O futuro da ciência catarinense é tema de Audiência Pública nesta quarta

18/06/2018 12:00

Para discutir de forma ampla, democrática e suprapartidária, a Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) como Política de Estado em Santa Catarina, será realizada Audiência Pública no dia 20 de junho (quarta-feira), às 9h, no Plenarinho da Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina (Alesc). Estão confirmadas as participações dos presidentes da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Academia Brasileira de Ciências (ABC) e Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc), respectivamente, Ildeu de Castro Moreira, Luiz Davidovich e Sérgio Gargioni.

Em 2017, a Secretaria Regional da SBPC em Santa Catarina deu início a uma articulação envolvendo diferentes setores ligados à ciência no estado, no intuito de buscar saídas para a crise sem precedentes que atinge os sistemas brasileiro e catarinense de CT&I. Acompanhando um movimento nacional que vem sendo liderado pela SBPC e pela ABC, a Secretaria abriu canais de diálogo junto aos poderes executivo e legislativo e, paralelamente, começou uma série de reuniões abertas na capital e no interior, que congrega as principais instituições de ensino e pesquisa de cada região, além de outras organizações representativas da sociedade catarinense.
(mais…)

Tags: ABCAssembleia Legislativaaudiência públicaCiênciasanta catarinaSBPCTecnologia e InovaçãoUFSC

‘O país está matando a galinha dos ovos de ouro’, diz presidente da Academia Brasileira de Ciências

24/02/2017 11:06

Defesa do investimento na ciência e na educação básica no Brasil são essenciais para o desenvolvimento do país, afirma o presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC), Luiz Davidovich. Ele participou do V Encontro de Física e Astronomia da UFSC com a palestra “Einstein, Schrödinger e as novas tecnologias quânticas” e foi entrevistado pela Agência de Comunicação da UFSC sobre as perspectivas de inovação e pesquisa no Brasil.

Como a ABC vê a situação do financiamento à ciência no país, em um cenário com a aprovação da PEC 55 e redução de verbas para entidades como a Faperj e Fapesp?

Luiz Davidovich: Vemos isso com muita preocupação. Mais que isso, achamos que a situação das fundações de amparo à pesquisa (FAP) em vários estados sofre ameaças contínuas. Houve uma tentativa de tirar parte dos recursos em São Paulo. Esses recursos estão voltando, mas ainda há uma discussão de como serão utilizados. A FAP da Bahia está em situação semelhante à do Rio de Janeiro. Então o cenário é muito ruim para a ciência e tecnologia, o que significa que o futuro do país está seriamente ameaçado. No mundo de hoje, baseado cada vez mais no poder do conhecimento, o Brasil está jogando na retranca, andando para trás. O orçamento deste ano do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) ainda não alcançou o nível de 2013, corrigido pela inflação. Temos ainda um contingenciamento de recursos, o nome é reserva de contingências. Significa o seguinte: dão o dinheiro, mas o dinheiro não vem. O contingenciamento em cima da ciência e tecnologia é muito alto, da ordem de 30% ou mais. O que podemos depreender disto? Que as elites deste país, quem está governando este país, não entende o papel da ciência e tecnologia no desenvolvimento nacional. Isto é entendido em outros países. Nos EUA, cerca de 2,8 % do PIB (Produto Interno Bruto) é aplicado atualmente em pesquisa e desenvolvimento, com grande participação das empresas. A China está com 2%, com perspectivas de chegar em 2020 com 2,5%. A União Europeia chegou a um acordo que leva, em 2020, o investimento em pesquisa e desenvolvimento a 3% do PIB. Coreia do Sul e Israel estão com mais de 4%, Suécia já está com 3%. Enquanto isto, o Brasil está próximo de 1%.

Luiz Davidovich é presidente da Academia Brasileira de Ciências. Foto: Henrique Almeida/Diretor de Fotografia/Agecom/UFSC

Luiz Davidovich é presidente da Academia Brasileira de Ciências. Foto: Henrique Almeida/Diretor de Fotografia/Agecom/UFSC

(mais…)

Tags: ABCAcademia Brasileira de CiênciasCiênciadesenvolvimentoinovaçãoLuiz DavidovichpesquisaUFSCUniversidade Federal de Santa Catarina

Hugo Gallardo: uma vida dedicada à Química

06/06/2016 16:00
Foto: Henrique Almeida/Agecom;UFSC

Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC

O departamento de Química da UFSC tem hoje mais um pesquisador membro titular da Academia Brasileira de Ciências (ABC): o professor Hugo Alejandro Gallardo Olmedo. A cerimônia de posse na ABC ocorreu em maio, na Escola Naval, Rio de Janeiro. Além de Hugo, outros 27 cientistas reconhecidos nacional e internacionalmente tornaram-se membros da ABC. Para o professor, sua posse aconteceu em um contexto muito especial: nas comemorações dos 100 anos da entidade. “É algo bem memorável ser empossado nos 100 anos da Academia. Foi uma festa especial.”Dificilmente um pesquisador é selecionado em sua primeira indicação. Hugo foi indicado em três anos consecutivos. Havia, portanto, muita expectativa para esse momento. Sobretudo porque o contexto lhe era favorável: outros quatro professores de seu departamento já se tornaram membros da ABC: Faruk José Nome Aguilera, em 2001; Ademir Neves, em 2008; Adilson José Curtius, em 2011; Antonio Luiz Braga, em 2013.

O pesquisador considera que seu ambiente de trabalho sempre contribuiu significativamente para seu desenvolvimento como pesquisador: “O departamento de Química foi um dos primeiros departamentos da UFSC a ter todo seu quadro docente formado por doutores. Tive a sorte de conviver em um meio jovem e competitivo, de forma salutar. Para crescer, nos anos 1980 e 1990, era preciso ter um ambiente propício para a pesquisa. Sem dúvida, devo muito às condições que me proporcionaram. Meus colegas tinham e têm uma bagagem científica e uma formação muito boa. Dificilmente você encontrará, em uma instituição, cinco representantes da ABC em um único departamento.”

Trajetória

Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC

Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC

Hugo é chileno e cursou a graduação e pós-graduação na Universidad de Concepción, no Chile. Após concluir seu doutorado, em 1980, a situação no país não era favorável para a carreira acadêmica e não havia perspectivas para concurso de professor universitário. Hugo optou então por iniciar os estudos de pós-doutorado, enquanto buscava novas oportunidades em instituições estrangeiras. Em 2 de agosto de 1982, o professor chegou ao Brasil para  integrar o grupo de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), liderado por Giuseppe Cilento. “Esse foi meu primeiro passo aqui no Brasil”. Alguns meses depois, quando participava de um congresso da área, conheceu docentes da UFSC e logo foi convidado a integrar o departamento de Física da universidade. Hugo é preciso com as datas: “Em 18 de abril de 1983 fui contratado como professor visitante do departamento de Física. Em 1986, fui efetivado como professor adjunto. Em 1995, fui transferido para o departamento de Química”. No ano seguinte, em 1997, ele se tornou professor titular. Hugo também é bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq desde 1983. Em 2013, conquistou o nível 1A. Seu desempenho está em sintonia com a avaliação de seu programa de pós-graduação, que também tem o conceito máximo da CAPES: nota 7.

A vocação para a química, segundo ele, vem da facilidade que sempre teve com a disciplina: “Era a matéria que eu achava mais fácil de aprender. Sem muito esforço, conseguia bons resultados. Penso que ninguém nasce pré-determinado para uma atividade. Em princípio, somos todos iguais. A diferença é a idade e a dedicação. Perseverança é fundamental. É importante gostar, porque assim fica bem mais fácil dedicar o tempo necessário para atingir seus objetivos e estar na fronteira do conhecimento”.

A pesquisa

A maior parte de sua trajetória acadêmica tem sido dedicada à pesquisa na área de cristais líquidos. “Hoje essa é uma área muito popular. Os cristais líquidos estão inseridos no dia a dia de todos nós. Esse visor, essa tela do computador, todos esses dispositivos contêm cristal líquido. Ele é conhecido como o quarto estado da matéria, para além do sólido, do líquido e do gás. Pode-se dizer que é um estado intermediário. A pesquisa nessa área existe há mais de cem anos, já está consolidada tecnologicamente. Mas a ciência básica ainda tem muito potencial para crescer. Cada estado da matéria tem sua aplicação, o potencial do cristal líquido é muito grande e abre muitas possibilidades”.

Segundo o professor, os cristais líquidos são promissores como semicondutores orgânicos. “Isso é basicamente o que estudamos: no laboratório, variamos a estrutura das moléculas para obter novos comportamentos, propriedades específicas. Introduzimos novas funcionalidades, de tal maneira que esse cristal líquido possa conduzir, medir luz etc. Como guarda propriedades do sólido e tem a fluidez do líquido, ele permite novas aplicações. O estado líquido cristalino sem dúvida fará parte dos novos avanços tecnológicos”.

Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC

Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC

O ensino

Hugo afirma que um dos seus principais objetivos na universidade é a formação de pesquisadores altamente qualificados. É com essa perspectiva que ele orienta continuamente novos estudantes de  mestrado, doutorado, pós-doutorado, além de contribuir significativamente com a publicação de artigos científicos. “Isso é o que a gente faz: formar gente, formar gente, publicar, publicar… A universidade precisa fazer ciência, é a única forma de avançarmos. O país precisa de pesquisador. O investimento em ciência, em termos de inovação, deve ser uma política de estado, um investimento sempre crescente”. O professor acrescenta que esse investimento deve se destinar não apenas às pesquisas de curto prazo, mas também às de médio e longo prazo: “A pesquisa de excelência pode demorar muito. Quem trabalha com fármacos pode levar anos, décadas, sem saber se esse fármaco terá algum dia aplicação. A pesquisa é lenta, mas necessária”. Justamente por considerar sua atividade tão importante – e também prazerosa – Hugo, aos 65 anos, afirma que, “obviamente”, não pensa em aposentadoria: “Sem dúvida ainda tenho muita força para continuar”.

Daniela Caniçali/Jornalista da Agecom/UFSC

Tags: ABCAcademia Brasileira de Ciênciascristais líquidosDepartamento de Químicamembro titularquímicaUFSC

Professor da UFSC é diplomado na Academia Brasileira de Ciências

17/09/2015 13:50
Jacob Palis, presidente da ABC; Marcelo Farina, professor do Departamento de Bioquímica e novo membro afiliado; João Batista Calixto, vice-presidente da Regional Sul. Foto: Henrique Almeida/Agecom/DGC/UFSC.

Jacob Palis, presidente da ABC; Marcelo Farina, professor do Departamento de Bioquímica e novo membro afiliado; João Batista Calixto, vice-presidente da ABC-Sul. Foto: Henrique Almeida/Agecom/DGC/UFSC.

A importância da ciência para o desenvolvimento do país foi tema recorrente nos discursos da cerimônia de diplomação do professor Marcelo Farina como membro afiliado da Regional Sul da Academia Brasileira de Ciências (ABC-Sul). O evento ocorreu na tarde de quarta-feira, 16 de setembro, na Sala dos Conselhos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Estavam presentes na mesa de abertura do Acadêmico  Jacob Palis, presidente da ABC; João Batista Calixto, vice-presidente da ABC-Sul; Jorge Guimarães, diretor-presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii); Sérgio Luiz Gargioni, presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc); Roselane Neckel, reitora da UFSC; e  Jamil Assreuy, pró-reitor de Pesquisa da UFSC.

O professor Calixto ressaltou a importância da afiliação à ABC para a carreira de um pesquisador. “Esse tipo de reconhecimento é fundamental. A região Sul tem alta competitividade científica; espero que Santa Catarina tenha cada vez mais indicações. A tendência é que esses que são hoje membros afiliados sejam no futuro membros efetivos.” Já Sérgio Luiz Gargioni afirmou ser fundamental que “a sociedade veja que não há futuro sem uma Universidade forte, competente, atuante”.

A programação começou com a palestra de Jorge Guimarães, com o tema “Pesquisa e pós-graduação no Brasil: passado, presente e futuro”. O Acadêmico elogiou a iniciativa do presidente da ABC que, em 2007, criou a categoria membro afiliado. “A presença do jovem pesquisador trouxe um alento à Academia e também foi importante para os jovens, que ganham confiança para enfrentar as dificuldades que inevitavelmente aparecem.” Guimarães elogiou o desempenho da UFSC no contexto nacional e internacional, ressaltando que boa parte do sucesso de Santa Catarina e do que é considerado inovador no estado tem uma contribuição considerável da Universidade.

Diplomação

Jacob Palis afirmou ser uma honra e satisfação poder absorver o professor Marcelo Farina na ABC: “Ele é um jovem muito brilhante.” Para o presidente da entidade, essa diplomação reflete o desempenho da UFSC que, mesmo sendo uma Universidade jovem, tem se destacado progressivamente. Calixto igualmente disse ser  “o maior prazer entregar esse diploma”. Após ser diplomado, o professor apresentou a palestra “Mecanismos relacionados à toxicidade induzida por metilmercurio”, abordando o tema de sua pesquisa.

Os quatro pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) que também seriam  diplomados (Jairo Francisco Savian, Raquel Giulian, André Quincozes dos Santos e Jackson Damiani Scholten) não puderam comparecer à cerimônia devido ao mau tempo em Porto Alegre, que provocou o cancelamento de diversos vôos na manhã de quarta-feira. Farina explicou que havia planejado para a ocasião uma palestra mais curta, com cerca de meia hora, já que haveria outras, mas, mesmo sendo o único, ateve-se ao plano.

Antídoto contra intoxicação por mercúrio

Antes de iniciar, citou seus agradecimentos, já que parte dos presentes, entre eles Palis e Assreuy, precisaria deixar o evento antes do final por causa do horário de seu voo para Porto Alegre. Também fez questão de destacar a importância da atenção à pesquisa básica. “Tem que fazer. A inovação é crucial, claro, todo mundo quer a aplicação, o medicamento novo, mas não adianta pensar só na cereja do bolo”, destacou.

Falou também sobre sua pesquisa com os mecanismos de toxicidade induzida por xenobióticos. Ele estudou a maneira como o mercúrio altera a propagação dos impulsos sinápticos e, assim, ocasiona doenças neurogenerativas, que podem ter efeitos permanentes, especialmente se o organismo for exposto ao metal em fases críticas do desenvolvimento, como a gestação. Mostrou que o metil-mercúrio causa esse efeito ao inibir a captação de glutamato, importante aminoácido neurotransmissor, pelos neurônios pós-sinápticos e apresentou o trabalho para obter antídotos ou protetores contra os males causados no organismo humano. Os testes com o antioxidante Ebselen, diz, têm mostrado efeito restaurador essa captação de glutamato.

Daniela Caniçali/Jornalista da Agecom/DGC/UFSC

Fábio Bianchini/Jornalista da Agecom/DGC/UFSC

 

Tags: ABCAcademia Brasileira de CiênciasCCBDiplomaçãoMarcelo FarinaUFSCUniversidade Federal de Santa Catarina

Um pesquisador impulsionado por um ‘descontentamento persistente’

15/09/2015 14:19

Marcelo Farina, pesquisador do Departamento de Bioquímica do Centro de Ciências Biológicas (CCB) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), e novo membro afiliado da Academia Brasileira de Ciências (ABC), é motivado por “um certo descontentamento persistente”. “O que seria isso?” – ­­ele explica­ – “É estar sempre querendo algo a mais, estar sempre buscando melhorar e realizar mais. Minha busca nunca foi no sentido de almejar este ou aquele posto. Eu prefiro estar focado em aprimorar o meu dia a dia, a minha pesquisa, a formação dos meus alunos.” A diplomação na ABC é uma conquista decorrente de sua atuação como pesquisador; por isso, a notícia foi recebida com alegria. “Quando chegou o e-mail do presidente da Academia Brasileira de Ciências dizendo ‘parabéns’, fiquei muito feliz, não tem como descrever de outra forma. Um reconhecimento é sempre uma motivação.”

© Pipo Quint / Agecom / UFSC

Marcelo Farina em seu laboratório. Foto: Jair Quint/Agecom/DGC/UFSC.

Diferentemente da categoria de membro titular, a de membro afiliado é destinada a pesquisadores jovens, de até 40 anos, que usufruem o direito de participar nas atividades da Academia por um período de cinco anos. Antes de Marcelo, apenas um professor da UFSC havia sido diplomado como membro afiliado: André Luiz Barbosa Báfica, do Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia. O pesquisador Juliano Ferreira, do Departamento de Farmacologia, é membro afiliado desde 2012, quando ainda era professor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Para o período 2015-2019, foram escolhidos cinco pesquisadores da Regional Sul, dos quais quatro são da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e Marcelo, da UFSC.

A escolha de novos afiliados ocorre em duas etapas: na primeira, um membro titular indica o pesquisador; na segunda, todos os titulares votam para eleger dentre os indicados. A escolha é feita em função da trajetória acadêmica: anos dedicados à pesquisa, principais conquistas do ponto de vista científico. Marcelo foi indicado por João Batista Teixeira da Rocha, da UFSM, seu orientador de mestrado e doutorado. “Esse pesquisador já orientou dezenas de doutores. Ele se tornou membro titular em 2014. O fato de sua primeira indicação ser alguém que não é da sua universidade me causa bastante alegria.”

Marcelo tem 39 anos e considera importante a participação das novas gerações de pesquisadores na ABC. “Um membro titular geralmente se baseia no que vivenciou há algumas décadas. Os jovens trazem o diferencial de terem uma experiência mais recente de aspectos importantes relacionados à ciência no Brasil. Por isso podemos trocar experiências e ideias de como podemos avançar em termos de política, ciência e tecnologia. Eu pretendo contribuir justamente dessa forma, a partir da minha experiência pessoal como pesquisador jovem.” A atuação política da entidade é algo que lhe motiva como novo membro. “É uma grande oportunidade poder participar das reuniões da Academia. A ABC é muito atuante politicamente, é uma instituição que luta em prol da ciência brasileira.”

 

A ciência

Em sua pesquisa, Marcelo busca averiguar de que forma compostos tóxicos presentes na natureza afetam a saúde humana. “Hoje em dia estamos mais suscetíveis à exposição de agentes tóxicos: medicamentos; pesticidas; produtos derivados da atividade industrial, como metais pesados, solventes etc. Tudo isso é lançado na natureza a partir da atividade humana. Eu investigo de que forma alguns desses componentes, que antes eram inexistentes ou existentes em menor quantidade, atuam no organismo.” Em seus experimentos, o pesquisador tenta compreender até que níveis o ser humano pode estar exposto a essas substâncias sem correr risco de sofrer seus efeitos nocivos. “Muitas doenças – como Alzheimer, Parkinson, diabetes, câncer – têm causas que ainda não são totalmente compreendidas. Por isso é importante definir os limites aceitáveis de exposição a esses compostos e, a partir disso, desenvolver uma base científica para implementar políticas ambientais. Por que se diz que o nível aceitável de chumbo no sangue é ‘tanto’? Porque se sabe que, até esse nível, em princípio, ele não prejudica a saúde.”

Caso se comprove que determinado componente possa desenvolver uma doença, a tendência seria, primeiramente, banir ou minimizar ao máximo sua presença na natureza. Marcelo explica que sua pesquisa busca, em uma segunda etapa, desenvolver estratégias que funcionem como antídoto. “Ou seja: se você se expõe agudamente a um agente tóxico, existe alguma forma de bloquear essa toxicidade? Após o indivíduo ter sido exposto e já estar apresentando sintomas crônicos que não são revertidos a curto prazo, é possível atuar farmacologicamente para minimizar esse estado?”

Entre os muitos compostos tóxicos que poderiam ser analisados, Marcelo decidiu estudar a atuação de metais e pesticidas. “O Brasil é um grande e talvez o maior consumidor de agrotóxicos do mundo. Alguns agentes que já foram banidos em alguns países ainda são utilizados aqui.” A pertinência desse tipo de investigação se deve ao fato de não haver, hoje, uma legislação que regulamente o uso de muitas dessas substâncias. O pesquisador se sente motivado, fundamentalmente, pela possibilidade de “fazer a diferença” e de melhorar a vida do ser humano. “Seria uma realização enorme se algumas das moléculas que estou investigando como potencial agente terapêutico para essas condições viessem a se tornar um medicamento, trazendo benefícios para a população. Eu sei que para isso existem várias etapas, e eu estou numa fase muito inicial. Mas estou tentando dar um passo significativo em termos científicos na minha área, adquirindo resultados que possam ser realmente benéficos à sociedade – imaginar isso até me emociona.”

 

Trajetória acadêmica

O caminho que o levou à Bioquímica começou quando partiu de sua cidade natal, Erechim (RS), para cursar, na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), a graduação em Farmácia. Essa não foi, entretanto, uma escolha premeditada. “Há pessoas que dizem ‘desde pequeno eu queria ser farmacêutico’. Não é o meu caso. Quando chegou o momento de fazer vestibular, fiz um teste vocacional, que apontou para as ciências da vida. Decidi fazer Farmácia, pois gostava de Química. Na época foi o primeiro curso que me passou pela cabeça. Eu não tinha um sentimento genuíno de ‘ah, eu quero ser isso!’. Se o teste vocacional dissesse ‘você deve ser músico’, talvez eu me tornasse músico. Eu inclusive gosto de tocar bateria.”

Mas o teste vocacional provavelmente estava certo. Já durante a graduação, Marcelo se identificou com a Farmacologia e a Bioquímica – área em que fez Iniciação Científica. Posteriormente, no mestrado, o pesquisador diz ter sido influenciado por seu orientador. “O professor João Batista trabalha, principalmente, a toxicologia de compostos metálicos; então, eu comecei a me interessar por isso. No mestrado, eu me voltei para o efeito das substâncias no organismo como um todo; no doutorado, optei focar o sistema nervoso central e as doenças neurodegenerativas.” Marcelo considera que ainda existe muito a ser descoberto nessa área, mas as lacunas de conhecimento são, para ele, uma característica de todo campo do saber. “O ser humano sabe muito pouco de si próprio e do Universo, por isso acho muito importante a continuidade da ciência, a busca do conhecimento científico, daquilo que não se compreende.”

O ingresso no mestrado foi, para ele, o momento decisivo de sua trajetória profissional. Após concluir a graduação, voltou a Erechim para trabalhar em um hospital. “Depois de seis meses em um laboratório de Análises Químicas, percebi que aquilo não me motivava tanto, era muito monótono.” Nessa época, soube que a Capes havia recém-aprovado o mestrado em Bioquímica da UFSM, e que, em alguns meses, haveria a seleção para a primeira turma. “Fui da primeira turma do mestrado em Bioquímica da UFSM.” Aos 22 anos, Marcelo retornou àquela universidade e integrou a equipe de pesquisadores do laboratório de Bioquímica. “Quando saí daquele ambiente hospitalar e voltei ao acadêmico, tudo parecia mais lindo, mais espontâneo, mais alegre, mais criativo. Eu me senti feliz cursando mestrado e atuando em um laboratório de pesquisa. Isso me motivou muito; eu me vi fazendo aquilo pelo resto da vida.”

Marcelo cursou o doutorado na mesma área, mas na UFRGS, em Porto Alegre. Assim que o concluiu, em 2003, foi aprovado em concurso para professor efetivo do Departamento de Análises Clínicas e Toxológicas da UFSM. Dessa vez sua passagem por Santa Maria durou apenas seis meses: nesse período, ele também foi selecionado em concurso para professor da UFSC e optou mudar-se para Florianópolis pela característica que lhe é intrínseca: o “descontentamento persistente”. “Busquei um pouco de independência científica.”

Na UFSC, Marcelo teve o desafio de “começar do zero”: conquistar desde um espaço físico para seus experimentos, passando pela compra da primeira geladeira para seu laboratório, até a criação do Programa de Pós-Graduação em Bioquímica da Universidade. “O fato de me sentir mais independente me motivava muito. Embora eu atue numa linha muito próxima da em que eu atuava na UFSM, aqui tive a oportunidade de construir algo. Eu entrei na UFSC em 2004, e, em 2008, conseguimos criar o Programa de Pós-Graduação em Bioquímica, com mestrado e doutorado. Posso dizer que houve uma contribuição significativa de minha parte: fui o presidente da comissão de implantação do curso. Mas é claro que isso foi possível por já haver aqui uma equipe competente.” O professor se sente feliz por fazer parte da Universidade. “Eu considero a UFSC uma universidade respeitável, muito ativa e importantíssima para Santa Catarina. Para mim é um orgulho ser professor da UFSC.”

Atualmente, Marcelo orienta dois alunos de Iniciação Científica, três mestrandos, quatro doutorandos e dois pós-doutorandos. O ensino é, para ele, parte muito importante de sua atuação como acadêmico. “Gostaria de contribuir para a formação de novos cientistas, que talvez venham a gerar conhecimentos importantes para a sociedade.” O pesquisador reafirma que se sente feliz como membro da ABC, mas que o mais importante é ser cada vez melhor no que faz. “Mais do que fazer mais, quero fazê-lo benfeito. O lançamento de um novo medicamento não ocorre se nós, como pesquisadores, não fizermos um excelente trabalho.”

Daniela Caniçali/Jornalista da Agecom/DGC/UFSC

Revisão: Claudio Borrelli/Revisor de Textos da Agecom/DGC/UFSC

 

Tags: ABCAcademia Brasileira de CiênciasCCBCentro de Ciências BiológicasDepartamento de BioquímicaUFSCUniversidade Federal de Santa Catarina

Alvaro Prata assume cadeira na Academia Brasileira de Ciências

08/05/2012 10:00

Está marcada para as 19h30min desta terça-feira, dia 8, a posse do professor Alvaro Toubes Prata, atual reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, na Academia Brasileira de Ciências (ABC). Ele assumirá junto com outros 24 pesquisadores e cientistas, e será o titular da cadeira de Ciências da Engenharia, tendo como suplentes os professores João Fernando Gomes de Oliveira e Victor Carlos Pandolfelli. A solenidade será realizada na Escola Naval, localizada na avenida Almirante Sylvio de Noronha, no Rio de Janeiro.

A posse dos novos membros titulares e correspondentes se dá dentro da programação da Reunião Magna 2012 da ABC, que começou hoje e se estende até quarta-feira na sede da entidade, no Rio. Eles foram eleitos na assembleia geral de 16 de dezembro de 2011 da Academia, que tem 449 membros titulares, de um total de 784, incluídas as categorias de associados, afiliados (jovens vinculados por apenas cinco anos) e correspondentes (estrangeiros).

Com a posse de Alvaro Prata, chegam a sete os representantes da UFSC na Academia Brasileira de Ciências. Já são membros os professores Adilson José Curtius, Faruk José Nome Aguilera, Ademir Neves (todos membros titulares na área de Ciências Químicas), João Batista Calixto (do Departamento de Farmacologia, na área de Ciências Biomédicas), Ruy Exel Filho e Clovis Caesar Gonzaga (do Departamento de Matemática, na área de Ciências Matemáticas).

A Academia Brasileira de Ciências é uma entidade independente, não governamental e sem fins lucrativos que atua como sociedade científica e contribui para o estudo de temas de grande importância para a população e a proposição de políticas públicas. Seu foco é o desenvolvimento científico do país, a interação entre os cientistas brasileiros e destes com pesquisadores de outras nações.

Por Paulo Clóvis Schmitz / Jornalista na Agecom

Saiba Mais:
Novos Membros da ABC

Ciências Matemáticas
Enrique Ramiro Pujals, Lorenzo Justiniano Diaz Casado, Paolo Piccione (titulares), Efim Zelmanov e Wendelin Werner (correspondentes)

Ciências Físicas
Antonio Martins Figueiredo Neto, Nathan Jacob Berkovits e Ronald Dickman (titulares)

Ciências Químicas
Angela de Luca Rebello Wagener, Luiz Carlos Dias, Vanderlan da Silva Bolzani (titulares) e Hugo Kubinyi (correspondente)

Ciências da Terra
Claudio Riccomini, Icaro Vitorello, José Antonio Marengo Orsini (titulares), Meinrat O. Andreae e Victor Alberto Ramos (correspondentes)

Ciências Biológicas
Fábio de Oliveira Pedrosa e Fausto Foresti (titulares)

Ciências Biomédicas
Gilberto De Nucci, Maria Julia Manso Alves, Regina Pekelmann Markus (titulares), Christine C. Winterbourn e Michel Claudio Nussenzweig (correspondentes)

Ciências da Saúde
Fernando Cendes, Francisco Rafael Martins Laurindo (titulares), Miguel N. Burnier Jr. e Moyses Szklo (correspondentes)

Ciências Agrárias
Evaldo Ferreira Vilela e Maria Fatima Grossi de Sá (titulares)

Ciências da Engenharia
Alvaro Toubes Prata, João Fernando Gomes de Oliveira, Victor Carlos Pandolfelli (titulares), Gérard Plateau, Marc Andre Meyers e Shankar Prashad Bhattacharyya (correspondentes)

Ciências Sociais
Bolívar Lamounier (titular) e James Joseph Heckman (correspondente)

Tags: ABCalvaro prataUFSC