UFSC desenvolve programa de cursos virtuais de extensão em línguas estrangeiras

07/04/2021 12:30

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) está na fase final de desenvolvimento do Programa de Mobilidade Virtual (PMV), conjunto de cursos virtuais de extensão em línguas estrangeiras e português. A iniciativa pretende fortalecer relações com parceiros estrangeiros, oferecer um ambiente internacional e contribuir na “formação de uma mentalidade intercultural acadêmica de nossos futuros cidadãos/profissionais globais”, explica o secretário de Relações Internacionais da UFSC, Lincoln Fernandes. Serão beneficiados estudantes internacionais e da própria instituição. Os cursos estão previstos para iniciar em junho de 2021.

O PMV é uma iniciativa conjunta da Pró-Reitoria de Extensão (Proex), Secretaria de Relações Internacionais (Sinter), Secretaria de Educação a Distância (Sead) e Secretaria de Planejamento (Seplan). Serão oferecidas duas turmas com 120 vagas para cada um dos dez primeiros cursos previstos no Programa de Mobilidade Virtual. A UFSC acabou de concluir o processo de seleção dos bolsistas para função de designer gráfico, videomaker e gerenciador de Moodle para a produção dos cursos virtuais.

Antes da pandemia, a UFSC recebia aproximadamente 500 alunos internacionais por ano. Com a oferta dos novos cursos, aponta Lincoln, “poderemos expandir esse número para 1.200, incluindo as vagas para os alunos regularmente matriculados na UFSC. Sem contar, é claro, os cursos já oferecidos pelo Catálogo de Cursos da Sinter”. Antes de a pandemia surgir, diz o secretário de Relações Internacionais, o PMV já era previsto pelo Plano Institucional de Internacionalização como uma maneira de contemplar alunos que por algum motivo não poderiam realizar a mobilidade presencial. “A Política de Parcerias Transfronteiriças, com a colaboração virtual entre universidades parceiras, já estava começando a adquirir forma.  O advento da pandemia de Covid-19 acelerou o processo e já disponibilizamos disciplinas virtuais oferecidas por nossos parceiros, como também ofertamos algumas disciplinas no contexto da Associação de Universidades do Grupo Montevidéu (AUGM) e alguns cursos específicos da UFSC”.

Os cursos serão utilizados de “forma estratégica com os parceiros que já nos oferecem essas oportunidades e também àqueles que gostaríamos de manter relações mais próximas”, afirma Lincoln.  Atualmente, a UFSC tem 374 convênios ativos com instituições parceiras “Não temos, por enquanto, como oferecer cursos a todos eles. Os cursos também têm como público-alvo nossos estudantes regularmente matriculados. Dentro de uma política linguística plurilingüe e multilíngue, cada curso terá seu idioma – estão previstos conteúdos em português, espanhol, inglês, italiano e francês.

Lincoln elenca os benefícios da participação dos estudantes da UFSC no Programa: “aprendizagem global integrada ao currículo e para todos; aprendizagem aplicada; desenvolvimento das habilidades necessárias para o século 21;  consciência intercultural e desenvolvimento de competências; aplicação interdisciplinar do conhecimento; diversidade e inclusão; internacionalização escalável e com baixo custo; prática de alto impacto para ensino e aprendizagem”.

Confira os cursos previstos, que contam com participação a participação dos campi de Araranguá, Blumenau, Curitibanos e Florianópolis:

  • Português como língua adicional;
  • Transformação Digital na Educação: aproximações entre o professor imigrante e os alunos nativos digitais;
  • Tendencias de la transformación digital en la educación superior;
  • Cultura material: ampliando a visibilidade do patrimônio arqueológico do território catarinense;
  • Desafíos de aprender en un mundo digital;
  • Escrita de artigos científicos em inglês;
  • Brazilian Sign Language Course: Learn the Basics;
  • Direitos Humanos e Objetivos de Desenvolvimento Sustentável em italiano;
  • Possibilidade Digitais para a Odontologia;
  • Indústria 4.0 e Internet das Coisas;

Além dos cursos virtuais de extensão, Lincoln complementa que também serão incentivadas as formações do Collaborative Online International Learning (COIL), modalidade de ensino/aprendizagem criada na State University of New York (SUNY), pelo professor Jon Rubin, em 2006, com objetivo de encorajar o crescimento da aprendizagem cooperativa internacional online.

“Na prática, funciona assim: um professor da universidade A, em parceria com um professor da universidade internacional B, montam um programa de ensino online para suas turmas. Logo temos, duas universidades, dois professores, duas turmas, possivelmente dois idiomas, pelo menos duas culturas e um curso/módulo sendo co-ministrado pelos professores das duas universidades, com tarefas a serem desenvolvidas na modalidade virtual de forma cooperativa, intercultural e interdisciplinar”. O secretário comenta que no dia 15 de abril, às 14h, o presidente da Associação Brasileira de Educação Internacional (Faubai) participará em um dos webinários da UFSC Internacional falando sobre o COIL.

 

 

Tags: internacionalizaçãoPrograma de Mobilidade VirtualSecretaria de Relações InternacionaissinterUFSCUniversidade Federal de Santa Catarina