UFSC divulga edital para seleção de professor substituto

29/03/2019 14:04

 A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) publicou, nesta sexta-feira, 29 de março, o edital nº015/2019/DDP, do Processo Seletivo Simplificado para contratação de professor substituto por tempo determinado. São 6 vagas para atuação no ensino superior nos departamentos da UFSC em Araranguá e Florianópolis.

Mais informações estão disponíveis no edital.

Tags: Araranguáeditalensino superiorFlorianópolisprocesso seletivo simplificadoprofessor substitutoUFSC

Inep: Mulheres são maioria na educação superior e profissional

08/03/2019 15:01

Os dados mais recentes do Censo da Educação Superior, referentes a 2017, mostram a predominância das mulheres na educação superior. Elas são 55% dos estudantes ingressantes, 57% dos matriculados e 61% dos concluintes dos cursos de graduação. Na licenciatura, por exemplo, 70,6% das matrículas são do sexo feminino.

As mulheres também são maioria nos cursos profissionais da Educação Básica. Dados do Censo Escolar 2018, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), mostram a predominância de alunas em todas as faixas etárias, com exceção dos alunos com mais de 60 anos. A maior diferença observada entre os sexos está na faixa de 40 a 49 anos, em que 60,7% das matrículas são de mulheres. Para o Censo Escolar, educação profissional engloba cursos de formação inicial e continuada ou de qualificação profissional articulado à EJA ou ao ensino médio; ou cursos técnicos de nível médio nas formas articuladas (integrada ou concomitante) ou subsequente ao ensino médio.

Gráfico – Número de matrículas na educação profissional segundo faixa etária e sexo – Brasil – 2018 Fonte: Elaborado pela Deed/Inep com base nos dados do Censo da Educação Básica

Distorção idade-série – A proporção de alunos do sexo feminino com defasagem de idade em relação à etapa que cursam é menor do que a do sexo masculino em todas as etapas de ensino. Os dados são do Censo Escolar 2018 e consideram as classes comuns (não exclusivas de alunos com deficiência). A taxa de distorção idade-série é o percentual de alunos, em cada série, com idade superior à idade recomendada. A maior diferença entre os sexos é observada no sexto ano do ensino fundamental, em que a taxa de distorção idade-série é de 31,6% para o sexo masculino e 19,2% para o sexo feminino.

Gráfico – Taxa de distorção idade-série por etapas dos ensinos fundamental e médio segundo o sexo – Brasil – 2018 Fonte: Elaborado pela Deed/Inep com base nos dados do Censo da Educação Básica

Resultados – Todos os dados do Censo Escolar 2018 estão disponíveis no Portal do Inep, em diferentes instrumentos de divulgação. As Notas Estatísticas resumem os principais resultados; enquanto o Resumo Técnico apresenta os dados em série histórica. As Sinopses Estatísticas, por meio de tabelas, trazem dados desagregados por estado e município. Os Microdados permitem cruzamentos de variáveis diversas a partir de programas estatísticos. Também estão atualizados os Indicadores Educacionais da Educação Básica: Média de Alunos por Turma, Indicador de Adequação da Formação do Docente, Percentual de Funções Docentes com Curso Superior, Média de Horas-Aula Diária, Indicador de Complexidade de Gestão da Escola, Indicador de Esforço Docente, Indicador de Regularidade do Docente, Taxa de Distorção Idade-Série. Todos os instrumentos de divulgação cumprem a finalidade institucional de disseminar as estatísticas educacionais do Inep e estão reunidos no Press Kit do Censo Escolar 2018.

Censo Escolar – Principal pesquisa estatística sobre a educação básica, o Censo Escolar é coordenado pelo Inep e realizado em regime de colaboração entre as secretarias estaduais e municipais de educação. Com a participação de todas as escolas públicas e privadas do país, abrange as diferentes etapas e modalidades da educação básica: regular, especial, profissional, jovens e adultos (EJA).

Fonte: Inep com informações do site da Andifes

Tags: Andifesensino públicoensino superiorinepUFSCUniversidade Federal de Santa Catarina

Escola de Extensão da UFSC oferta cursos sobre Metodologia do Ensino Superior e da Pesquisa

19/04/2017 09:54

A Escola de Extensão da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) divulga as inscrições para o “Curso de Metodologia do Ensino Superior com Coaching Education” e o workshop “Perdendo o medo da Metodologia da Pesquisa: workshop para elaborar seu projeto, TCC, dissertação ou tese”, com início em maio e junho, respectivamente. As vagas são limitadas e a certificação será oferecida pela UFSC.

Curso de Metodologia do Ensino Superior com Coaching Education

O curso voltado à formação de professores universitários com o uso das ferramentas de Coaching, as especificidades da Educação a Distância e a adoção da Gamificação será ministrado em quatro fins de semana (sexta-feira à noite e sábado pela manhã e à tarde), totalizando 60 horas – 12h na modalidade a distância. A certificação é feita pela UFSC. Informações e inscrições pelo http://funjab.ufsc.br/wp/?page_id=3943. As aulas iniciam no dia 5 de maio.

Perdendo o medo da Metodologia da Pesquisa: workshop para elaborar seu projeto, TCC, dissertação ou tese

O workshop propõe a elaboração de projeto de pesquisa e o repasse de orientações para andamento das atividades relacionadas que resultarão em Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), dissertação, tese, artigo ou no anteprojeto para ingresso em um mestrado, doutorado, pós-doutorado ou programa de iniciação científica. A carga horário é de 30h – 6h na modalidade a distância. Inscrições e informações aqui. As aulas iniciam no dia 17 de junho.

Mais informações pelo telefone (48) 99993-0832.

Tags: Coaching Educationensino superiorEscola de ExtensãometodologiapesquisaUFSC

UFSC é vencedora da Pesquisa Impar como mais lembrada e preferida no ensino superior e pós-graduação

18/11/2015 10:10

A vice-reitora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Lucia Helena Martins Pacheco, compareceu à cerimônia de entrega de certificado às vencedoras da pesquisa Impar (Índice das Marcas de Preferência e Afinidade Regional), realizada no dia 12 de novembro, na Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc). A UFSC, mais uma vez, recebeu certificado de vencedora como a mais lembrada e preferida em três categorias: Ensino Superior – Estadual; Ensino Superior – Florianópolis; e Ensino de Pós-Graduação – Florianópolis.

Em relação aos prêmios, a professora Lucia destaca: “A UFSC tem se destacado continuamente pela qualidade das atividades de ensino, pesquisa e extensão que desenvolve. Este prêmio é um reconhecimento importante e, por isso, agradecemos a toda a comunidade acadêmica, pois é graças aos muitos esforços coletivos que nos consolidamos como uma das melhores universidades do Brasil”.

Montagem Premio Ímpar 2015 - Foto Henrique Almeida

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Metodologia:

Para entender o perfil de consumo dos catarinenses, a RICTV Record realizou, pelo oitavo ano, a Pesquisa Impar (Índice das Marcas de Preferência e Afinidade Regional). Por meio de levantamento do Ibope Inteligência, são apontadas as marcas com maior preferência e lembrança em 40 categorias de produtos e serviços do mercado catarinense. Com o cruzamento desses dados, chega-se ao índice de afinidade, dado que diferencia a pesquisa Impar como a mais completa pesquisa do gênero no Sul do Brasil.

Tags: ensino superiormais lembradaPesquisa Imparpós-graduaçãoprefênciaUFSC

Reitor fala de avanços e desafios da UFSC a alunos de pós-graduação

01/03/2011 09:15

Fotos: Paulo Noronha / Agecom

O reitor da UFSC, Alvaro Toubes Prata, conclamou os novos alunos do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, em palestra realizada nesta segunda-feira (28/2) no auditório do Centro de Educação (CED), a aproveitarem a oportunidade de estudar numa das principais instituições de ensino superior do país. “O desafio de vocês é se preocuparem com si próprios, mas também com o curso, com a Universidade e com o Brasil”, afirmou. Ele traçou um diagnóstico positivo do futuro do país e destacou a expansão do ensino superior, que é necessária para guindar o Brasil ao rol das cinco maiores potências do mundo ainda nesta década.

Na palestra “A pesquisa e a pós-graduação no Brasil e na UFSC”, Alvaro Prata mostrou números que justificam seu otimismo com o futuro. “Já somos o 13º país em produção científica e a expansão dos campi em todo o território nacional demonstra a preocupação do governo com a educação superior”, destacou. Mesmo assim, é preciso avançar, porque apenas 10% das universidades são públicas, sendo que, destas, somente 3% são federais. Além disso, 63% dos alunos estudam à noite, ou seja, estão vinculados a instituições pagas e de menor porte.

Um dos desafios das instituições superiores é reduzir a evasão e a insegurança dos acadêmicos em relação à carreira, porque apenas 57% dos alunos concluem o curso que começaram. Outra distorção é que 35% dos alunos de terceiro grau no país então nos cursos de Administração, Direito e Pedagogia. “Devemos repensar algumas coisas em relação a esses dados”, disse o reitor, sugerindo que as universidades precisam se adaptar às novas demandas do mercado e às exigências da sociedade em relação à educação superior.

Prata também alertou para outra distorção brasileira: a pós-graduação é melhor que a graduação, que é melhor que o ensino médio, que é melhor que a educação básica. Por outro lado, as instituições se internacionalizam, aumentam sua inserção social, investem na educação a distância e, através do Reuni, se reestruturam e expandem para regiões antes carentes de opções no ensino superior.

“Neste sentido, a pós-graduação em Ciência da Informação, que é muito conceituada em nossa universidade, tem um papel importante”, ressaltou o reitor. Ele também estimulou os alunos a publicarem artigos em revistas especializadas e aprenderem uma língua estrangeira, “preparando-se para a crescente internacionalização do país e das universidades”.

Por Paulo Clóvis Schmitz / Jornalista da Agecom

Tags: ensino superiorpós-graduação