enfermagem, Trabalho e Cidadania

9) NEPEPS – Núcleo de Extensão e Pesquisa em Educação Popular e Saúde

10) GEPADES – Grupo de Estudos e Pesquisas em Administração de Enfermagem e Saúde

11) NEFIS – Núcleo de Estudos em Filosofia e Saúde George Ganguilhem

12) GRUPESMUR – Grupo de Pesquisa em Enfermagem na Saúde da Mulher e Recém-nascido

13) GEAS – Grupo de Estudos no Cuidado de Pessoas nas Situações Agudas de Saúde

Por Paulo Clóvis Schmitz/Jornalista da Agecom

Tags: pós em enfermagem

Florianópolis promove almoço em solidariedade às vítimas no Japão

15/04/2011 09:03

Pouco mais de um mês após a maior tragédia natural da história do Japão, milhares de pessoas continuam desabrigadas e precisando de toda ajuda possível. A Associação Nipo-Catarinense, com o apoio de diversas entidades públicas e privadas organiza no dia 17 de abril um almoço solidário que vai reverter os recursos para uma das regiões mais afetadas pelo terremoto e pelo tsunami, a província de Aomori, estado-irmão de Santa Catarina.

O almoço ‘Gambarê Nippon’ (Força Japão) será no Lagoa Iate Clube, a partir das 11 horas e vai apresentar várias atividades culturais japonesas e um almoço com yakissoba (água e refrigerante incluídos) por um convite a R$ 50. A venda está sendo feita na sede da Associação Nipo Catarinense (avenida Hercílio Luz, 639, sala 906 – 3225-8746) e também na CDL de Florianópolis (rua Felipe Schmidt, 679, centro – 3229-7000).

Considerado um dos principais centros agrícolas e portuários do Japão, Aomori conta com a solidariedade dos catarinenses para tentar voltar à normalidade. Na UFSC, os ingressos estão sendo vendidos na Secretaria de Cultura e Arte e no Departamento Artístico Cultural.

Contatos: 3721-9403 (com Jucélia)

Tags: almoço solidárioGambarêJapãoNippon

Grupo de Estudos Arte na Escola abre inscrição para o curso “Silêncios que Falam”

14/04/2011 17:05

Estão abertas na UFSC as inscrições para o curso ´Silêncios que falam`, que será oferecido gratuitamente a professores de artes da rede pública pelo Grupo de Estudo Arte na Escola – Polo UFSC. O objetivo é capacitar o professor de área, poetizando e qualificando o cotidiano escolar. São 60 horas, sendo 18 encontros com 54 horas presencias e seis horas para elaboração de projeto pedagógico.

O curso inicia no dia 5 de maio e prossegue até 29 de setembro, sempre às quintas-feiras, das 8h30 às 11h30, no Colégio de Aplicação (CA). Será ministrado por integrantes do Grupo de Estudo Arte na Escola, professores convidados do Colégio de Aplicação da UFSC e do Centro de Artes da Udesc. A inscrição deve ser feita no Espaço Estético do CA, entre 8h e 11h30min. Interessados devem trazer comprovante de atuação em sala de aula, RG e CPF.

Ministrantes:

Integrantes do Grupo de Estudo: Antônio Felix da Silva; Elaine Maritsa Franzon; Eliane Dias de Oliveira; Fabiane Marquetti; Fabíola Cirimbelli Búrigo Costa; Jucélia Maria Alves; Maria Cristina Diederichsen -Tim; Maria de Fátima Lopes Gonzaga; Maria Regina Ziegler de Castro; Margareth Borba Rodrigues; Rodrigo Ribeiro de Souza; Rosa Virgínia Rosalino Daitx; Rose Mery de Lima; Sheila Maddalozzo.

Professores convidados CEART- UDESC: Anita Prado Koneski e Maria Cristina Alves dos Santos Pessi.

Professora convidada CA-UFSC: Débora da Rocha Gaspar.

Coordenação: Fabíola Cirimbelli Búrigo Costa.

Cronograma:

5 de maio: Apresentação do Polo UFSC  Arte na Escola e apresentação da proposta do (D)curso: Silêncios que Falam: coordenadores do Polo UFSC, integrantes do GE e professores convidados.

12 e 19 de maio: Escutando o silêncio: Tim, Rose, Rosa e Jucélia.

26 de maio e 2 de junho: Poética de professor: Maria Cristina Alves dos Santos Pessi.

9 de junho: Filosofia da arte: Anita Prado Koneski.

16 de junho e 30 de junho: Linguagem visual: Elaine, Margareth e Fabiana.

7 e 14 de julho: A história da arte e a contemporaneidade: Rosa , Sheila e Regina.

4 e 11 de agosto: O olhar da imagem: Fátima, Elaine, Rodrigo e Margareth.

18 e 25 de agosto: Fazer artístico: Regina, Tim e Rose.

1º de setembro: História do ensino de arte: Fabíola, Eliane e Antonio.

8 e 15 de setembro: Cultura visual e Projetos de trabalho: Débora da Rocha Gaspar.

22 de setembro: Aberto para assessoramento na elaboração de projetos.

29 de setembro: Ressonâncias (Avaliação): todos os professores.

Mais informações: (48) 3721-9691 – Fabíola Cirimbelli Búrigo Costa /

Por Margareth Rossi/Jornalista da Agecom

Tags: arte na escolapolo ufscsilêncios que falam

Exposição de fotos e conversa com cineasta antecedem estreia de “A Antropóloga”

14/04/2011 16:13

Exposição na sexta à noite, na Lagoa da Conceição e bate-papo com diretores esquentam clima de torcida pelo longa-metragem

Continuam as comemorações que antecedem a estreia do filme A Antropóloga, de Zeca Nunes Pires, marcada para o dia 29 de abril em todas as telas de cinema de Florianópolis. Na sexta-feira, às 21 horas, no Café Saint Germain, na Lagoa da Conceição, ocorre a abertura da exposição das fotos still, um registro fotográfico das filmagens. As fotos são de Lúcio Flávio Giovanela e Claudio Silva da Silva, que acompanharam as filmagens e registram todos os momentos da produção do longa. A secretária de Cultura e Arte da UFSC, Maria de Lourdes Borges, lembra a importância de uma conspiração positiva do público do Estado, pois dependendo da repercussão da obra na Capital, a história, que representa um aspecto importante da cultura ilhoa, pode levantar voo no resto do país.

Quem tiver interesse em saber como foi a montagem de A Antropóloga está convidado a participar de uma conversa com Giba Assis Brasil (montador do filme) e Zeca Nunes Pires (diretor) no dia 26, às 14 horas, no Teatro da UFSC (DAC). O professor do Curso de Cinema da UFSC, Felipe Soares e o assistente de montagem em Florianópolis, Tiago Santos, estarão presentes na conversa.  Vencedora do edital da Fundação Catarinense de Cultura de 2003, a produção da obra recebeu o apoio da Secretaria de Cultura e Arte da UFSC e consultoria de diversos setores da universidade, inclusive com participação de alunos e professores.

No enredo do longa, a protagonista Malu (Larissa Bracher), antropóloga açoriana, revive em clima de suspense os mistérios da cultura popular da Ilha. Através do olhar de Malu a Costa da Lagoa se transforma em cenário de experiências iniciáticas emocionantes, que revelam um mundo oculto do sagrado e da magia. O enredo de A Antropóloga é também uma homenagem às tradições populares de Florianópolis.  A obra do artista plástico, historiador e pesquisador Franklin Cascaes, abrigada no Museu Universitário, inspira o eixo central da trama que envolve Malu em surpreendentes descobertas. Giba Assis Brasil, da Casa de Cinema de Porto Alegre assina a montagem, Silvia Beraldo responde pela criação da música original e Maria Emília de Azevedo a Produção Executiva. O roteiro foi criado por Tânia Lamarca e Sandra Nebelung, a partir de um argumento de Tabajara Ruas.

SERVIÇO:

O quê: STILL A ANTROPÓLOGA e conversa com Giba Brasil e Zeca Pires

Onde: Café St. Germain – Rua Nicolau João de Abreu – Lagoa da Conceição (próximo ao Supermercado Magia)

Quando: sexta-feira, dia 15 de abril, a partir das 21 horas e dia 26, às 14 horas, no teatro da UFSC.

Por Raquel Wandelli – Assessoria de Comunicação UFSC/SeCArte

– 48 9911-0524

Tags: A Antrpólogazeca pires

Ações coletivas, democracia participativa e direitos sociais são temas de curso

14/04/2011 15:59

O Núcleo de Estudos em Serviço Social e Organização Popular (NESSOP) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) promove a terceira edição do Curso de Formação Permanente: Ações Coletivas, Democracia Participativa e Direitos Sociais.

O curso, gratuito, tem como objetivo desenvolver atividades de formação sociopolítica, para fortalecer a sociedade civil, além de qualificar a participação democrática nos espaços públicos de decisão. As aulas semanais serão ministradas por professores da UFSC e lideranças do movimento sociocomunitário, no período de 16 de maio a 24 de outubro, sempre às segundas-feiras, das 18h30 às 22h, no Centro Sócio-Econômico (CSE), sala 217, Bloco D. São oferecidas 40 vagas. A carga horária é de 77 horas.

Podem se inscrever representantes da sociedade civil nos Conselhos de Direito e lideranças do movimento e associativismo sociocomunitário de Florianópolis e região metropolitana. As inscrições devem ser feitas pelo e-mail ou na Secretaria do NESSOP, localizada no CSE, sala 04, térreo, Bloco D, de segunda a sexta-feira, das 14h às 17h30.

Outras informações pelo telefone (48) 3721-9297, ramal 22.

Programa:

Módulo I: Participação e Democracia

– Análise de Conjuntura: Como Fazer;

– Teorias Sobre Democracia;

– Democracia no Brasil;

– Os Conselhos de Direitos e Políticas Públicas: Participação e Controle Social;

– Outros Mecanismos de Participação da Sociedade Civil;

Módulo II: Associativismo Civil e Movimentos Sociais

– Sociedade Civil; História e Definições;

– Associativismo Civil;

– Movimentos Sociais;

– Movimentos e Associativismo Sociocomunitário;

– Movimentos Sociais, ONG’s e Relação com Estado;

Módulo III: Cidades Regulação e Equidade

– Política Urbana;

– Sustentabilidade Ambiental;

– Fontes de Recursos e Orçamento Público;

– Economia Solidária: Alternativa Possível?

Módulo IV: Relações Interpessoais em Grupos Sociais

– Comunicação e Liderança;

– Planejamento e Desenvolvimento de Reuniões.

Por Margareth Rossi/Jornalista da Agecom

Tags: curso de extensãoformação permanentegratuitoNESSOP

Ativistas protestam contra o uso de animais em pesquisas na UFSC

14/04/2011 15:12

Manifestação reuniu comunidade na UFSC

“Animais: por que maltratá-los se podemos amá-los?” Esta pergunta ilustrava um dos cartazes dos ativistas, entre eles protetores independentes e ONG’s, que se reuniram nesta quarta-feira, dia 13, às 11h, na frente do Restaurante Universitário da UFSC, e fizeram uma manifestação contra o uso de animais em experimentos científicos, prática conhecida como vivissecção.

Com panfletos que explicavam por que a vivissecção é desnecessária e pouco didática, o grupo buscou o apoio de toda a comunidade através de um abaixo-assinado que será encaminhado ao Ministério Público Estadual de Santa Catarina, pedindo o fim do uso de animais em instituições de ensino do Estado.

“Fomos muito bem recebidos. Estudantes de Farmácia, Medicina, Odontologia e Biologia pediram o nosso contato porque apóiam o fim da vivissecção”, conta Giovanna Chinellato, organizadora da manifestação. Mostrar aos estudantes que existe uma lei que ampara quem não quiser participar de aulas práticas com animais era mais um objetivo dos ativistas. A Objeção de Consciência é o direito de recusa a uma situação que contraria princípios éticos ou morais do cidadão, garantido pelo Artigo 5º, do Capítulo I dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos, da Constituição Brasileira. Para obter o direito, o estudante deve encaminhar uma carta com o pedido diretamente ao professor, e cabe a ele oferecer alternativas de igual eficácia ao aluno.

Ativistas fazem abaixo-assinado

A vivissecção é uma prática tão antiga quanto a medicina, mas há alguns anos tem gerado controvérsias. De um lado, cientistas e médicos alegam que os animais são necessários para estudar problemas de saúde que envolvem processos existentes apenas em organismos vivos. De outro, ativistas e até mesmo médicos defendem que a fisiologia dos animais é diferente da dos humanos, e que métodos mais avançados já podem substituir essa técnica. Hoje, universidades renomadas como Harvard e Yale aboliram o uso de animais em práticas laboratoriais. No Brasil, a Faculdade de Medicina do ABC, Santo André – SP, foi a primeira a aderir à causa, e na Itália 70% das instituições não realizam a vivissecção.

“Muitas pessoas se espantaram em saber que ainda existem animais sendo usados em pesquisas aqui”, diz Giovanna. O Biotério Central da UFSC cria e reproduz espécies de ratos, camundongos, cobaias, cães e ovelhas para o uso em aulas práticas. Em 2008, o Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Universidade promoveu um debate sobre o tema, que foi publicado pelo Jornal Universitário e pode ser lido no endereço http://www.agecom.ufsc.br/files/2010/09/Jornal_Universitario_UFSC_n393_082008.pdf.

16 de abril - Dia Internacional de Protesto contra a Experimentação Animal e Vivissecção

No próximo sábado, 16 de abril, é o Dia Internacional de Protesto contra a Experimentação Animal e Vivissecção, e várias manifestações vão acontecer nas principais capitais brasileiras.

Outras informações: ou www.1rnet.org.

Fotos: Paulo Noronha/Agecom

Por Marília Marasciulo/Bolsista de Jornalismo da Agecom

Tags: ativistasmanifestaçãoUFSCvivissecção

Espetáculo ‘Ascensão e queda da cidade de Mahagonny’ encerra temporada

14/04/2011 12:25

Este é o último fim de semana do espetáculo ´Ascensão e queda da cidade de Mahagonny` no Teatro da UFSC. A peça será encenada nos dias 15,16,17 de abril, sempre às 21h. A entrada é gratuita e aberta à comunidade. É preciso retirar convites no Departamento Artístico Cultural (DAC), às quintas e sextas-feiras, entre 14h e 18h, ou na bilheteria do teatro, meia hora antes do espetáculo (sujeito à disponibilidade de lugares). O espetáculo é uma adaptação da obra do dramaturgo Bertolt Brecht, com direção de Carmen Fossari.

A diretora lembra que a obra do dramaturgo revolucionava e chocava a plateia, acostumada a um teatro ‘bem comportado’. Na montagem original de ‘Ascensão e Queda da Cidade de Mahagonny’, o público encontrava cenas de aparentes insultos, atrevimento, com recursos didáticos, repleta de cartazes e reveladora de como as cidades, dentro do sistema capitalista, são ‘uma arapuca’.

Mahagonny, onde tudo é permitido

Brecht coloca seus personagens construindo uma cidade onde tudo é permitido, desde que se tenha muito ouro. O preço de não ter ouro é a impossibilidade de sobreviver na cidade de Mahagonny.

Com composições de Kurt Weill, o texto original é uma obra de teatro musical. Nesta encenação trata-se de uma obra de caráter não musical, embora mantida a belíssima composição tema da peça.

O espetáculo é ambientado ao universo do cinema mudo, inserindo imagens e audiovisual resgatando os anos 30 e 40. Esta opção realiza, em parte, um utópico sonho da diretora e adaptadora do texto de ter visto um dia Sir Charles Chaplin e Bertolt Brecht sentados numa mesa de bar conversando sobre suas obras: o filme Tempos Modernos e a Peça Na Selva das Cidades.

Brecht, sua dramaturgia e enunciados estão “vivos” em suas ideias ainda tão necessárias num mundo dividido em classes sociais, ricos e pobres, cultos e analfabetos, os que tudo podem e os que nada têm.

A peça conta com alunos do Curso de Artes Cênicas do Centro de Comunicação e Expressão (CCE), por meio da disciplina optativa Montagem, com alunos da Oficina Permanente de Teatro (DAC- SeCArte) e produção do Grupo Pesquisa Teatro Novo.

Elenco

Alexandre Borges (Joseph), Ana Paula Lemos (Jenny), Douglas Maçaneiro (Um tal Bert Brecht), Eduardo Stahelin (Coro Masculino), Iris Karapostolis (Maysa Trindade, Cantora), Jacque Kremer (Leokadja Begbick), Flora Moritz Silva (Procuradora), Laura Gill Petta (Coro Feminino), Luis Tinoco (Jackob), Márcia Cattoi (Coro Feminino), Neivania Theodoro (Coro Feminino), Neusa Borges (Coro Feminino), Priscila de Souza Serafim (Chaplita), Roberto Moura (Heidrich), Robson Walkowski (Paul).

Segundo a diretora desta montagem, alguns nomes foram trocados para similares em Português. O Procurador e Willy são interpretados por mulheres e transformados em personagens femininos. Chaplita e Bert Brecht são criações para a dramaturgia desta encenação.

Serviço:

O QUÊ: Peça “Ascensão e queda da cidade de Mahagonny”.
QUANDO: Dias 15,16,17 de abril, sempre às 21h.
ONDE: Teatro da UFSC, ao lado da Igrejinha. Praça Santos Dumont, Trindade, Florianópolis-SC.                                                                   QUANTO: Gratuito e aberto à comunidade. É preciso retirar convites no DAC, às quintas e sextas-feiras, das 14 às 18 horas, ou na bilheteria do Teatro, meia hora antes do espetáculo (sujeito à disponibilidades de lugares).
CONTATO: DAC / Teatro da UFSC (48) 3721-9348 e 3721-9447 – www.dac.ufsc.br

Fonte: Patricia Siqueira – Acadêmica de Jornalismo – Assessoria de Imprensa do DAC: SeCArte: UFSC, com material do grupo.

Tags: DACteatro

Mostra Fortificações da Ilha de Santa Catarina

14/04/2011 10:02

Fortificações da Ilha de Santa Catarina é composta por fotografias das fortalezas, trajes de época, réplicas de canhão e maquetes das fortificações de São José da Porta Grossa (Ilha de Santa Catarina/Praia do Forte), Santa Cruz (Ilha de Anhatomirim) e Santo Antonio (Ilha de Ratones Grande).

LOCAL: Espaço Cultural do Shopping Ideal.
Rua Adão Manoel da Silva, nº 584 – Areias, São José/SC

DATA: 8 a 28/04/2011(2ª feira a sábado das 10 as 22)

Mais Informações: telefone (48) 3721-8302 c/ Joi ou 48 3029-7305 ou

Para conhecer mais sobre as fortificações mantidas pela UFSC acesse o site http://www.fortalezas.ufsc.br
Para conhecer sobre as demais fortificações da Ilha de Santa Catarina acesse o site http://www.fortalezasmultimidia.com.br/santa_catarina

Promoção: Universidade Federal de Santa Catarina / Secretaria de Arte e Cultura / Shopping Ideal

Realização: Projeto Fortalezas da Ilha de Santa Catarina / UFSC

Tags: Fortificações da Ilha de Santa Catarina

9º Encontro Nacional de Pesquisadores do Ensino de História

14/04/2011 09:59

A Associação Brasileira de Ensino de História (ABEH) realizará o IX Encontro Nacional dos Pesquisadores do Ensino de História (ENPEH) sobre o tema América Latina em perspectiva: culturas, memórias e saberes, no campus da Universidade Federal de Santa Catarina, em Florianópolis, nos dias 18, 19 e 20 de abril.

Informações e inscrições: http://www.ixenpeh.ufsc.br

Tags: ensino de hstória

Historiador divulga origem do mito de Catarina de Alexandria nesta quinta-feira

14/04/2011 09:41

A roda dentada quebrada, as palmas e o diadema fazem referência à imagem de Santa Catarina de Alexandria, padroeira do Estado, mas grande parte dos catarinenses desconhece a origem desses símbolos. Quem foi Catarina de Alexandria? De onde vem o nome do Estado? É para responder a essas perguntas simples, mas que costumam pegar os catarinenses desprevenidos, e divulgar a história de coragem e amor de Catarina de Alexandria que o historiador João Lupi fará, nesta quinta, 14/04, a palestra “Santa Catarina de Alexandria – A Padroeira dos Estudantes e do Estado de Santa Catarina”. O evento ocorrerá às 15h, no auditório do Centro de Educação (CED) da UFSC.

O interesse pela jovem que deu o seu nome ao Estado ainda é restrito. Nos últimos anos, alguns historiadores, artistas e literatos ilustres começaram a divulgar o nome da santa através da poesia, da pintura (Albertina Prates) e de quadros murais (Rodrigo de Haro). “De 50 anos pra cá, o culto à Santa Catarina de Alexandria diminuiu muito, as pessoas não sabem quem ela foi, não festejam mais a data”, confirma o professor João Lupi, Entusiasta desse mito, Lupi tem se dedicado a valorizar o conhecimento histórico-religioso das crenças responsáveis pela formação do povo catarinense, começando pela busca da origem do nome de nossa terra.

Com a intenção de levar a história de Catarina de Alexandria às escolas, João Lupi publicou dois livros, Santa Catarina: A jovem princesa de Alexandria e Santa Catarina: A origem de seu nome. Ambos foram destinados ao público infantil e editados em parceria com a UFSC e com a Secretaria de Estado da Educação no ano de 2004. Nas duas edições publicadas, o autor conta com linguagem e ilustrações encantatórias da história da vida da santa padroeira dos estudantes. Todavia, a tiragem na época foi pequena e restrita a poucas escolas.

A Grande Mártir Santa Catarina, como é também conhecida, cresceu como pagã mas depois converteu-se ao cristianismo. Após tentar convencer o imperador Maximiamo de que era um erro a perseguição aos cristãos, Catarina foi torturada, presa e então degolada. Nesse momento, um sinal divino aconteceu: no lugar de sangue, jorrou leite do corpo da jovem princesa. Catarina ficou assim reconhecida como mártir – testemunha ou defensora da fé, porque preferiu dar a própria vida a abandonar a fé cristã.

O dia 25 de novembro, dia de sua morte, passou a ser dedicado à imagem da princesa Catarina de Alexandria, que se transformou numa santa cristã. Na Idade Média, os portugueses e espanhóis começavam suas navegações pelo mundo e a devoção à Santa Catarina crescia muito. Nesse mesmo dia, em 1526, o navegador Sebastião Caboto chegou a uma ilha da costa brasileira, habitada pelos índios Carijós, que a denominavam de Meiembipe. Quando aportou na ilha, Sebastião Caboto batizou-a de Ilha de Santa Catarina. Há uma polêmica em torno da motivação desse nome. De acordo com uns, o nome homenageia a santa, enquanto para outros, faz referência a sua esposa Catarina Medrano

Mais informações: Núcleo de Estudos Açorianos (NEA) – 3721-8605.

Por Marcela Borges/ Bolsista de Jornalismo na SeCArte/UFSC

Tags: palestrasanta catarina de alexandria

V Colóquio Brasileiro em Economia Política dos Sistemas-Mundo recebe inscrições

14/04/2011 09:25

O Grupo de Pesquisa em Economia Política dos Sistemas-Mundo (EPSM) da UFSC organiza em parceria com o Núcleo de História Econômica da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) o V Colóquio Brasileiro em Economia Política dos Sistemas-Mundo. O encontro acontecerá em Campinas nos dias 8 e 9 de agosto deste ano e tem como tema “A Economia Mundo Contemporânea: crise estrutural ou transição hegemônica?”.

O coordenador do Grupo de Pesquisa em EPSM da UFSC, Pedro Antônio Vieira, é um dos palestrantes do evento. Christopher Chase-Dunn, da Universidade da Califórnia-Riverside (EUA), Eduardo Barros Mariutti, da Unicamp, Antônio José Escobar Brussi, da UnB, e Roberto Patricio Korzeniewicz, da Universidade de Maryland (EUA), compõem a comissão científica e a programação das palestras durante os dois dias de evento.

Estudantes poderão assistir às palestras e participar por meio do envio de artigos científicos que empreguem a EPSM na análise das grandes questões políticas, econômicas, sociais e geopolíticas da economia-mundo contemporânea ou de etapas passadas. A organização do evento objetiva o recebimento de críticas que façam avançar esse campo de conhecimento tanto em seus fundamentos metodológicos e conceituais como no seu potencial para explicar a economia contemporânea. Segundo Luiz Mateus da Silva, membro da comissão organizadora, palestrante do evento e mestrando em Economia pela UFSC, o prazo fixado para entrega dos resumos dos trabalhos é o dia 15 de maio e os resultados serão divulgados até o dia 30 do mesmo mês. “O colóquio tem como objetivo desenvolver e disseminar no Brasil pesquisas acadêmicas em tópicos relevantes para a Economia Política dos Sistemas-Mundo”, reitera Luiz Mateus.

Os interessados em participar do evento, sem o envio de trabalhos acadêmicos, devem preencher a ficha de inscrição disponível no site www.gpepsm.ufsc.br e enviá-la para . O V Colóquio Brasileiro em Economia Política dos Sistemas-Mundo não tem taxa de inscrição. A programação completa será divulgada no dia 20 de julho no site www.gpepsm.ufsc.br

Por Gabriele Duarte / Bolsista de Jornalismo na Agecom

Tags: colóquiosistemas-mundo

Almoço solidário arrecada recursos para vítimas no Japão

14/04/2011 09:04

Com apoio de diversas instituições, entre elas a UFSC, a Associação Nipo-Catarinense promove um almoço solidário em prol das vítimas dos terremotos e tsunami ocorridos no Japão. O encontro será realizado neste sábado, 17 de abril, a partir de 11h, no Lagoa Iate Clube (LIC), com Yakisoba e apresentações de atividades culturais japonesas. O convite está à venda por R$ 50,00. Os recursos arrecadados serão enviados às vítimas da Província de Aomori, que é Estado Irmão de Santa Catarina e foi atingido pela catástrofe.

Apesar de ser fato ser praticamente desconhecido, mesmo por historiadores, Santa Catarina é o Estado aonde chegaram os primeiros japoneses ao Brasil, em novembro de 1803. A Associação Nipo-Catarinense (ANC) é uma entidade civil sem fins lucrativos, formada por apreciadores da cultura japonesa e sua finalidade é exercer atividades de divulgação da cultura japonesa em Santa Catarina.

Mais informações:

– Luiz Kiyoshi Nakayama, presidente da Associação Nipo-Catarinense / Fone: (48)-9962-1823 / 9177-0401 / e-mail:

– Elidio Yocikazu Sinzato, coordenador do evento / Fone: (48) 3224-4982 / 8431-7500 / e-mail:

Entidades que promovem ou já manifestaram apoio ao Almoço Solidário em prol das vítimas do Japão:

– Associação Nipo-Catarinense – ANC

– Federação das Associações Nikkeis de Santa Catarina (FANSC)

– Associação Nipo Brasileira de Itajai

– Associação Cultural Brasil Japão de Joinville

– Fundação Franklin Cascaes (PMF)

– Lagoa Iate Clube – LIC

– CDL de Florianópolis

– Rotary Clubs de Florianópolis

– Entidades apoiadoras:

– Prefeitura Municipal de Florianópolis

– Universidade Federal de Santa Catarina

– Universidade do Estado de Santa Catarina

Tags: almoço solidárioJapãoterremoto

UFSC divulga sétima chamada de calouros e quinta de Engenharia de Materiais

14/04/2011 08:41

O Departamento de Administração Escolar da UFSC divulgou nesta quinta-feira, 14 de abril, os editais 19 e 20, referentes à quinta chamada de calouros 2011 de Engenharia de Materiais e sétima chamada de calouros 2011.

Os 26 contemplados na sétima chamada devem realizar sua matrícula nos dias 18 e 19 de abril, no campus correspondente à classificação. Os quatro estudantes de Engenharia de Materiais também devem fazer suas matrículas nos dias 18 e 19 de abril, na coordenadoria do curso.

Mais informações no site www.dae.ufsc.br e pelos telefones do DAE (48) 3721-9707 / 3721-9331 / 3721-6553

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Tags: sétima chamadavestibular 2011

UFSC formaliza parceria com a École Normale Suprieure de Cachan

14/04/2011 08:19

Visita reforça laços de cooperação

O reitor da UFSC, Alvaro Toubes Prata, se reuniu nesta quarta-feira, dia 13, com representantes franceses da École Normale Supérieure de Cachan (ENS) para oficializar o convênio entre as duas instituições. Foram discutidas a participação efetiva da UFSC no Colégio Santos Dumont, criado pela ENS com a finalidade de reagrupar as atividades de pesquisa, intercâmbio de estudantes, coorientação de mestrados e doutorados, que há dois anos vem sendo estabelecida entre as duas entidades. Além da UFSC, outras três universidades brasileiras integrarão o colégio: Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

“Espero que esse seja o primeiro passo para criar algo legal e que dure por muito tempo”, ressaltou o professor Hisham Abou-Kandil, da ENS, sobre a importância em se oficializar a parceria entre a UFSC e a instituição francesa. Estavam também presentes a diretora de relações internacionais da ENS, Bogdana Neuville, o professor francês Ahmed Benallal e os professores do Departamento de Automação e Sistemas da UFSC Edson Roberto de Pieri e Eugênio de Bona Castelan Neto. École Normale Supérieure de Cachan possui diversas colaborações científicas com universidades brasileiras em diversos campos científicos, especialmente no campo da engenharia.

A criação do Colégio Santos Dumont promove e facilita o intercâmbio entre estudantes e professores nas áreas de pesquisa e ensino. “Os laços entre a França e o Brasil são solidificados uma vez que a parceria entre os dois países no campo acadêmico é histórica”, destacou o reitor.

Mais informações: professor Edson de Pieri, telefone 3721-7573

Ana Luísa Funchal / Bolsista de Jornalismo na Agecom
Fotos: Pâmela Carbonari Paludo

Tags: cooperaçãoÉcole Normale Supérieure de Cachan

Timor-Leste busca parceria com a UFSC na implantação de pós

13/04/2011 17:20

Uma comitiva da Universidade Nacional do Timor Lorosa’e (UNTL), fundada em 2.000, visitou a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) nesta semana para firmar uma parceria na implantação de cursos de pós-graduação no Timor-Leste. O reitor Alvaro Prata reuniu-se com o vice-reitor dos Assuntos de Pós-Graduação e Pesquisa da UNTL, professor Francisco Miguel Martins, para iniciar as negociações do convênio de cooperação no mestrado e doutorado, nas áreas de Biologia, Educação Científica e Tecnológica, e Políticas Públicas (Educação).

O país conta com a ajuda do Brasil e Portugal para iniciar os cursos já no mês de agosto. A parceria inclui a elaboração de planos de ensino e ementas das disciplinas de pós-graduação cedidas pela UFSC, além da possibilidade de fornecer doutorado sanduíche para os estudantes timorenses.

“Nós consideramos o povo brasileiro nosso irmão mais velho, já que somos iguais quanto à colonização portuguesa. Mas o Brasil encontra-se muito a frente na questão da educação, tão primordial para o crescimento de um país. Contamos com a ajuda brasileira para avançarmos também”, comenta o vice-reitor Martins.

A comitiva da UNTL esteve em sete universidades portuguesas e, depois da UFSC, visitará as universidades Federal da Bahia (UFBA) e de Integração Internacional Luso-afro-brasileira (Unilab), no Ceará, onde representantes das três instituições brasileiras e a UNTL estarão reunidos.

A Universidade Nacional do Timor Lorosa’e possui um curso de especialização, promovido pela Capes, em que professores brasileiros ministram as disciplinas, sob a coordenação acadêmica da UFSC. Nos cursos de mestrado e doutorado a intenção é formar professores timorenses.

Outras informações com a professora Suzani Cassiani pelo e-mail .

Por Bianca Amorim/ bolsista de Jornalismo da Agecom

Tags: parceriaTimor-LesteUNTL

Colóquio sobre literatura e vanguarda e política inicia nesta quinta-feira

13/04/2011 15:15

A UFSC sedia de 14 a 15 de abril o Colóquio Literatura de Vanguarda e Política – o século XX revisitado. O encontro será realizado no auditório Henrique Fontes, no Centro de Comunicação e Expressão, reunindo pesquisadores da UFSC, Udesc, Unesp, UFPR, UFMG e UFSCar, entre outras universidades.

A programação prevê mesas-redondas com as temáticas Literatura de vanguarda; Revistas, registros, manifestos; Teatro, cenas, perfomance; Cultura, antropologia, história e Estética, política. A promoção é do Grupo de Pesquisa Literatura, História e Tradução, com apoio da Capes, Departamento de Língua e Literatura Estrangeiras (DLLE), Programa de Pós-Graduação em Literatura e Pró-Reitoria de Pós-Graduação.

De acordo com os organizadores, a proposta é pensar sobre o papel dos movimentos no âmbito dos estudos literários, sociais e teóricos, assim como sua pertinência atual, já que as implicações de ordem estética e política advindas dos embates e das vanguardas históricas podem ser identificadas na produção artística e intelectual.

Informações www.lithistrad.ufsc.br/coloquio e também com a professora Maria Aparecida Barbosa, coordenadora da comissão organizadora, e-mail: Esta imagem contém um endereço de e-mail. É uma imagem de modo que spam não pode colher., fone (48) 3721-9288.

Programação:

14 de abril / Auditório Henrique Fontes

– 9h Solenidade oficial de abertura

– 9h30 Mesa-redonda I – Literatura de vanguarda

Coordenação: Maria Aparecida Barbosa

Prof. Dr. Caetano W. Galindo/UFPR

Título: Um, dois ou três eus: Joyce, você e o mundo

Profa. Dra. Maria Ester Maciel de Oliveira Borges/UFMG

Título: O inferno radical: Dante sob o signo da vanguarda


– 14h30 Mesa-redonda II – Revistas, registros, manifestos

Coordenação: Patricia Peterle

Profa. Dra. Maria Lúcia de Barros Camargo/UFSC

Título: Revistas Brasileiras

Profa. Dra. Meritxell Hernando Marsal/UFSC

Título: Uma revista no centro / nas margens de América Latina: reflexões em torno ao BoletínTitikaka

Profa. Dra. Maria Aparecida Barbosa/UFSC

Título: Kurt Schwitters: manifestos MERZ
15 de abril / Auditório Henrique Fontes

– 9h Mesa-redonda III – Teatro, cenas, perfomance

Coordenação: José Roberto O’Shea

Prof. Dr. Edélcio Mostaço/UDESC

Título: O Teatro Brasileiro de Vanguarda

Profa. Dra. Alai Garcia Diniz/UFSC/UNILA

Título: Confluências intermidiais na vanguarda espanhola

Prof. Dr. Rodrigo Garcez da Silva/UFSC

Título: Performance e política na escultura social de Joseph Beuys

Profa. Dra. Dirce Waltrick Amarante/UFSC

Título: O Cotidiano em Beckett e Ionesco

– 14h30 Mesa-redonda IV – Cultura, antropologia, história

Coordenação: Alai Garcia Diniz

Prof. Dr. Gilberto Figueiredo Martins /UNESP Assis

Título: Visões do Esplendor – EsCLARICEndo Brasília

Profa. Dra. Patrícia Peterle/UFSC

Título: O percurso do Grupo 63 e as novas experiências e percepções

Prof. Dr. Marcelo Marinho/URI/Universidade Eötvös Loránd de Budapeste

Título: Guimarães Rosa na vanguarda da “guerra literária”: sobre signos, grifos e logogrifos

Prof. Dr. Sérgio Luiz R. de Medeiros/UFSC

Título: Literatura Ameríndia e Vanguarda

Encerramento/ Sala Drummond


– 17h30 Mesa-redonda V – Estética, política

Coordenação: Meritxell Hernando Marsal

Prof. Dr. Raul Antelo/UFSC

Título: O absoluto

Prof. Dr. Alessandro Pinzani/UFSC

Título: Produção de massa, produção da massa

Veja também as temáticas das sessões de comunicação no site www.lithistrad.ufsc.br/coloquio/

Tags: literatura

Historiador divulga origem do mito de Catarina de Alexandria

13/04/2011 12:26
Imagem representa Santa Catarina de Alexandria

Imagem representa Santa Catarina de Alexandria

A roda dentada quebrada, as palmas e o diadema fazem referência à imagem de Santa Catarina de Alexandria, padroeira do Estado, mas grande parte dos catarinenses desconhece a origem desses símbolos. Quem foi Catarina de Alexandria? De onde vem o nome do Estado? É para responder a essas perguntas simples, mas que costumam pegar os catarinenses desprevenidos, e divulgar a história de coragem e amor de Catarina de Alexandria que o historiador João Lupi fará, nesta quinta, 14/04, a palestra “Santa Catarina de Alexandria – A Padroeira dos Estudantes e do Estado de Santa Catarina”. O evento ocorrerá às 15h, no auditório do Centro de Educação (CED) da UFSC.

O interesse pela jovem que deu o seu nome ao Estado ainda é restrito. Nos últimos anos, alguns historiadores, artistas e literatos ilustres começaram a divulgar o nome da santa através da poesia, da pintura (Albertina Prates) e de quadros murais (Rodrigo de Haro). “De 50 anos pra cá, o culto à Santa Catarina de Alexandria diminuiu muito, as pessoas não sabem quem ela foi, não festejam mais a data”, confirma o professor João Lupi, Entusiasta desse mito, Lupi tem se dedicado a valorizar o conhecimento histórico-religioso das crenças responsáveis pela formação do povo catarinense, começando pela busca da origem do nome de nossa terra.

Com a intenção de levar a história de Catarina de Alexandria às escolas, João Lupi publicou dois livros, Santa Catarina: A jovem princesa de Alexandria e Santa Catarina: A origem de seu nome. Ambos foram destinados ao público infantil e editados em parceria com a UFSC e com a Secretaria de Estado da Educação no ano de 2004. Nas duas edições publicadas, o autor conta com linguagem e ilustrações encantatórias da história da vida da santa padroeira dos estudantes. Todavia, a tiragem na época foi pequena e restrita a poucas escolas.

A Grande Mártir Santa Catarina, como é também conhecida, cresceu como pagã mas depois converteu-se ao cristianismo. Após tentar convencer o imperador Maximiamo de que era um erro a perseguição aos cristãos, Catarina foi torturada, presa e então degolada. Nesse momento, um sinal divino aconteceu: no lugar de sangue, jorrou leite do corpo da jovem princesa. Catarina ficou assim reconhecida como mártir – testemunha ou defensora da fé, porque preferiu dar a própria vida a abandonar a fé cristã.

O dia 25 de novembro, dia de sua morte, passou a ser dedicado à imagem da princesa Catarina de Alexandria, que se transformou numa santa cristã. Na Idade Média, os portugueses e espanhóis começavam suas navegações pelo mundo e a devoção à Santa Catarina crescia muito. Nesse mesmo dia, em 1526, o navegador Sebastião Caboto chegou a uma ilha da costa brasileira, habitada pelos índios Carijós, que a denominavam de Meiembipe. Quando aportou na ilha, Sebastião Caboto batizou-a de Ilha de Santa Catarina. Há uma polêmica em torno da motivação desse nome. De acordo com uns, o nome homenageia a santa, enquanto para outros, faz referência a sua esposa Catarina Medrano

Mais informações: Núcleo de Estudos Açorianos (NEA) – 3721-8605.

Por Marcela Borges/ Bolsista de Jornalismo na SeCArte/UFSC

Tags: açorianoNEApalestra

Museu Universitário identifica e analisa componentes químicos na pintura de obras de Cascaes

13/04/2011 12:09

Fotos: Paulo Noronha

A análise das camadas pictóricas que revestem esculturas feitas em argila por Franklin Cascaes é o objetivo de um trabalho que vem sendo realizado esta semana por uma equipe da Universidade Estadual de Londrina (UEL) no Museu Universitário Prof. Oswaldo Rodrigues Cabral, na UFSC. A partir do uso de equipamentos avançados de identificação de elementos químicos que fazem parte das amostras, técnicos do Laboratório de Física Nuclear Aplicada da UEL vão permitir que o museu estabeleça os melhores parâmetros para a conservação das peças. Cerca de 500 esculturas de Cascaes, 350 delas em argila, fazem parte do acervo do Museu Universitário.

A cooperação científica entre as duas instituições foi um desdobramento dos estudos da mestranda Vanilde Rohling Ghizoni, do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo (PósArq), que vem trabalhando em cima de figuras humanas esculpidas por Cascaes do final dos anos 40 ao início da década de 80. “Por meio da análise técnica, poderemos identificar os componentes químicos e dimensionar a sua sensibilidade a elementos como umidade e temperatura, facilitando a conservação”, diz a mestranda. “Este é um trabalho inédito sobre o legado de Cascaes, que tem mais de 1.700 obras tombadas no acervo da UFSC”, completa.

O fato de usar as técnicas de fluorescência de raios-X e espectroscopia Raman, que utilizam fontes de radiação gama, faz com que a intervenção seja do tipo “não destrutiva”, porque não exige a retirada de um pedaço da obra para a análise. A primeira técnica consiste em identificar os elementos químicos que fazem parte da policromia da amostra. “Isso facilitará a escolha do tratamento adequado para uma eventual restauração”, afirma o físico Paulo Sérgio Parreira, do Laboratório de Física Nuclear Aplicada da UEL. Já o Raman é um feixe de laser que, ao bater no pigmento, recebe uma resposta de energia que faculta a identificação do composto molecular da tinta usada na obra.

Bom conceito – O professor Paulo Sérgio Parreira, que desde segunda-feira trabalha no museu ao lado de Fábio Lopes, do programa de pós-doutorado em Física da UEL, e do mestrando Eduardo Inocente Jussiani, explica que o fato de usar equipamentos portáteis facilita o deslocamento até o local onde se encontra a obra a ser analisada. “Este modelo é usado em diferentes situações e, pelas suas características, facilita as ações de campo, como o estudo de pinturas rupestres”, afirma. “O sistema é muito prático e nos permitiu, por exemplo, trabalhar em igrejas com pintura mural necessitando de restauração, em vários estados brasileiros”, conta.

Parreira informa que o laboratório já firmou termos de cooperação técnica com o Museu de Arqueologia e Etnologia da USP, com o Museu de Arte de São Paulo (onde foi restaurada, em parceria com o Louvre, a obra “Hymeneus Travestido Assistindo a uma Dança em Honra a Príapo”, pintado entre 1634 e 1638 pelo francês Nicolas Poussin) e com o Museu de História Nacional, no Rio de Janeiro (onde foi restaurada uma coleção de moedas de ouro e prata do Brasil colônia).

Blocos de pedra – A mestranda Vanilde Ghizoni explica que Franklin Cascaes não costumava queimar as peças que fazia e usava tintas baratas, em vista do custo, como deu a entender nos cadernos manuscritos que deixou. “Professor da antiga Escola Industrial, ele trabalhou muito com gesso, a partir de formas de argila, mas abandonou esse processo porque elaborava peças únicas e o gesso, na sua opinião, perdia detalhes que ele considerava importantes”, conta ela. O vínculo estreito que mantinha com os oleiros de São José, junto aos quais se criou, também pesou na decisão de dedicar-se ao artesanato com barro, uma forte tradição na região da Grande Florianópolis.

Como muitos artesãos, Cascaes trabalhava sobre blocos de pedra, cujas camadas removia com instrumentos até chegar ao resultado final. Sem cozimento, no entanto, as peças ficam mais vulneráveis a fraturas e ao desgaste do material.

Os apoios – O Museu Universitário terá novas instalações nos próximos meses, e é importante que as peças a serem expostas estejam num espaço com a mesma temperatura da área de armazenamento, onde a climatização protege as obras. “A análise feita pela UEL é importante, porque ainda não conhecemos o comportamento da argila e como se pode fazer a melhor conservação das esculturas”, afirma Vanilde. As peças foram restauradas entre 2004 e 2005, mas sem conhecer as características da pintura há sempre o risco de perdas do material original.

Vanilde Ghizoni, que está desde 2003 no Museu Universitário, deve concluir seu mestrado em meados deste ano e informa que muitos projetos foram desenvolvidos ali graças à participação em editais nacionais.

O projeto de Vanilde tem o apoio da Secretaria de Cultura e Arte (SecArte), Museu Universitário e PósArq. Antes de começar a análise das peças, houve palestras com ela e com o físico Paulo Sérgio Parreira, da UEL, com entrada franca, na última segunda-feira, dia 11, no Museu Universitário.

Mais informações no Museu Universitário Prof. Oswaldo Rodrigues Cabral, pelo fone (48) 3721-8821.

Por Paulo Clóvis Schmitz/ Jornalista na Agecom

Tags: cascaesmuseuUEL

Na Mídia: Estudantes surdos se formam no curso de licenciatura em libras

13/04/2011 11:19
Quarenta e três alunos surdos se formaram no curso de licenciatura em letras/libras (linguagem brasileira de sinais) à distância na noite desta segunda-feira (11) no auditório da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da Universidade de São Paulo (USP). A cerimônia em São Paulo reuniu apenas os estudantes que utilizaram a USP como polo presencial. A graduação é da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e atendeu estudantes de outros oito polos espalhados pelo Brasil.O curso foi iniciado em outubro de 2006 e concluído em dezembro do ano passado. A cada 15 dias, no mínimo, sempre ao sábados, os estudantes participavam de aulas presenciais com videoconferências. O conteúdo foi baseado em disciplinas de pedagogia, linguística e tradução e interpretação.

A cerimônia de formatura foi acompanhada por intérpretes que a traduziam na linguagem de sinais e tinham sua imagem projetada em um telão. A cada formando que recebia o canudo, a turma chacoalhava as duas mãos para o alto, sinal que representa uma salva de palmas.

Com o diploma, os estudantes estão habilitados a atuar como professores de línguas de sinais, porém a maioria já está na área. É o caso de Neivaldo Augusto Zovico, que tem licenciatura em matemática, pós-graduação em educação de surdos e dá aula de matemática em libras em duas escolas para surdos em São Paulo. “Antigamente os surdos não tinham profissão, por isso cursos como estes quebram paradigmas. Muitas pessoas acham que nós nos comunicamos por meio de gestos. Mas não é isso, através das libras, temos nossas gírias, poesias e até piadas. Há um status de linguagem”, diz Zovico, por meio de libras, traduzidas à reportagem por uma intérprete.

Sylvia Lia Grespan Neves, de 42 anos, também era uma das formandas. Ela já cursou biblioteconomia, pedagogia e fez mestrado em educação, mas afirma que a ocasião era especial porque era a primeira vez que se formava com colegas surdos. “Dou aulas de libras, fiz pedagogia, mas aqui o curso foi mais específico com estudos de gramática, que é o foco do meu trabalho”, afirmou Sylvia, também em libras.

Sylvia nasceu surda e ensina a linguagem de sinais em universidades para estudantes ouvintes.

Para Eduardo Pereira Rocha, de 28 anos, a graduação foi só o primeiro passo da vida acadêmica. Ele trabalha como instrutor de libras, e pretende fazer pós-graduação na área de educação. “O primeiro desafio foi aprender a lidar com o ensino a distância. Mas valeu muito a pena porque além de conhecimento houve a troca de experiência entre os alunos”, diz Rocha, por meio dos sinais.

Nas atividades em casa durante o curso, os alunos assistiam a vídeos em libras, tinham espaço para postar outros vídeos, além de propor fóruns de discussão.

A coordenadora geral do curso a distância, Marianne Stumpf, de 37 anos, que também é surda, disse que os conhecimentos adquiridos pelos formandos devem ser multiplicados para que haja uma mudança sobre a visão do profissional surdo.

Para Tarcísio de Arantes Leite, de 34 anos, que foi o tutor do polo de São Paulo e dá aulas no curso presencial em Santa Catarina, os docentes desta área precisam reaprender antes de ensinar. “Quem trabalha com surdez precisa repensar o estudo, que geralmente é feito com base nas línguas orais. Também é necessário conhecer a realidade do aluno e adaptar o ensino.” Leite lembra que geralmente o surdo tem dificuldade com a língua portuguesa e nem sempre lê ou escreve bem.

A Universidade Federal de Santa Catarina oferece também o curso presencial de licenciatura em libras, além do bacharelado em libras que habilita o profissional a atuar como intérprete e tradutor.

Por Vanessa Fajardo Do G1, em São Paulo

Matéria disponível em http://g1.globo.com/vestibular-e-educacao/noticia/2011/04/estudantes-surdos-se-formam-no-curso-de-licenciatura-em-libras.html

Tags: Educação a DistânciaLibras

No dia 29, a UFSC vai entrar na dança

13/04/2011 10:47

Dança moderna e contemporânea, danças circulares, dança do ventre, tango, jazz, dança indiana, ballet clássico, maracatu. Pela primeira vez a UFSC terá, em 29 de abril, quando se comemora o Dia Internacional da Dança, inteiramente dedicado a essa arte do corpo e do movimento que como escreveu Cecília Meirelles, rompe os elos de espaço e tempo. A iniciativa da Secretaria de Cultura e Arte da UFSC (SeCArte) em parceria com o Curso de Artes Cênicas da UFSC prevê mostras de diversos ritmos de dança, mesa-redonda, palestras e oficinas das mais diferentes modalidades.

A programação da UFSC foi incorporada pelas atividades planejadas pela Associação Profissional da Dança do Estado de Santa Catarina para o Dia Internacional da Dança no Estado. O objetivo é estimular a prática, o estudo e a pesquisa da dança na comunidade, explica a secretária de Cultura e Arte, Maria de Lourdes Borges. O evento também é uma oportunidade de debater as políticas públicas da área no Estado, acentua Janaina Trasel Martins, professora do Curso de Artes Cênicas, que coordena o evento ao lado de Luciana Fiamoncini e Vera Torres, ambas professoras do curso de Educação Física.

Para debater o tema politicamente está prevista a mesa-redonda “Danças e Políticas Públicas: um panorama”, que será realizada das 16 às 18 horas, no auditório do CDS. Participarão como debatedoras Sandra Meyer (professora da Udesc); Marta Cesar (representante da Aprodança); Bárbara Rey (representante no Conselho de Cultura do Estado), sob a mediação da professora Vera Torres (CDS/UFSC).

Gratuitas e abertas ao público, as oficinas ocorrem pela manhã, das 10 às 12 horas, e à tarde, das 14 às 16 horas, nas salas 401, 402 e 403 do curso de Artes Cênicas e na sala de dança do Centro de Desporto. Serão ministradas por professores de dança de Florianópolis e de outros municípios, além de mestrandos e grupos de pesquisa em práticas corporais e dança da UFSC. O evento encerra em grand final com a Mostra de Dança a partir das 20 horas no Ginásio da Capoeira, no CDS, quando o público poderá desfrutar de um momento de excelência e integração entre as experimentações dos cursos de artes cênicas e as práticas corporais de dança da Educação Física.
O Dia Internacional da Dança  foi criado em 1982 pelo Comitê Internacional da Dança da Unesco e é promovido anualmente pelo Conselho Internacional de Dança (CID). A data é uma homenagem ao nascimento do bailarino e mestre francês Jean-Georges Noverre (1727 – 1810), responsável pela introdução de novos paradigmas de criação coreográfica.

Informações com Janaína Martins:  ; (48) 3721-6801.


DIA DA DANÇA NA UFSC

29 de abril

OFICINAS GRATUITAS PARA A COMUNIDADE:

Inscrições para dançar ate o dia 28 de abril pelo email:

Oficinas do turno da manhã – 10 às 12 h

Oficina: Improvisação performativa em dança

Ministrante: Silmar P.

Local: Sala Artes Cênicas – 401 CFM

Horário: 10 as 12 horas

Esta oficina busca um momento de relaxamento do participante, seu corpo-mente, conectando com as funções essenciais para a realização do movimento: respiração, alongamento, ritmo, contração, presença e consciência da biomecânica. Através de jogos e vivencias vamos explorar o corpo que dança como impulso a pratica livre do movimento que associado ao trabalho em grupo proporcionara a experiência da ação performática nas artes.

Oficina: Introdução a Dança Indiana Clássica e Moderna

Ministrantes: Grupo Padma – Adriane Martins; Bethânia Negreiros; Karla Mara Rosa Sherer; Mádhava Keli (Maria Clara S. Tavares). Auxiliares: Maria Lidia Pereira; Laise Orsi Becker.  Coordenação geral: Profª Cristiane Ker de Melo

Local: Sala Artes Cênicas – 402 CFM

Horário: 10 as 12 horas

Esta oficina pretende, por meio de exposição teórica, explicar sobre as variações e estilos de danças na Índia; expressões e gestos e o contexto musical e o papel da dança no cinema indiano. Após, será feita a parte prática com um aquecimento, exercícios de expressão e consciência corporal; Técnicas de alguns movimentos na dança indiana; Introdução a passos básicos da dança indiana (moderna e clássica); Movimentos com as mãos e braços, movimentos com os pés, movimentos da cabeça, giros.

Oficina: Jazz Dance

Ministrante: Leandro Ávila

Local: Sala Artes Cênicas – 403 CFM

Horário: 10 as 12 horas

Objetivos da oficina: Descobrir uma nova tendência no Jazz Dance; Abordar questões que entendam os fundamentos para esta modalidade; Experimentar movimentos; Experimentar alongamentos coreografados, que busquem contribuir nesta essência artística da modalidade.

——————————————————————————————————————————-

Oficinas ao meio-dia.

Horário: das 12 às 14 horas

Oficina: Introdução a Dança do Ventre Clássica e Folclórica

Ministrantes: Shayene Fernandes e Naiade Schardosin. Auxiliares: Rebeca Körting Nunes; Juliana de Campos Luiz; Paula Aragão. Coordenação geral: Profª Cristiane Ker de Melo

Local: Sala Artes Cênicas – 403 CFM

Horário: das 12 às 14 horas

Esta oficina seguirá dois momentos, que se complementam, por trazer uma noção mais ampla da cultura árabe, com enfoque especial para a Dança. O primeiro com os movimentos básicos de dança do ventre: Postura inicial; Posições e movimentos de braços e quadril mais utilizados; Movimentos ondulatórios, sinuosos e secos, dançando e interagindo com a música; E em um segundo momento, uma introdução aos movimentos e ritmos folclóricos da dança árabe: Khallige (dança com a túnica) e Said (utilizando as bengalas e bastões de bambu), ritmos próprios de determinadas regiões do Oriente Médio.

——————————————————————————————————————————-

Oficinas do turno da tarde.

Horário: das 14 às 16 horas

Oficina: Danças Circulares

Ministrante: Ana Paula Chaves e Patrícia Guerrero

Local: Sala Artes Cênicas – 401 CFM

Horário: das 14 às 16 horas

As Danças Circulares são praticadas em grupo e englobam diversos ritmos, cantos e danças de povos e culturas do mundo. Através dos passos em círculo, nós nos socializamos, nos integramos, nos descontraímos, nos alegramos, e, sobretudo, a dança nos permite encontrar com a nossa essência e nos desperta o sentimento de comunhão. Sendo assim, essa oficina busca: Vivenciar danças tradicionais de diferentes povos no intuito de propiciar ao grupo o desenvolvimento afetivo, cognitivo, social e psicomotor; Vivenciar danças contemporâneas, danças dos Florais de Bach e danças cantadas, incluindo as cantigas e danças de roda brasileiras;Desenvolver as capacidades expressivas e criativas dos participantes; Aprofundar o diálogo entre a educação e a saúde através de uma prática e um movimento coletivo, sensível e simbólico.

Oficina: A tridimensão do quadril na Dança do Ventre

Ministrante: Adriana Cunha

Local: Sala Artes Cênicas – 402 CFM

Horário: das 14 às 16 horas

No improviso, compreender a mobilidade do quadril em termos de possibilidades de movimento é  um lugar seguro para que a/o dançarina/o possa desenvolver habilidades pertinentes durante o processo de criação. A Tridimensão do quadril é um método simples e eficaz nesta compreensão, que se utiliza de figuras para exemplificar os eixos básicos e ações aplicadas para obter resultados. Não é necessário ser dançarina/o para desfrutar da oficina.

Oficina: Introdução ao Tango Dança

Ministrantes: Fransley Marcel Padilha e Laura Murphy. AUXILIARES: Julieta Furtado Camargo; Juliana Carboni; Letícia Maurício. Coordenação geral: Profª Cristiane Ker de Melo.

Local: Sala Artes Cênicas – 403 CFM

Horário: das 14 às 16 horas

Através de jogos lúdicos, exercícios de improvisação ao Tango e do método Dinzel de notação coreográfica, construiremos juntos uma introdução, apresentação e vivência em Tango. Na oficina será desenvolvido: breve posicionamento histórico, Passo básico, noções sobre o abraço, dinâmicas de grupo, figuras de introdução e improvisação em Tango. Público-alvo: Homens e Mulheres com ou sem experiência em dança, que tenham curiosidade e interesse em conhecer e vivenciar esta arte.

Oficina: Dança Contemporânea

Ministrante: Leandro Ávila

Local: Sala Dança B – CDS

Horário: das 14 às 16 horas

Justificar a oficina como momento reflexivo das movimentas estimuladas, uma conscientização pensante, assim buscar a dança como uma experiência que desenvolve uma capacidade de percepção do mundo em nossa vivencia, tornando capaz de vivenciá-las, refleti-las e recriá-las especificamente na Dança Contemporânea.  A oficina propõem redescobrir através da Dança Contemporânea a riqueza do trabalho de movimento que aproveita a singularidade dos movimentos de cada pessoa, oferecendo meios nas tarefas e no movimento a priori, para o encontro das possibilidades de cada corpo para a dança, promovendo assim a improvisação e a criatividade, na qual uma das motivações da oficina é dançar e pensar na espontaneidade, colando como fundamento perceptivo na oficina.

MESA-REDONDA: Danças e Políticas Públicas: um panorama

Horário: 16 às 18 horas

Local: auditório do CDS

Mediadora: Vera Torres (CDS/UFSC).

Debatedoras: Sandra Meyer (UDESC); Marta Cesar (APRODANÇA); Bárbara Rey (Representante no Conselho de Cultura do Estado) Local: Auditório do CDS

MOSTRA DE DANÇA:

Entrada gratuita

Horário: 20 horas

Local: Ginásio da Capoeira – CDS

Apresentações:

Quando nós somos você

Grupo de Dança Fazendo Corpo Mole. Grupo do CDS

Direção: Luciana Fiamoncini, Vera Pardo e Julia Terra.
Interpretes-criadoras: Vera Pardo, Luciana Fiamoncini, Julia Terra e Priscila

Um Duplo

Direção: Diana Gilardenghi. Assistente de Direção, Produção: Marta Cesar.
Intérpretes-criadoras: Michelle Pereira; Nastaja Brehsan

Dança contemporânea

Belly Fuzion
Nome do grupo: Flores do Nilo
Direção: Julieta Furtado
Dançarinas: Lis Madhava, Záira Rodrigues, Meg Kleist, Juliana Carboni, Julieta Furtado, Alexsandra Borges, Rosangela Martins, Taiana Grando, Cíntia Vilanova e Juliana Luiz.

Coreografias: Belly Jazz; Mandacarú e Sakura Fubuki.

DIA DA DANÇA NA UFSC

PROMOÇÃO: SECRETARIA DE ARTE E CULTURA

ORGANIZAÇÃO: Professoras:  Janaina Trasel Martins (Artes Cênicas/CCE), Luciana Fiamoncini (Ed. Física/CDS), Vera Torres (Ed. Física/CDS)

Tags: dançadesportos

Documentário sobre as Ilhas Falkland estreia na TV UFSC nesta quinta-feira

13/04/2011 08:22

Nesta quinta-feira estreia na TV UFSC o documentário “Acorde e sinta o cheiro das flores”,  produzido como Trabalho de Conclusão de Curso de Jornalismo por Paulo Rocha e Gustavo Naspolini. O vídeo aborda os problemas enfrentados pelas Ilhas Falkland, que se situam no extremo sul do Oceano Atlântico, próximas à Argentina, objeto de constante disputa territorial entre o país sulamericano e a Grã-Bretanha. Essa disputa culminou na Guerra das Malvinas, em 1982.
(mais…)

Tags: FalklandMalvinasTV UFSC

Workshop Interseccionalidades, Categorias de Articulação e Experiências

12/04/2011 16:48

O Núcleo de Antropologia Visual e Estudos da Imagem (Navi) e o Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas (PPGICH) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) promovem o Workshop Interseccionalidades, Categorias de Articulação e Experiências, com a professora Adriana Piscitelli da Universidade de Campinas (Unicamp).

O evento será realizado no dia 19 de abril, terça-feira, às 9h, na Sala Carolinne Bori, no andar térreo do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH) – Psicologia. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas na Secretaria do PPGICH. As vagas são limitadas.

O workshop pretende discutir as diferentes linhas teóricas que refletem sobre a intersecção entre gênero e outras categorias de diferenciação, além de debater com os alunos as possibilidades que essas reflexões oferecem para distintos recortes de pesquisa.

Mais informações pelo telefone (48) 3721-9405.

Tags: Adriana PiscitelliInterseccionalidadesNaviPPGICH)workshop

Abertas inscrições para concurso de cartazes sobre transfobia, lesbofobia e homofobia

12/04/2011 12:36

Estão abertas até o dia 6 de maio as inscrições para a terceira edição do concurso de cartazes realizado pelo Núcleo de identidades de Gênero e Subjetividades, ligado ao Laboratório de Antropologia Social da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). O concurso faz parte das atividades desenvolvidas por meio do projeto de extensão “Papo Sério – Educação, Gênero e Sexualidades”, vinculado ao Departamento de Projetos de Extensão da UFSC com apoio do Núcleo de Educação e Prevenção da Grande Florianópolis (NEPRE), vinculado à Secretaria Municipal de Educação.

Na visão dos organizadores, a ausência da discussão sobre as violências de gênero em sala de aula pode perpetuar as possibilidades de situações discriminatórias na escola. Objetivo do concurso é estimular o debate sobre a transfobia, lesbofobia, homofobia, bem como outras expressões de violências presentes no ambiente escolar.

Podem participar do concurso alunos da rede pública de ensino da Grande Florianópolis. Os estudantes devem produzir cartazes que obedeçam à proposta do concurso, atuando sob orientação de professor ou profissional da educação de sua escola. Os interessados deverão enviar os cartazes obrigatoriamente em cartolina para o NIGS, com ficha de inscrição que está disponível no site do concurso. Os trabalhos serão avaliados quanto à criatividade, originalidade e comunicação.

Na semana de 9 a 13 de maio será realizada exposição no hall do Centro de Filosofia e Ciências Humanas. A mostra será integrada às atividades referentes ao Dia Mundial de Combate à Homofobia, 17 de maio. Além de certificados de participação, os autores dos cartazes vencedores receberão uma coleção de livros sobre Gênero, Educação e Sexualidades para as bibliotecas de suas escolas.

Veja o edital do concurso.

Mais informações pelo e-mail / fone (48) 8462-4283 / sites http://sites.google.com/site/concursonigs/ ou www.nigs.ufsc.br

Tags: homofobialesbofobiaviolências de gênero;transfobia

Núcleo oferece nova edição do Curso de Socorrismo Básico

12/04/2011 12:30

Estão abertas as inscrições para mais uma edição do Curso de Socorrismo Básico. As aulas serão oferecidas entre 25 de abril e 1° de maio, na UFSC. A promoção é do Núcleo Multidisciplinar de Estudos Sobre Acidentes de Tráfego.

A capacitação adota metodologia de demonstração e prática, incluindo estágios em simulacros (usando   atrizes como vítimas “reais”). O curso é direcionado a pessoas interessadas no assunto, em especial profissionais ligados a área da saúde. O custo é de R$ 300,00 à vista ou R$ 400,00 parcelados. Informações www.natsaude.ufsc.br / / 3235-3559

Tags: cursosocorrismo básico