Capes WebTV traz informações sobre instituições federais e a própria UFSC

16/02/2011 14:40

Foi inaugurada na segunda quinzena de dezembro, na Biblioteca Universitária, a Capes WebTV, mídia exclusiva criada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) para a divulgação de conteúdo noticioso dentro dos campi universitários. A UFSC foi a segunda universidade federal a adotar o sistema, que disponibiliza informações sobre editais de fomento à pesquisa, cooperação internacional, avaliação de cursos, bolsas no exterior e outros assuntos de interesse da comunidade acadêmica.

De acordo com a diretora da Biblioteca Universitária, Narcisa Amboni, 28 pontos (25 dentro do campus de Florianópolis e um em cada novo campi, em Joinville, Araranguá e Curitibanos) oferecerão, por meio de monitor de TV, a possibilidade de acessar esses dados, além de notícias da Capes e da UFSC, informações científicas e dados sobre treinamentos dos usuários. No campus da Trindade, haverá monitores na reitoria, no Centro de Cultura e Eventos, na Agecom, nos centros de ensino, nas bibliotecas setoriais e em outros locais estratégicos.

Participaram da inauguração os responsáveis pela implementação da ferramenta na Biblioteca, autoridades representando o Ministério da Educação, a diretora da BU, o reitor Alvaro Prata, o chefe de gabinete José Carlos Cunha Petrus e a pró-reitora de Pós-Graduação, Maria Lúcia de Barros Camargo. Em seus pronunciamentos, eles destacaram a importância da Capes WebTV na difusão do conhecimento para a comunidade universitária e externa e também a participação da Agência de Comunicação (Agecom) e da TV UFSC como parceiras da iniciativa.

O sistema foi apresentado em setembro de 2010 a reitores e pró-reitores de pós-graduação, em evento realizado em Brasília, e está sendo implantado em 21 instituições que manifestaram oficialmente o interesse pelo uso da ferramenta. Entre os programas inicialmente veiculados estão o “Por Dentro da Capes”, “Capes Notícias”, “Capes Oportunidades”, “Portal de Periódicos” e “Acontece no Campus”. Na BU, o monitor está instalado no primeiro piso, próximo ao Espaço Cultural.

O sistema da WebTV não emite sons, utilizando-se de legendas, de forma similar às TVs instaladas em aeroportos. Os serviços serão disponibilizados durante 24 horas, nos sete dias da semana.

Leia mais:

Capes WebTV recebe primeiras adesões

Tags: Capes WebTv

Estudantes podem solicitar isenção para o Restaurante Universitário

15/02/2011 17:25

A Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE) informa que está recebendo requerimentos de isenção para o Restaurante Universitário (RU). Os interessados devem apresentar os seguintes documentos: requerimento disponível no site da PRAE ou da Coordenadoria do Serviço Social (CoSS); atestado de matrícula do semestre 2011.1; e cadastro socioeconomico aprovado anteriormente à entrega do requerimento. Outras informações pelo telefone (48) 3721-9341 ou pelo e-mail .

Tags: pedido de isençãoPRAERU

Reitor da UFSC conhece sustentabilidade da Dígitro

15/02/2011 13:29

O reitor Alvaro Toubes Prata, da UFSC, reuniu-se recentemente com o presidente da Dígitro, Geraldo Augusto Xavier Faraco, e com o professor Rui Seara, responsável pelo Laboratório de Circuitos e Processamento de Sinais (LINSE). Durante a visita, Prata conheceu as instalações sustentáveis da empresa e conversou com Faraco sobre a longa parceria existente entre a empresa e a instituição de ensino.

Desde 1996, a Dígitro mantém convênios com laboratórios da UFSC para o desenvolvimento de produtos na área de telecomunicações e informática, notadamente com o LINSE, que está vinculado ao Departamento de Engenharia Elétrica da instituição. Entre as tecnologias desenvolvidas, destaca-se a produção de sistemas para conversão texto-fala e síntese de voz. Nos últimos 7 anos a Dígitro repassou quase R$ 5 milhões em recursos àquela unidade de ensino.

A UFSC está presente em toda história da Dígitro, principalmente na formação de profissionais. Além de os sócios fundadores terem se graduado na instituição, ela é
responsável também pela formação de grande parte dos colaboradores da Dígitro – mais de 25% das pessoas que trabalharam e/ou trabalham na empresa são egressos da UFSC-, além de propiciar oportunidade de estágio para um volume expressivo de alunos dos mais variados cursos.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Dígitro

Tags: Dígitroreitor da UFSCvisita

Curso Superior de Magistério indígena abre Universidade para todos

14/02/2011 20:43

Eles vieram de territórios localizados em Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo e Espírito Santo atrás do antigo sonho de cursar uma faculdade específica para professores indígenas. Alguns casais deixaram os filhos com parentes nas aldeias e trouxeram os menores de colo para a sala de aula. Várias alunas ainda estão amamentando. O primeiro dia de aula mostrou que os 120 alunos Guarani, Kaingáng e Xokleng aprovados no Vestibular do Curso Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, iniciado na tarde de segunda, 14, na Universidade Federal de Santa Catarina, estão dispostos a enfrentar todas as dificuldades para completar sua formação como professores e ajudar seus povos na luta pelas condições de sobrevivência e pela defesa da sua cultura.

“Por meio da educação vamos superar o paternalismo dos órgãos indigenistas para conquistar nossa autonomia e defender nossa cultura”, sentenciou Getúlio Tójfa, coordenador pedagógico da Escola Cacique Vanhkre, em Ipuaçu, ao discursar em nome dos Cainkáng na cerimônia de recepção dos calouros e abertura do curso no auditório do Centro de Filosofias Humanas. O auditório lotado e multicolorido com a presença das lideranças das três etnias, dos representantes da rede de departamentos que integram o curso e das diversas entidades ligadas à promoção do índio fez dessa conquista pedagógica um momento de comemoração e também um ato político na defesa de uma educação inclusiva. Sobre a importância de realizar a primeira graduação específica em licenciatura indígena direcionada para professores das três etnias dos territórios do Sul e Sudeste do País, o reitor Álvaro Prata pontuou: “a UFSC assume sua condição de universidade dessa grande nação brasileira, que é não é somente dos brancos, mas sobretudo dos nativos”.

Com duração de quatro anos, o curso superior contempla alunos de Santa Catarina e de outros estados do sul e sudeste que não dispõem desse tipo de formação. Seguindo o método da pedagogia da alternância, que prevê o aprendizado teórico em sala e períodos de aplicação prática nas escolas das aldeias, os alunos-professores devem permanecer em torno de duas semanas hospedados em um hotel em Florianópolis e depois retornam aos seus territórios para reiniciar as aulas dois meses depois. O tempo de estudo na comunidade prevê pesquisas orientadas, estágios, projetos de intervenção comunitária nas escolas das aldeias.  Como conquista da luta das comunidades indígenas, de professores e pesquisadores da área, a graduação foi concebida pela Comissão Interinstitucional de Educação Superior Indígena (CIESI) em conjunto com representantes indígenas, a partir de projeto aprovado pelo Programa de Licenciatura Indígena do Ministério da Educação, explica a coordenadora do curso Ana Lúcia Vulfe Nötzold, do Departamento de História. O Prolind financia hospedagem e alimentação para docentes especialistas nas temáticas.

São 120 alunos aprovados no Vestibular, 40 de cada etnia. A maioria já atua em escolas de aldeias, mas há jovens indígenas recém-egressos do ensino médio e lideranças comunitárias e também índios formados em faculdades não específicas, de português e história, principalmente. É o caso de Keli, formada em Letras-Português pela Unasselvi, que veio com o marido Eduardo Tuquê e trouxe dois dos quatro filhos, um de quatro e outro de dois. Com dificuldades de se concentrar na aula e dar atenção aos filhos, eles pretendem conseguir alguém para levar as crianças de volta à aldeia Xokleng, em Ibirama, mas não querem desistir: “A gente precisa desse conhecimento na nossa língua específica para ajudar a fortalecer nossa cultura nas aldeias”, diz Keli. A índia Eunice Antunes, professora da Escola Itaty, do Morro dos Cavalos, que também discursou em nome do povo Guarani, ainda não acredita que a luta pela graduação se concretizou: “Parece que estou sonhando acordada! E todas as entidades e nós alunos demos o máximo para estar aqui. Não é um privilégio, é uma conquista!”

Com habilitação geral em Licenciatura da Infância e ênfase no ensino fundamental comum a todos, a formação desses alunos-professores será voltada para o eixo norteador Territórios Indígenas: Questão Fundiária e Ambiental no Bioma Mata Atlântica. A coordenadora Ana Lúcia lembra que a questão territorial está ligada ao direito do indígena de existência enquanto povo. “Quando se fala em acesso à cidadania, um dos direitos fundamentais é o de poder existir, que está ligado à questão da identidade e do território tão prementes hoje para esses povos”, enfatiza.  Até o quinto período, os acadêmicos estarão separados por etnia, cursando disciplinas específicas. Na sequência, optarão por uma das três terminalidades, que são: Licenciatura das Linguagens, com ênfase em Línguas Indígenas; Licenciatura em Humanidades, com ênfase em Direitos Indígenas e Licenciatura do Conhecimento Ambiental, com ênfase em Gestão Ambiental.

Os parceiros na UFSC incluem os departamentos de Antropologia (que vai ministrar disciplina de mitologia indígena), de Metodologia de Ensino, de Direito, de Engenharia Sanitária e Ambiental, entre outros, além do Museu Universitário, ligado à Secretaria de Cultura e Arte, que atuará com professores e infra-estrutura para atividades pedagógicas, científicas e culturais, conforme Maria Dorothea Darella, pesquisadora do Laboratório de Etnologia Indígena. Como parceiros externos, a Secretaria da Educação firmou um termo de cooperação para dar apoio pedagógico aos alunos que são também professores da educação indígena das rede pública estadual e flexibilizar o seu horário nas aldeias. A Funai financiar o deslocamento dos índios dos seus territórios para Florianópolis. Entidades como a Capi (Comissão de Apoio aos Povos Indígenas), CIMI (Conselho Indigenista Missionário) e Comin (Conselho de Missão entre Índios) participaram de todas as decisões de modo a preservar as especificidades e interesses das etnias.

Em Santa Catarina, 9.200 pessoas integram a população indígena, 2.812 pertencentes à faixa etária escolar entre um a 14 anos. Oferecendo formação superior pública e gratuita, o projeto cumpre a Lei de Diretrizes e Bases de 96, que determina a graduação dos professores de escolas indígenas. Em todo sul e sudeste do Brasil, somente a Unochapecó oferece um curso específico para Kaingángs e atendendo apenas professores de Santa Catarina.

Por Raquel Wandelli/ Jornalista na SeCArte

Fotos: Cláudia Schaun Reis/Jornalista na Agecom

Tags: Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica

UFSC oferece encontros gratuitos para pacientes com redução de estômago

14/02/2011 18:09

O Grupo Interdisciplinar de Acompanhamento a Pacientes com Redução de Estômago (GIAPRE) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) tem como objetivo reunir pessoas que fizeram a cirurgia bariátrica para compartilhar experiências relacionadas a esse novo momento de suas vidas.

Formado por diferentes profissionais da saúde, o GIAPRE promove reuniões sempre na última quinta-feira de cada mês, das 13h30 às 15h, na Área B do Hospital Universitário (HU), na Sala do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa, Ensino e Assistência Gerontogeriátrica (NIPEG). A participação é gratuita e não requer agendamento prévio. O próximo encontro será realizado no dia 24 de fevereiro.

Outras informações pelo e-mail .

Tags: cirurgia bariátricaencontros gratuitosGIAPREHU/UFSCredução de estômago

Concurso Residência Médica – Medicina Intensiva e Pneumologia

14/02/2011 17:33

Estão abertas as inscrições para o Concurso para Residência Médica nas Especialidades de Medicina Intensiva e Pneumologia do Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina (HU/UFSC).

As inscrições podem ser feitas até o dia 18 de fevereiro, das 8h às 12h, na Coordenadoria da Residência Médica, 3º andar do Hospital Universitário.

Clique aqui para ter acesso ao Edital e a Ficha de Inscrição. Outras informações pelo telefone (48) 3721-8059.

Tags: concursoHUresidência médica

Estudantes têm hábitos alimentares e de assitir à TV analisados em estudo

14/02/2011 15:38

Será defendida na UFSC nesta terça-feira, 15 de fevereiro, uma dissertação que avaliou a informação alimentar e nutricional da gordura trans em rótulos de produtos alimentícios comercializados em um supermercado de Florianópolis. O trabalho de Bruna Maria Silveira foi desenvolvido junto ao Programa de Pós-Graduação em Nutrição da UFSC, com orientação da professora Rossana Proença.

No dia 9 de fevereiro foi apresentado trabalho sobre incidência e fatores associados ao sobrepeso/obesidade em crianças assistidas por unidades de educação infantil de Florianópolis.  Esta semana, na sexta-feira, defesa de outra dissertação importante: Hábitos alimentares, comportamento consumidor e hábito de assistir à televisão de estudantes de Florianópolis. Só no início do ano serão defendidas junto ao programa 14 dissertações. A Pós-Graduação em Nutrição funciona no Centro de Ciências da Saúde da UFSC.

Mais informações: Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Nutrição-UFSC / (48) 3721-5138

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Dissertações com defesas agendadas para fevereiro e março de 2010:

– Hábitos alimentares, comportamento consumidor e hábito de assistir à televisão de estudantes de Florianópolis

– Informação alimentar e nutricional da gordura trans em rótulos de produtos alimentícios comercializados em um supermercado de Florianópolis

– Controle do sal/sódio no processo produtivo de refeições

– Estratégias de gestão da qualidade dos vegetais e frutas fornecidos pelo Programa de Aquisição de Alimentos para a Alimentação Escolar

– Incidência e fatores associados ao sobrepeso/obesidade em crianças assistidas por unidades de educação infantil de Florianópolis

– Marcadores de estresse oxidativo em crianças e adolescentes em fibrose cística

– Efeito da quimioterapia sobre o peso corporal e o estresse oxidativo em mulheres com câncer de mama

– Avaliação do estado nutricional: comparação entre métodos de rastreamento nutricional e de composição corporal

– Qualidade nutricional, sensorial, regulamentar e sustentabilidade no abastecimento de carne bovina em unidades produtoras de refeições

– Efeito da suplementação de óleo de peixe nos marcadores da resposta inflamatória e do estado nutricional em indivíduos adultos com câncer colo-retal

– Estado nutricional, indicadores sociodemográficos, comportamentais e de escolha alimentar de comensais em restaurante de bufê por peso

– Associação entre variáveis sociodemográficas, dietéticas, estado nutricional dos pais e sobrepeso / obesidade em escolares de 7 a 14 anos de Florianópolis

– Efeito da erva-mate (ilex paraguariensis) na modulação gênica e na atividade da enzima paroxonase: estudos in vitro e in vivo

– Dieta hipossódica: modificações culinárias em preparações e a aceitação por indivíduos hospitalizados

Tags: pós-graduação em nutrição

Matrículas para cursos extracurriculares de línguas iniciam em março

14/02/2011 14:37

As matrículas para os cursos serão efetuadas exclusivamente pela internet e por ordem de acesso. Vagas limitadas. As matrículas para alunos antigos que realizaram os cursos extracurriculares de línguas estrangeiras oferecidos pela UFSC em 2010.1 ou 2010.2 (exceto nível 1) serão feitas nos dias 14 e 15 de março, no bloco B, Centro de Comunicação e Expressão (CCE).

As inscrições para os testes de nivelamento dos alunos novos (somente para quem não quer entrar no nível 1) serão realizadas no dia 14 de março através do site www.cce.ufsc.br/extra, das 8h às 17h. As vagas são limitadas.

Pessoas que não tiverem acesso à internet devem procurar a sala de suporte do Departamento de Língua e Literaturas Estrangeiras (DLLE) nesse mesmo dia e horário. As datas de realização dos testes de nivelamento estão disponíveis abaixo ou no endereço http://www.cce.ufsc.br/extra.

MATRÍCULA 2011.1

Informações relativas às matrículas para alunos antigos, que cursaram o extra em 2010.1 ou 2010.2:

14/3 (2ª feira) – Matrícula de inglês para alunos antigos das 14h às 20h (exceto nível 1)

15/3 (3ª feira) – Matrícula de outros idiomas para alunos antigos das 8h às 14h (exceto nível 1)

15/3 (3ª feira) – Continuação da matrícula para os alunos antigos das 14h às 20h (exceto nível 1)

Matrículas para alunos novos:

Testes de Nivelamento (somente para quem não quer entrar no nível 1)

14/3 (2ª feira) – Inscrição para os testes, acessando o site www.cce.ufsc.br/extra das 8h às 17h (vagas limitadas)

Obs.: As pessoas que não tiverem acesso à internet devem procurar a sala de suporte do DLLE nesse mesmo dia e horário.

14/3 (2ª feira) – Nivelamento para inglês níveis de 2 a 8 (18h30min)

14/3 (2ª feira) – Nivelamento para inglês níveis de 2 a 8 (20h)

15/3 (3ª feira) – Nivelamento para inglês níveis de 2 a 8 (12h)

15/3 (3ª feira) – Nivelamento para inglês níveis de 2 a 8 (16h30min)

15/3 (3ª feira) – Nivelamento para TOEFL, Inglês Avançado, Leitura e Conversação em nível Avançado (18h30min)

15/3 (3ª feira) – Nivelamento para Alemão, Espanhol, Francês, Italiano (18h30min)

15/3 (3ª feira) – Nivelamento para inglês níveis de 2 a 8 (20h)

16/3 (4ª feira) – Nivelamento para inglês níveis de 2 a 8 (10h)

17/3 (5ª feira) – Resultados dos testes de nivelamento estarão disponíveis na internet (www.cce.ufsc.br/extra) a partir das 16h.

Matrícula para alunos novos:

18/3 (6ª feira) – Matrícula nível 1 de inglês das 8h às 14h

18/3 (6ª feira) – Matrícula nível 1 de outros idiomas das 14h às 20h

21/3 (2ª feira) – Matrícula para os alunos classificados no teste de nivelamento de inglês (exceto nível 1) das 8h às 14h

21/3 (2ª feira) – Matrícula para os alunos classificados no teste de nivelamento de outros idiomas (exceto nível 1) das 14h às 20h

Obs.: As matrículas para os cursos serão efetuadas exclusivamente pela internet e por ordem de acesso. Vagas limitadas.

Português para Estrangeiros:

As inscrições serão feitas no DLLE, CCE, bloco B, 1º andar.

Matrícula Presencial:

14/3 a 16/3 (de 2ª a 4ª feira) – Matrícula e inscrição para nivelamento das 8h às 18h

16/3 (4ª feira) – Teste de nivelamento (14h)

18/3 (6ª feira) – Matrícula para os alunos classificados no teste de Português

Valor total do curso:

– Estudante universitário e estudante do Colégio de Aplicação: R$ 275 (munido de comprovante)

– Professor e servidor da UFSC: R$ 275 (munido de comprovante)

– Servidor público de outras instituições: R$ 340 (munido de comprovante)

– Comunidade: R$470

TOEFL: (Curso Preparatório)

– Estudante universitário e estudante do Colégio de Aplicação: R$ 360 (munido de comprovante)

– Professor e servidor da UFSC: R$ 360 (munido de comprovante)

– Servidor Público de outras instituições: R$ 450 (munido de comprovante)

– Comunidade: R$ 625

Outras informações pelos telefones (48) 3721-9288 e 3721-6607 ou e-mail .

Tags: cursos extracurricularesDLLEmatrícula 2011

Núcleo de Estudos da Terceira da UFSC divulga cronograma de matrículas

11/02/2011 12:15

O Núcleo de Estudos da Terceira Idade da UFSC inicia matrículas para uma série de atividades oferecidas a pessoas com mais de 50 anos. Entre elas, o Curso de Formação de Monitores da Ação Gerontológica (para formação de multiplicadores da ação gerontológica na comunidade), Cinedebate em Gerontologia, Contadores de História, Espanhol 1, Curso de alemão para iniciantes e Oficina de informática. Veja abaixo cronograma de reuniões e matrículas para as atividades do NETI.

Matrículas e reuniões para as atividades do NETI

As reuniões no NETI para ingresso nas atividades são as seguintes:

– Curso de Formação de Monitores da Ação Gerontológica – reunião dia 22 de fevereiro, às 14 horas. As aulas serão às terças e quintas-feiras, das 14 às 16 horas.

– Cinedebate em Gerontologia – reunião dia 23 de fevereiro, às 9 horas. As aulas serão às quartas-feiras, das 9 às 12 horas, no NETI.

– Contadores de História – reunião dia 21 de fevereiro, às 14 horas. As aulas serão às segundas-feiras, das 14 às 16 horas, no CSE.

– Espanhol 1 – reunião dia 24 de fevereiro, às 14:30 horas. As aulas serão às segundas-feiras, das 14:30 às 16 horas.

– Os Avós na Universidade – reunião dia 23 de fevereiro. As aulas serão às quartas-feiras, das 14 às 16 horas, no CSE.

– Conversação em Espanhol – reunião dia 24 de fevereiro, às 16 horas.

As seguintes atividades não terão reunião e as matrículas serão de 14 de fevereiro a 4 de março:

– Esperanto – as aulas serão às segundas-feiras, das 14 às 16 horas, no CSE.

– Grupo de Encontro – haverá duas turmas, uma às quartas-feiras das 9 às 11 horas, no NETI; outra às quintas-feiras das 14 às 16 horas, no NETI.

– Oficina de Autoconhecimento – os encontros serão às sextas-feiras das 8 às 10 horas, no NETI.

– Curso de alemão para iniciantes – as aulas serão às segundas-feiras, das 8 às 11h30min.

– Oficina de informática – O NETI oferecerá três turmas para iniciantes em informática maiores de sessenta anos. O sorteio de vagas, entrevista e matrícula dos novos alunos será no dia 21 de fevereiro, às 14h30min, no NETI. As aulas serão no período vespertino.

Saiba Mais

Curso de Formação de Monitores da Ação Gerontológica

É uma proposta de educação permanente, com enfoque na educação gerontológica, aberta a pessoas de mais de 50 anos de idade. Sua orientação pedagógica propicia aos alunos crescimento pessoal e social ofertando condições de aquisição, aperfeiçoamento, atualização em termos de conhecimentos, habilidades e atitudes para que se sintam capacitados como multiplicadores da ação gerontológica na comunidade de sua convivência.

O curso tem a duração de três anos (seis fases) com currículo formado por 12 disciplinas: Filosofia; Psicologia; Sociologia aplicada à Gerontologia; Noções de Direito; Noções de Gerontologia; Ação Comunitária; Dinâmica de grupo (I e II); Noções de Saúde; Antropologia; Metodologia de Ação Gerontológica incluindo estágio (I e II).

Mais informações: www.neti.ufsc.br / 3721-9445

Tags: NETI

Na Mídia: Agência Fapesp destaca projeto conjunto com Embraer que tem colaboração da UFSC

11/02/2011 09:51

Conforto nas nuvens

11/2/2011

Por Elton Alisson

Agência FAPESP – A partir de março, um grupo de pessoas habituadas a viajar de avião passará a se reunir periodicamente para apontar o que poderia mudar no interior de uma aeronave de modo a aumentar os níveis de conforto durante um voo.

Elas participarão de um estudo realizado pela Embraer em parceria com a Universidade de São Paulo (USP), a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que visa a desenvolver cabines de aviões mais confortáveis.

Iniciada no segundo semestre de 2008, na pesquisa estão sendo analisados os fatores que influenciam a sensação de conforto dos passageiros de um avião, como vibração, temperatura, pressão e ergonomia, além de odores, materiais e iluminação.

Na primeira fase do projeto, financiado pela FAPESP por meio do programa Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica (PITE), os cientistas estudaram esses fatores de forma isolada por meio de testes com participantes treinados.

Agora, deverão iniciar os estudos desses diversos aspectos de maneira integrada, por meio de ensaios com cerca de 600 participantes que já viajaram de avião.

“Os participantes darão suas respostas baseadas unicamente em preferências pessoais. E, como é um teste com consumidor, eles só poderão participar uma única vez”, disse o coordenador do projeto, Jurandir Itizo Yanagihara, do Departamento de Engenharia Mecânica da Escola Politécnica (Poli) da USP, à Agência FAPESP.

Para realizar os testes, o interior do Laboratório de Engenharia Térmica e Ambiental (LETE) da Poli-USP será transformado em um aeroporto cenográfico.

Ao chegar ao prédio do laboratório, os participantes dos ensaios aguardarão em espaço semelhante ao de uma sala de espera de um terminal aeroportuário o momento de embarcar em uma viagem, com duração prevista de três a quatro horas, em um simulador de voo.

Segundo do gênero no mundo – o primeiro está localizado na Alemanha –, o equipamento reproduzirá todas as características do interior da cabine de aeronaves – no caso, modelos 170 e 190 da Embraer.

Representará também as condições de um voo real, como pressão, temperatura, ruído e vibração, para que os pesquisadores possam analisar esses fatores em conjunto e as influências de um sobre os outros.

“O simulador terá som, iluminação, poltronas e o que mais há em um avião. A ideia é que, passado certo tempo, os participantes fiquem tão imersos no ambiente reproduzido pelo equipamento que esqueçam que estão participando de um teste e pensem que realmente estão viajando em um avião”, explicou Yanagihara.

Previsto para ser concluído no fim de 2011, o projeto deverá resultar em critérios que os engenheiros da Embraer poderão priorizar nos projetos das aeronaves fabricadas pela empresa, além de softwares que permitirão prever o comportamento dos passageiros de um avião em diferentes momentos da viagem.

Com base nessas ferramentas, a fabricante brasileira de aviões poderá elevar os níveis de conforto das cabines de suas aeronaves e garantir o bem-estar dos passageiros durante suas viagens. “Os resultados da pesquisa deverão ter impactos diretos no projeto de todas as aeronaves civis fabricadas daqui para frente pela Embraer”, afirmou Yanagihara.

Ineditismo

De acordo com o professor da Poli, o desenvolvimento dessas ferramentas de pesquisa é inédito no hemisfério Sul e bastante recente no cenário mundial da aviação civil, uma vez que só nos últimos anos o conforto passou a ser uma prioridade nos projetos de aeronaves comerciais.

Nas décadas de 1950 e 1960, segundo ele, a principal preocupação no desenvolvimento de um modelo de avião era garantir a segurança. Em função disso, as primeiras aeronaves eram bastante desconfortáveis.

Já nas décadas seguintes, depois de o problema da segurança ser em grande parte solucionado, o foco passou a ser a economicidade das aeronaves. E só nos últimos cinco a dez anos o aspecto do conforto passou a ser considerado mais relevante.

“O atributo do conforto passou a ser reconhecido como um importante diferencial no mercado de aviação civil, e essa é a razão pela qual as grandes fabricantes do setor estão investindo nesse aspecto em seus projetos”, apontou Yanagihara.

Para sair na frente nessa corrida, empresas como Airbus e Boeing iniciaram pesquisas na área internamente ou por meio de consórcios, que contam com a participação de universidades e instituições de pesquisa europeias e norte-americanas. A partir de 2006, foram iniciadas discussões entre a Embraer e as universidades que resultaram no presente projeto de pesquisa.

Segundo Yanagihara, uma das principais diferenças apresentadas pela pesquisa que está sendo realizada em parceria com a empresa brasileira em relação às conduzidas por outros fabricantes de avião está no porte dos aviões analisados.

A pesquisa está centrada em modelos de aviões menores, com os quais a Embraer se notabilizou no mercado internacional. Já os trabalhos feitos pela Boeing e Airbus estão relacionados a aviões de grande porte.

Em função dessa diferença, os resultados já começaram a chamar a atenção de cientistas estrangeiros, que realizam ensaios com aviões de grande porte.

“Certamente, várias observações que faremos durante a pesquisa serão inéditas, por estarmos trabalhando com aviões de menor porte, de apenas quatro passageiros por fileira, que voam a distâncias mais curtas e cujas características de vibração, ruído e pressão são diferentes das de aeronaves com fuselagens maiores”, comparou o cientista.

Decisões excludentes

Uma das constatações dos testes já realizados é que o nível de ruído dos aviões – produzido, entre outras fontes, pelas turbinas – é bastante alto. Por outro lado, para o passageiro é importante ouvir o ruído, por ser uma comprovação de que a aeronave está voando e de que suas turbinas estão funcionando.

“Se o passageiro não ouvir o ruído da turbina em uma aeronave, isso poderá causar muita apreensão. De qualquer forma, o ruído proveniente da turbina é mais difícil de ser mitigado e é de responsabilidade do fabricante do equipamento. Por outro lado, existem fontes importantes de ruído, como os sistemas ambientais, que têm sido objeto de maior atenção. É preciso levar em consideração todas essas questões no desenvolvimento de um projeto”, ressaltou Yanagihara.

Já em relação ao conforto térmico, segundo o pesquisador, é desejável que a umidade da cabine de uma aeronave não seja muito baixa. Mas, normalmente, todos os aviões trabalham com baixa umidade, em torno de 15%.

Se essa taxa for aumentada um pouco mais, o vapor d’água do ar se condensaria próximo à parede metálica da cabine da aeronave, que fica em contato com o ar frio externo, e ficaria aprisionado no material isolante do avião, aumentando seu peso em até 500 quilos, no caso de aviões de grande porte.

“Isso é algo que precisa ser analisado, se vale a pena ou não mudar em um projeto de aeronave. E é uma decisão que a Embraer poderá tomar de modo mais assertivo a partir dos resultados dessa pesquisa”, disse.

Os interessados em participar da pesquisa podem se cadastrar em www.lete.poli.usp.br/confortodecabine/inicio.html.

Leia também material produzido pela Agecom:
Especial Pesquisa: UFSC desenvolve projeto para reduzir vibrações e ruídos em aeronaves


Tags: acústica de aeronavesembraerpesquisa

Departamento de Química tem diversos representantes no Programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia

11/02/2011 08:46

Um dos institutos com sede na UFSC é o INCT de Catálise em Sistemas Moleculares e Nanoestruturados

Lançado em julho de 2008 para mobilizar e agregar grupos de pesquisa em áreas estratégicas para o desenvolvimento do país, o Programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia tem a participação de diversos professores da UFSC. A Universidade é sede de quatro institutos e participa de diversos outros por meio de seus professores. Na área de Química, por exemplo, além de propor, sediar e coordenar o INCT em Catálise e Sistemas Nanoestruturados, professores do Departamento de Química participam de outras quatro iniciativas que têm como desafio fazer avançar a ciência, a tecnologia e a inovação.

Rede em Bioanalítica

O professor Eduardo Carasek é o representante da UFSC no INCT de Bioanalítica, uma rede de pesquisa formada por 33 grupos de diferentes instituições de Ensino Superior brasileiras. O objetivo é consolidar a Química Bioanalítica no Brasil, colocando o país entre os líderes no desenvolvimento de ferramentas de análise necessárias para diagnósticos clínicos, testes bioquímicos, farmacológicas e avaliações ambientais. As atividades incluem o estudo e a aplicação de metodologias para análises químicas voltadas a problemas de genômica, proteômica e metabolômica (a análise das substâncias produzidas pelo metabolismo, área nova que se propõe a conhecer em detalhe os resultados químicos dos processos celulares). Desenvolvimento de novos mecanismos para diagnóstico de drogas proibidas no esporte; para investigações das diferenças entre indivíduos saudáveis e bipolares e identificação de proteínas com diferentes expressões em amostras de soja transgênica e não transgênica estão entre as frentes de trabalho.

Químicos nas ciências do mar

Grande parte dos impactos ambientais dos últimos anos é resultado da disposição inadequada de substâncias tóxicas. Essa problemática faz da Química disciplina estratégica na compreensão de processos oceanográficos envolvendo a dinâmica do mar. O Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Transferência de Massa Continente-Oceano integra pesquisadores que colaboram com pesquisas nesse campo. O professor Luiz Augusto dos Santos Madureira, do Departamento de Química da UFSC, integra o desafio de desenvolver estudos sobre transporte, transformações e destino de sedimentos, nutrientes, matéria orgânica e metais do continente para o mar na costa leste-nordeste brasileira. Um dos objetivos é avaliar o impacto desses processos nas cadeias produtivas locais e processos naturais, subsidiando políticas públicas e o desenvolvimento sustentado regional, ampliando resultados gerados anteriormente pelo Instituto do Milênio Estuários.

Energia e ambiente

O INCT de Energia e Ambiente tem a participação dos professores da UFSC Adilson José Curtius e Bernhard Welz. Vinculado ao Centro Interdisciplinar de Energia e Ambiente da UFBA, esse Instituto atua também na forma de rede nacional, desenvolvendo estudos sobre preparação de biocombustíveis e valorização de produtos associados. Formulação e certificação de combustíveis e de misturas de combustíveis fósseis e biocombustíveis; a combustão em motores e o impacto dos gases e material particulado, em escala micrométrica e nanométrica, emitidos na atmosfera de centros urbanos brasileiros são focos das investigações. Os esforços desse INCT também estão voltados à análise do ciclo de vida de combustíveis, com ênfase em sequestro e conversão de carbono e análises de impactos e toxicologia.

Engenharia de Superfícies

O professor Valdir Soldi, que integra o Grupo de Estudos em Materiais Poliméricos, é o representante da UFSC no INCT de Engenharia de Superfícies. Entender e dominar os fenômenos de superfícies e transformar o conhecimento consolidado da área de Engenharia de Superfícies em produtos, processos e serviços, gerando valor econômico, estão entre as metas, assim como formar recursos humanos e disseminar o conhecimento sobre essa área. Esse campo é bastante desenvolvido na indústria de países tecnologicamente avançados e permite agregar valor a produtos, melhorar o seu desempenho e produzir soluções avançadas para setores como aeronáutico e aeroespacial, gás e óleo, metal-mecânico, e biomédico.

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom
Fotos: Jones Bastos / Agecom

Mais informações:

INCT de Catálise em Sistemas Moleculares e Nanoestruturados (sede na UFSC)
Coordenador: Faruk José Nome Aguilera / e-mail: /  (48) 3721-6844 ramal 227

INCT Bioanalítica
Eduardo Carasek / (48) 3721-6845 Ramal: 207 /

INCT Transferência de Massa Continente-Oceano
Luiz Augusto dos Santos Madureira/ (48) 3721-6844 Ramal: 220 /

INCT de Energia e Ambiente
Adilson José Curtius / (48) 3721-6842 / e-mail:
Bernhard Welz / (48) 3721-9964

INCT de Engenharia de Superfícies
Valdir Soldi / (48) 3721-9219 Ramal: 214 / <>

Saiba Mais:

Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia com sede na UFSC:

– Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Catálise em Sistemas Moleculares e Nanoestruturados (INCT-CMN)
Coordenador: Faruk José Nome Aguilera / e-mail: /  (48) 3721-6844 ramal 227

– Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Convergência Digital (INCoD)
Coordenação: Aldo von Wangenheim – e-mail: / Fones: (48) 3721-9516-R17 (LAPIX) / (48)3721-9117/8158 (Telemedicina)/ (48) 3721-6594/6605 (NTDI)

– Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Refrigeração e Termofísica
Coordenação: Alvaro Toubes Prata. Contato: Jader Barbosa Jr – Polo Laboratórios / e-mail: / Fone: (48) 3721-9397

– Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Brasil Plural
Coordenação: Esther J. Langdon /  e-mail: / Fone (48) 3721-9714 – ramal 26

Tags: INCTs

Prêmio Stemmer da Inovação recebe inscrições

11/02/2011 08:21

Um total de R$ 500 mil será destinado, por meio da segunda edição do Prêmio Professor Caspar Erich Stemmer da Inovação Catarinense, a instituições, empresas e pessoas que se destacaram com contribuições em inovação para processos, bens e serviços aplicados no período entre 2008 e 2010 em Santa Catarina, conforme o Edital publicado no site www.fapesc.sc.gov.br. Em 2009, quando foi lançada, a premiação recebeu mais de 100 inscrições de diversos municípios catarinenses, como Concórdia, Jaraguá do Sul, Lages, Blumenau e Florianópolis, e beneficiou 16 organizações do Estado.

As cinco categorias contemplam iniciativas voltadas para micro e pequenas empresas, médias e grandes empresas, instituições de C&T&I, instituições inovadoras e protagonistas da Inovação. Promovido pela Fapesc (Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica de Santa Catarina) e organizado pela Fundação CERTI (Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras), o concurso visa estimular o empreendedorismo inovador e as relações público-privadas na busca de soluções de futuro para o Estado.

As inscrições estão abertas até 28 de fevereiro e podem ser feitas pelo site www.premiostemmerinovacao.org.br/. Não poderão candidatar-se as empresas, instituições ou pessoas físicas que tenham conquistado a primeira colocação na edição 2009 do Prêmio Stemmer.

Como participar

Os candidatos devem ter envolvimento com Santa Catarina. No caso de empresas e instituições, a sede ou filial deve estar instalada no Estado, enquanto pessoas físicas devem ser catarinenses e residir no Estado ou residir e atuar há pelo menos cinco anos nesse território.

Há cinco diferentes modalidades de participação.  Quem for pesquisador/profissional com contribuição-chave para alguma inovação, poderá concorrer pela Categoria Protagonista da Inovação, indicado pelo gestor institucional/departamental em que seja atuante ou executor de atividades científicas, tecnológicas e de inovação.

Para concorrer como Empresa de médio/grande porte, é necessário ter a sede ou filial da empresa instalada no Estado com inscrição na Secretaria de Estado da Fazenda (SEF) ou no órgão municipal correspondente. Além disso, o faturamento deve ser superior a R$ 2,4 milhões em 2009. Já as concorrentes na categoria micro e pequenas empresas seguem as mesmas condições, mas com faturamento menor ou igual a R$ 2,4 milhões.

As duas últimas categorias compreendem Instituições Inovadoras (órgãos ou entidades governamentais ou não) e Instituições de Ciência, Tecnologia e Inovação privadas ou públicas, sem fins lucrativos.

As premiações

Um total de R$ 500 mil vai incentivar e oferecer oportunidade de capacitação e instrumentação a pessoas, instituições e empresas que se destacaram na promoção do conhecimento, na prática da inovação, pela geração de processos, bens e serviços inovadores nos anos de 2008, 2009 e 2010.

Os valores ficam assim distribuídos:

– Protagonista da Inovação: R$ 30 mil, R$ 15 mil, R$ 5 mil ao 1º, 2º e 3º colocado, respectivamente;

– Micro e Pequena Empresa Inovadora: R$ 30 mil, R$ 15 mil, R$ 5 mil;

– Média e Grande Empresa Inovadora: R$ 60 mil, R$ 30 mil, R$ 10 mil;

– Instituição Inovadora: R$ 60 mil, R$ 30 mil, R$ 10 mil;

– ICTIs – Instituições de Ciência, Tecnologia e Inovação: R$ 120 mil, R$ 60 mil, R$ 20 mil

Fonte: FAPESC

Tags: Prêmio Professor Caspar Erich Stemmer da Inovação Catarinense

Calouros fazem matrículas na UFSC nos dias 14 e 15 de fevereiro

11/02/2011 07:58

Os candidatos classificados no Vestibular UFSC 2011 realizam suas matrículas nos dias 14 e 15 de fevereiro, nas coordenadorias das respectivas graduações. Os estudantes que passaram no Vestibular UFSC 2011 pela classificação geral ou o pelo Programa de Ações Afirmativas – Escola Pública, assim como os que serão beneficiados no processo de reopção de curso, devem apresentar no ato de da matrícula a seguinte documentação com cópia autenticada ou com os originais para autenticação:

1. Documento de identidade com o qual se inscreveu no concurso;
2. Título de eleitor com quitação eleitoral;
3. Certificado militar atualizado (para o sexo masculino);
4. Certificado de conclusão e histórico escolar do ensino médio/equivalente ou diploma registrado de curso superior (aos optantes da classificação geral);
5. Atestado de vacina contra a rubéola (para o sexo feminino até 40 anos – Lei 10.196/1996);
6. Declaração negativa de matrícula simultânea em dois ou mais cursos de graduação na UFSC ou nos termos da Lei 12.089/2009, em outra instituição pública de ensino superior;
7. Termo de opção para antecipação do ingresso no curso para o primeiro semestre letivo (candidatos classificados no 2º período);
8. Histórico escolar comprobatório de que cursou integralmente o ensino médio e fundamental em escola pública (aos optantes do PAA – Escola Pública).

O candidato classificado concorrente do Programa de Ações Afirmativas, autodeclarado negro, deverá inicialmente se apresentar no mesmo dia da matrícula à Comissão de Validação da Autodeclaração, no térreo do prédio da Biblioteca Universitário (BU), campus da UFSC – Trindade. Somente depois de aprovada sua autodeclaração deve então se dirigir à coordenadoria do respectivo curso para realização da matrícula, munido da seguinte documentação com cópia autenticada ou com os originais para autenticação:

1. Autodeclaração original firmada pelo candidato junto à Comissão de Validação da Autodeclaração e aprovada (candidatos autodeclarados negros ou indígenas);
2. Documento de identidade com o qual se inscreveu no concurso vestibular;
3. Título de eleitor com quitação eleitoral;
4. Certificado militar atualizado (para o sexo masculino);
5. Certificado de conclusão e histórico escolar do ensino fundamental e médio compreendido da 1ª. série a 8ª. série e da 1ª série a 3ª. série respectivamente, comprovantes de todo o percurso escolar realizado em escola pública (candidatos concorrentes do PAA autodeclarados negros oriundos da escola pública);
6. Certificado de conclusão e histórico escolar do ensino médio/equivalente ou diploma registrado de curso superior
(candidatos concorrentes do PAA, autodeclarados negros ou indígenas, mas procedentes de escola particular);
7. Atestado de vacina contra a rubéola (para o sexo feminino até 40 anos – Lei 10.196/1996);
8. Declaração negativa de matrícula simultânea em dois ou mais cursos de graduação na UFSC ou nos termos da Lei 12.089/2009,em outra instituição pública de ensino superior;
9. Termo de opção para antecipação do ingresso no curso para o primeiro semestre letivo (candidatos classificados no 2º período).

Mais informações no DAE:  (48) 3721-9331/3721-6553

Na agenda de telefones da UFSC verifique o contato das coordenadorias de graduação, local em que devem ser feitas as matrículas.

Tags: calourosmatrículas

Pesquisa busca conservação da araucária e uso sustentável do pinhão

11/02/2011 07:45

Imagens cedidas pelo Núcleo de Pesquisas em Florestas Tropicais

Árvore típica da região Sul, a araucária está ameaçada de extinção. Mas sua semente, o pinhão, além de ser uma fonte de renda para diversos agricultores, tem forte significado cultural e valor na alimentação. O projeto ´Fundamentos para a conservação da araucária e uso sustentável do pinhão`, coordenado pelo professor Maurício Sedrez dos Reis, do Núcleo de Pesquisas em Florestas Tropicais da UFSC, tem como objetivo gerar conhecimentos para aproveitar esse potencial. A pesquisa tem apoio financeiro da Fapesc e integra as ações do Programa Biodiversidade do Estado de Santa Catarina.

O trabalho será desenvolvido por pesquisadores da UFSC, Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Floresta Nacional de Três Barras (Instituto Chico Mendes de Biodiversidade). No projeto a equipe destaca que o uso do pinhão tem favorecido a conservação da araucária e contribui também com a manutenção da Floresta Ombrófila Mista, vegetação em que esse tipo de árvore é predominante.

Ecologia da araucária
O estudo leva em conta a necessidade de manutenção dos processos ecológicos da araucária e da Floresta Ombrófila Mista, assim como possibilidades de que os agricultores familiares usem a vegetação nativa na geração de trabalho e renda.

São sete ações de pesquisa. As atividades incluem trabalhos envolvendo demografia (como a espécie se distribui), fenologia (estudos sobre a araucária e suas relações com o ambiente) e diversidade genética, entre outros. De acordo com a equipe, as análises sobre estrutura populacional, crescimento, regeneração natural, mortalidade, biologia reprodutiva, organização da diversidade genética e fluxo gênico, interações com a fauna, evidências de domesticação, entre outros, são fundamentais para compreensão da ecologia da araucária nos ambientes de ocorrência atual em Santa Catarina.

O projeto permitirá também análises sobre a cadeia produtiva e impactos da extração de pinhões sobre a fauna e sobre a regeneração da espécie – aspecto ainda desconhecido e fundamental para estabelecimento de critérios para uma orientação sustentável no processo de coleta, visando à manutenção da biodiversidade.

“A coleta reduz as sementes que seriam utilizadas pela fauna como alimento e causa problemas na regeneração das populações naturais da araucária, pois compromete a probabilidade de surgirem novas plantas”, lembra o professor Maurício Sedrez dos Reis. Segundo ele, são praticamente inexistentes estudos que buscam estabelecer o percentual de pinhões que deveria ser extraído da floresta sem que a dinâmica de regeneração seja afetada.

A pesquisa ainda contempla análises sobre produtividade do pinhão em diferentes populações de araucária; uso e exploração histórica e atual; sistemas de manejo adotados por agricultores familiares e caracterização da cadeia produtiva em Santa Catarina.

A expectativa é estabelecer políticas públicas associadas à conservação e uso da araucária, gerando orientações para uso sustentável do pinhão, manejo da paisagem, regulamentações sobre época e intensidade de coleta e ações de fomento de uma cadeia produtiva sustentável.

“Diante do cenário de paisagem em que se encontra a araucária, com remanescentes florestais distribuídos de forma extremamente fragmentada, são fundamentais informações sobre a espécie, para que sejam delineados planos que garantam a continuidade de suas populações”, alerta o coordenador.

Mais informações: Núcleo de Pesquisas em Florestas Tropicais / (48) 3721-5322 /

Por Fernanda Burigo / Bolsista de Jornalismo na Agecom

Saiba Mais:

A araucária
O pinheiro-do-paraná (Araucária angustifólia) é a única espécie do gênero araucária encontrada no Brasil. Esta árvore é símbolo do estado do Paraná e das cidades de Curitiba e Araucária. A distribuição se concentra nos estados do Sul do Brasil, mas também ocorre em regiões mais altas do Sudeste, com exceção do Espírito Santo, e em pequenas manchas na Argentina e no Paraguai. É a espécie que prevalecia na Floresta Ombrófila Mista e possui grande importância ecológica. Seus pinhões servem de alimento para pequenos animais no inverno, época do ano com escassez de frutos e néctares.

Reservas esgotadas
Historicamente a araucária foi alvo de exploração predatória devido ao seu valor madeireiro. A Floresta Ombrófila Mista, formação típica da espécie, que representava aproximadamente 30% da cobertura florestal de Santa Catarina no século XIX, também foi reduzida e fragmentada por conta da expansão da fronteira agrícola e pecuária no século XX. Essa destruição ocorreu em todo Sul do Brasil. Atualmente, os remanescentes florestais de araucária representam apenas 1 a 4% da sua área de ocorrência inicial.

Produto madeireiro
A exploração da araucária, concentrada entre o início do século XX e a década de 1970, teve impactos expressivos na economia brasileira. Por um longo período foram exportadas madeiras serradas e laminadas para vários países. Esta ação intensificou-se a partir de 1934, tendo seu auge nas décadas de 50 a 70, e fez com que as reservas fossem praticamente esgotadas em São Paulo. Estima-se que entre 1958 e 1987 foram exportados mais de 15 milhões de m³ de madeira, fazendo com que a araucária fosse o produto madeireiro mais importante do Brasil até a década de 70.

Ameaça de extinção
Como consequência dessa exploração, associada à destruição parcial do ambiente em que se desenvolve a araucária, a espécie está ameaçada, segundo Lista Oficial de Espécies da Flora Brasileira Ameaçadas de Extinção. É classificada como vulnerável na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas de Extinção do Estado do Paraná e como criticamente ameaçada pela Lista Vermelha de Plantas Ameaçadas da International Union for Conservation of Nature (IUCN).

Pinhão
O uso do pinhão como fonte de alimento é uma característica cultural forte. Essa semente é aproveitada desde os povos indígenas que habitavam as áreas de ocorrência da araucária. O pinhão é também uma importante fonte de renda para agricultores familiares. Muitos proprietários rurais mantêm e manejam populações de araucária em suas propriedades não apenas pelo significado cultural e valor alimentício, mas também pela possibilidade de geração de renda.

Dados do IBGE indicam que foram retiradas, no ano de 2007, na região Sul do Brasil, 4.615 toneladas de pinhão, que rendem preço médio de R$ 1,13 o quilo. O maior volume de comercialização ocorre nos meses de junho e julho, já que o pinhão é componente essencial em festas do Sul do país e juninas.

Fonte: Projeto ´Fundamentos para a conservação da araucária e uso sustentável do pinhão`:

Saiba Mais:

Objetivos Gerais:
– Fundamentar ações para uso sustentável do pinhão em remanescentes florestais com Araucária angustifólia em Santa Catarina.
– Estudar estratégias e modelos de conservação e domesticação para Araucária angustifólia em Santa Catarina

Objetivos específicos:
– Caracterizar a estrutura populacional de Araucária angustifólia em Santa Catarina
– Avaliar a regeneração natural e crescimento do diâmetro dos indivíduos em populações da espécie
– Avaliar o padrão espacial de Araucária angustifólia
– Avaliar aspectos da fenologia reprodutiva em populações da espécie
– Avaliar a produtividade de pinhões em populações de araucária em duas regiões de Santa Catarina
– Caracterizar a diversidade e estrutura genética em populações da espécie em Santa Catarina
– Caracterizar a estrutura genética interna (escala fina) da espécie
– Caracterizar o fluxo gênico histórico e contemporâneo em populações da espécie
– Estudar ocorrência local de variedades / tipos (variação intra-específica), e suas variações morfológicas, em populações de Araucária angustifólia
– Analisar o conhecimento a respeito de variações de manejo e unidades de paisagem relacionadas aos tipos
– Inferir sobre os graus distintos de domesticação da espécie e as
características que têm sido modificadas por ações humanas
– Avaliar o impacto da extração de pinhões sobre a fauna
– Identificar e analisar os canais de comercializações e a cadeia produtiva do pinhão em Santa Catarina

Tags: AraucáriaNúcleo de Pesquisas em Florestas Tropicais

Inscrições para Funpesquisa, Probolsas e Proextensão prosseguem até 21 de fevereiro

08/02/2011 15:05

Estão abertas as inscrições para os programas Funpesquisa, Probolsas e Proextensão, financiados pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão da UFSC. Interessados devem enviar suas propostas até 21 de fevereiro. O resultado será publicado no dia 4 de abril.

O Funpesquisa (Fundo de Incentivo à Pesquisa) apoia o processo de consolidação da formação do pesquisador na UFSC. Serão contemplados até 140 projetos com orçamentos de até R$ 5 mil. O candidato deve ter título de doutor e projeto de pesquisa registrado no Formulário de Pesquisa da UFSC (http://notes.ufsc.br/aplic/pesquisa.nsf), aprovado pelo respectivo departamento de ensino ou equivalente. Inscrições devem ser feitas no site http://funpesquisa.prpe.ufsc.br.

O Proextensão tem como objetivo apoiar ações conjuntas com a comunidade, que tenham relação com o ensino e a pesquisa, envolvendo professores, servidores técnico-administrativos e alunos da UFSC. Podem solicitar o benefício servidores docentes ou técnico-administrativos da Universidade. O programa contemplará até 80 projetos com orçamentos de até R$ 4 mil. A inscrição deve ser feita no site http://proextensao.prpe.ufsc.br.

O Programa de Bolsas de Extensão (Probolsas) oferece auxílio financeiro a estudantes de graduação para incentivar sua participação no processo de interação entre universidade e sociedade e aprimorar o processo de ensino-aprendizagem. Podem se inscrever professores da Universidade que sejam coordenadores de projetos de extensão. Este ano o programa disponibilizará até 300 bolsas, sendo 50 destinadas a alunos em situação de vulnerabilidade econômica, segundo critérios do Serviço Social da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE). Cada docente poderá inscrever no máximo dois projetos e concorrer a quatro bolsas. Inscrições no site http://proextensao.prpe.ufsc.br

Acesse os editais:

– Funpesquisa: http://prpe.ufsc.br/files/2010/11/funpesquisa-2011-edital.pdf

– Proextensão: http://prpe.ufsc.br/files/2010/12/proextensao-2011-edital.pdf

– Probolsas: http://prpe.ufsc.br/files/2010/12/probolsas-2011-edital.pdf

Mais informações: (48) 3721-9437, junto ao Departamento de Projetos de Pesquisa, e 3721-9344, no Departamento de Projetos de Extensão.

Tags: FunpesquisaProbolsas e Proextensão

Game educativo incentiva cooperação entre crianças

08/02/2011 14:13

Fotos de testes preliminares com crianças participantes do programa SESI Atleta do Futuro

Ainda neste ano será disponibilizado para download gratuito o primeiro game brasileiro para ser jogado com dois mouses conectados ao computador. Além de divertir, ele pode facilitar o aprendizado sobre a Mata Atlântica em Santa Catarina por vir acompanhado de material de apoio ao professor, para uso em sala de aula a partir do quarto ano do ensino fundamental.

O jogo está sendo desenvolvido no Laboratório de Educação Cerebral da UFSC . Ele foi financiado pela Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica do Estado de Santa Catarina (Fapesc), após seu projeto ter sido selecionado por meio de uma chamada pública voltada a estimular a inovação para valorizar a biodiversidade.

Chamado “Mata Atlântica, o bioma onde eu moro”, o game educativo será testado por alunos do Colégio de Aplicação da UFSC a partir de abril. Em 2010, sua versão demo foi submetida a 45 crianças e todas adoraram a possibilidade de jogar em dupla, conforme dito num artigo que os pesquisadores publicaram na revista SBGames.

“Observamos que boa parte das crianças começou a jogar agindo de forma competitiva, querendo superar o seu colega em velocidade. Depois, elas perceberam que a vitória só seria conquistada se houvesse trabalho em equipe. Então, começaram a dialogar durante o jogo e logo a dupla comportava-se de forma colaborativa”, lê-se no artigo.

Entre seus autores, está o professor Emílio Takase, pesquisador e neurocientista da UFSC que desenvolve inovações neurotecnológicas. “Todos os meus projetos têm a ver com neurociência e cognição, como este e outros jogos cognitivos que exigem mais a atenção e a memória de trabalho na realização das atividades durante o jogo”, diz Takase. No caso do jogo sobre a Mata Atlântica, o foco é estimular a colaboração e o trabalho em equipe. Isso porque os jogadores não competem entre si, mas precisam realizar uma meta comum (como identificar animais que vivem em cada um dos ecossistemas do bioma Mata Atlântica). Um jogador não consegue avançar para a etapa seguinte sem que seu companheiro tenha terminado as tarefas da etapa anterior.

Avatar

O jogo inicia com uma animação que culmina no mapa político de Santa Catarina. Logo, a equipe enfrenta seu primeiro desafio: conhecer a localização dos ecossistemas do Bioma Mata Atlântica, montando uma espécie de quebra-cabeça. Em seguida, este mesmo mapa se transforma em menu de navegação para dar acesso às seis etapas seguintes do jogo. Acompanhada por um avatar – cuja função é servir de referência nas atividades que as crianças estarão realizando –, a equipe deve explorar cada um dos seis ecossistemas, e conhecer a fauna característica de cada um. Caso o tempo da aula tenha terminado antes do fim do jogo, é possível obter uma senha e retornar, outro dia ou em outro computador, ao mesmo ponto do jogo.

A bióloga e autora de materiais paradidáticos Cristina Santos vem realizando o levantamento de informações e coordenando a produção de conteúdo para o game. Ela ajudou a recriar no game as paisagens da Mata Atlântica – desde bromélias até árvores de grande porte –, a selecionar as 36 espécies animais que aparecem no game e a escolher como avatar a versão em estilo cartoon de um pássaro ameaçado de extinção devido ao tráfico de animais silvestres: o papagaio de peito roxo.

“Edutenimento”

O game “Mata Atlântica, o bioma onde eu moro” vai introduzir a tecnologia multi-mouse nas escolas do Brasil. Em alguns estabelecimentos de ensino, os laboratórios de informática só dispõem de um computador por aluno e as crianças têm de trabalhar formando dupla ou trio, alternadamente. A decisão dos pesquisadores da UFSC de fazer um game para ser jogado com dois mouses foi tomada não apenas como solução paliativa para a falta de infra-estrutura das escolas, mas como estratégia educacional.

O jogo é uma forma de “edutenimento” por ensinar mediante situações lúdicas e prazerosas, sem banalizar o processo de aprendizagem. “O resultado é um game divertido, constituído de conteúdo educativo”, afirmou Ana Beatriz Bahia, responsável pelo design do game e integrante do estúdio de criação digital Casthalia.

A equipe chefiada pelo neurocientista e pesquisador EmílioTakase está transformando jogos tradicionais como o quebra-cabeça, individuais como o Sudoku e os de tabuleiro em jogos eletrônicos cooperativos.

Até o momento, não existem games deste tipo que tratem da Mata Atlântica: “O jogo que estamos desenvolvendo preencherá esta lacuna, tendo como público-alvo os estudantes das escolas públicas de Santa Catarina – já que aborda a biodiversidade da Mata Atlântica neste estado. Ele será oferecido aos professores do Ensino Fundamental como material paradidático, permitindo ampliar e aprofundar os conteúdos previstos no currículo”, conclui o professor.

Para saber mais, acesse www.educacaocerebral.com.
Ou entre em contato com o professor Emílio Takase, pelos fones
(48) 3721 8284 e (48) 9111 8601.

Heloísa Dalanhol – Assessoria de Imprensa da Fapesc
Tags: game educativo

Obra clássica de Franklin Cascaes tem nova edição pela EdUFSC

08/02/2011 13:55
Obras de Cascaes encontram-se sob a guarda do Museu Universitário

Obras de Cascaes encontram-se sob a guarda do Museu Universitário

Mais viva e emergente do que nunca, a obra de Franklin Cascaes vai muito além do elogio ao exótico universo bruxólico da Ilha, como ficou cristalizado por uma certa leitura folclorista do seu legado. Enigmaticamente conservadora e vanguardista, sua contribuição para as artes plásticas e para os estudos da mitologia popular ainda está longe de ser decifrada. A despeito do conteúdo moral católico dos seus escritos, Cascaes deu visibilidade à cultura pagã dos descendentes açorianos e foi precursor de um tipo de etnografia participativa de campo. Como antropólogo, valorizou todo um campo da sensibilidade e do imaginário que passava ao largo da ciência. Como artista, deixou um traço original, ao mesmo tempo primário e inovador.

Quase uma década depois do lançamento póstumo de sua obra clássica, O Fantástico na Ilha de Santa Catarina será reeditada e republicada pela Editora da UFSC ainda neste semestre. Com edição esgotada e pouquíssimos exemplares em estoque, os dois volumes trazem narrativas ilustradas de causos fantásticos recolhidos pelo historiador na Ilha de Santa Catarina que têm valor ao mesmo tempo literário e científico, constituindo-se no único memorial desse imaginário simbólico. Serão reunidos em um único volume, que deve primar pela qualidade estética, segundo o editor Sérgio Medeiros. “Estamos planejando um projeto gráfico primoroso, que valorize o trabalho desse historiador, escritor e artista plástico cada vez mais revisitado pela sua originalidade e contemporaneidade”. A publicação deve estar concluída no início do próximo semestre para ser adotada com fins pedagógicos em escolas, universidades e vestibulares.

No final da semana, a Editora firmou um contrato de curadoria de imagens com o artista plástico Fernando Lindote para a edição da obra. Estudioso de Cascaes, Lindote vai selecionar novos desenhos para ilustrar a obra do multiartista, que considera de consulta obrigatória para quem quer compreender a cultura e a arte local. Curador de duas grandes exposições de desenhos e esculturas de Cascaes, realizadas em 209 e 2010 por ocasião do centenário do seu nascimento, Lindote o considera um artista enigmático. “Ao mesmo tempo em que passava ao largo das escolas estéticas e mantinha um traço quase primário, seus desenhos anteciparam experiências de vanguarda muito importantes”, explica. Para Lindote, a personalidade excêntrica do pesquisador (que faleceu em março de 1983) e o desconhecimento em torno do seu universo de estudo contribuíram para que a obra fosse cercada de uma visão espetacularizada e mistificadora.

Lindote também vai ilustrar a capa do segundo volume de Ecos no Porão, seleção dos melhores contos de Silveira de Souza, cujo primeiro volume foi lançado pela EdUFSC em outubro de 2010, durante a Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão (Sepex). Com lançamento previsto para o mês de março, o segundo volume trará a imagem de uma instalação de Lindote. A obra foi escolhida pelo próprio artista em visita à UFSC. “Selecionamos um dos artistas plásticos contemporâneos mais expressivos de Santa Catarina para dialogar com esse escritor que também é um de nossos melhores contistas”, justificou o editor Sérgio Medeiros. O próximo projeto da editora é a reedição dos sonetos de Cruz e Sousa, inserindo os originais manuscritos que estão na Casa Rui Barbosa.

Raquel Wandelli

Assessora de Comunicação da SeCArte/UFSC

99110524 e 37219459


Tags: Franklin Cascaes; SeCArte

UFSC homenageia os aposentados de janeiro de 2011

07/02/2011 17:45

Cerimônia reconheceu a dedicação e a contribuição dos recém-aposentados

Numa solenidade simples, mas emocionante, a Universidade Federal de Santa Catarina homenageou nesta segunda- feira, 7 de fevereiro, os 38 aposentados de janeiro de 2011.  Realizada na Sala dos Conselhos, a sessão conduzida pelo reitor Alvaro Toubes Prata, pelo vice-reitor Carlos Alberto Justo da Silva e pelo pró-reitor Luiz Henrique Vieira Silva, foi prestigiada por amigos, familiares, diretores de Centro e chefias dos homenageados.

Compondo a Mesa, a diretora em exercício do Departamento de Desenvolvimento e Atenção Social à Saúde, Lúcia Goretti Junkes, ressaltou que a iniciativa tem o  objetivo de reconhecer e valorizar  publicamente a dedicação e a contribuição dos recém-aposentados à Instituição.

Todos receberam das mãos do reitor, do vice e das chefias um kit contendo livro, DVD, caneta, boné, carta, dicas e cópias do Diário Oficial com publicação do ato. Lúcia leu um poema enfocando o novo momento: eles se aposentam da correria, mas não da vida. O pró-reitor de Desenvolvimento Humano e Social, Luiz Henrique, qualificou a solenidade como um “misto de satisfação e angústia”, sublinhando que, para ele, é “um privilégio demonstrar o reconhecimento àqueles que ajudaram a construir uma das melhores universidades do país.”

A homenagem foi organizada pela equipe do Departamento de Cultura e Eventos , ligado à SeCArte.

O reitor Alvaro Prata frisou que “ começamos o ano com a sensação de que muitos desafios nos esperam”, lembrando que a Instituição  deve a todos “gratidão e reconhecimento” pela dedicação oferecida ao longo desses anos. Embora reconheça o “sentimento de perda”, o reitor espera que a UFSC “continue usufruindo da experiência e da maturidade dos aposentados”. Após desejar sucesso nessa nova etapa da vida, prometeu sempre acolhê-los de braços abertos na Universidade. “ Sigam contando conosco. Esperamos estar à altura da dedicação que vocês deram à Instituição”, acrescentou.

Em nome dos homenageados , falou o técnico-administrativo Antônio Carlos dos Passos, mais conhecido como Toninho da Viola ou Toninho do DAE. O seu discurso provocou risos e choros.
Toninho, além de contar histórias, observou que muitos dos presentes conheceu só agora. “ A gente trabalhava o dia todo no setor. Daí saía para o botequim e para a casa”. Afirmou que vai embora feliz e triste por deixar para trás muitos amigos verdadeiros. Finalmente fez uma referência especial à Instituição que “ me deu tudo e abriu as oportunidades para que meus filhos estudassem buscando novos caminhos”.

O reitor fez uma brincadeira no final do discurso: “ O Toninho sai da Universidade, mas a Universidade não sai do Toninho”.

Nas fotos: Antonio Carlos dos Passos/DAE, Celita Fortkamp/ Agecom e Maria Nunes Machado/BU

Fotos: Paulo Noronha/Agecom

Conheça os servidores aposentados do mês de Janeiro/2011

Servidor Lotação Cargo
1 Agenor Freitas Miranda CFM Almoxarife
2 Alcides Antenor Ferreira PU Apontador
3 Anadete de Souza Pirolo B.U Bibliotecário
4 Antonio Carlos dos Passos DAE Assis. Admi.
5 Carlos Alberto Amaral DESEG Vigilante
6 Celita Maria Fortkamp Agecom Jornalista
7 Edevaldo Isidoro de Medeiros DESEG Vigilante
8 Emerenciana Bernardino da Silva RU Cozinheira
9 Esmeralda Claudomira Vieira CED Aux. Administrativo
10 Eva Alexandre Lamarque CCE Recepcionista
11 Ione Gevaerd PROINFA Assist. Admi.
12 Jacqueline Damiani CTC Assis. Admi.
13 Jurandi Acelio Miranda DAE Assis. Admi.
14 Laura Maria Dávila da Silva HU Farmaceutica
15 Lotário Bartnikowski PU Mecanico
16 Lurdeli Antonia Zimmer B.U Recepcionista
17 Manoel Arriaga C. A. Junior SEPLAN Arquiteto
18 Maria da Gloria Juskow HU Aux. Farmacia
19 Maria Nunes Machado B.U Encadernadora
20 Marilene Alves Correa CFM Téc. Labor.
21 Marise da Silveira C.A Professor
22 Marli Neves da Silveira B.U Bibliotecária
23 Marli Terezinha Costa CFH Assis. Adm.
24 Marly Tiago da Silva B.U Assistente Adm.
25 Nelci Schwambach Schutz B.U Servente de Limpeza
26 Olívio Vidal Correa PU Contramestre
27 Ormecinda Maurilio Luciano B.U Auxiliar Adm.
28 Paulo Roberto Cardoso  Villalva CCB Contínuo
29 Regina Salete Vaiz HU- Direção Aux. Farmácia
30 Rodolfo Pantel C.A Professor
31 Rosane de Abreu Polidoro HU Telefonista
32 Salete Dobrandino Chaves CED-NDI Cozinheira
33 Telma Izabel Lino Vieira CCJ Assistente Adm.
34 Terezinha de Jesus M. Borba CFH Assis. Admi.
35 Valdívia Andrade Marques CED Contínuo
36 Vânia Maria Chagas CED-NDI Aux. Saúde
37 Vera Lúcia Furtado Soares HU – Direção Copeira
38 Zelita Chaves de Souza CTC Assis. Adm.

Por Moacir Loth/ jornalista da Agecom

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Humano e Social divulga informações sobre Plano de Saúde

04/02/2011 10:25

NOTA PLANO DE SAÚDE UFSC

Caro(a) Servidor(a):

Como é de vosso conhecimento, desde o mês de dezembro de 2010 o valor do subsídio do Governo Federal ao Plano de Saúde da UFSC foi incorporado à folha de pagamento (SIAPE) de cada servidor. Desta forma, ocorre ao mesmo tempo um crédito e um débito dos valores que são repassados automaticamente para a UNIMED.

Informamos que ao realizarmos a crítica dos valores pagos no referido mês, encontramos algumas inconsistências. Assim, apresentamos abaixo informações pertinentes ao assunto, objetivando dirimir possíveis dúvidas:

a)    Os cálculos dos valores repassados a cada servidor e seus dependentes, são feitos de forma automática pelo Sistema SIAPE.

b)    Um pequeno grupo de servidores (aproximadamente 150) recebeu valores menores daqueles devidos. Normalmente causados por lapso de cadastro dos dependentes. Informamos que o cadastro está sendo atualizado e que os valores devidos serão creditados retroativamente, em folha de pagamento.

c)     Ainda relacionado com o cadastro, muitos servidores receberam o subsídio no mês de dezembro de 2010 a mais. Para estes casos haverá os respectivos descontos em folha de pagamento. O valor correto do subsídio é aquele apresentado no contracheque de janeiro de 2011. Assim, a diferença entre o valor apresentado na folha de pagamento e aquele efetivamente dado como desconto na fatura da UNIMED será devolvido pelo servidor ao erário (através da folha de pagamento).

d)    Se por acaso algum servidor ficar sem receber o auxílio o mesmo deverá dirigir-se ao Setor de Atendimento da PRDHS, para as devidas providências.

Reiteramos que o subsídio para filhos maiores de 21 anos e estudantes é suspenso na data em que o beneficiário completar 24 anos.

Mais informações:     www.planodesaude.ufsc.br

Certos de contar com vossa compreensão para este fato,

Atenciosamente,

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Humano e Social

Departamento de Desenvolvimento e Atenção Social e à Saúde

Tags: Plano de Saúde

Especial Pesquisa: Estudo busca alternativa para tratar tuberculose de forma mais rápida e menos tóxica

04/02/2011 10:02

A tuberculose é a doença infecciosa que mais mata no mundo. O Relatório para o Dia Mundial da Tuberculose, divulgado em  2010, alerta que 9,4 milhões de pessoas tinham a doença em 2008. No Brasil, 73 mil casos foram notificados no mesmo ano. Os medicamentos podem ser adquiridos de forma gratuita no país, porém os cerca de seis meses de cuidados, além dos efeitos colaterais causados pela medicação, faz com que muitas pessoas interrompam o tratamento. Uma pesquisa realizada na UFSC desde 2007 estuda uma nova maneira de tratar a tuberculose e pode reduzir o quadro de desistência durante esse processo.

Os estudos se concentram em uma das enzimas que a Mycobaterium tuberculosis libera dentro da célula humana, chamada de PtpA. Sem a liberação dessa enzima, a bactéria que causa a doença não consegue se desenvolver no corpo humano e acaba morrendo. Enquanto a maioria das pesquisas estuda novos antibióticos para matar a bactéria, um grupo da UFSC preocupou-se em encontrar e estudar compostos químicos que atuam como inibidores da enzima PtpA.

“Os antibióticos usados atualmente no combate à doença são tóxicos e o tratamento com eles muito longo. Vimos nos inibidores um potencial tratamento para a tuberculose”, explica o professor do Departamento de Bioquímica da UFSC e coordenador do Centro de Biologia Molecular Estrutural (Cebime), Hernán Terenzi. O trabalho é desenvolvido em colaboração com os professores Rosendo Yunes e Ricardo Nunes (Departamento de Química da UFSC), Javier Vernal (Cebime), pós-doutorandos, alunos de doutorado, mestrado e iniciação científica. Já foram testados mais de 200 potenciais inibidores.

Publicação internacional

Realizados a partir da técnica de ensaio in vitro, os experimentos indicam que cinco inibidores reagiram muito bem quando em contato com a enzima liberada por Mycobacterium tuberculosis. Em 2008, os resultados sobre os mais apropriados foram divulgados na revista científica Bioorganic & Medicinal Chemistry Letters. Mas o melhor ainda estava por vir.

Em 2009, a equipe composta por profissionais das áreas de Bioquímica e Química da UFSC entrou em contato com o pesquisador Yossef Av-Gay, do Canadá. Conhecido internacionalmente por suas pesquisas sobre o bacilo que causa a tuberculose, Av-Gay havia descoberto onde e como a enzima PtpA atua nos macrófagos, um tipo de célula que defende o corpo humano de organismos estranhos.

O contato entre os pesquisadores foi promissor. Pela primeira vez foram estudados inibidores para a PtpA e o professor canadense se interessou pela parceria. Yossef Av-Gay cultivava em laboratório os macrófagos e testou a reação deles com os inibidores indicados pelos brasileiros. A cooperação foi uma alternativa às condições de testes no Brasil.

A segunda etapa de experimentos rendeu outro artigo, publicado em abril de 2010 na revista Bioorganic & Medicinal Chemistry Os estudos focaram a produção de um modelo para a estrutura da enzima em contato com os inibidores, a fim de entender como o inibidor reage quimicamente com essa proteína liberada pela bactéria. O artigo também aborda o tempo de reação desses compostos químicos. O inibidor mais eficiente no combate ao bacilo matou, em três dias, quase a totalidade das bactérias nos macrófagos humanos.

Agora, o grupo está analisando detalhadamente a ligação entre inibidor e enzima para estudar mais a fundo suas interações. No artigo a equipe destaca os resultados positivos, que podem beneficiar, no futuro, o mundo inteiro: “Esses inibidores são facilmente obtidos, a baixo custo, têm estrutura simples e podem representar um potencial terapêutico no combate a tuberculose”, comemora o professor Terenzi.

Mais informações com o professor Hernán Terenzi, e-mail: / (48) 3721-9589

Por Cláudia Mebs / Bolsista de Jornalismo na Agecom

Tags: pesquisatuberculose

Especial Pesquisa: Projeto alerta que conhecimento ecológico tradicional está se perdendo em Santa Catarina

04/02/2011 09:35

Agricultores do oeste catarinense estão perdendo o conhecimento tradicional sobre as espécies nativas da região. Esse é um dos alertas de uma pesquisa reconhecida com o Prêmio Valorização da Biodiversidade de Santa Catarina, promovido pela Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica do Estado de Santa Catarina (Fapesc).
(mais…)

Tags: Prêmio Valorização da Biodiversidade de Santa Catarina

UFSC na Academia Brasileira de Ciências

04/02/2011 09:21

Será realizada no dia 3 de maio a posse de novos membros eleitos pela diretoria da Academia Brasileira de Ciências. Entre eles está o professor Adilson José Curtius, do Departamento de Química da UFSC. Com mais uma nomeação a Universidade passa a contar com quatro representações na entidade. Já faziam parte da Academia os professores João Batista Calixto (Departamento de Farmacologia), Faruk Nome e Ademir Neves (ambos do Departamento de Química).

Por Arley Reis / Jornalista na Agecom

Tags: Academia Brasileira de Ciências

Inscrições para Funpesquisa, Probolsas e Proextensão prosseguem até 21 de fevereiro

04/02/2011 09:08

Estão abertas as inscrições para os programas Funpesquisa, Probolsas e Proextensão, financiados pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão da UFSC. Interessados devem enviar suas propostas até 21 de fevereiro. O resultado será publicado no dia 4 de abril.

O Funpesquisa (Fundo de Incentivo à Pesquisa) apoia o processo de consolidação da formação do pesquisador na UFSC. Serão contemplados até 140 projetos com orçamentos de até R$ 5 mil. O candidato deve ter título de doutor e projeto de pesquisa registrado no Formulário de Pesquisa da UFSC (http://notes.ufsc.br/aplic/pesquisa.nsf), aprovado pelo respectivo departamento de ensino ou equivalente. Inscrições devem ser feitas no site http://funpesquisa.prpe.ufsc.br.

O Proextensão tem como objetivo apoiar ações conjuntas com a comunidade, que tenham relação com o ensino e a pesquisa, envolvendo professores, servidores técnico-administrativos e alunos da UFSC. Podem solicitar o benefício servidores docentes ou técnico-administrativos da Universidade. O programa contemplará até 80 projetos com orçamentos de até R$ 4 mil. A inscrição deve ser feita no site http://proextensao.prpe.ufsc.br.

O Programa de Bolsas de Extensão (Probolsas) oferece auxílio financeiro a estudantes de graduação para incentivar sua participação no processo de interação entre universidade e sociedade e aprimorar o processo de ensino-aprendizagem. Podem se inscrever professores da Universidade que sejam coordenadores de projetos de extensão. Este ano o programa disponibilizará até 300 bolsas, sendo 50 destinadas a alunos em situação de vulnerabilidade econômica, segundo critérios do Serviço Social da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE). Cada docente poderá inscrever no máximo dois projetos e concorrer a quatro bolsas. Inscrições no site http://proextensao.prpe.ufsc.br

Acesse os editais:

– Funpesquisa: http://prpe.ufsc.br/files/2010/11/funpesquisa-2011-edital.pdf

– Proextensão: http://prpe.ufsc.br/files/2010/12/proextensao-2011-edital.pdf

– Probolsas: http://prpe.ufsc.br/files/2010/12/probolsas-2011-edital.pdf

Mais informações: (48) 3721-9437, junto ao Departamento de Projetos de Pesquisa, e 3721-9344, no Departamento de Projetos de Extensão.

Tags: FunpesquisaProbolsas e Proextensão