Destaques da Iniciação Científica são homenageados

15/03/2011 12:42

Fotos: Paulo Noronha / Agecom

Seis jovens cientistas que representarão a UFSC na Jornada Nacional de Iniciação Científica (JNIC) receberam na manhã dessa terça-feira, 15 de março, a homenagem de Destaques da Iniciação Científica.

Henrique Von Paraski, Ana Carolina Ribeiro Lobo de Cassiano, Aline Boschi Moreira, Leandra Formentão, Camilla Furtado e Carlos Cristiano de Jesus Alcântara (que foi representado na cerimônia por Alan Dorneles) foram selecionados pela qualidade do trabalho apresentado no 20º Seminário de Iniciação Científica da UFSC. O encontro foi realizado nos dias 20, 21 e 22 de outubro de 2010.

“O que uma grande universidade pode fazer de melhor é preparar o estudante para buscar, selecionar e aplicar o conhecimento. E o instrumento mais poderoso nesse processo é a pesquisa”, destacou o vice-reitor da UFSC, professor Carlos Alberto Justo da Silva.

A pró-reitora de Pesquisa e Extensão da UFSC, professora Débora Peres Menezes, lembrou que a premiação é resultado de um amplo processo de análise dos trabalhos desenvolvidos pelos estudantes. No 20º Seminário de Iniciação Científica da UFSC foram avaliados 198 painéis na área de Ciências da Vida, 303 na de Ciências Exatas e da Terra e 217 na área de Ciências Humanas e Sociais – e apenas um painel em cada um destes campos foi selecionado, permitindo a seu autor ser  Destaque da Iniciação Científica.

O seminário teve também 54 apresentações orais (18 em cada uma das áreas) e apenas um estudante em cada uma delas foi escolhido como Destaque. A pró-reitora ressaltou também na cerimônia de premiação a importância dos professores orientadores no processo de Iniciação Científica.

Além de receber placa e diploma, os seis estudantes Destaques da Iniciação Científica 2010 terão inscrição, transporte e hospedagem pagos pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão da UFSC para participar da Jornada Nacional de Iniciação Científica (JNIC), que será realizada durante a 63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). A reunião, um dos mais importantes eventos científicos do país, será realizada entre 10 e 15 de julho, na Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia (GO).

Mais informações pelo telefone (48) 3721-9332

Por Arley Reis / Jornalista na Agecom

Estudantes selecionados como Destaques da Iniciação Científica 2010

ALUNO ORIENTADOR DEPTO CENTRO DESTAQUE
HENRIQUE VON PARASKI ROLF BERTRAND SCHROETER Engenharia Mecânica CTC APRES. ORAL Ciências Exatas e da Terra
CARLOS CRISTIANO DE JESUS ALCANTARA IVO BARBI Engenharia Elétrica CTC PAINEL
Ciências Exatas e da Terra
ANA CAROLINA RIBEIRO LOBO DE CASSIANO JULIA SILVIA GUIVANT Sociologia Política CFH APRES. ORAL Ciências Humanas e Sociais
ALINE BOSCHI MOREIRA ORIDES MEZZAROBA Direito CCJ PAINEL
Ciências Humanas e Sociais
LEANDRA FORMENTÃO MARIO STEINDEL Microbiologia e Parasitologia CCB APRES. ORAL
Ciências da Vida
CAMILLA FURTADO MARISA MONTICELLI Enfermagem CCS PAINEL
Ciências da Vida
Tags: ICIniciação Científica

Cartilha contra o trote sujo faz sucesso dentro e fora do campus

15/03/2011 10:36

Fotos: Thaine Machado / Bolsista na Agecom

A Cartilha de Prevenção às Violências Sexistas, Homofóbicas e Racistas nos Trotes Universitários tinha no primeiro dia de aula, 14/03, a data oficial de seu lançamento. A solenidade estava marcada para as 18h30, no hall do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH), quando seria feita uma manifestação e a distribuição dos livretos, mas na ocasião reuniram-se apenas as equipes da Agecom e da TV UFSC, a professora Miriam Grossi e alguns bolsistas do Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades (NIGS) para um bate papo sobre a obra.

É que o dia dos integrantes do NIGS começou cedo e seguiu cheio até a noite: às seis da manhã divulgaram a cartilha em um programa de TV local; distribuíram a publicação em diversos Centros; fizeram um apitaço na fila do Restaurante Universitário ao meio dia e também estiveram presentes na solenidade de recepção dos calouros, além de conversarem diretamente com os novos estudantes em sala de aula. Depois de tanta correria, a cerimônia acabou ficando em segundo plano, já que sua função principal – apresentar a cartilha à comunidade universitária – foi mais do que cumprida.

“A receptividade foi ótima. Dos cerca de 70 coordenadores de curso que contatamos, metade nos respondeu positivamente, abrindo espaço para que falássemos da publicação diretamente nas salas”, atesta a professora Miriam, coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS) e do NIGS. O sucesso – comprovado também pelos comentários da maioria dos estudantes, que manifestavam sentimentos como alegria e alívio ao terem contato com a obra -, se estendeu para além do bairro Trindade: não só acadêmicos de Engenharia de Mobilidade, do campus de Joinville, como também alunos de universidades de Brasília, Minas Gerais, da Bahia e do Rio de Janeiro entraram em contato com o Núcleo solicitando cópias da cartilha ou autorização para reproduzi-la. A Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) planeja também imprimi-la, seguindo o exemplo da UFSC no combate às práticas discriminatórias que acontecem a cada início de semestre.

Maria Otávia Costa está matriculada na 3ª fase de Antropologia e conta que, como faz parte da primeira turma do curso na UFSC, não chegou a ser submetida às brincadeiras entre calouros e veteranos. Bolsista do NIGS, participou da confecção da Cartilha, e, junto com seus colegas, idealizou o trote dos calouros desse semestre. “Primeiro imaginamos o trote tradicional, mas depois refletimos e conseguimos encontrar uma alternativa, inspirados num texto sobre rituais, de autoria de um antropólogo. Vai ser algo simples, que pretende não assustar as pessoas”. A estudante não revela detalhes porque a brincadeira ainda vai ser realizada.

Gabriela Figueiredo Santos, aluna da 6ª fase de Ciências Sociais, também é bolsista e presenciou já no primeiro dia de aula os trotes sujos ocorrendo no campus e arredores. Raruilquer Oliveira, colega de Gabriela e representante do Coletivo LGBT da UFSC (Gozze), ouviu comentários discriminatórios quando saía da cerimônia de recepção aos calouros após a intervenção feita por seu grupo. “Temos consciência do grande número dos casos de homofobia que ocorrem na Universidade. As manifestações de reprovação só demonstram a necessidade de discutirmos essas relações”, defende. O extremo oposto, entretanto, parece ser a reação da maioria. “Eu sou calouro. Obrigado por essa ação” – foi um dos retornos positivos relatados pelos bolsistas. Se o trote sujo é imposto por quem teve que se submeter ao mesmo ritual no passado, a perspectiva é a de que, nos próximos semestres, os alunos das segundas fases carreguem consigo a cartilha na hora de aplicar o ritual.

Leia mais sobre a Cartilha aqui.

Por Cláudia Schaun Reis/ Jornalista na Agecom

Disponível acesso à Base de Dados Datamonitor

15/03/2011 09:35

A direção da Biblioteca Universitária comunica que a Base de Dados Datamonitor está disponível para consulta até o dia 25 de março. A Datamonitor é uma empresa global especializada em pesquisa e análise de mercado. Oferece informações nos setores Automotivo, Mercados Consumidores, Energia, Serviços Financeiros, Logística, Farmacêutico e Saúde, Varejo, Sourcing, Tecnologia e Telecomunicações.

Na última década atendeu estudantes, professores e pesquisadores em mais de 120 áreas de estudo. Entre elas Administração, Psicologia e Ciências Sociais.

Acesso em https://www.datamonitor.com/360

Para guia de uso (em inglês) use o link:
http://www.datamonitor360.com/support/help/

Abaixo algumas instituições acadêmicas que utilizam os bancos de dados da Datamonitor  estão :

Yale University
London Business School
University of Pennsylvania
Harvard Business School
Universidade Estadual de São Paulo (UNESP)
Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM)
Universidade Federal de Minas Gerais
Columbia Business School
INSEAD
IE Business School
Stanford University
New York University
IESE Business School
Cambridge University
Fundação Dom Cabral
Universidade do Porto

Feira de livros de editoras universitárias oferece até 70% de desconto

15/03/2011 09:09

Fotos: Paulo Noronha / Agecom

A coisa perdida: Agamben comenta Caproni, organizado e traduzido por Aurora Bernardini, Ecos no porão II, livro do contista catarinense Silveira de Souza e Do jeito que você gosta, tradução de Shakespeare. Esses lançamentos que acabaram de sair do prelo compõem uma pequena mostra dos livros que a Editora da Universidade Federal de Santa Catarina, pela primeira vez em parceria com a Liga das Editoras Universitárias (LEU), coloca à venda na volta às aulas, com descontos variando entre 15 a 70%. Até o dia 8 de abril, na Praça da Cidadania da UFSC, a Feira de Livros da Editora da UFSC/LEU vai oferecer com descontos vantajosos 8.200 mil volumes de suas antigas e novas coleções.

Ao todo aproximadamente 780 títulos e 7.200 livros da EdUFSC serão vendidos com 50 a 70% de desconto e 500 títulos de outras editoras universitárias filiadas à LEU terão 15 a 30%, incluindo-se as da Unicamp, USP, UFMG e UFBA, todas trazendo obras de interesse universal. É a oportunidade de adquirir pela metade do preço em condições normais, o livro Desgostos; novas tendências estéticas, do filósofo italiano Mário Perniola, que será vendido somente na Feira a R$ 16,00. Outros exemplos da nova coleção da EdUFSC são: George Bataille, filósofo, por R$ 12,00; Poetas da Catalunha, que custará R$ 11,00 e A Coisa perdida, que baixou de R$ 45,00 para 23,00. Com tradução inédita em língua portuguesa, o célebre comentário de Agamben com a seleção dos poemas de Caproni será lançado na Feira. A obra foi recomendada pela mídia nacional entre os dez melhores produtos culturais do país. Ecos no porão, segundo volume da coletânea de contos de Silveira de Souza também será lançado com preço especial de R$ 15,00.

Aberta ao público universitário e a toda comunidade, a feira ocorre em tendas cobertas localizadas na Praça da Cidadania, em frente à Reitoria. Incluem-se entre as obras oferecidas a Série Didática, composta por livros solicitados em diversas graduações (Medicina, Farmácia, Enfermagem, Engenharias, Química, Física, Matemática, Português) e autores que costumam ser solicitados na lista do Vestibular das universidades catarinenses. Entre as novas edições da Série Didática, o editor Sérgio Medeiros destaca títulos como Anatomia sistêmica, Introdução à engenharia e Estatística aplicada às ciências sociais e Manual básico do desenho. O volume Farmacognosia, um dos clássicos da EdUFSC, recentemente reeditado, também estará à venda com desconto. Coordenada por Fernando Wolf, a feira funciona sempre das 9 às 19 horas, exceto aos sábados e domingos.

Lançamentos da EdUFSC à venda na Feira:

  • Ética das virtudes – JOÃO HOBUSS (ORGANIZADOR)
  • A coisa perdida – AURORA FORNONI BERNARDINI (ORGANIZAÇÃO E TRADUÇÃO)
  • A decadência de Santa Catarina – HENRIQUE LUIZ PEREIRA OLIVEIRA • MARLON SALOMON
  • Fundamentação filosófica – GIOVANI LUNARDI • MÁRCIO SECCO
  • Redes locais – MARCELO RICARDO STEMMER
  • Georges Bataille – FRANCO RELLA • SUSANNA MATI
  • Desgostos; novas tendências estéticas – MARIO PERNIOLA
  • 4 poetas da Catalúnia – LUIS SOLER (ORG.)
  • 28 desaforismos –  FRANZ KAFKA –  SILVEIRA DE SOUZA (TRADUÇÃO)
  • Ecos do porão vol 1 – SILVEIRA DE SOUZA
  • Educação do corpo em ambientes educacionais – FÁBIO MACHADO PINTO • ALEXANDRE FERNANDEZ VAZ • DEBORAH THOMÉ SAYÃO  (ORGANIZADORES)
  • Discussão de novos paradigmas –  JAIME COFRE • KAY SAALFELD (ORGANIZADORES)

Por Raquel Wandelli, jornalista na SeCArte

(048) 37219459 e 99110524

Tags: EdUFSCFeira de Livros

Universidade premia estudantes que se destacam na iniciação científica

15/03/2011 08:28

Seis estudantes de graduação da UFSC serão homenageados nesta terça-feira, 15 de março, como Destaques da Iniciação Científica 2010. A cerimônia será realizada a partir de 11 horas, na Sala dos Conselhos, prédio da Reitoria. Os jovens cientistas foram selecionados pela qualidade do trabalho apresentado no 20º Seminário de Iniciação Científica da UFSC, realizado nos dias 20, 21 e 22 de outubro de 2010. A iniciação cientifica é um instrumento que permite introduzir os estudantes de graduação na pesquisa. O seminário da UFSC é um momento de avaliação dos trabalhos e também uma oportunidade para que os jovens universitários apresentem seus trabalhos.

Os estudantes reconhecidos como Destaques da Iniciação Científica 2010 serão inscritos para apresentação dos trabalhos na Jornada Nacional de Iniciação Científica (JNIC), durante a 63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). A reunião, um dos mais importantes eventos científicos do país, será realizada entre 10 e 15 de julho, na Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia (GO). Além da inscrição, a Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão vai custear hospedagem e transporte.

Mais informações pelo telefone (48) 3721-9332

Estudantes selecionados como Destaques da Iniciação Científica 2010

ALUNO ORIENTADOR DEPTO CENTRO DESTAQUE
HENRIQUE VON PARASKI ROLF BERTRAND SCHROETER Engenharia Mecânica CTC APRES. ORAL Ciências Exatas e da Terra
CARLOS CRISTIANO DE JESUS ALCANTARA IVO BARBI Engenharia Elétrica CTC PAINEL
Ciências Exatas e da Terra
ANA CAROLINA RIBEIRO LOBO DE CASSIANO JULIA SILVIA GUIVANT Sociologia Política CFH APRES. ORAL Ciências Humanas e Sociais
ALINE BOSCHI MOREIRA ORIDES MEZZAROBA Direito CCJ PAINEL
Ciências Humanas e Sociais
LEANDRA FORMENTÃO MARIO STEINDEL Microbiologia e Parasitologia CCB APRES. ORAL
Ciências da Vida
CAMILLA FURTADO MARISA MONTICELLI Enfermagem CCS PAINEL
Ciências da Vida
Tags: Destaque da Iniciação Científica

Recepção aos calouros inclui festival Grito Rock

15/03/2011 08:26

Banda Samambaia Sound Club abre festival na UFSC

No período de 18 a 26 de março Florianópolis será palco do Grito Rock. A proposta chega a sua nona edição com mais de 130 cidades realizadoras, consolidando-se como o maior festival integrado das Américas. A edição desse ano tem como novidade a integração do evento ao Circuito Fora do Eixo – rede colaborativa de produtores culturais de todo o Brasil e alguns países da América Latina. Na UFSC o festival está integrado à recepção dos calouros, promovida pelo Diretório Central de Estudantes (DCE).

O Grito Rock começará no dia 18 com a apresentação da banda Samambaia Sound Club, às 12h30min, na Concha Acústica da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). A partir das 22h, também na Concha Acústica, é a vez das bandas Trupe Sonora Casa de Orates (Itajaí – SC), Marujo Cogumelo (Xanxerê – SC) e Rinoceronte (Santa Maria – RS) animarem o público com seu som. A semana segue com oficinas multiculturais, debates e palestras sobre produção cultural independente.

No dia 26, o Grito Rock acontecerá na casa de shows Célula Cultural, no bairro João Paulo. O agito fica por conta das bandas Skrotes (Florianópolis – SC), A Banda de Joseph Tourton (Recife – PE) e Bandinha Di Dá Dó (Porto Alegre – RS). A noite de encerramento também contará com uma exposição fotográfica do UFSCtock 2010, evento produzido pelos organizadores do Grito Rock Floripa 2011.

As sete bandas que participarão do festival foram escolhidas entre as mais de 300 inscritas para a edição deste ano. A seleção foi feita a partir de uma curadoria colaborativa, que contou com a ajuda de produtores do Grito Rock de todo país e de uma comissão especial dos próprios organizadores.

O evento local é fruto da iniciativa do Coletivo Cardume Cultural, grupo formado por jovens que buscam meios independentes de fomentar a arte e a cultura na cidade de Florianópolis e região. A expectativa da produção do evento é de receber um público de três mil pessoas na primeira noite e 600 no dia 26.

Também são realizadores do festival o Circuito Fora do Eixo e o Diretório Central de Estudantes da UFSC (Gestão Rosa dos Ventos). Apoio site Toque no Brasil.

Mais informações: Isadora Machado / Coordenação de Comunicação / (48) 8822-9692

Tags: Grito RockRecepção aos calouros

Projeto 12:30 inicia o ano com duas apresentações musicais na UFSC

15/03/2011 07:56

Bergamotis abre Projeto 12:30 nesta quarta

Bergamotis abre Projeto 12:30 nesta quarta

Nesta quarta-feira, 16/03, o Projeto 12:30 dá as boas-vindas aos calouros da Universidade e inicia as atividades do ano com o show da banda Bergamotis.  Depois da criação do forró e do sertanejo universitário – neo-estereotípicos elitistas sociais e não necessariamente culturais – a Bergamotis é, segundo seus integrantes, ironicamente, a precursora do rock universitário, que mistura rock com rock e com o que mais quiser.

A banda Bergamotis surgiu da união de músicos que tocam juntos, se conhecem e trabalham com música desde o final do século passado em Florianópolis. Estes músicos, que se encontram constantemente no Estúdio Jardim Elétriko, na Trindade, passaram a preparar um repertório eclético, diferente e baseado em rock´n roll nacional e internacional. Músicas dos Beatles, Rolling Stones, Elvis Presley e Bob Marley se misturam com canções nacionais dos Mutantes, Rita Lee, Cazuza, Gilberto Gil e Caetano Veloso, chegando até Roberto Carlos e Chico Buarque.

A formação básica de guitarra, baixo, bateria e voz torna o show prático e dinâmico. Em 2010, a Bergamotis concentrou a maioria de seus shows para o público universitário da Ilha.

Formação da Banda:

Paulo  Brum (Paulete) – Voz;  Marcelo Solla – Guitarra e Voz; Luiz Maia – Baixo e Voz; Silvio César Nazzario – Bateria e Voz.

Projeto 12:30 Acústico abre o ano com a banda Habitantes de Zion

Habitantes-de-Zion é atração do 12:30 Acústico

Habitantes-de-Zion é atração do 12:30 Acústico

O Projeto 12:30 Acústico inicia as apresentações do ano nesta quinta-feira, 17/03, com show da banda de reggae Habitantes de Zion. O espetáculo acontece às 12h30min, no Teatro da UFSC, ao lado da Igrejinha. É gratuito e aberto à comunidade.

A banda Habitantes de Zion foi fundada em meados de 2004 em Florianópolis por Maurício Zion, o ‘Mister Roots’, com alguns companheiros de filosofia e trouxe para o ritmo quente do reggae as suas composições – letras inspiradas nos princípios de amor, liberdade e paz, bandeiras da Nova Era. Foi o encaixe perfeito, pois o reggae, originário da Jamaica, nasceu do anseio da juventude em libertar-se do jugo do preconceito e das barreiras sociais e econômicas, tornando-se, mais tarde, o mais forte louvor de fé daquele povo em um Deus Libertador.

Com um som sem regras e um ritmo contagiante, misturado a letras de mensagens claras e reflexivas, os Habitantes de Zion vêm conquistando público e expressão. Em sua trajetória musical, a banda já dividiu palco com artistas de projeção, como os grupos Jah Live (DF), Mato Seco (SP), Namastê (PR) e as internacionais Israel Vibration (Jamaica), Groundation (Califórnia – EUA) e Midnite (St. Croix – Ilhas Virgens); além dos cantores Ras Bernardo (SP), Professor Dionísio (RS), Dada Yute (SP), Fauzi Beydoun (MA), entre outros. Tudo sempre com muita competência e profissionalismo.

Fiéis ao compromisso de propagar mensagens positivas e músicas de conteúdo e qualidade, o grupo conta hoje com o respeito e admiração de grandes nomes da música brasileira e da reggae music.Mais informações como músicas, fotos, vídeos sobre a banda são encontrados no link www.myspace.com/habitantesdezion

Os integrantes:

Mister Roots (vocal), Meg Roots e Bia Lits (backing vocal), Davizerah (baixo) , Jean Zion (bateria), Rodrigo Mustafa (teclados), Vinicius (percussão), Ras Keko (guitarra base) e Bruno HDZ (guitarra solo).

Projeto 12:30

O Projeto 12:30 é realizado pelo Departamento Artístico Cultural (DAC), vinculado à Secretaria de Cultura e Arte (SeCArte) da UFSC. Apresenta semanalmente atrações de cunho cultural, grupos de música, dança e teatro, nas versões ao ar livre na Concha Acústica e na versão acústico, quinzenalmente, no Teatro da UFSC.

Foi criado em 1986 e a partir de 1993 os shows passaram a ser realizados semanalmente na praça central do campus, a Praça da Cidadania, onde estão a concha acústica da UFSC e o Varandão do CCE. A cada ano, em cerca de 60 shows, mais de 300 artistas se apresentam para um público estimado em 20 mil pessoas.

Projeto 12:30 Acústico

Para atender à demanda do público e dos artistas que apreciam um estilo de música mais intimista, foi criado o Projeto 12:30 Acústico. No repertório, versões cantadas com acompanhamento ou apenas instrumentais, apresentações solo ou orquestras de câmara. As apresentações acontecem, quinzenalmente, às quintas-feiras do período letivo, às 12h30min, no Teatro da UFSC, e são abertas ao público.

Inscrições Abertas

Artistas interessados em se apresentar no projeto dentro do campus da UFSC devem entrar em contato com o DAC por meio dos telefones (48) 3721-9348 / 3721-9447 ou por e-mail, enviando mensagem para Mais informações sobre como participar do projeto no site www.dac.ufsc.br. As inscrições estão abertas.

Serviço 1:
O QUÊ: Show com a banda Bergamotis
QUANDO: Dia 16 de março de 2011, quarta-feira, às 12h30min
ONDE: Projeto 12:30, na Concha Acústica da UFSC, Trindade, Florianópolis.
QUANTO: Gratuito, aberto à comunidade.
CONTATO: DAC:   – www.dac.ufsc.br

Serviço 2:
O QUÊ: Show com a banda de Reggae Habitantes de Zion

QUANDO: Dia 17 de março de 2011, quinta-feira, às 12h30minONDE: Projeto 12:30 Acústico, no Teatro da UFSC, ao lado da Igrejinha. Praça Santos Dumont, Trindade, Florianópolis.QUANTO: Gratuito, aberto à comunidade. CONTATO: DAC:   – www.dac.ufsc.br – BANDA: e-mail: ou  ’Mister Roots’ Maurício Zion: (48) 3233-0791 ou (48) 8417-7438 Luz de Zion Produção (48) 3269-7835

Fonte: [CW] DAC: SeCArte / UFSC, com material institucional e das bandas.

Tags: Projeto 12:30

Identidade Jovem: a formação humanista dos jovens

14/03/2011 18:00
Será lançado no dia 24 de março, às 19h30min, no Teatro Álvaro de Carvalho, o filme documentário “Identidade Jovem: A Formação Humanista dos Jovens como Garantia de Sustentabilidade, Identidade e Protagonismo Civil”. O projeto prevê lançamentos e exibições em diversas cidades brasileiras.
O projeto foi realizado com o apoio da Lei de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura. O documentário é uma provocação sobre a importância da função dos líderes, educadores e genitores na formação do jovem e uma proposta de formação humanista que possa dar resposta ao jovem que busca encontrar e atuar a sua identidade. Apresenta entrevistas com importantes nomes do cenário da educação, como o senador Cristovam Buarque, o representante da UNESCO no Brasil Vincent Defourny e o Diretor-Geral adjunto da UNESCO para educação, além de jovens, pais e educadores do Brasil e do mundo.

Outras informações pelo endereço www.tac.sc.gov.br/ ou pelo e-mail .

Tags: documentárioidentidade jovem

Palestra: “50 anos da revolução cubana”

14/03/2011 17:02

Quem se surpreendeu com o efeito revolução cubana no carnaval na ilha de Santa Catarina, em Florianópolis, tem mais uma oportunidade de ampliar seu conhecimento sobre a história de Cuba.  No dia 24 de março, quinta-feira, às 18h30, no Auditório do Centro de Educação (CED/UFSC), a professora Claudia Wasserman, da Universidade Federal  do Rio Grande do Sul, dá uma conferência sobre o tema “50 anos da revolução cubana”. A historiadora é autora do livro “A revolução cubana: 50 anos de imprensa e história no Brasil”, que vai estar à venda durante sua palestra na UFSC. Na obra, ela traça um panorama de como repercutiram no Brasil os acontecimentos revolucionários em Cuba e analisa  impressões sobre a revolução cubana que a mídia imprimiu no imaginário popular dos brasileiros ao longo dos anos.

A conferência com Claudia Wasserman é organizada pelo Instituto de Estudos Latino-Americanos (IELA), em colaboração com o Programa de Pós-Graduação em História e o Núcleo de Estudos de História da América Latina (Nehal). Às 14 horas do mesmo dia, na sala 10 do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH), a historiadora participa da banca de mestrado de Elvis Poletto sobre “Conceito de nação em Mariátegui”, orientada por Waldir Rampinelli, professor do Departamento de História e também presidente do IELA. Doutora  em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro com a tese “A questão nacional na América Latina no começo do século XX: Brasil, Argentina e México”, Claudia Wasserman também publicou “História Contemporânea da América Latina (1900-1930)”; “História da América Latina: do descobrimento a 1900”; “Palavra de Presidente”; e “Ditaduras Militares na América Latina”.

História de lutas

O professor Waldir Rampinelli, que vai mediar o debate com Claudia Wasserman, lembra um aspecto importante, mas pouco analisado quando se aborda a história de Cuba: o fato de a revolução cubana não se tratar de um evento, mas de um  processo histórico de longa duração. O que isso quer dizer? “Que a  revolução cubana não começou  na luta contra o ditador Fulgencio Batista, nos anos 50, mas iniciou em 1868, ano em que se desencadeou na ilha a Guerra dos Dez Anos  contra o colonialismo espanhol,” responde Rampinelli.

O historiador lembra que o próprio Fidel Castro, preso e interrogado logo após o assalto ao quartel general de Moncada, em Santiago de Cuba, em 26 de julho de 1953, respondeu que o autor intelectual daquela façanha havia sido José Martí, revolucionário cubano morto em 1895, em luta pela independência de sua Cuba. “Foi Martí um dos responsáveis pelo pensamento mais apurado não apenas contra o colonialismo espanhol, mas também contra o imperialismo estadunidense”, afirma Rampinelli. “O pensador revolucionário advertia de que de nada adiantaria livrar-se do jugo espanhol para cair nas garras do império estadunidense.”

É Martí também o criador do Partido Revolucionário Cubano, que depois vai ter influência sobre o Partido Comunista Cubano, quando a revolução vence, em 1959. Mas, antes de Martí, muitos contribuíram para a construção do processo revolucionário, lutando contra o colonialismo espanhol e o escravismo que afligiam o povo cubano. Entre eles, Rampinelli destaca Carlos Manuel  de Céspedes, um dos patriotas que inicia o combate anticolonial, entregando seus próprios bens à causa da independência, pela qual morre fuzilado;  Antonio Maceo, que também morre no campo de batalha; Ignácio Agramonte, outro líder do processo revolucionário a cair em combate contra os espanhóis;   Máximo Gómez, nascido em São Domingos, na República Dominicana, que chefiou o exército de libertação de Cuba na luta contra os espanhóis. O internacionalismo cubano, portanto, tem raízes que afundam nas lutas independentistas dos povos.

E tinha razão José Martí quando advertia sobre a ameaça representada pelo imperialismo estadunidense. Tanto que, após a vitória do exército popular cubano, em 1898, é aos Estados Unidos que a Espanha se rende, pois o vizinho imperialista interviera no conflito, por isso chamado de Guerra hispano-cubana-americana. O pretexto utilizado fora o de um suposto ataque contra um de seus navios de guerra, o Maine, ancorado na ilha. Após a rendição dos espanhóis, os EUA mantêm a ocupação militar, permitindo a independência formal apenas em 1902, depois de persuadir o parlamento cubano a aprovar a Emenda Platt, que lhe outorgava o direito de intervir em Cuba, mantida na condição de “protetorado” estadunidense.

Não se tratava de uma política nova, já que a intenção dos Estados Unidos de dominar e até anexar Cuba fora defendida como uma política de estado por vários de seus presidentes. É, portanto, nesse contexto histórico de usurpação da soberania do povo cubano que são forjados instrumentos “legais” de dominação política, militar e econômica, impondo a Cuba a condição de nova colônia. No início do século 20, a já citada  Emenda Platt (de 1901)  outorga aos EUA o poder de intervir  em Cuba sempre que haja ameaça à ordem institucional no país, além do “direito” de instalar bases militares em território cubano, a exemplo de Guantánamo. Outra medida de perfil colonial é o Tratado de Reciprocidade Comercial, de 1903, que dá aos EUA o controle do monopólio do açúcar e das alfândegas, praticamente abrindo o mercado cubano aos produtos norte-americanos, sem qualquer concorrência.

Revolução de raiz

Nesse período de nova colonização, no entanto, a luta pela independência prossegue. Nos anos 20, ressalta Rampinelli, é importante o papel de Julio Antonio Mella, fundador do Partido Comunista e da Liga Antiimperialista, líder do movimento estudantil e revolucionário nas lutas das organizações operárias e estudantis contra o imperialismo estadunidense e o ditador Gerardo Machado.  Para organizar a resistência, Mella parte para o México, onde é assassinado, em 1929, pela polícia secreta da ditadura.

Mella, portanto, já  apontara o caminho, depois  seguido por Fidel Castro, nos anos 50, quando traça, no México, onde se refugiara, o caminho da revolução. Daí o acerto de se aplicar o conceito de revolução de longa duração quando se analisa o processo cubano. “As condições históricas de luta pelo nacional, contra o colonialismo e o imperialismo já estavam dadas, sem retirar o mérito estratégico de Fidel Castro,” comenta Rampinelli. “A revolução está na alma, na vida de todo um povo. Se fosse um evento sem raiz, não teria consequências.”

É por esse espírito revolucionário, entranhado na própria história, que os cubanos não cederam às pressões e ao bloqueio brutal imposto a Cuba pelo governo dos Estados Unidos. Em 1992, como explica Rampinelli no artigo “Cuba – 50 anos de revolução”, o Congresso dos Estados Unidos promulga a Lei Torricelli, a qual estabelece duas sanções principais. A primeira é a de proibir o comércio com Cuba de filiais de companhias estadunidenses estabelecidas em outros países. A segunda, impede barcos que entram em portos cubanos com propósitos comerciais de tocar portos estadunidenses, ou suas possessões, durante 180 dias a partir da data de partida da Ilha. Outra legislação de exceção, aprovada pelo congresso estadunidense, é a Lei Helms-Burton, que viola leis internacionais e direitos humanos, outorgando aos  EUA o direito de  impor  sua ordem jurídica a países terceiros. Tal mecanismo estabelece um bloqueio feroz, restringindo o direito ao livre comércio com Cuba.

Rampinelli também aborda, no artigo, aspectos da crise migratória, a parte mais visível dos conflitos entre Havana e Washington. Ele explica: a Lei de Ajuste Cubano, adotada pelo Congresso dos Estados Unidos, em 2 de novembro de 1966, quando era presidente Lyndon B. Johnson, modificou o estatuto dos imigrantes cubanos, qualificando-os de “refugiados políticos”, com direito automático de asilo político e, ao mesmo tempo, com a permissão de residência permanente nos Estados Unidos, estimulando deste modo a emigrarem ilegalmente. Dessa forma, o cubano imigrante ilegal que conseguir pôr os pés (pés secos) em território estadunidense é automaticamente acolhido pela Lei de Ajuste, enquanto o interceptado no mar (pés molhados) pode ser devolvido a Cuba.

Isso tudo acontece a despeito de um acordo assinado entre os dois países que permite a entrada de 20 mil cubanos por ano nos Estados Unidos, pelas vias legais. “Na realidade, o que Washington estimula e incentiva é o roubo de aeronaves e de barcos – os quais não são devolvidos – com fuga espetacular que possa ser manchete nos jornais do mundo,” comenta o historiador.

Os que querem derrotar a revolução cubana, não entendem, adverte Rampinelli, que um processo revolucionário de longa duração não é desmantelado facilmente. Quem pode derrotar esta revolução, afirma, “são apenas os próprios cubanos”. No artigo mencionado, o historiador escreve:

“Uma revolução não subsistiria sem o apoio maciço de sua população. A estratégia de resistência consiste na guerra de todo um povo contra o invasor. Para defender seu processo revolucionário, as pessoas devem sentir no seu cotidiano as mudanças havidas na educação, na saúde, no emprego, na moradia, no meio ambiente, no esporte e na projeção internacional de seu país. Estas conquistas não apenas tornam a vida melhor e mais feliz, como também despertam o patriotismo, ou seja, o orgulho de ser cubano em qualquer parte do mundo. Afinal Cuba é o único país do Terceiro Mundo que resolveu problemas fundamentais como o da fome. No setor educacional, não existe em Cuba um analfabeto funcional, tamanho é o investimento na escolaridade. Já na saúde, os índices se igualam aos dos países mais avançados do Mundo, como o Canadá e a Noruega.

Na economia, Cuba saiu da condição da monocultura do açúcar e hoje grande parte de sua produção é em biotecnologia. Basta ver os índices econômicos apresentados a cada ano pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal).

Por isso, a Revolução Cubana pode se esgotar, e até ser destruída, por suas próprias forças internas. Porém, nunca por uma intervenção externa, já  que o povo aprendeu ao longo de cinco décadas a manejar uma cultura de resistência, a preservar suas conquistas sociais e a saber usar armas.”

Mais informações: 3721-9297, ramal 37 ou

Por Raquel Moisés / Jornalista

A revolução do povo cubano: muito mais que 50 anos

Por Raquel Moysés  – jornalista

Quem se surpreendeu com o efeito revolução cubana no carnaval na ilha de Santa Catarina, em Florianópolis, tem mais uma oportunidade de ampliar seu conhecimento sobre a história de Cuba.  No dia 24 de março, quinta-feira, às 18h30min, no Auditório do Centro de Educação (CED/UFSC), a professora Claudia Wasserman, da Universidade Federal   do Rio Grande do Sul, dá uma conferência sobre o tema “50 anos da revolução cubana”. A historiadora é autora do livro “A revolução cubana: 50 anos de imprensa e história no Brasil”, que vai estar à venda durante sua palestra na UFSC. Na obra, ela traça um panorama de como repercutiram no Brasil os acontecimentos revolucionários em Cuba e analisa  impressões sobre a revolução cubana que a mídia imprimiu no imaginário popular dos brasileiros ao longo dos anos.

A conferência com Claudia Wasserman é organizada pelo Instituto de Estudos Latino-Americanos (IELA), em colaboração com o Programa de Pós-Graduação em História e o Núcleo de Estudos de História da América Latina (NEHAL). Às 14 horas do mesmo dia, na sala 10 do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH), a historiadora participa da banca de mestrado de Elvis Poletto sobre “Conceito de nação em Mariátegui”, orientada por Waldir Rampinelli, professor do Departamento de História e também presidente do Instituto de Estudos Latino-Americanos. Doutora  em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro com a tese “A questão nacional na América Latina no começo do século XX: Brasil, Argentina e México”, Claudia Wasserman também publicou “História Contemporânea da América Latina (1900-1930)”; “História da América Latina: do descobrimento a 1900”; “Palavra de Presidente”; e “Ditaduras Militares na América Latina”.

História de lutas

O professor Waldir Rampinelli, que vai mediar o debate com Claudia Wasserman, lembra um aspecto importante, mas pouco analisado quando se aborda a história de Cuba: o fato de a revolução cubana não se tratar de um evento, mas de um   processo histórico de longa duração. O que isso quer dizer? “Que a  revolução cubana não começou  na luta contra o ditador Fulgencio Batista, nos anos 50, mas iniciou em 1868, ano em que se desencadeou na ilha a Guerra dos Dez Anos  contra o colonialismo espanhol,” responde Rampinelli.

O historiador lembra que o próprio Fidel Castro, preso e interrogado logo após o assalto ao quartel general de Moncada, em Santiago de Cuba, em 26 de julho de 1953, respondeu que o autor intelectual daquela façanha havia sido José Martí, revolucionário cubano morto em 1895, em luta pela independência de sua Cuba. “Foi Martí um dos responsáveis pelo pensamento mais apurado não apenas contra o colonialismo espanhol, mas também contra o imperialismo estadunidense”, afirma Rampinelli. “O pensador revolucionário advertia de que de nada adiantaria livrar-se do jugo espanhol para cair nas garras do império estadunidense.”

É Martí também o criador do Partido Revolucionário Cubano, que depois vai ter influência sobre o Partido Comunista Cubano, quando a revolução vence, em 1959. Mas, antes de Martí, muitos contribuíram para a construção do processo revolucionário, lutando contra o colonialismo espanhol e o escravismo que afligiam o povo cubano. Entre eles, Rampinelli destaca Carlos Manuel  de Céspedes, um dos patriotas que inicia o combate anticolonial, entregando seus próprios bens à causa da independência, pela qual morre fuzilado;  Antonio Maceo, que também morre no campo de batalha; Ignácio Agramonte, outro líder do processo revolucionário a cair em combate contra os espanhóis;   Máximo Gómez, nascido em São Domingos, na República Dominicana, que chefiou o exército de libertação de Cuba na luta contra os espanhóis. O internacionalismo cubano, portanto, tem raízes que afundam nas lutas independentistas dos povos.

E tinha razão José Martí quando advertia sobre a ameaça representada pelo imperialismo estadunidense. Tanto que, após a vitória do exército popular cubano, em 1898, é aos Estados Unidos que a Espanha se rende, pois o vizinho imperialista interviera no conflito, por isso chamado de Guerra hispano-cubana-americana. O pretexto utilizado fora o de um suposto ataque contra um de seus navios de guerra, o Maine, ancorado na ilha. Após a rendição dos espanhóis, os EUA mantêm a ocupação militar, permitindo a independência formal apenas em 1902, depois de persuadir o parlamento cubano a aprovar a Emenda Platt, que lhe outorgava o direito de intervir em Cuba, mantida na condição de “protetorado” estadunidense.

Não se tratava de uma política nova, já que a intenção dos Estados Unidos de dominar e até anexar Cuba fora defendida como uma política de estado por vários de seus presidentes. É, portanto, nesse contexto histórico de usurpação da soberania do povo cubano que são forjados instrumentos “legais” de dominação política, militar e econômica, impondo a Cuba a condição de nova colônia. No início do século 20, a já citada  Emenda Platt (de 1901)  outorga aos EUA o poder de intervir  em Cuba sempre que haja ameaça à ordem institucional no país, além do “direito” de instalar bases militares em território cubano, a exemplo de Guantánamo. Outra medida de perfil colonial é o Tratado de Reciprocidade Comercial, de 1903, que dá aos EUA o controle do monopólio do açúcar e das alfândegas, praticamente abrindo o mercado cubano aos produtos norte-americanos, sem qualquer concorrência.

Revolução de raiz

Nesse período de nova colonização, no entanto, a luta pela independência prossegue. Nos anos 20, ressalta Rampinelli, é importante o papel de Julio Antonio Mella, fundador do Partido Comunista e da Liga Antiimperialista, líder do movimento estudantil e revolucionário nas lutas das organizações operárias e estudantis contra o imperialismo estadunidense e o ditador Gerardo Machado.  Para organizar a resistência, Mella parte para o México, onde é assassinado, em 1929, pela polícia secreta da ditadura.

Mella, portanto, já  apontara o caminho, depois  seguido por Fidel Castro, nos anos 50, quando traça, no México, onde se refugiara, o caminho da revolução. Daí o acerto de se aplicar o conceito de revolução de longa duração quando se analisa o processo cubano. “As condições históricas de luta pelo nacional, contra o colonialismo e o imperialismo já estavam dadas, sem retirar o mérito estratégico de Fidel Castro,” comenta Rampinelli. “A revolução está na alma, na vida de todo um povo. Se fosse um evento sem raiz, não teria consequências.”

É por esse espírito revolucionário, entranhado na própria história, que os cubanos não cederam às pressões e ao bloqueio brutal imposto a Cuba pelo governo dos Estados Unidos. Em 1992, como explica Rampinelli no artigo “Cuba – 50 anos de revolução”, o Congresso dos Estados Unidos promulga a Lei Torricelli, a qual estabelece duas sanções principais. A primeira é a de proibir o comércio com Cuba de filiais de companhias estadunidenses estabelecidas em outros países. A segunda, impede barcos que entram em portos cubanos com propósitos comerciais de tocar portos estadunidenses, ou suas possessões, durante 180 dias a partir da data de partida da Ilha. Outra legislação de exceção, aprovado pelo congresso estadunidense, é a Lei Helms-Burton, que viola leis internacionais e direitos humanos, outorgando aos  EUA o direito de  impor  sua ordem jurídica a países terceiros. Tal mecanismo estabelece um bloqueio feroz, restringindo o direito ao livre comércio com Cuba.

Rampinelli também aborda, no artigo, aspectos da crise migratória, a parte mais visível dos conflitos entre Havana e Washington. Ele explica: a Lei de Ajuste Cubano, adotada pelo Congresso dos Estados Unidos, em 2 de novembro de 1966, quando era presidente Lyndon B. Johnson, modificou o estatuto dos imigrantes cubanos, qualificando-os de “refugiados políticos”, com direito automático de asilo político e, ao mesmo tempo, com a permissão de residência permanente nos Estados Unidos, estimulando deste modo a emigrarem ilegalmente. Dessa forma, o cubano imigrante ilegal que conseguir pôr os pés (pés secos) em território estadunidense é automaticamente acolhido pela Lei de Ajuste, enquanto o interceptado no mar (pés molhados) pode ser devolvido a Cuba.

Isso tudo acontece a despeito de um acordo assinado entre os dois países que permite a entrada de 20 mil cubanos por ano nos Estados Unidos, pelas vias legais. “Na realidade, o que Washington estimula e incentiva é o roubo de aeronaves e de barcos – os quais não são devolvidos – com fuga espetacular que possa ser manchete nos jornais do mundo,” comenta o historiador.

Os que querem derrotar a revolução cubana, não entendem, adverte Rampinelli, que um processo revolucionário de longa duração não é desmantelado facilmente. Quem pode derrotar esta revolução, afirma, “são apenas os próprios cubanos”. No artigo mencionado, o historiador escreve:

“Uma revolução não subsistiria sem o apoio maciço de sua população. A estratégia de resistência consiste na guerra de todo um povo contra o invasor. Para defender seu processo revolucionário, as pessoas devem sentir no seu cotidiano as mudanças havidas na educação, na saúde, no emprego, na moradia, no meio ambiente, no esporte e na projeção internacional de seu país. Estas conquistas não apenas tornam a vida melhor e mais feliz, como também despertam o patriotismo, ou seja, o orgulho de ser cubano em qualquer parte do mundo. Afinal Cuba é o único país do Terceiro Mundo que resolveu problemas fundamentais como o da fome. No setor educacional, não existe em Cuba um analfabeto funcional, tamanho é o investimento na escolaridade. Já na saúde, os índices se igualam aos dos países mais avançados do Mundo, como o Canadá e a Noruega.

Na economia, Cuba saiu da condição da monocultura do açúcar e hoje grande parte de sua produção é em biotecnologia. Basta ver os índices econômicos apresentados a cada ano pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal).

Por isso, a Revolução Cubana pode se esgotar, e até ser destruída, por suas próprias forças internas. Porém, nunca por uma intervenção externa, já  que o povo aprendeu ao longo de cinco décadas a manejar uma cultura de resistência, a preservar suas conquistas sociais e a saber usar armas.”

Tags: CubaIELApalestra

Obra de alunos e professores do CCE e CTC simplifica utilização de software

14/03/2011 16:14

Obra simplifica o aprendizado de Desenho Técnico através do software SolidWorks

Disciplina obrigatória nas primeiras fases de cursos de Engenharia Mecânica, Produção Mecânica e Design, Desenho Técnico vem sendo ensinada também com o apoio de softwares como o SolidWorks, que, dentre suas funções, facilita a modificação dos desenhos de produtos já projetados.

Pensando em simplificar a aprendizagem de Desenho Técnico através da ferramenta, os professores da UFSC Júlio César da Silva, Henderson José Speck e Edison Rohleder (Centro de Comunicação e Expressão/EGR), junto com os alunos Bernardo Cassimiro Fonseca de Oliveira, Thiago Dickmann (ambos da Eng. Mecânica) e João Facco de Andrade (Eng. de Produção Mecânica) lançaram o livro Desenho Técnico auxiliado pelo SolidWorks (Editora Visual Books).

Indicado para estudantes, projetistas, engenheiros e designers, a obra traz tópicos básicos de Desenho Técnico desenvolvidos a partir dos recursos do programa. “Apesar do SolidWorks sofrer mudanças anuais em sua interface, os principais comandos e recursos se mantêm, possibilitando o entendimento, sem maiores dificuldades, dos procedimentos e tutoriais”, esclarecem os autores.

Mais informações com os professores Júlio e Speck no fone 3721-6613 ou nos emails: e

Tags: desenho técnicoengenharialivro

Instituto Ling oferece bolsas para MBA

14/03/2011 15:51

Sinter informa: O Instituto Ling oferece bolsas para cursos de MBA – através do Programa Start/MBA – e  LLM – pelo programa ILing/Escritório de Advocacia Gouvêa Vieira – nas melhores  universidades dos EUA e da Europa, de acordo com os rankings das revistas Business Week e US News e do jornal Financial Times. As bolsas de estudos são parciais, e beneficiam profissionais em início de carreira que demonstrem liderança, espírito empreendedor, excelência acadêmica e identificação com os valores do Instituto Ling. Em 15 anos, 125 jovens profissionais brasileiros já foram beneficiados com nossas bolsas, em um investimento total de mais de 1,9 milhão de dólares.

Para concorrer à bolsa, o interessado deve apresentar a carta de aceitação da universidade onde pretende estudar, ser cidadão brasileiro e demonstrar necessidades de
recursos. Mais informações podem ser encontradas no site www.institutoling.org.br<outbind://46/www.institutoling.org.br>.

Os interessados também podem entrar em contato pelo e-mail 
ou pelo telefone (51) 3287-6306.

“Trote é para brincar, não para maltratar” é tema de cartilha

14/03/2011 14:41

Com o lema “trote é para brincar, não para maltratar”, será lançada no primeiro dia de aulas na UFSC, 14 de março, a Cartilha de prevenção às violências sexistas, homofóbicas e racistas nos trotes universitários. A apresentação acontece às 18h30min, no Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH).

(mais…)

Tags: cartilhasexistastroteviolências

Aulas magnas do Curso de Artes Cênicas e da Pós em Administração Universitária nesta terça às 19h

14/03/2011 14:07

Aula Magna do Programa de Pós-Graduação em Administração Universitária, com o professor Gerson Luiz Joner da Silveira tendo como tema: “Perspectivas e Desafios da Gestão Universitária”. Local: Sala dos Conselhos, Reitoria. No mesmo horário será realizada a  aula magna do curso de Artes Cênicas com o tema: “Pesquisa e Criação: vínculos universitários e a experiência do Teatro da Vertigem”,  ministrada pelo professor Antonio Carlos de Araújo Silva ( USP) no Auditório do CCE

(mais…)

Tags: Aula Magna Curso de Artes CênicasAula Magna Pós em Administração Universitária

UFSC recepciona mais de 2.300 calouros no Centro de Eventos

14/03/2011 13:24

O auditório do Centro de Cultura e Eventos da UFSC ficou lotado na manhã desta segunda-feira, dia 14, na solenidade de recepção dos calouros do primeiro semestre de 2011. A partir das 10h30, boa parte dos 2.345 novos alunos do campus de Florianópolis foi recebida pela instituição. Eles assistiram a um vídeo, acompanharam uma palestra e ouviram as boas vindas do reitor Alvaro Toubes Prata, e depois disso foram brindados com um carreteiro no hall superior do mesmo prédio. À noite, às 19h, outros 564 estudantes serão recepcionados, também no Centro de Eventos.
(mais…)

Tags: calourosrecepçãoUFSC

II Jornada de Estudos sobre Romances Gráficos na UnB

14/03/2011 12:57

Será realizada nos dias 29 e 30 de junho, na Universidade deBrasília, a II Jornada de Estudos sobre Romances Gráficos. O evento consistirá de uma rodada de palestras com convidados e da apresentação oral de trabalhos sobre o tema. O público alvo é composto de pesquisadores(as), estudantes, profissionais da área e interessados(as) em geral, que poderão participar com a apresentação de trabalhos ou como ouvintes.
(mais…)

Tags: estudos gráficosjornadaUnB

Feira de livros da EdUFSC adiada para terça

14/03/2011 12:26

A Feira de Livros da Editora da UFSC, programada para iniciar hoje, 14/03, foi adiada para amanhã (15) em função dos fortes ventos que atingiram o Campus Universitário na madrugada deste domingo. Segundo a organização da Feira, a empresa Cardeal Eventos, responsável pela estrutura física do evento, deverá reforçar os pilares da tenda  ainda nesta segunda.

As atividades terão início nesta terça, às 9 horas. Mais informações pelo 3721-9686.

Tags: adiadaEdUFSCFeira de Livros

Isabela Castelan expõe pinturas e desenhos na UFSC

14/03/2011 09:17

Abre amanhã, 15, a exposição de desenhos e pinturas (acrílico e óleo sobre tela) “Em nome do pai”, da artista plástica catarinense, residente em Londres, Isabela Castelan. A mostra, gratuita e aberta à comunidade, é em memória de Walter de Bona Castelan, e poderá ser vista no Hall da Reitoria da UFSC, de 15 de março a 07 de abril. Visitação de segunda a sexta-feira, das 07 às 20 horas.
(mais…)

Tags: exposiçãoIsabela Castelanpinturas

UFSC recepciona quase 3 mil calouros

11/03/2011 14:51

Calouros do semestre 2010/2 na cerimônia de recepção/ Foto: Paulo Noronha

Calouros do semestre 2010/2 na cerimônia de recepção - Foto: Paulo Noronha

Os calouros do primeiro semestre de 2011 serão recepcionados às 10h30 de segunda-feira, dia 14, no auditório do Centro

de Eventos da Universidade Federal de Santa Catarina, pela administração da instituição. Estarão presentes o reitor Alvaro Toubes Prata, o vice-reitor Carlos Alberto Justo da Silva, pró-reitores e secretários da UFSC, que receberão 2.345 novos estudantes que passam a fazer parte da instituição. A solenidade será repetida às 19h, no mesmo local, para acolher outros 564 alunos dos cursos noturnos da Universidade.

Além da parte oficial, haverá show com a dupla Luiz Martins (violinista) e Isa Martins (cantora) para receber os calouros com música e animação. O professor Rafael Salles, do Colégio de Aplicação, fará uma apresentação bem humorada da instituição aos novos acadêmicos. Também será feita a premiação dos melhores colocados no Vestibular 2011. Nas duas sessões, haverá a distribuição do mapa atualizado da UFSC, do Jornal Universitário e de materiais informativos sobre a Universidade.

Nos campi de Joinville, Curitibanos e Araranguá, as respectivas direções também farão a recepção aos novos alunos, com a presença do reitor Alvaro Prata ou representantes da administração central da UFSC

Mais informações no Centro de Cultura e Eventos, com Luiz Roberto Barbosa ou Cléia Ramos, pelo fone 3721-9559.

Feira de livros de editoras universitárias oferece até 70% de desconto na volta às aulas

11/03/2011 10:11

A coisa perdida: Agamben comenta Caproni, organizado e traduzido por Aurora Bernardini, Ecos no porão II, livro do contista catarinense Silveira de Souza e Do jeito que você gosta, tradução de Shakespeare. Esses lançamentos que acabaram de sair do prelo compõem uma pequena mostra dos livros que a Editora da Universidade Federal de Santa Catarina, pela primeira vez em parceria com a Liga das Editoras Universitárias (LEU), coloca à venda na volta às aulas, com descontos variando entre 15 a 70%. De 14 de março a 8 de abril, na Praça da Cidadania da UFSC, a Feira de Livros da Editora da UFSC/LEU vai oferecer com descontos muito vantajosos 8.200 mil volumes de suas antigas e novas coleções.

Ao todo aproximadamente 780 títulos e 7.200 livros da EdUFSC serão vendidos com 50 a 70% de desconto e 500 títulos de outras editoras universitárias filiadas à LEU terão 15 a 30%, incluindo-se as da Unicamp, USP, UFMG e UFBA, todas trazendo obras de interesse universal. É a oportunidade de adquirir pela metade do preço em condições normais, o livro Desgostos; novas tendências estéticas, do filósofo italiano Mário Perniola, que será vendido somente na Feira a R$ 16,00. Outros exemplos da nova coleção da EdUFSC são: George Bataille, filósofo, por R$ 12,00; Poetas da Catalunha, que custará R$ 11,00 e A Coisa perdida, que baixou de R$ 45,00 para 23,00. Com tradução inédita em língua portuguesa, o célebre comentário de Agamben com a seleção dos poemas de Caproni será lançado na Feira. A obra foi recomendada pela mídia nacional entre os dez melhores produtos culturais do país. Ecos no porão, segundo volume da coletânea de contos de Silveira de Souza também será lançado com preço especial de R$ 15,00.

Aberta ao público universitário e a toda comunidade, a Feira ocorre em tendas cobertas localizadas na Praça da Cidadania, em frente à Reitoria. Incluem-se entre as obras oferecidas a Série Didática, composta por livros solicitados em diversas graduações (Medicina, Farmácia, Enfermagem, Engenharias, Química, Física, Matemática, Português) e autores que costumam ser solicitados na lista do Vestibular das universidades catarinenses. Entre as novas edições da Série Didática, o editor Sérgio Medeiros destaca títulos como Anatomia sistêmica, Introdução à engenharia e Estatística aplicada às ciências sociais e Manual básico do desenho. O volume Farmacognosia, um dos clássicos da EdUFSC, recentemente reeditado, também estará à venda com desconto. Coordenada por Fernando Wolf, a feira funciona sempre das 9 às 19 horas, exceto aos sábados e domingos.

Lançamentos da EdUFSC à venda na Feira:

  • Ética das virtudes – JOÃO HOBUSS (ORGANIZADOR)
  • A coisa perdida – AURORA FORNONI BERNARDINI (ORGANIZAÇÃO E TRADUÇÃO)
  • A decadência de Santa Catarina – HENRIQUE LUIZ PEREIRA OLIVEIRA • MARLON SALOMON
  • Fundamentação filosófica – GIOVANI LUNARDI • MÁRCIO SECCO
  • Redes locais – MARCELO RICARDO STEMMER
  • Georges Bataille – FRANCO RELLA • SUSANNA MATI
  • Desgostos; novas tendências estéticas – MARIO PERNIOLA
  • 4 poetas da Catalúnia – LUIS SOLER (ORG.)
  • 28 desaforismos –  FRANZ KAFKA –  SILVEIRA DE SOUZA (TRADUÇÃO)
  • Ecos do porão vol 1 – SILVEIRA DE SOUZA
  • Educação do corpo em ambientes educacionais – FÁBIO MACHADO PINTO • ALEXANDRE FERNANDEZ VAZ • DEBORAH THOMÉ SAYÃO  (ORGANIZADORES)
  • Discussão de novos paradigmas –  JAIME COFRE • KAY SAALFELD (ORGANIZADORES)

Por Raquel Wandelli, jornalista na SeCarte

(048) 37219459 e 99110524

Tags: descontoseditoras universitáriasEdUFSCFeira de LivrosUFSCvolta às aulas

Aula inaugural da Pós-Graduação em Antropologia Social

11/03/2011 10:08

O Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGAS/UFSC) realizará a aula inaugural deste primeiro semestre de 2011 sobre o tema “Cartografias Sociais: por uma antropologia engajada”, a ser ministrada pelo professor Alfredo Wagner Berno de Almeida, da Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

O evento acontece no dia 16 de março, quarta-feira, das 16h30 às 18h, no auditório do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH).

Outras informações pelo telefone (48) 3721-9714, ramal 4 ou pelo e-mail .



Tags: Alfredo Wagner Berno de AlmeidaAntropologia Socialaula inauguralUFAM

Epistemologia e Sociologia da Ciência da Administração são temas de colóquio

10/03/2011 08:05

Nos dias 24 e 25 de março, o Núcleo de Pesquisa em Organizações, Racionalidade e Desenvolvimento (ORD) realizará no auditório do Centro Socio-Econômico (CSE) da UFSC, em Florianópolis, o 1º Colóquio de Epistemologia e Sociologia da Ciência da Administração. No evento pesquisadores apresentarão seus estudos, debatendo o avanço do conhecimento na área.

O tema central do encotro será “Epistemologia e Sociologia da Ciência: rumo à consolidação científica da administração”. São ainda quatro subtemas: Análise Epistemológica da Administração; Sociologia da Ciência da Administração; Racionalidade nas Organizações; Teoria das Organizações e Epistemologia.

As inscrições podem ser feitas pelo endereço www.coloquioepistemologia.tangu.com.br.

Outras informações pelo telefone (48) 3721-9374, pelo e-mail ou pelo blog

http://oficinadeepistemologia.blogspot.com.

Tags: ciência da administraçãoNúcleo de Pesquisa em OrganizaçõesRacionalidade e Desenvolvimento

UFSC aprova novos grupos PET

10/03/2011 07:57

Em 2010 a UFSC submeteu oito propostas ao Edital n° 9 da Secretaria de Educação Superior (SESu) e da Secretaria de Educação Continuada,  Alfabetização e Diversidade (Secad).  Seis das oito propostas foram aprovadas, o que aumentou a diversidade dos programas de educação tutorial na UFSC. Atualmente são  21 grupos PET.

As novas equipes implantadas no mês de dezembro de 2010 são: Odontotologia/Fonoaudiologia, Educação do Campo e Conexões e Saberes, com dois  grupos (Campus Florianópolis); Ciências Rurais (Campus de Curitibanos ) e Engenharia de Mobilidade (Campus de Joinville).

Mais informações junto à Pró-Reitoria de Ensino de Graduação: (48) 3721-9276

Tags: grupos PETPrograma de Educação Tutorial