Pesquisador da UFSC busca solução para bloquear a transmissão da dengue

21/05/2019 09:07

Descobrir por que os mosquitos não ficam doentes quando estão infectados com dengue: esse é o problema ao qual José Henrique Oliveira, professor do Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia (MIP) da UFSC, irá dedicar sua atenção no próximo ano. Ele foi um dos contemplados em chamada pública de pesquisa científica do Instituto Serrapilheira, com o projeto “Inibindo vias de tolerância em mosquitos vetores para bloquear a transmissão de dengue”.

Os 24 projetos selecionados irão receber R$ 100 mil por um ano para o seu desenvolvimento, com flexibilidade no uso de recursos. Após esse período, haverá reavaliação dos projetos e três deles poderão receber até R$ 1 milhão, por três anos.

O propósito da pesquisa é que, no futuro, seja possível intervir no ciclo de transmissão da dengue e doenças com zika e chikungunya. Essas doenças são transmitidas por arbovírus, que têm interações com mosquitos vetores. “A dengue precisa de um inseto vetor, que pica uma pessoa com o vírus. O mosquito fica infectado, pica outra pessoa e aí passa o vírus. Estou tentando fazer com que esse ciclo não aconteça, impedindo picadas infecciosas, intervindo na doença através do mosquito vetor”, relata o pesquisador.

Interromper o ciclo de propagação da dengue, neste caso, significa impedir que os mosquitos vetores se alimentem de sangue e transmitam o vírus. “Os mosquitos são tolerantes a dengue. Quero inibir as vias de tolerância dos mosquitos infectados e fazer com que os insetos fiquem doentes”, afirma o professor. José Henrique explica que há um tipo de adaptação dentro da célula do mosquito que permite a replicação do vírus, sem afetar a saúde do mosquito. “Se eu conseguir fazer o mosquito ficar doente, por exemplo, inibindo essa adaptação, o mosquito vai cair morto e aí não tem transmissão de doença ou, se ele não morrer, não vai picar ou vai diminuir a frequência de picadas e você interrompe a doença da mesma maneira”.
(mais…)

Tags: dengueDepartamento de MicrobiologiaImunologia e ParasitologiaInstituto SerrapilheiraMIPUFSCUniversidade Federal de Santa Catarina

Pesquisador é contemplado em chamada pública do Instituto Serrapilheira

30/04/2019 11:48

O Instituto Serrapilheira anuncia os 24 cientistas contemplados com até R$ 100 mil para desenvolver seus projetos por um ano. Eles foram selecionados pela 2ª Chamada Pública de Pesquisa Científica, que buscou identificar pesquisas que fizessem perguntas fundamentais criativas e audaciosas, sem exigência de aplicabilidade, nas áreas de Ciências Naturais, Ciência da Computação e Matemática.

Os novos grantees terão flexibilidade para utilizar os recursos da forma que julgarem mais conveniente para o desenvolvimento das pesquisas. Após um ano, os projetos serão reavaliados e até três poderão receber até R$ 1 milhão, por três anos. O apoio pode ser renovado anualmente. Com isso, o Instituto reafirma seu compromisso de concentrar os recursos disponíveis em pesquisas de excelência, apoiadas em longo prazo.

Além de receber o apoio financeiro, os novos grantees participarão de treinamentos, workshops e eventos de integração, como o “Encontros Serrapilheira”, realizado anualmente.

Todos os candidatos foram avaliados por 44 painelistas internacionais, listados abaixo, que compuseram oito painéis de avaliação. As revisões coletivas aconteceram nos Estados Unidos, Austrália e Israel. Confira os detalhes do processo de seleção.

Conheça o novo pesquisador da UFSC apoiado pelo Serrapilheira:

José Henrique Oliveira
Inibindo vias de tolerância em mosquitos vetores para bloquear a transmissão de Dengue
MIP/CCB/Universidade Federal de Santa Catarina, SC

Fonte: https://serrapilheira.org/chamada-publica-no2-resultado/

 

Com informações da Pró-Reitoria de Pesquisa (PROPESQ/UFSC).

Tags: Chamada Pública de Pesquisa CientíficaCiência da Computação e MatemáticaCiências NaturaisInstituto SerrapilheiraPró-Reitoria de Pesquisa (PROPESQ/UFSC)UFSC