Filme sobre Getúlio deturpa História, denuncia revista da EdUFSC

17/07/2014 09:42

Cinema, literatura, copa do mundo, relação Brasil-Argentina, Angola, arte, meio ambiente, poesia e fotografia são os temas debatidos na nona edição da revista Subtrópicos, publicada mensalmente, nas versões eletrônica 7aee530ecdf64feb24447295f58a5dc8e impressa, pela Editora da Universidade Federal de Santa Catarina (EdUFSC).

No seu terceiro artigo na revista, o presidente do Instituto de Estudos Latino-Americanos (IELA), Nildo Ouriques, denuncia a deturpação histórica de Getúlio, o filme, de Carla Carmurati e João Jardim. Em prejuízo da biografia do ex-presidente Getúlio Vargas, os cineastas apresentam a versão de Carlos Lacerda, conhecido como O Corvo. “Eu bem sei que a ficção tem lá suas liberdades, exceto a de falsificar a História. É isso que o filme faz. Não é um filme deprimente apenas, é falso”, desabafa o professor do Departamento de Economia e Relações Internacionais da UFSC.

(mais…)

Tags: Editora da UFSCnona ediçãorevista SubtrópicosUFSC

Traduções de Shakespeare pela EdUFSC repercutem no Brasil e na Europa

12/06/2014 09:39

Tradutor da obra de Shakespeare, Rafael Raffaelli é professor do Departamento de Psicologia da UFSC. Foto: Henrique Almeida / UFSC

As recentes traduções de The Tempest (A Tempestade) e As you Like It (Do jeito que você gosta), de William Shakespeare, pelo professor Rafael Raffaelli para a Editora da Universidade Federal de Santa Catarina (EdUFSC), continuam repercutindo no Estado, no País e, principalmente, no exterior.

A primeira boa notícia foi a inclusão dos livros da EdUFSC no acervo da British Library, da Inglaterra. A outra novidade alvissareira vem de Lisboa. As obras acabam de integrar a Biblioteca Nacional de Portugal, que, até então, não possuía estes clássicos na sua coleção. O diretor da EdUFSC, Fábio Lopes, comentou as notícias e lembra que fazem parte da política de internacionalização da editora e da Universidade.

Rafael Raffaelli é professor do Departamento de Psicologia do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da UFSC. Além das traduções do dramaturgo inglês, lançou também pela EdUFSC Psicanálise e o Casamento (1994) e Ensaios sobre cinema e pintura (2008). A Tempestade, cuja tradução acaba de ser lançada, é uma peça escrita em 1623 e, derradeira produção solo do escritor, marca o apogeu da carreira de William Shakespeare.

A publicação de A Tempestade em Inglês e Português vem enriquecida com as partituras originais, cedidas ao tradutor, na forma de cortesia, pela Stainer & Bell, empresa londrina detentora dos direitos autorais.

Rafael Raffaelli, para facilitar a leitura, faz um resumo da história e conta a  trajetória da obra até os dias atuais. A peça reúne mais de 20 personagens. “A cena do naufrágio que abre a peça recoloca a questão da falência da vontade e da autoridade humana diante das forças da natureza”, salienta o tradutor.

Mais informações:
Editora da UFSC – (48) 3721-9408; www.editora.ufsc.br
Diretor executivo – Fábio Lopes (), (48) 9933-8887
Professor Rafael Raffaelli : (48) 37213283 (UFSC) – (48) 3233-3247 (Residência) – (48) 9962-8892


Moacir Loth / Jornalista da Agecom / UFSC

 

Tags: Editora da UFSCEdUFSCUFSC

Revista da EdUFSC fala de Angola, Iraque, ditadura e cidade

10/06/2014 17:55

Numa visão inter e multidisciplinar, a revista Subtrópicos analisa e destaca o diálogo cultural e científico entre Brasil e Angola. O artigo abre o oitavo número da publicação lançada pela atual gestão da Editora da Universidade Federal de Santa Catarina (EdUFSC). O texto é assinado por Ilka Boaventura Leite, Marcos Fábio Freyre Montysuma e Cristine Gorski Severo, professores,  pela ordem,  dos departamentos de Antropologia, História e Língua e Literatura Vernáculas da UFSC. As reflexões resultam da primeira missão científica do “Projeto Kadila: Culturas e ambientes-diálogos Brasil-Angola”.

As páginas centrais são ocupadas por uma entrevista com o diplomata Bernardo Azevedo Brito, autor do recém-lançado Iraque: Dos primórdios à procura de um destino. Embaixador no Iraque nos tempos da invasão americana, Azevedo Brito revela ao editor de Subtrópicos, Dorva Rezende, que as sanções econômicas foram uma verdadeira arma de destruição em massa. As estimativas falam “em um milhão de mortos, sendo 500 mil crianças com  menos de cinco anos, por fome, subnutrição e falta de medicamentos nos hospitais”. Tudo com o aval do Conselho de Segurança das Nações Unidas, lamenta.

O historiador e doutor em Educação Jeferson Dantas denuncia os prejuízos causados pela ditadura militar na escola pública em SC, sobretudo através do processo de despolitização do magistério executado pelos governos autoritários. O autor está lançando o livro Da Ditadura Militar do Estado Neoliberal: a organização escolar brasileira e a formação docente em Santa Catarina, publicado pela CBJE do Rio de Janeiro.

Em “Saudades de Cingapura”, o diretor da EdUFSC, Fábio Lopes, prega uma maior inserção da Universidade na vida da cidade e do Estado. “A rigor, não é só com a cidade que a Universidade não conversa. O rompimento do diálogo vigora entre os próprios professores, cada qual encerrado na bolha de seus interesses intelectuais particulares”, provoca. Fábio pensa que a revista Subtrópicos pode ajudar a quebrar esse divórcio. Ele aproveita para divulgar o catálogo da editora, as parcerias com a TV UFSC e a política editorial pautada na qualidade.

Além de breves ensaios, a Subtrópicos resenha lançamentos da EdUFSC. Nesta edição, três obras são recomendadas: Conversando sobre Educação Tecnológica; Filosofia: Modismos e Feminismos; e As Imagens do Outro sobre a Cultura Surda.

O professor e poeta Heron Moura, colaborador  de Subtrópicos, participa com o artigo “O suicídio como uma das Belas Artes  (versão latino- americana)”, sobre a trajetória polêmica do escritor argentino Leopoldo Lugones, autor de As Horas Douradas.

O cineasta lageano Marco Martins mergulha em O Bacanal do diabo e outras fitas proibidas de Ivan Cardoso, “colcha de retalhos muito bem costurada/remendada por Gurcius Gwedner”, produtor de Joinville, montador e assistente que foi ao Rio “tirar Ivan do sarcófago”.

Para fechar, além de um artigo sobre o bárbaro assassinato do menino Bernardo Uglione Boldrini  e outro sobre uma série de TV que “apresenta 52 museus de todo mundo”, a revista emoldura na contracapa um autorretrato da fotógrafa e artista visual Lilian Barbon. A imagem integra a série Naturalmente Humana. A revista Subtrópicos circula  mensalmente nas versões impressa e online.

Mais informações:
Editora da UFSC – (48) 3721-9408
www.editora.ufsc.br
Diretor executivo: Fábio Lopes – )/ (48) 9933-8887


Moacir Loth / Jornalista da Agecom/UFSC

 

Tags: Editora da UFSCEdUFSCUFSC

Livro da EdUFSC reforça política de inclusão social

17/04/2014 12:48

A segunda edição revista de Teorias de aquisição da linguagem, organizada pelas professoras e pesquisadoras Ronice Müller de Quadros e Ingrid Finger, reforça a política de inclusão social priorizada pela atual gestão da Editora da Universidade Federal de Santa Catarina (EdUFSC).

Como não existe até hoje uma teoria ou abordagem única, o livro tem o mérito de apresentar e contextualizar as principais correntes teóricas que vêm norteando as pesquisas em aquisição da linguagem. São 276 páginas, sete capítulos e sete autores. As 62 páginas de referências bibliográficas refletem o conteúdo, a pluralidade e a abrangência dos textos apresentados.

O livro também faz uma justa homenagem à professora Leonor Scliar-Cabral, pesquisadora de referência internacional no campo das pesquisas em aquisição da linguagem do Português brasileiro. Ela contribuiu com o capítulo intitulado Evolução das pesquisas em aquisição da linguagem oral monolíngue no Brasil. Leonor constatou que nas últimas décadas houve um “amadurecimento teórico e metodológico dos pesquisadores”. Isso, na sua opinião, deve-se ao surgimento de novos centros de investigação, de novas lideranças  e de novos e mais cursos de pós-graduação em Letras e Linguística. Uma prova dessas mudanças está na própria UFSC, que lidera programas e pesquisas em nível nacional e internacional.

(mais…)

Tags: aquisição de linguagemEditora da UFSCEdUFSCUFSC

Embaixador Bernardo de Azevedo Brito lança livro pela Editora da UFSC

08/04/2014 16:05

O livro Iraque: dos primórdios à procura de um destino , de autoria do embaixador Bernardo de Azevedo Brito, tem lançamento nesta quinta-feira, 10 de abril,  às 19h,  na Fundação Badesc, à rua Visconde de Ouro Preto nº 216, Centro, Florianópolis.

 

 

 

 

 

 

 

 

Neste livro, o leitor é guiado através da história de um Iraque criado por Churchill em 1921. À monarquia imposta pelos britânicos seguiram-se anos turbulentos de uma república logo dominada por Saddam Hussein. Erros de cálculo levaram a oito anos de guerra com o Irã e à invasão do Kuwait, que teve por consequência uma retaliação militar desastrosa para o regime de Bagdá. O destino já caminhava então para a invasão do Iraque pelos Estados Unidos, ocorrida em 2003. Apesar da dificuldade em superar divergências internas e do persistente clima de insegurança, a nova democracia e a produção de petróleo em expansão sugerem que o país está no limiar de novos tempos, devendo ocupar uma posição de liderança no Oriente Médio. ( fonte: Editora da UFSC)

Tags: Bernardo de Azevedo BritoEditora da UFSCIraqueUFSC

Quarto número da revista Subtrópicos chega aos leitores

07/02/2014 16:28

Destinada a incluir  a Editora da Universidade Federal de Santa Catarina (EdUFSC) no cenário e na vida cultural local, nacional e internacional, já está circulando o quarto  número da revista Subtrópicos. A publicação, de periodicidade mensal, oferece, segundo o diretor Fábio Lopes,artigos e reflexões sobre arte, literatura, educação, antropologia, política, ciência e tecnologia, além de divulgar lançamentos, parcerias e iniciativas da EdUFSC.

(mais…)

Tags: Editora da UFSCEdUFSCrevista SubtrópicosUFSC

Posse do novo diretor da Editora da UFSC será nesta quarta

07/08/2013 08:56

A reitora e a vice-reitora da Universidade Federal de Santa Catarina, professoras Roselane Neckel e Lúcia Helena Martins Pacheco, convidam a Comunidade Universitária para a posse do novo diretor da Editora da UFSC, professor Fábio Luiz Lopes da Silva. A cerimônia será realizada no dia 7 de agosto (quarta-feira), às 14h, na Editora da UFSC, campus de Florianópolis.
(mais…)

Tags: Editora da UFSCposse diretor EdUFSCUFSC

Nova direção da EdUFSC apresenta suas propostas

24/07/2013 11:06

Fábio Luiz Lopes da Silva – novo diretor da EdUFSC – foto Wagner Behr/Agecom/UFSC

Trabalhar para a diferenciação da Editora da UFSC (EdUFSC) na cena nacional e expandir sua presença no campus de Florianópolis e região. Essas são algumas das propostas de Fábio Luiz Lopes da Silva,  professor do Departamento de Língua e Literatura Vernáculas (DLLV) do Centro de Comunicação e Expressão da UFSC, que assumiu a direção da Editora no dia 15 de julho em substituição ao professor Sérgio Luiz Rodrigues Medeiros.

O novo diretor explica que tem a intenção de trabalhar a partir do patamar estabelecido por seus antecessores. “O professor Sérgio fez um trabalho importante na Editora. Projetou o selo nacionalmente graças à qualificação dos livros e do projeto gráfico, além da expansão dos pontos de venda”, avalia. O período de transição aconteceu na primeira quinzena de julho.

(mais…)

Tags: Editora da UFSCFábio Luiz Lopes da Silvanova direção EdUFSC

Editora da UFSC lança livro sobre ruptura de laços sociais e exclusão

10/04/2013 15:00

A fragilidade, a precariedade e a quebra dos laços sociais, econômicos e políticos encontram-se no cerne das pesquisas de Giuliana Franco Leal, que colocam em xeque os conceitos de exclusão social na Europa e no Brasil. A ausência de uma teoria fundamentada e consolidada de exclusão social é o “rio” que conduz a reflexão ampla e contextualizada do livro Exclusão social e ruptura dos laços sociais e Análise crítica do debate contemporâneo, publicado pela Editora da Universidade Federal de Santa Catarina (EdUFSC) e ora lançado na 10ª Feira do Livro de Joinville, que acontece até 14 de abril no Centreventos Cau Hansen. A presença da EdUFSC busca também uma maior aproximação com o Campus da UFSC de Joinville.

(mais…)

Tags: Editora da UFSCexclusão socialGiuliana Franco Leal

Editora da UFSC intensifica parceria com Academia Catarinense de Letras

05/03/2013 09:27

Reforçando a política editorial de publicar autores e obras de qualidade, incluindo a literatura produzida no Estado, a Editora da Universidade Federal de Santa Catarina (EdUFSC) lançará, até junho, o livro Alçapão para gigantes, de Péricles Prade.  A obra de ficção, em volume único, incluirá, na segunda parte, os contos de Os milagres do cão Jerônimo, livro de estreia do reconhecido escritor catarinense. Péricles Prade visitou a EdUFSC para tratar dos detalhes da publicação avalizada pelo Conselho Editorial e propor uma maior aproximação e parceria com a Academia Catarinense de Letras (ACE), presidida pelo escritor. Na EdUFSC foi recebido pelo diretor executivo Sérgio Medeiros e pelo diretor editorial Paulo Roberto da Silva.

(mais…)

Tags: Academia Catarinense de LetrasEditora da UFSCOs milagres do cão JerônimoPéricles PradeUFSC

Professora da UFSC lança livro sobre as organizações internacionais de integração regional

25/02/2013 16:29

Organizações Internacionais de Integração Regional é o título do livro mais recente impresso na Editora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc). A obra foca na estrutura e outros aspectos da União Europeia, Mercosul e União das Nações Sul-Americanas (Unasul).
(mais…)

Tags: Editora da UFSCOrganizações Internacionais de Integração RegionalUFSC

Filósofo francês Jacques Derrida tem livro póstumo inédito traduzido pela EdUFSC

19/10/2012 13:04

Aprofundando a sua política editorial de publicar “livros para ler o mundo”, a Editora da Universidade Federal de Santa Catarina (EdUFSC) lança no dia 24 deste mês, quarta-feira, a partir das 16h30min, no Campus da Trindade, em Florianópolis, a primeira edição póstuma do clássico Pensar em não ver: escritos sobre a arte do visível, do filósofo francês Jacques Derrida, traduzido por Marcelo Jacques de Moraes. O evento faz parte da tradicional feira de livros da EdUFSC, que começou no dia 24 de setembro com o relançamento de O detetive de Florianópolis, de Jair Hamms, e termina no dia 25 de outubro, oferecendo descontos de até 70% nos preços de capa dos títulos da EdUFSC.

Segundo explicam os editores Ginette Michaud, Joana Masó e Javier Bassas, para o filósofo “o visível é o lugar da oposição fundamental entre o sensível e o inteligível, a noite e o dia, a luz e a sombra”. Derrida denuncia o visível cada vez que esse “privilégio do óptico for posto como a questão que domina toda a história da metafísica ocidental”.

Os editores fazem um agradecimento especial a Marguerite Derrida “pela confiança e apoio ao projeto que resultou na publicação da obra, que, além de esmerado projeto gráfico, mereceu uma belíssima capa criada pela designer gráfica Maria Lúcia Iaczinski.

Empolgado com o resultado, o diretor executivo da EdUFSC, Sérgio Medeiros, observa que o lançamento fecha com chave de ouro a feira de livros deste ano. Medeiros estará presente na conversa com leitores e convidados no dia 24.

Ainda de acordo com os editores, no gesto da desconstrução, “as artes ditas visuais serão um lugar importante não apenas para desenvolver um questionamento próprio à história da filosofia, mas também para dar a pensar um visível articulado pelo movimento do rastro e das figuras derridianas da escrita”. O filósofo mostra que as artes do visível estão, na desconstrução, profundamente investidas pelo próprio movimento da escrita. “Mesmo que não haja nenhum discurso, o efeito do espaçamento já implica uma textualização”, o que, complementa Derrida, revela que, aqui, “a  expansão do conceito de texto é estrategicamente decisiva”.

Jacques Derrida participava ativamente do mundo artístico e intelectual. Portanto, além de teorizar, colaborava com artistas, arquitetos, historiadores da arte, especialistas em estética e críticos de cinema, marcando presença constante em encontros, mesas-redondas, debates e seminários.

Os textos constantes nesta tradução da EdUFSC encontram-se esgotados ou são de difícil acesso ao público. O livro reúne uma coletânea dos principais textos do filósofo sobre a questão das artes, tornando, assim, “sensíveis ao leitor algumas das proposições e dos axiomas mais inventivos de Derrida em um domínio, o da arte e da estética, que jamais foi por ele confinado na antiga delimitação das belas-artes, mas sempre apreendido, de pleno direito, como lugar movente de um pensamento”. O tradutor Marcelo Jacques de Moraes explica que o texto de Derrida “se constitui numa exploração constante da tensão entre a materialidade  da língua e seus efeitos de sentido”.

O livro oferece aos leitores artigos  produzidos ao longo de 25 anos (de 1979 a 2004). São testemunhos sobre o primado filosófico do visível na arte deslocados para questões de língua; textos e parcerias com artistas diversos ressaltando a singularidade do desenho e da pintura; artigos dedicados à fotografia, ao cinema e ao teatro, além de um texto, publicado dois meses    antes da sua morte, escancarando a sua complexa relação com a própria imagem.

Derrida, ao questionar a inteligibilidade da arte, inscreve as artes   e o visível no cerne da escrita e, dessa forma, leva às últimas consequências a idiomaticidade da arte, perguntando-se, por exemplo, em que língua se desenha:

            – Desenha-se sempre em uma língua e desenhar é sempre independente da língua?

A reflexão certamente explica o título da obra, que abarca estudos monográficos, conversas, conferências, enfim, um leque de textos ricos  e representativos, dois deles jamais publicados. Os editores recomendam a leitura de uma bibliografia e de uma filmografia, que fecham o volume, e que podem aquilatar e dimensionar o valor do filósofo para as artes. Pensar em não ver: escritos sobre a arte do visível será vendido a 32 reais até o final da feira.

 

Novidades da feira

A Feira de Livros da EdUFSC, funcionando de segunda à sexta-feira, das 8h30min às 19 horas, atraiu público permanente da comunidade universitária e recebeu leitores e livreiros da cidade, da região e do Estado.

Entre outras novidades, incluindo a renovação da coleção didática, chamaram atenção do público o relançamento de O detetive de Florianópolis, de Jair Hamms, Contos Gauchescos, de João Simões Lopes Neto, e O fantástico da Ilha de Santa Catarina, de Franklin Cascaes.

A feira, que termina no dia 25,  está disponibilizando 32 anos de produção da Editora da UFSC, mas, ao mesmo tempo, oferece títulos independentes, de outras editoras locais e obras selecionadas pela Liga das Editoras Universitárias (LEU), que abriga, entre outras, a USP, Unicamp, a UnB e a UFMG.

A Editora da UFSC também já assegurou espaço na 11ª Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão (Sepex), que acontece de 21 a 24 de novembro, quando a Universidade Federal de Santa Catarina divulga  tudo que faz em matéria de ciência, conhecimento e cultura com os recursos públicos que a população injeta na universidade.

Mais informações e contatos:

Sérgio Medeiros e Fernando Wolff
(48) – 3721-9605 , 3721-9408 , 3721-9686  e  3721-8507
e-mails:

Download: imagem da capa em alta resolução.

Moacir Loth / Jornalista da Agecom / UFSC

Tags: Editora da UFSCEdUFSCFeira de LivrosUFSC

John Cage na Feira de Livros da EdUFSC e na Igrejinha

02/10/2012 17:55

Depois do relançamento de “O detetive de Florianópolis” de Jair Francisco Hamms, prestigiado pela presença da viúva Lúcia Rupp, a Feira de Livros da Editora da Universidade Federal de Santa Catarina (EdUFSC) lança nesta quarta-feira, 3 de outubro, a partir das 16h30min,  o livro Cage e a poética do silêncio (Letras Contemporâneas) de Alberto Heller.

Além de Heller, confirmaram presença, na tenda montada em frente à Reitoria, Grace Torres e Lilian Nakahodo, que autografarão o CD “Preparado em Curitiba: Sonatos e Interlúdios para Piano Preparado”, gravado em comemoração ao centenário do compositor, poeta, escritor e teórico musical norte-americano John Cage. Após o lançamento do livro e do CD haverá um concerto de piano preparado na Igrejinha da UFSC, às 19 horas, com Torres e Nakahodo. A entrada é franca.

Organizada anualmente pela EdUFSC no Campus da Trindade, em Florianópolis, a feira oferece aos leitores da Comunidade Universitária e ao público em geral obras com descontos de 50 a 70%. A promoção contempla todos os títulos editados ao longa de 32 anos de atuação da editora universitária, incluindo os lançamentos e reedições.

O livro de Alberto Heller, que será lançado nesta quarta-feira, trata da vida e obra de um dos maiores experimentadores e inventivos compositores do mundo. John Cage, com a sua música aleatória, foi um vanguardista que influenciou a vida artística do século XX. Dos seus experimentos, um dos mais conhecidos é uma peça para piano intitulada 4’33 (quatro minutos e 33 segundos), composta basicamente por pausas. “Não é uma música composta apenas de silêncio, mas formada pelos seus ambientes dentro do teatro”, explicou o próprio Cage. Ou seja, em síntese, resumia-se a ritmo.

Grace Torres e Lilian Nakahodo, que lançarão o CD em homenagem a Cage, explicam que gravaram “Sonatas e Interlúdios” porque esta obra, escrita no imediato pós-guerra mundial, é um marco na trajetória do compositor e uma das obras mais representativas do repertório de concerto”. Talvez seja, acrescenta Grace em entrevista ao diretor da EdUFSC, Sérgio Medeiros, a composição que “mais revolucionou o próprio conceito de composição para piano na música do século XX”.

Segundo Grace Torres, John Cage criou a preparação do piano segundo critérios sonoros bem definidos. “Produziu até uma espécie de bula de preparação”, lembrou. É um processo cheio de detalhes que exige atenção contínua. “Após a preparação, precisamos experimentar o piano tocando algumas peças para avaliar a sonoridade obtida”.

A obra de John Cage já foi apresentada em várias cidades do Brasil. Grace Torres e Lilian Nakahodo ficaram impressionados com o desconhecimento do público e dos artistas em relação à importância da obra do compositor. Mas se dizem felizes pela repercussão. “As pessoas têm gostado demais. Após o concerto, muitas pessoas vêm falar conosco no palco, perguntam muitas coisas, chegam perto do piano, compram o CD para ouvir em casa”. Estão felizes com o “Projeto John Cage – Preparado em Curitiba” que vem popularizando a obra do revolucionário compositor no Brasil.

A EdUFSC está relançando o clássico da literatura sulista Contos gauchescos, de Simões Lopes Neto, organizado por Cláudio Cruz. A reedição marca o centenário da primeira edição, em 1912. A editora também está homenageando a cultura açoriana. Com apresentação e prefácio do museólogo Gelci José Coelho (o Peninha), a EdUFSC publica, num volume único, O fantástico da Ilha de Santa Catarina, de Franklin Cascaes. As duas obras integram a coleção Repertório da EdUFSC, dirigida à divulgação de clássicos de arte e do pensamento.

Além disso, o diretor Sérgio Medeiros anuncia a tradução de mais um clássico da literatura universal: Pensar em não ver: escritos sobre a arte do visível, de Jacques Derrida. Será a primeira edição mundial desse livro póstumo de um dos principais filósofos franceses de todos os tempos. A iniciativa reforça a política da EdUFSC de publicar “livros para ler o mundo”, sem abandonar  ou desmerecer as demais coleções que abarcam a literatura local, regional e nacional, bem como a produção científica, tecnológica, cultural e cunho didático.

Mais informações e contatos:

Sérgio Medeiros e Fernando Wolff

(48) – 3721-9605, 3721-9408 , 3721-9686  e  3721-8507

e-mails: 

Por Moacir Loth/jornalista na Agecom

Tags: Editora da UFSCFeira de LivrosUFSC

Começa a tradicional feira de livros da Editora da UFSC

25/09/2012 08:24

A feira funciona de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 19h. Às quartas vai até às 20h30

À primeira vista, pelo movimento, pela quantidade, diversidade e preço acessível, pode parecer um sacolão. Mas a qualidade dos títulos elimina as dúvidas. Começou nesta segunda-feira, dia 24, às 8h30, na Praça da Cidadania (em frente à Reitoria), campus de Florianópolis, a tradicional Feira do Livro da Universidade Federal de Santa Catarina (EdUFSC). Oferecendo descontos de 50% a 70%, a editora universitária coloca à disposição dos leitores o seu acervo acumulado em 32 anos de atuação, incluindo os lançamentos e relançamentos. A feira funciona de segunda a sexta-feira, abrindo às 8h30 e fechando às 19h, com exceção de quarta-feira, quando vai até às 20h30 em função das sessões de autógrafo e bate-papo com autores e convidados.

A grande estrela desta feira, segundo assinala o diretor da EdUFSC, Sérgio Medeiros, é o relançamento no dia 26, às 16h30, do clássico “O detetive de Florianópolis”, de Jair Francisco Hamms. A homenagem contará com a presença da viúva Lúcia Rupp Hamms. Jair faleceu no início deste ano e deixou, entre outros, os livros “A cabra azul”, “O vendedor da maravilhas” e “Samba no céu”. “O detetive de Florianópolis” já está à venda na feira.

A EdUFSC, além de títulos locais, regionais e nacionais, vem traduzindo e editorando clássicos da literatura universal. “São obras fundamentais e de grandes autores”, lembra Sérgio Medeiros.

Dia 26, quarta-feira, às 16h30, acontece o relançamento do clássico “O detetive de Florianópolis”, de Jair Hamms

O evento reserva ainda um espaço especial para a Liga das Editoras Universitárias (LEU). “É quase uma feira dentro da feira”, esclarece Fernando Wolff, chefe da divisão administrativa da EdUFSC. São obras publicadas pela editoras da USP, UFMG, UnB, Unicamp, entre outras.

Entre as atrações da feira, a organização destaca o lançamento do livro “Cage e a poética do silêncio” (Letras Contemporâneas), de Alberto Heller. A sessão de autógrafos, dia 3 de outubro, às 16h30, contará também com a presença de Grace Torres e Lílian Nakahodo, que apresentarão o CD em comemoração ao centenário do compositor e poeta norte-americano John Cage.

Mais informações e contatos:
Sérgio Medeiros e Fernando Wolff
Fones (48) 3721-9605, 3721-9686 e 3721-8507
E-mails  e 

Moacir Loth / Jornalista da Agecom / UFSC

Fotos: Wagner Behr / Agecom / UFSC

Assista à reportagem da  Universidade Já/ TV UFSC sobre a Feira

Tags: Editora da UFSCFeira de LivrosUFSC

Rodrigo de Haro e Pedro Garcia farão noite de poesia nesta quinta-feira

13/03/2012 10:22

Rodrigo de Haro

Santo Antônio de Lisboa tem recital na quinta-feira, dia 15, às 20h, com lançamento das últimas obras de Rodrigo de Haro e Pedro Garcia. Na quarta, Rodrigo conversa com leitores na Feira de Livros da Editora da UFSC .

Festa, luto, folia, melodramas. Arcabouços. Da matéria da tragédia e da celebração se faz a arte desses dois grandes poetas, amigos de longa data, Rodrigo de Haro e Pedro Garcia. Juntos, eles lançam às 20h do dia 15 de março, no Espaço Coisas de Maria João, em Santo Antônio de Lisboa, suas duas últimas obras poéticas. O multiartista catarinense lança o livro-embalangem Poemas, que contém as obras: “Folias do Ornitorrinco” e “Espelho dos Melodramas”, em uma única edição pela Editora UFSC. Já o poeta carioca Pedro Garcia, que em 2000 teve reeditado seu primeiro livro, Viagem Norte, com serigrafia de Rodrigo de Haro, lança em Florianópolis pela Ibis Libris Arcabouços 2007. Antes, na quarta-feira, dia 14, a partir das 17h, Rodrigo estará na Feira de Livros da Editora da UFSC, na Praça da Cidadania, para uma conversa com o público na Tenda dos Autores.

(mais…)

Tags: Editora da UFSCnoite de poesiaPedro GarciaRodrigo de Haro

Lançamentos da Editora UFSC com desconto até sexta na 26ª Feira do Livro

21/12/2011 19:10
O estande da Editora funciona todos os dias, das 9 às 21 horas, oferecendo descontos de até 50% para livros como Ao que minha vida veio, Bioética e Últimos Sonetos.

Estudantes, pesquisadores e amantes da leitura têm até sexta, 23/12, para aproveitar os descontos da Editora UFSC na 26ª Feira do Livro de Florianópolis. Autores catarinenses, como Cruz e Souza e Rodrigo de Haro, ao lado dos lançamentos de autores internacionais deste final de ano, como Pierre Bourdieu e Mário Perniola, são os mais procurados até agora. A editora levou para o seu estande na feira um total de duzentos títulos, com promoções que chegam a 50% de desconto.

O livro Homo Academicus, recém-lançado pela editora, reflete sobre a violência do poder simbólico do “universo universitário” na visão do sociólogo francês Pierre Bourdieu. Reconhecida pela densidade e coerência de seu pensamento, a obra Homo Academicus é leitura obrigatória para compreender os mecanismos pelos quais as instituições culturais e políticas operam.

Alckmar Luiz dos Santos, na obra Ao que minha vida veio…, relata a busca do narrador por sua própria identidade, a reconstituição da sua trajetória e a descoberta de quem são seus pais. Uma característica marcante é a linguagem utilizada na obra, que evoca a oralidade dos contadores de causos do interior.

O livro-embalagem “Poemas”, dividido em duas partes: Espelho dos Melodramas e Folias do Ornitorrinco, ambos inéditos, escritos pelo poeta e artista plástico catarinense Rodrigo de Haro é, na avaliação do editor Sérgio Medeiros, uma das maiores expressões contemporâneas da arte brasileira.

Foi com Últimos sonetos, volume publicado postumamente em 1905, que João da Cruz e Souza se consolidou em meio à comunidade letrada como um dos fundadores da moderna poesia brasileira. Este é um dos títulos que a Editora UFSC traz, com 50% de desconto, para a 26ª Feira de Livros.

A Editora UFSC realizará  uma nova grande feira no campus universitário, na volta às aulas.

Informações: 3721-8729.

Por Matheus Moreira Moraes / Bolsista de Jornalismo na SeCArte

– www.secarte.ufsc.br – www.ufsc.br

 

Divulgação:

Raquel Wandelli

Jornalista da UFSC na SeCArte

Tags: Editora da UFSC

Editora da UFSC lança obras inéditas de Rodrigo de Haro

19/12/2011 14:36

Esqueça-se a Teia.
Observe-se a aranha,
suas pernas concêntricas
de estrela. A vetustez
enorme da surda
aranha na parede.

Esqueça-se a vã
literatura que a
persegue com patas
ligeiras. Traz muita
fortuna a filha
de Saturno.

(Rodrigo de Haro, “Inseto”, de Folias do Ornitorrinco)

.Aos 72 anos, Rodrigo Antônio de Haro trabalha com paixão e afinco entre a palavra e a imagem. Empoleirado desde cedo em um andaime de alumínio no atelier de sua casa na Lagoa da Conceição, o multiartista executa uma grande tela de quatro metros quadrados para o altar-mor de uma Igreja em Curitiba depois de ter entrado a madrugada revisando os originais de seus dois novos livros de poesia. E assim o artista sai do cavalete e volta para a escrivaninha, criando, criando… “Dizem que nunca o artista é inteiramente humano”, bem fala o próprio Rodrigo no poema “Invenção do olfato”. O verso integra os dois volumes inéditos de poemas que o artista lança pela Editora UFSC no dia 20 de dezembro, às 19h30min, na Fundação Cultural Badesc, na rua Visconde de Ouro Preto, em uma noite de festa para a arte e a literatura.

Espelho dos Melodramas e Folias do Ornitorrinco integram uma única e primorosa edição, embalados como um presente para o público desta fase de jorro criativo de Rodrigo -, que tem mais cinco livros na gaveta. São obras manuscritas em folhas de papel amarelo onde o autor desenha e lapida poemas, contos, novelas, ensaios, que vão compor cadernos ilustrados com desenhos, envoltos na beleza e raridade de um pergaminho. Além da compreensão cada vez mais plural e aberta da vida e da arte, o peso dos anos só deu mais urgência a esse monge da arte, consagrado além das fronteiras do estado e do país pela palavra, pela pintura e pela erudição. Com o “álbum duplo” de poesia, a Editora UFSC encerra um ano de grandes lançamentos e comemora o aniversário de 51 anos da universidade.

O menino artista de São Joaquim deixou a escola aos 16 anos para formar-se por conta própria aproveitando os estímulos dos pais, sempre mergulhados no mundo da sensibilidade e do conhecimento. Difícil encontrar uma expressão artística que ele não tenha experimentado: roteiro para cinema, novela, conto, poesia, aquarela, mosaico, pintura — até adaptações de literatura para rádio-novela ele fez. Integrante transgressor do grupo Litoral que atuou em Santa Catarina no final dos anos 50 e do grupo de poetas (Roberto Piva, Cláudio Viller, Antônio Fernandes Franceschi) que consolidou o surrealismo no Brasil a partir dos anos 60 e se confrontou com a Ditadura Militar. Como uma das maiores expressões contemporâneas da arte brasileira, na avaliação do Editor Sérgio Medeiros, seus poemas guardam uma musicalidade poética serena e trágica ao mesmo tempo: “Primeiro amar os dados,/tutores das moradas. Sempre/com malícia atirá-los/sobre a mesa sem ocupar-se/de outras faces – Onde vais?/ Agito o copo,/atiro as pedras./Tantos tactos sono- /rosos trato – dados por/vertigem lado a lado./Furtar sem felonia,/abrir última porta.” (Folias do Ornitorrinco)

Retornando eternamente ao lar e ao mistério sagrado da vida, o filho do pintor Martinho de Haro e de Maria Palma, produz sua arte de uma concepção sempre transversal sobre os seres e as coisas. O maldito e o sublime, o sagrado e o profano compõem uma única dimensão do presente, que busca sua força ontológica na tradição. Nesse tempo anacrônico do poeta, a ousadia estética se alicerça no legado clássico. “Sim, abre as janelas, as janelas cegas./Deixa cair a chuva misturada ao vinho/sabático da Beladona. Espia. Ouve/os fatigados rios do mundo e saúda/Dona Urraca, a intrépida, girando/a chave do abismo”. (Espelhos do Melodrama).

Conforme rezam as escrituras sobre a cena bíblica, onde o apóstolo S. Pedro recebe de Cristo as chaves da Igreja, a mesma cena que inspirou artistas célebres como Velásquez: “…com estas chaves aquilo que ligares na Terra, será ligado nos céus; aquilo que desligares na Terra será desligado nos céus…”. Enquanto dá ao ramo de oliveira a última pincelada, Rodrigo fala sobre sua obra poética:

1. Que motivações éticas e estéticas têm movido a sua poesia?
Rodrigo de Haro: Todo poeta almeja cativar a matéria, dominar, fazer cantar a energia adormecida nas coisas. Precipitar a metamorfose das coisas é missão do poeta, conferir asas ao inanimado. A poesia, disse Balthazar Gracian, consiste em preservar o espanto: – o caderno alado que voa…

2. Como um multiartista, você desafia a manifestação mais recorrente entre os criadores, que é dominar bem apenas uma ou no máximo duas modalidades literárias e mesmo artísticas. E você transita pela poesia, conto, ensaio, novela e também por várias expressões das artes plásticas. Como é esse trânsito da literatura para as artes plásticas?
Rodrigo de Haro: Não acho que desafie. Acontece simplesmente que o mundo é um laboratório mágico, uma gruta de ressonâncias e apelos, onde se entremostram tentações e miragens. Nada é impossível para esta arte combinatória – a poesia – capaz de acordar (sim…) os mortos. Literatura, conto, ensaio e novela? É tudo poesia, se for de – fato coisa real.

Sim, sou também pintor – logo desenhista. Apenas pintor e desenhista.  Às vezes me aventuro no conto, é verdade. Tenho mesmo participado de algumas antologias até fora do País. O som, a palavra, começa na alma. Pois só a poesia é familiar do sagrado.

3. Que autores têm mais inspirado sua obra poética?
Rodrigo de Haro:  Acima das divergências (só aparentes) está a unidade da inspiração e da busca. Na verdade ouso me aproximar de uma ilustre família, aquela de Michelangelo, Blake que se manifestaram no desenho e na pintura e na escrita e na pintura e tantos outros. A criação desconhece fidelidade partidária. O preconceito difuso (que de fato existe) contra a multiplicidade é uma inovação recente, desconhecida na China e no Japão, por exemplo. Utamaro sentia-se tanto poeta quanto aquarelista. E gostaria de reconhecer minha dívida com Rilke e o poeta expressionista alemão Georg Trackl e o grande G. Sarcer de la Cruz.

4. O sagrado sempre esteve presente na sua pintura e na sua obra literária, mas você também é normalmente discutido em relação aos poetas malditos. Como você vê essa relação entre o sagrado e o profano – ou maldito – no seu trabalho poético?
Rodrigo de Haro:  Malditos? Quem são? Maldito é título de nobreza, é ser politicamente incorreto? É possível. No mundo midiático, mecânico, em que vivemos é uma grande honra: Dante, Villon, os místicos, foram malditos também em seus dias, não é verdade?

5. O mito, o sagrado, o inumano, a tradição, a memória… De uma certa forma esses elementos são sempre recorrentes na sua poesia… Você acredita que eles ainda ajudam a compreender o mundo hoje?
Rodrigo de Haro:  A verdadeira poesia aproxima-se demais do ominoso para não provocar arrepios em alguns momentos. “Aqueles que levantam o véu….”. O sagrado, que nos ultrapassa está na essência da ordenação poética. Meu trabalho é aquilo que é. Sou apenas o servidor de uma força maior que, de um modo ou de outro, com esforço e trabalho tento dominar, ordenar, logo que sou tomado por esta visitação dos espaços exteriores ao pragmatismo. A pulsação do sangue, a respiração e a dança são parte integrante das forças ativas da memória e da nostalgia operante. A poesia solicita liturgia, algo que o surrealismo intuiu (e também explorou) com bastante inteligência. Breton-Hudini, por exemplo, foi um agente muito perspicaz…

6. E sua obra poética e pictórica é também sempre classificada ao lado do grupo de poetas surrealistas, com quem de fato você escreveu uma trajetória. Você se identifica com esse rótulo?
Rodrigo de Haro: Sou irredutível a grupos, exceto socialmente. As escolas são sempre provisórias e o surrealismo me parece como estética ter perdido a inocência: Frida Kahlo, por exemplo, riu-se do movimento quando em Paris. Sua realidade, o seu entorno, o México coberto de caveiras de Jaguar em obsidiana, colocou o surrealismo. Dentro de medidas bastante discretas. O fantástico de Buñuel é sempre maior quando ele se afasta do surrealismo. Viridiana, Nazarin, Los olvidados. Mas… naturalmente agrada-me o discurso surrealista.

7. O mito, o sagrado, o inumano, a tradição, a memória… Esses elementos estão sempre gerando sua poesia e sendo gerados por ela… Você acredita que essas dimensões clássicas ainda ajudam a compreender a vida no mundo em que vivemos?
Rodrigo de Haro: Sim, uma certa tradição hermética me fecunda. Acredito que os valores do sagrado e só eles poderão salvar o mundo. Este mundo em que vivemos.  É preciso reencantar o mundo através do apelo ao silêncio e também a outros ritmos compatíveis com a expansão do ser. O ético e o social devem expandir-se sem coerção, sem decretos, mas segundo o desabrochar da consciência de cada homem: pois todos sabemos de nossos deveres, todos podemos comunicar da mesma alegria. Basta abrir a porta.

 8. Vejo que sua obra é povoada por esposas vegetais, animais contemporâneos ou míticos, seres heterogêneos. Nos originais do livro Folias do Ornitorrinco que estão no prelo da Editora da UFSC, vi alguns versos que evocam o caráter trans-humano da arte, como em “Invenção do olfato: “Dizem que nunca o artista é inteiramente humano/ seu rosto modelado por visível piedade/ Fala também com os répteis do lobo e sonha”. O filósofo francês François Lyotard cita em O inumano uma frase de Apollinaire segundo a qual “a Arte mantém-se fiel aos homens unicamente por sua inumanidade para com eles”. O que você pensa dessa relação entre a arte e o não humano?
Rodrigo de Haro: Devemos acreditar na comunhão dos seres, das coisas. O olhar da criança é um olhar cúmplice dos anjos, logo fala com as coisas e os bichos. “O olho da flor da arnica amarela à minha porta, piscou-me esta manhã. Toda poesia de verdade será trans-humana por definição, pois cabe a ela restabelecer uma corrente rompida na queda, o antigo elo solidário entre as coisas e as criaturas.

9. Espelho dos Melodramas e Folias do ornitorrinco: como se pode falar dessas obras que você lançar pela Editora da UFSC?
Rodrigo de Haro:
E esses dois volumes de poesia acompanham Voz, Idílios vagabundos e Lanterna mágica, outros inéditos que produzi nos últimos tempos, neste voluntário recolhimento do Morro do Assopro. O primeiro deles representa minha adesão ao campo lírico, ao drama – pois trata (por vezes) do excesso, dos movimentos violentos ou dolorosos do espírito, mas com humor. Já Folias do Ornitorrinco obedece a um caráter sintético. São dois livros diferentes, mas compostos pelo mesmo homem. Estão próximos.

10.Quais são os grandes autores da literatura brasileira e qual a melhor contribuição que deram, no seu ponto de vista, à renovação literária?
Rodrigo de Haro: Guimarães Rosa, Lúcio Cardoso.

 11.   Na convivência com o multiartista Rodrigo de Haro, percebe-se que estamos diante de um homem de 72 anos com uma rotina de trabalho diria até rigorosa, obstinada. Como é essa rotina e o que o move dessa forma ao trabalho artístico? Você se sente tomado por um sentimento de urgência de criação?
Rodrigo de Haro: Trabalho artístico ou simplesmente trabalho… Com o tempo, estabelecida a rotina, torna-se impossível fugir a ela. O trabalho de um atelier-escritório é riquíssimo. É tudo a fazer o tempo todo. Os quadros te arrastam para o cavalete, os cadernos sussurram nos ouvidos. Impossível aproximar-se do material sem ser de novo absorvido pelo visgo da invenção, do retoque, de alguma nova sugestão.

12. Que outros projetos ainda estão saindo do atelier multiartístico de Rodrigo de Haro? A propósito, qual a importância do ambiente de trabalho no seu processo de criação?
Rodrigo de Haro: Sempre são muitos os projetos, pois o hábito contínuo da reflexão se resolve em sonhos de realização urgentíssimos. Nada é mais importante do que sonhar para materializar.

Texto e entrevista a Raquel Wandelli

Lançamento: Livro-embalagem “Poemas”

(Folias do Ornitorrinco e Espelho dos Melodramas)

Autor: Rodrigo de Haro
Editora UFSC
Quando: 20 de dezembro, às 19h30min
Onde: Fundação Cultural Badesc
Entrada aberta ao público

Texto: Raquel Wandelli, Jornalista na SeCArte/UFSC – Fones: 37218729 e 99110524 – www.secarte.ufsc.br – www.agecom.ufsc.br

 

Tags: Editora da UFSCpoemas.Rodrigo de HaroUFSC

Rodrigo de Haro lança Poemas pela Editora da UFSC

12/12/2011 14:53

Esqueça-se a Teia.

Observe-se a aranha,

suas pernas concêntricas

de estrela. A vetustez

enorme da surda

aranha na parede.

Esqueça-se a vã

literatura que a per-

segue com patas

ligeiras. Traz muita

fortuna a filha

de Saturno.

(Rodrigo de Haro, “Inseto”, de Folias do Ornitorrinco)

 Aos 72 anos, Rodrigo Antônio de Haro trabalha com paixão e afinco entre a palavra e a imagem. Empoleirado desde cedo em um andaime de alumínio no atelier de sua casa na Lagoa da Conceição, o multiartista executa uma grande tela de quatro metros quadrados para o altar-mor de uma Igreja em Curitiba depois de ter entrado a madrugada revisando os originais de seus dois novos livros de poesia. E assim o artista sai do cavalete e volta para a escrivaninha, criando, criando… “Dizem que nunca o artista é inteiramente humano”, bem fala o próprio Rodrigo no poema Invenção do olfato”. O verso integra os dois volumes inéditos do conjunto “Poemas” que o artista lança pela Editora UFSC no dia 20 de dezembro, às 19h30min, na Fundação Cultural Badesc, na rua Visconde de Ouro Preto, em uma noite de festa para a arte e a literatura.

Espelho dos Melodramas e Folias do Ornitorrinco integram uma única e primorosa edição, embalados como um presente para o público desta fase de jorro criativo de Rodrigo -, que tem mais cinco livros na gaveta. São obras manuscritas em folhas de papel amarelo onde o autor desenha e lapida poemas, contos, novelas, ensaios, que vão compor cadernos ilustrados por gravuras, envoltos na beleza e raridade de um pergaminho. Além da compreensão cada vez mais plural e aberta da vida e da arte, o peso dos anos só deu mais urgência a esse monge da arte, consagrado além das fronteiras do estado e do país pela palavra, pela pintura e pela erudição. Com o “álbum duplo” de poesia, a Editora UFSC encerra um ano de grandes lançamentos e comemora o aniversário de 51 anos da universidade.

O menino artista de São Joaquim deixou a escola aos 16 anos para formar-se por conta própria aproveitando os estímulos de casa, onde os pais, artistas e intelectuais, estavam sempre mergulhados no mundo da sensibilidade e do conhecimento. Difícil encontrar uma expressão artística que ele não tenha experimentado: roteiro para cinema, dramaturgia, novela, conto, poesia, aquarela, mosaico, pintura — até ator de rádio-novela ele foi. Integrante transgressor do grupo sulista que trouxe o modernismo para Santa Catarina na década de 40 e do grupo de poetas (Roberto Piva, Cláudio Viller) que consolidou o surrealismo no Brasil a partir dos anos 60, Rodrigo bateu de frente com a Ditadura Militar. Como uma das maiores expressões contemporâneas da arte brasileira, na avaliação do Editor Sérgio Medeiros, seus poemas guardam uma musicalidade poética serena e trágica ao mesmo tempo: “Primeiro amar os dados,/tutores das moradas. Sempre/com malícia atirá-los/sobre a mesa sem ocupar-se/de outras faces – Onde vais?/ Agito o copo,/atiro as pedras./Tantos tactos sono- /rosos trato – dados por/vertigem lado a lado./Furtar sem felonia,/abrir última porta.” (Folias do Ornitorrinco)

Retornando eternamente ao lar e ao mistério sagrado da vida, o filho do pintor Martinho de Haro produz sua arte de uma concepção nada linear, nada dicotômica sobre os seres e as coisas. O maldito e o sublime, o sagrado e o profano compõem uma única dimensão do presente, que busca sua força ontológica na tradição. Nesse tempo anacrônico do poeta, a ousadia estética se alicerça no legado clássico. “Sim, abre as janelas, as janelas cegas./Deixa cair a chuva misturada ao vinho/sabático da Beladona. Espia. Ouve/os fatigados rios do mundo e saúda/Dona Urraca, a intrépida, girando/a chave do abismo”. (Espelhos do Melodrama).

Conforme rezam as escrituras sobre a cena bíblica, onde o apóstolo S. Pedro recebe de Cristo as chaves da Igreja, a mesma cena que inspirou artistas célebres como Velásquez: “…com estas chaves aquilo que ligares na Terra, será ligado nos céus; aquilo que desligares na Terra será desligado nos céus…”. Enquanto dá ao ramo de oliveira a última pincelada, Rodrigo fala sobre sua obra poética:

  1. 1.       Que motivações éticas e estéticas têm movido a sua poesia?

Rodrigo de Haro: Todo poeta almeja cativar a matéria, dominar, fazer cantar a energia adormecida nas coisas. Precipitar a metamorfose das coisas é missão do poeta, conferir asas ao inanimado. A poesia, disse Balthazar Gracian, consiste em preservar o espanto: – o caderno alado que voa…

2.       Como um multiartista, você desafia a manifestação mais recorrente entre os criadores, que é dominar bem apenas uma ou no máximo duas modalidades literárias e mesmo artística. E você transita pela poesia, conto, ensaio, novela e também por várias expressões das artes plásticas. Como é esse trânsito da literatura para as artes plásticas?

 Rodrigo de Haro: Não acho que desafie. Acontece simplesmente que o mundo é um laboratório mágico, uma gruta de ressonâncias e apelos, onde se entremostram tentações e miragens. Nada é impossível para esta arte combinatória – a poesia – capaz de acordar (sim…) os mortos. Literatura, conto, ensaio e novela? É tudo poesia, se for de – fato coisa real.

Sim, sou também pintor – logo desenhista. Apenas pintor e desenhista.  Às vezes me aventuro no conto, é verdade. Tenho mesmo participado de algumas antologias até fora do País. O som, a palavra, começa na alma. Pois só a poesia é familiar do sagrado.

3.       Que autores têm mais inspirado sua obra poética?

Rodrigo de Haro:  Acima das divergências (só aparentes) está a unidade da inspiração e da busca. Na verdade ouso me aproximar de uma ilustre família, aquela de Michelangelo, Blake que se manifestaram no desenho e na pintura e na escrita e na pintura e tantos outros. A criação desconhece fidelidade partidária. O preconceito difuso (que de fato existe) contra a multiplicidade é uma inovação recente, desconhecida na China e no Japão, por exemplo. Utamaro sentia-se tanto poeta quanto aquarelista. E gostaria de reconhecer minha dívida com Rilke e o poeta expressionista alemão Georg Trackl e o grande G. Sarcer de la Cruz.

4.       O sagrado sempre esteve presente na sua pintura e na sua obra literária, mas você também é normalmente discutido em relação aos poetas malditos. Como você vê essa relação entre o sagrado e o profano – ou maldito – no seu trabalho poético?

Rodrigo de Haro:  Malditos? Quem são? Maldito é título de nobreza, é ser politicamente incorreto? É possível. No mundo midiático, mecânico, em que vivemos é uma grande honra: Dante, Villon, os místicos, foram malditos também em seus dias, não é verdade?

5.       O mito, o sagrado, o inumano, a tradição, a memória… De uma certa forma esses elementos são sempre recorrentes na sua poesia… Você acredita que eles ainda ajudam a compreender o mundo hoje?

Rodrigo de Haro:  A verdadeira poesia aproxima-se demais do ominoso para não provocar arrepios em alguns momentos. “Aqueles que levantam o véu….”. O sagrado, que nos ultrapassa está na essência da ordenação poética. Meu trabalho é aquilo que é. Sou apenas o servidor de uma força maior que, de um modo ou de outro, com esforço e trabalho tento dominar, ordenar, logo que sou tomado por esta visitação dos espaços exteriores ao pragmatismo. A pulsação do sangue, a respiração e a dança são parte integrante das forças ativas da memória e da nostalgia operante. A poesia solicita liturgia, algo que o surrealismo intuiu (e também explorou) com bastante inteligência. Breton-Hudini, por exemplo, foi um agente muito perspicaz…

6.       E sua obra poética e pictórica é também sempre classificada ao lado do grupo de poetas surrealistas, com quem de fato você escreveu uma trajetória. Você se identifica com esse rótulo?

Rodrigo de Haro: Sou irredutível a grupos, exceto socialmente. As escolas são sempre provisórias e o surrealismo me parece como estética ter perdido a inocência: Frida Kahlo, por exemplo, riu-se do movimento quando em Paris. Sua realidade, o seu entorno, o México coberto de caveiras de Jaguar em obsidiana, colocou o surrealismo. Dentro de medidas bastante discretas. O fantástico de Buñuel é sempre maior quando ele se afasta do surrealismo. Viridiana, Nazarin, Los olvidados. Mas… naturalmente agrada-me o discurso surrealista.

7.       O mito, o sagrado, o inumano, a tradição, a memória… Esses elementos estão sempre gerando sua poesia e sendo gerados por ela… Você acredita que essas dimensões clássicas ainda ajudam a compreender a vida no mundo em que vivemos?

 Rodrigo de Haro: Sim, uma certa tradição hermética me fecunda. Acredito que os valores do sagrado e só eles poderão salvar o mundo. Este mundo em que vivemos.  É preciso reencantar o mundo através do apelo ao silêncio e também a outros ritmos compatíveis com a expansão do ser. O ético e o social devem expandir-se sem coerção, sem decretos, mas segundo o desabrochar da consciência de cada homem: pois todos sabemos de nossos deveres, todos podemos comunicar da mesma alegria. Basta abrir a porta.

8.       Vejo que sua obra é povoada por esposas vegetais, animais contemporâneos ou míticos, seres heterogêneos. Nos originais do livro Folias do Ornitorrinco que estão no prelo da Editora da UFSC, vi alguns versos que evocam o caráter trans-humano da arte, como em “Invenção do olfato: “Dizem que nunca o artista é inteiramente humano/ seu rosto modelado por visível piedade/ Fala também com os répteis do lobo e sonha”. O filósofo francês François Lyotard cita em O inumano uma frase de Apollinaire segundo a qual “a Arte mantém-se fiel aos homens unicamente por sua inumanidade para com eles”. O que você pensa dessa relação entre a arte e o não humano?

 Rodrigo de Haro: Devemos acreditar na comunhão dos seres, das coisas. O olhar da criança é um olhar cúmplice dos anjos, logo fala com as coisas e os bichos. “O olho da flor da arnica amarela à minha porta, piscou-me esta manhã. Toda poesia de verdade será trans-humana por definição, pois cabe a ela restabelecer uma corrente rompida na queda, o antigo elo solidário entre as coisas e as criaturas.

9.       Espelho dos Melodramas e Folias do ornitorrinco: como se pode falar dessas obras que você lança pela Editora da UFSC?

 Rodrigo de Haro: E esses dois volumes de poesia acompanham Voz, Idílios vagabundos e Lanterna mágica, outros inéditos que produzi nos últimos tempos, neste voluntário recolhimento do Morro do Assopro. O primeiro deles representa minha adesão ao campo lírico, ao drama – pois trata (por vezes) do excesso, dos movimentos violentos ou dolorosos do espírito, mas com humor. Já Folias do Ornitorrinco obedece a um caráter sintético. São dois livros diferentes, mas compostos pelo mesmo homem. Estão próximos.

10.   Quais são os grandes autores da literatura brasileira e qual a melhor contribuição que deram, no seu ponto de vista, à renovação literária?

 Rodrigo de Haro: Guimarães Rosa, Lúcio Cardoso.

11.   Na convivência com o multiartista Rodrigo de Haro, percebe-se que estamos diante de um homem de 72 anos com uma rotina de trabalho diria até rigorosa, obstinada. Como é essa rotina e o que o move dessa forma ao trabalho artístico? Você se sente tomado por um sentimento de urgência de criação?

Rodrigo de Haro: Trabalho artístico ou simplesmente trabalho… Com o tempo, estabelecida a rotina, torna-se impossível fugir a ela. O trabalho de um atelier-escritório é riquíssimo. É tudo a fazer o tempo todo. Os quadros te arrastam para o cavalete, os cadernos sussurram nos ouvidos. Impossível aproximar-se do material sem ser de novo absorvido pelo visgo da invenção, do retoque, de alguma nova sugestão.

12.   Que outros projetos ainda estão saindo do atelier multiartístico de Rodrigo de Haro? A propósito, qual a importância do ambiente de trabalho no seu processo de criação?

  1. Rodrigo de Haro: Sempre são muitos os projetos, pois o hábito contínuo da reflexão se resolve em sonhos de realização urgentíssimos. Nada é mais importante do que sonhar para materializar.

Texto e entrevista a Raquel Wandelli

Lançamento: Livro-embalagem “Poemas”

(Folias do Ornitorrinco e Espelho dos Melodramas)

Autor: Rodrigo de Haro

Editora UFSC

Quando: 20 de dezembro, às 19h30min

Onde: Fundação Cultural Badesc

Entrada aberta ao público

Texto: Raquel Wandelli, Jornalista na SeCArte/UFSC

Fones: 37218729 e 99110524

www.secarte.ufsc.br

www.agecom.ufsc.br

 

Tags: Editora da UFSCLançamento livro PoemasRodrigo de Haro

Editora UFSC encerra 2011 com três grandes lançamentos

09/12/2011 08:22

Nova obra poética de Rodrigo de Haro

Edições primorosas de Homo academicus, obra-prima do sociólogo Bourdieu, Linha direta: estética e política, de Mário Perniola e dois volumes poéticos de Rodrigo de Haro, fecham a aplaudida safra deste ano

A Editora UFSC chega a dezembro com três grandes lançamentos encerrando o ano. Um deles é o aguardado livro Homo Academicus, de Pierre Bourdieu, um dos maiores intelectuais do século XX, que se notabilizou ao se debruçar sobre as estruturas do pensamento do próprio campo intelectual.

O segundo livro é o ensaio “Ligação direta: estética e política”, de Mario Perniola, um dos filósofos italianos mais referenciados na atualidade, também traduzido pela primeira vez em língua portuguesa. Ao lado desses dois grandes pensadores de repercussão internacional, a Editora lança, no dia 20, o livro-embalagem “Poemas”, com dois volumes de poesias do multiartista catarinense Rodrigo de Haro.

Primando pela expressividade autoral e pela qualidade gráfica, as três edições consolidam o novo projeto editorial da EdUFSC, iniciado em 2010, e cumprem dois objetivos, segundo o editor Sérgio Medeiros. Um deles é o de ampliar seu catálogo, incluindo grandes nomes internacionais cujas obras sejam essenciais para a formação dos alunos desta universidade. O outro é o de pesquisar e experimentar novas texturas, cores, formatos de capa, de papel e de livros, a fim de oferecer aos leitores livros com altíssimo acabamento, comparável aos melhores publicados pelas grandes editoras universitárias do país.

Ligação direta

Os lançamentos consolidam o novo projeto editorial da EdUFSC

Essa trajetória de inovação do livro culmina no dia 20 de dezembro, às 19h30min, no Centro Cultural do Badesc, na Rua Vitor Konder, com uma festa de lançamento da nova obra poética de Rodrigo de Haro. A caixa-presente “Poemas” traz Espelho dos Melodramas e Folias do Ornitorrinco,dois livros inéditos do poeta e artista plástico catarinense que é, na avaliação de Medeiros, uma das maiores expressões contemporâneas da arte brasileira. Aos 73 anos, Rodrigo está em sua fase mais produtiva, alternando-se no talhe da palavra e da pintura.

Texto: Raquel Wandelli, Jornalista na SeCArte/UFSC

Fones: (48) 37218729 e 99110524

www.secarte.ufsc.br

Tags: Editora da UFSC

Romance vencedor do Prêmio Salim Miguel será lançado hoje na UFSC

18/11/2011 13:40

“Eu estava na casa de um amigo e ouvi um estrondo. Era um adolescente que tinha se jogado no vão do 12º andar. A primeira cena do livro descreve a imagem do corpo caindo de uma pessoa. A partir dela, comecei a pensar na história da minha vida e da minha região”.

Vencedor do Concurso Salim Miguel 2011 de Romance, promovido pela Editora da UFSC, a obra “Ao que minha vida veio…”, de Alckmar Santos, professor de literatura, chega às livrarias de todo Brasil. O lançamento em Florianópolis ocorrerá no dia 18 de novembro (sexta-feira), às 19 horas, na Sala Aroeira do Centro de Cultura e Eventos da universidade, durante o Simpósio Internacional de Cibercultura da ABCiber. Em seu terceiro romance, Alckmar, grande admirador da obra de Guimarães Rosa, mistura história do Brasil com história de vida e conhecimentos de alquimia.

O romance premiado de Alckmar, que já publicou outras obras como poeta e ensaísta, estreia no site da Editora da UFSC (www.editora.ufsc.br) o projeto de digitalização de obras de acesso público e gratuito. Sempre transitando entre a escrita para formato impresso e meio eletrônico, o autor também apresentará durante o lançamento do romance, a criação digital multiartística, “Volta ao fim”, elaborada em conjunto com o artista Wilton Azevedo.

Brincando com a palavra alquimia no título e com as origens e nome do autor na narrativa, a história inicia-se na década de 1930, ambientada em Silveiras cidade natal do autor, no Vale do Paraíba paulista. Relata a busca do narrador para reconstituir sua trajetória, descobrir quem são seus pais e definir sua própria identidade. Uma característica marcante é a linguagem inovadora, que evoca a oralidade dos contadores de causos do interior, com passagens repletas de detalhes e encantamentos.

O autor conta que o livro começou a nascer há quatro anos, em uma viagem a Belo Horizonte. “Eu estava na casa de um amigo e ouvi um estrondo. Era um adolescente que tinha se jogado no vão do 12º andar. A primeira cena do livro descreve a imagem do corpo caindo de uma pessoa. A partir dessa cena inicial, comecei a pensar na minha história e na história da minha região”.

Se, para o protagonista, a narrativa é um resgate de sua história, para o autor o processo de escrita foi um resgate da linguagem falada na região, das histórias contadas pelo avô, da memória de fatos de sua infância. “O ritmo desse romance, o vocabulário, as imagens, tem tudo a ver com Silveiras”, explica Alckmar.

Baseado em sua experiência como pesquisador de cibercultura e coordenador, há 16 anos, do Núcleo de Pesquisa em Literatura, Linguística e Informática da UFSC, o escritor fez uso de ferramentas como softwares de edição de imagens e de geolocalização para identificar elementos da região referenciada. “Empreendi uma viagem virtual a essa região de Minas Gerais e São Paulo, pelo *Google Maps*, atrás do personagem e do contexto onde ele viveu, examinando estradinhas, nomes dos bairros, de cidades, para nominar tudo com exatidão.” A obra também envolveu pesquisa sobre a história do Brasil, como a participação do país na Segunda Guerra, especialmente a atuação dos pracinhas, os lugares por onde andaram e combateram.

A apresentação do livro é feita por José Luís Jobim, diretor do Instituto de Letras e professor da UERJ e UFF. Ele destaca que não devemos esperar respostas cartesianas nem retas para a pergunta lançada pelo personagem já no título. Ao acompanhar a trajetória do narrador-personagem, o leitor pode ir testemunhando um processo de investigação e as mudanças que as revelações resultantes dessa pesquisa da vida operam na sua mente.

“Ao que minha vida veio…” será apresentado ao público de Santa Catarina, onde Alckmar fez carreira como professor de literatura e pesquisador da UFSC, depois de um lançamento no início do mês na Livraria da Vila, em  São Paulo, estado de origem do autor. Na primeira semana de fevereiro, a EdUFSC lança a obra em Silveiras, onde tudo começou.

Sobre o autor

Alckmar Santos é professor de Literatura Brasileira na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), onde coordena o Núcleo de Pesquisas em Informática, Literatura e Linguística (NUPILL). Foi pesquisador convidado na Université Paris 3 – Sorbonne Nouvelle (2000-2001) e na Universidad Complutense de Madrid (2009-2010). É também poeta, romancista e ensaísta. Autor dos livros “Leituras de nós: ciberespaço e literatura”, “Dos desconcertos da vida filosoficamente considerada” (ensaio e poemas, respectivamente – Prêmio Transmídia do Instituto Itaú Cultural), “Rios imprestáveis” (poemas, Prêmio Redescoberta da Literatura Brasileira da revista “Cult”).

Sobre o livro

Romance – Ao que minha vida veio…

Autor: Alckmar Santos

Editora da UFSC

Páginas: 202

Preço: R$ 29,00
Lançamento

Data: dia 18 de novembro de 2011

Hora: 19 horas – Simpósio da ABCiber

Local: Sala Aroeira do Centro de Cultura e Eventos da UFSC/

Contatos do autor:

E-mail:

Jornalistas responsáveis:

Raquel Wandelli
Jornalista – SeCArte – UFSC
Fones: 37218729 e 37218910 e 99110524
www.secarte.ufsc.br   www.ufsc.br

Laura Tuyama
Jornalista – Agecom – UFSC
Fone (48) 3237-8506

Tags: Editora da UFSCPrêmio Salim MiguelUFSC

“Um percurso psicanalítico pela mística, de Freud a Lacan” será lançado dia 10

05/08/2011 10:12

Na próxima quarta-feira, dia 10 de agosto, será lançado o livro “Um percurso psicanalítico pela mística, de Freud a Lacan”, publicado pela Editora da UFSC (EdFSC), autoria de Marlos Gonçalves Terêncio, mestre e doutorando do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFSC. O evento será realizado às 19h30, na Livraria Saraiva, do Shopping Iguatemi.

Sobre a obra:

“Ainda hoje os estudos realizados por psicanalistas a respeito da religiosidade preferem centrar-se naquilo que Freud denominava “a religião do homem comum”. Poucos dedicaram-se, contudo, de forma específica a analisar a mística ou misticismo, fenômeno que costuma ser equivocadamente absorvido à religiosidade tradicional.

A mística, entendida de maneira ampla como o sentimento de união com uma entidade maior – a divindade ou a natureza, por exemplo -, convoca outra ordem de esclarecimentos, pois pode prescindir da crença em dogmas religiosos e mesmo da intermediação de sacerdotes e suas instituições.

Fundamentado nesta distinção essencial e justificado pela lacuna de análises aprofundadas no ramo, este livro aborda as principais considerações psicanalíticas sobre a mística depreendidas da obra de Sigmund Freud, Jacques Lacan e comentadores.

Para tanto, percorre-se três eixos temáticos: a discussão entre Freud e o escritor francês Romain Rolland a respeito do “sentimento oceânico”; o conceito psicanalítico de gozo (jouissance) feminino, claramente relacionado por Lacan ao êxtase dos místicos; e a relação entre o misticismo e o despertar para além da produção de sentido.

Apresentando diversos conceitos psicanalíticos em estilo claro, o livro também descortina informações curiosas e pouco conhecidas, demonstrando, por exemplo, a apreciação ambivalente de Freud a respeito da mística e o interesse de Lacan pelo misticismo oriental. A obra é, assim, destinada aos interessados nas contribuições da psicanálise a respeito da experiência mística e religiosa em geral.”

“Um percurso psicanalítico pela mística, de Freud a Lacan”

Editora da UFSC, 2011, 227 páginas.

Preço R$ 32,00

Página no portal da EdFSC: http://www.editora.ufsc.br/publicacao/detalhe/id/389

Sobre o autor:

Marlos Terêncio é mestre e doutorando em Psicologia pela UFSC. É psicanalista com atuação em Florianópolis. Também atua como psicólogo no Ministério Público de Santa Catarina.

Outras informações pelo e-mail .

Tags: Editora da UFSClançamentolivroMarlos TerêncioUm percurso psicanalítico pela mística

Santa Catarina é a estrela da Feira do Livro em Ribeirão Preto

25/05/2011 17:56

Com a exposição de cem títulos, Editora da UFSC coloca sua nova produção à prova em uma das maiores mostras literárias do país

Santa Catarina é o estado homenageado na 11ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto, que acontece de 26 de maio, a 5 de junho, no Parque Maurílio Biagi, em São Paulo. A Editora da Universidade Federal de Santa Catarina é o carro-chefe na mostra da produção literária do Estado, com cerca de cem títulos e um total de 1.500 livros. Além de obras versando sobre a cultura e a história de Santa Catarina, a EdUFSC expõe no seu estande 65 títulos recém-lançados no aniversário de seu 30º ano de fundação e que representam a mudança no seu projeto gráfico e editorial.

Pela primeira vez a Editora da UFSC está levando para fora do Estado um volume significativo de obras impactantes que expressam a nova política de edição. “Será uma prova de fogo para sentir a repercussão e consolidação desse projeto no mercado nesse grande evento”, aposta o diretor Sérgio Medeiros, lembrando que em novembro do ano passado a EdUFSC participou da Bienal do Livro em São Paulo, mas com uma mostra bem menor de títulos seguindo o novo padrão de qualidade.

Entre os lançamentos que representam a produção literária do Estado estão traduções de obras inéditas em língua portuguesa de autores como Mallarmé, Evaristo Carriego, Franz Kafka, Giorgio Agamben e Paul Claval. Também expõe ensaios inéditos no Brasil de Gonçalo Tavares e traduções comentadas da dramaturgia de Shakespeare, além de obras exclusivas de Linda Hutcheon e Mário Perniola e da co-edição com a Fapemig Pensar/Escrever o Animal, organizada por Maria Esther Maciel.

Para valorizar a cultura local, a editora levou para a feira os dois volumes de O Fantástico na Ilha de Santa Catarina, com as narrativas do historiador Franklin Cascaes compiladas e organizadas por Gelci Coelho (Peninha) e Franklin Cascaes, o mito vivo da Ilha, obra ensaística de Adalice Maria de Araújo. Também está expondo Folclore Catarinense, de Doralécio Soares. O maior volume de vendas, porém, sempre se concentra em torno da Série Didática, que reúne obras de diversas áreas direcionadas para estudantes universitários e pesquisadores, informa o diretor administrativo da editora, Fernando Wolff.

Reconhecida como uma das maiores mostras literárias do país, a feira homenageia todos os anos um país (Grécia), um escritor (José Saramago), um autor da terra (Saulo Gomes), uma autora (Luciana Savaget) e um patrono (Maurílio Biagi Filho), além de um estado da federação, neste caso, Santa Catarina. O Governo do Estado também participa divulgando a cultura e as festas catarinenses. “Uma feira desse porte abre oportunidade de divulgar e comercializar a produção dos autores, mas também de conhecermos as melhores práticas de venda e valorização do livro”, explica Wolff. A EdUFSC já está se programando para participar também da Bienal do Livro e da Panamazônica, que ocorrerão no segundo semestre respectivamente no Rio de Janeiro, e em Pará.

Publicações da EdUFSC na Feira de Ribeirão Preto:

  • Ética das virtudes – JOÃO HOBUSS (ORGANIZADOR)
  • A coisa perdida – AURORA FORNONI BERNARDINI (ORGANIZAÇÃO E TRADUÇÃO)
  • Breves Notas – Gonçalo Tavares
  • Fundamentação filosófica – GIOVANI LUNARDI • MÁRCIO SECCO
  • Redes locais – MARCELO RICARDO STEMMER
  • Georges Bataille – FRANCO RELLA • SUSANNA MATI
  • Desgostos; novas tendências estéticas – MARIO PERNIOLA
  • Divagações – STEPHANÉ MALLARMÉ
  • Corpo e Performances: As You Like It, de Shakespeare, no século XX – STEPHAN ARNULF BAUMGÄRTEL
  • Do jeito que você gosta, de Shakespeare, RAFAEL RAFAELI (TRAD.)
  • 4 poetas da Catalúnia – LUIS SOLER (ORG.)
  • 28 desaforismos –  FRANZ KAFKA –  SILVEIRA DE SOUZA (TRADUÇÃO)
  • Ecos do porão vol 1 e 2 – SILVEIRA DE SOUZA
  • Educação do corpo em ambientes educacionais – FÁBIO MACHADO PINTO • ALEXANDRE FERNANDEZ VAZ – DEBORAH THOMÉ SAYÃO  (ORGANIZADORES)
  • Edifício Rogério – Textos Críticos 1 e 2 –  ROGÉRIO SGANZERLA
  • Epistemologia da Geografia – PAUL CLAVAL
  • Discussão de novos paradigmas –  JAIME COFRE • KAY SAALFELD (ORGANIZADORES)
  • Pensar/Escrever o Animal – MARIA ESTHER MACIEL
  • Redes locais – MARCELO RICARDO STEMMER
  • Saindo do Armário – MIGUEL DO VALE DE ALMEIDA
  • Uma teoria da Adaptação, Linda Hutcheon (trad. André Cechinel)

www.edufsc.ufsc.br

Por Raquel Wandelli – assessora de comunicação da SeCArte/UFSC

e

Fones: 37219459 e 99110524

www.secarte.ufsc.br e www.ufsc.br

Tags: 11ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão PretoEditora da UFSC

Editora balzaquiana recebe reconhecimento e admiração da comunidade no seu aniversário

18/05/2011 17:46

Fotos: Cláudia Reis / Agecom e Raquel Wandelli / SeCArte

A senhora livreira e balzaquiana chamada Editora da Universidade Federal de Santa Catarina foi a grande homenageada no lançamento coletivo que marcou as comemorações do seu 30º aniversário de fundação na segunda-feira à noite (16). Cerca de 150 pessoas compareceram ao Centro de Eventos para prestigiar o evento cultural “A Editora da UFSC no século XXI”, promovido pela Secretaria de Cultura e Arte. No hall superior do prédio, a Editora comercializou e expôs em nichos separados por livro, os 65 títulos que publicou no período de 2010 e 2011, envolvendo o trabalho de 350 autores, entre escritores, ensaístas, organizadores, pesquisadores e tradutores, que foram prestigiados com um coquetel e noite de autógrafos. As obras lançadas representam a mudança na política gráfica e editorial da Editora da no último ano. “A EdUFSC é um motor no desenvolvimento intelectual e cultural da nossa universidade e do nosso Estado”, disse o reitor Alvaro Prata.

Na mesma cerimônia, a Secretária de Cultura e Arte da UFSC Maria de Lourdes Borges e o diretor da EdUFSC Sérgio Medeiros divulgaram o resultado do Concurso Salim Miguel [Romance], cujo vencedor foi o professor de literatura, poeta e escritor Alckmar Luiz dos Santos. Na presença do vice Carlos Alberto Justus, estudantes, professores, funcionários familiares, intelectuais, autores novos e consagrados (como Flávio José Cardozo, Olsen Jr., Cláudio Cruz etc.), a Editora foi reverenciada em todos os discursos pelo seu papel na promoção do conhecimento. “Fico muito feliz ao perceber o cuidado que a editora tem demonstrado não só com o conteúdo, mas com o aspecto físico dos nossos livros”, elogiou o reitor, que se disse orgulhoso por ouvir tantos comentários entusiasmados dentro e fora do Estado quanto à qualidade que a editora vem imprimindo a suas publicações. A secretária lembrou que muitas outras obras de impacto estão sendo preparadas para o decorrer deste ano, de autores como Rodrigo de Haro, Cruz e Sousa, Pierre Bourdieu, Judith Butler, entre outros.

Em seu discurso, o diretor atual da Editora da UFSC enfatizou os três desafios que a instituição está procurando vencer nos seus 30 anos de vida, completados em dezembro passado. O primeiro deles foi implantar uma ampla reforma gráfica, alterando radicalmente o miolo e as capas, ou seja, mudando a diagramação, as fontes e a estética visual. “Conferimos aos nossos livros um formato eficaz e uma identidade ousada, para melhor inseri-los no mercado nacional”. O segundo desafio foi publicar os vários títulos aprovados em gestões passadas, sem prejudicar a edição de livros de impacto, aprovados pelo atual conselho da editora. “Atualizamos o catálogo e ao mesmo tempo ampliamos a oferta de novos títulos de grandes nomes de prestígio mundial, como Giorgio Agamben, Linda Hutcheon etc”.

O terceiro desafio foi divulgar esses livros nacionalmente, expondo-os nas melhores livrarias dos grandes centros e conquistando espaço para resenhas e notas nos melhores jornais do país. Medeiros destacou o apoio financeiro da Reitoria e da Pró-reitoria de Pós-graduação. “Sem ele não poderíamos ter inovado na editoração e impressão, muito menos publicado 65 títulos em 12 meses”. Por último, enfatizou o papel dos funcionários da editora, que compreenderam as reformas e passaram a colaborar ativamente na confecção de livros mais atraentes e contemporâneos.

Fundada em 1980 pelo reitor Ernani Bayer, a Editora da UFSC tem mais de mil títulos no mercado e publica, em média, 50 livros por ano. Em seus 30 anos, recebeu a contribuição de quatro diretores anteriores, todos citados e reverenciados pelo seu trabalho durante a cerimônia. No primeiro ano da fundação teve à frente o professor João Nilo Linhares Dutra, sucedido pelo escritor Salim Miguel, que a consolidou e a dirigiu de 1981 a 1991, conseguindo junto a Fundação Banco do Brasil os recursos para a construção de sua sede atual. No período de 1991 a 2008 o professor e poeta Alcides Buss assumiu a direção e de 2008 a 2010 o professor Luiz Henrique de Araújo Dutra, que estava presente na cerimônia.

Entre suas mais recentes publicações estão traduções pioneiras de obras em língua portuguesa de autores como Mallarmé, Evaristo Carriego, Franz Kafka e Giorgio Agamben. Também lançou ensaios inéditos no Brasil de Gonçalo Tavares e traduções comentadas da dramaturgia de Shakespeare. Através da aquisição de direitos autorais ou da parceria com outras instituições, lançou obras exclusivas de Linda Hutcheon, Paul Claval, Miguel do Vale de Almeida, Luiz da Costa Lima, Luc-Nancy.

Com o Instituto Itaú Cultural reuniu e editou os textos críticos do cineasta catarinense Rogério Sganzerla e prepara a publicação do romance de Glauber Rocha. A editora traz ao leitor o melhor da produção científica, tecnológica e cultural da UFSC através de séries como a Didática, Geral, Nutrição, Ética, Urbanismo e Arquitetura da Cidade, Imagens, Gênero e Relações Internacionais, Pensamento do Fora e livros de Direito em parceria com a Fundação José Boiteux e da publicação dos grandes escritores catarinenses de todas as épocas, como o contista Silveira de Souza. Recentemente foi aprovada pelo Conselho Editorial a Coleção Repertório, que incluirá entre nomes universais de formação, autores catarinenses fundamentais como Rodrigo de Haro, Franklin Cascaes e Cruz e Sousa, todos já em linha de produção.

DA VELHICE À INFÂNCIA, UFSC RELEMBRA TRAJETÓRIA DE SALIM MIGUEL

Para incentivar a produção literária em Santa Catarina, a SeCArte e a EdUFSC lançaram em outubro de 2010 o Concurso Romance Salim Miguel, que homenageia um dos mais representativos escritores catarinenses e já prepara os concursos para livros de conto, poesia, roteiro e dramaturgia para os próximos anos. Durante o evento Editora da UFSC no Século XXI, Salim ouviu a leitura de um texto narrando sua história e carreira literária e recebeu do reitor Álvaro Prata, uma coleção dos últimos lançamentos da Editora.

O nome de Salim foi escolhido por unanimidade pelo Conselho Editorial para representar o único concurso público na área de romance hoje em Santa Catarina. Bem humorado, Salim agradeceu dizendo que concursos não devem pautar a vida de um escritor, mas são bons porque ajudam a “massagear o ego”. Autor de 31 obras, Salim é o primeiro escritor de SC a ganhar os dois prêmios nacionais. A trigésima segunda (32º) obra, “Reinvenção da Infância”, será lançada no dia 9 de junho, no Centro Cultural do BRDE, em comemoração aos 60 anos de publicação da obra de estreia, “Velhice e outros contos”, circunscrevendo um novo retorno em sua bela e profícua vida literária, da velhice à infância.

Leia a história de Salim escrita pelo jornalista Moacir Loth:

Nascido no Líbano em 1924, o escritor, jornalista e animador cultural Salim Miguel chegou ao Rio de Janeiro em 1927 com os pais e irmãos imigrantes. Após dois anos, a família mudou para Biguaçu, na Grande Florianópolis, onde morou dos cinco aos 19 anos. Por isso considera-se cidadão líbano-biguaçuense. Em 1943, inicia sua longa e indelével jornada cultural em Florianópolis. Crítico literário e jornalista atuante, Salim amargou 48 dias de cadeia em 1964, durante a ditadura militar. A “experiência” inspirou obras, entre as quais, o livro Primeiro de abril: narrativas da cadeia, e o próximo lançamento (Narrativas de um exílio no Rio). Com a companheira de toda a vida Eglê Malheiros, produziu o argumento e roteiro do primeiro longa-metragem de Santa Catarina: O preço da ilusão. Ainda em Florianópolis criou e liderou o movimento cultural Grupo Sul, que revolucionou o panorama das artes, trazendo para Santa Catarina o movimento modernista.

Ao deixar a prisão, Salim e Eglê seguiram para o Rio de Janeiro, onde Salim atuou durante quase 15 anos em jornais e revistas, seja como colaborador assíduo do Caderno Idéias, do Jornal do Brasil (JB), ou nas empresas do Grupo Bloch como redator, repórter especial e chefe de redação.

Desde a publicação de seu primeiro livro, há 60 anos, o escritor autodidata Salim Miguel vem recebendo merecido reconhecimento. Além de conquistar, aos 87 anos, dois prêmios nacionais com o livro Nur na escuridão, romance sobre seus familiares libaneses no Brasil, o primeiro diretor efetivo da Editora da UFSC foi o autor catarinense homenageado do Circuito Cultural Banco do Brasil. Em 1999, Nur, publicado pela Topbooks-RJ, recebeu o prêmio de melhor romance do ano, uma distinção da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA); e em 2001, dividiu com o escritor Antônio Torres (Meu querido canibal) o Prêmio Zaffari & Bourbon da 9ª Jornada Nacional de Literatura de Passo Fundo (RS).

Ao completar meio século de literatura, Salim foi homenageado pelo Conselho Universitário da UFSC com a honraria máxima que uma universidade pode conferir: o título Doutor Honoris Causa. A mesma distinção foi dada em 99 ao Prêmio Nobel de Literatura José Saramago. Também foi agraciado com o prêmio Juca Pato 2002, conferido ao Intelectual do ano pela União Brasileira de Escritores (UBE) e jornal Folha de S. Paulo. Entre os seus prêmios, destaca-se ainda o da União Brasileira de Escritores (UBE-RJ) para Primeiro de abril – narrativas de cadeia.

Por: Raquel Wandelli – assessora de comunicação da SeCArte/UFSC

e

Fones: (48) 3721-9459 e 9911-0524

www.secarte.ufsc.br e www.ufsc.br

Leia também:
– Vencedor do Concurso Salim Miguel mistura história grande e miúda em romance
– Editora lança hoje 65 livros e divulga resultado de concurso de romance
– Animal que habita o homem é tema de livro a ser lançado pela Editora da UFSC

Tags: 30 anos de fundaçãoEditora da UFSC

Editora divulga até maio vencedor do Concurso Salim Miguel

17/02/2011 15:57

O número de inscritos no Concurso Salim Miguel de Romance, promovido pela Secretaria de Cultura e Arte e Editora da UFSC em outubro do ano passado, surpreendeu a Comissão Julgadora pelo número de inscritos. Um total de 26 obras originais foram recebidas pela Editora no término das inscrições, em 15 de dezembro. Os três membros da comissão, cujos nomes serão mantidos em sigilo até a divulgação do resultado, estão trabalhando para concluir a avaliação dos originais no mês de maio. “Considerando a natureza complexa do gênero romance, que exige experiência e volume de trabalho, ficamos muito satisfeitos com a participação dos escritores”, analisa Sérgio Medeiros, diretor da Editora da UFSC.
(mais…)

Tags: concursoEditora da UFSCSalim Miguel
  • Página 4 de 4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4