Pesquisadora da UFSC desenvolve método para analisar contaminação de pescado por petróleo

20/09/2023 15:25

Em 2019, o Brasil foi palco do mais grave desastre ambiental ocorrido em seu litoral e um dos maiores já registrados no mundo – os primeiros registros ocorreram na Paraíba, e em poucos meses, o poluente identificado como petróleo bruto atingiu 11 estados, numa faixa litorânea de mais de 4.000 km, do Maranhão ao Rio de Janeiro. Dada a natureza tóxica dos contaminantes envolvidos e do potencial efeito nocivo à saúde dos consumidores, o Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) precisava examinar a contaminação de pescado após o desastre. No entanto, a questão era: como realizar essa avaliação?

A solução veio de uma parceria entre o Programa de Pós-Graduação em Ciência dos Alimentos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) com o Laboratório Federal de Defesa Agropecuária do Rio Grande do Sul (LFDA-RS) por meio do Setor Laboratorial Avançado em Santa Catarina (SLAV-SC). A então doutoranda em Ciência dos Alimentos e bolsista da CAPES Ana Paula Zapelini de Melo desenvolveu métodos analíticos capazes de mensurar hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPAs) em pescado de forma ágil e com confiabilidade metrológica dos resultados. Os HPAs, compostos com propriedades carcinogênicas para humanos, fazem parte da composição química do petróleo e são considerados marcadores de contaminação petrogênica em alimentos.

Confira a reportagem multimídia aqui.

Foram desenvolvidos métodos de extração de alta eficiência analítica e detecção por espectrometria de massas para dar suporte às decisões governamentais de enfrentamento ao derramamento de petróleo. O estudo utilizou cápsulas de café, em máquinas comuns, adaptadas para extração dos contaminantes vindos do petróleo. ‘Espressos’ de peixe, camarão, polvo, ostra, dentre outros foram analisados como forma de garantir a segurança do pescado logo após o desastre ser identificado. “A máquina de café espresso, que simula a extração por líquido pressurizado (PLE), foi utilizada no Brasil em um momento de emergência sanitária devido ao desastre. Precisávamos de um método rápido e de baixo custo que tivesse confiabilidade metrológica para determinar esses compostos. Como já havia sido desenvolvido um método analítico para determinação de resíduos de medicamentos veterinários usando a máquina de café espresso, acabamos adaptando isso para os HPAs”, relata Ana.

(mais…)

Tags: hidrocarbonetos policíclicos aromáticosHPAMinistério da Agricultura e PecuáriapescadopetróleoPrograma de Pós-Graduação em CIência dos AlimentosUFSCUniversidade Federal de Santa Catarina

UFSC vai pesquisar dinâmica da produção de petróleo com auxílio de um dos equipamentos mais potentes do mundo

11/08/2023 09:58

UFSC vai utilizar equipamento de ponta, o Sírius

Dois grupos de pesquisa da Universidade Federal de Santa Catarina – um do campus Florianópolis e outro do campus Joinville – trabalham em um projeto internacional que vai estudar a dinâmica da água e do óleo nas rochas para a extração de petróleo. O Laboratório de Meios Porosos e Propriedades Termofísicas (LMPT) e o Grupo de Pesquisa em Meios Porosos (Poro) estão sendo financiados pela petroleira norueguesa Equinor por meio da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O projeto envolve parceria com instituições brasileiras e colaboração com universidades da Escócia, Bélgica, Holanda e Estados Unidos.

Os pesquisadores, liderados em Florianópolis pelo professor Celso Peres Fernandes e em Joinville pelo professor Diogo Nardelli Siebert, também atuarão em parceria com o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), onde está uma das instalações mais potentes do mundo para o estudo de materiais – o Sírius, acelerador de partículas que gera feixes de partículas subatômicas em velocidades altíssimas, muito próximas da velocidade da luz.

O contrato com a Equinor, no valor de R$ 9,5 milhões, é fruto da lei de petróleo, um recurso existente na ANP que prevê investimento em ciência e tecnologia no Brasil a partir da produtividade das operadoras que atuam no país. Segundo o professor Celso, a negociação começou no final de 2020, a partir da demanda da empresa, que já conhecia os grupos que trabalhavam com a análise de rochas. “Nós já tínhamos contato científico com eles há alguns anos. Como a Equinor já sabia o que queria e identificou grupos chaves e experientes nas universidades, ficou desenhado o papel de cada um no projeto”, reforça.

No caso do LMPT, o histórico de pesquisas do grupo e um equipamento específico, que realiza microtomografia de raios X de alta resolução espacial foram centrais para a participação na pesquisa, que envolve também o CNPEM e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Um importante processo para a extração do petróleo, que se encontra nos poros da rocha reservatório, consiste na injeção de água para deslocar o petróleo até a superfície. O estudo da UFSC envolve identificar como a água desloca o óleo dentro das rochas, um dos procedimentos que poderia aumentar a produtividade na extração do petróleo.O tomógrafo do laboratório gera imagens de alta resolução espacial, que permite que os menores poros por onde os líquidos circulam também sejam observados.

O professor explica que o acelerador de partículas Sirius complementa essas informações acrescentando a dimensão do tempo. “Com o equipamento que nós temos, conseguimos analisar água e óleo na rocha em condição estática. No Sirius também entra o tempo, e nós conseguiremos ver os fluidos se movimentando, acompanhando essa dinâmica”, diz.

O objetivo central da parceria é aprimorar o conhecimento sobre fenômenos de deslocamentos de óleo por água para contribuir com a eficiência na recuperação do petróleo, mas é a primeira vez que, por meio do Sírius, a equipe da UFSC terá acesso a esse nível de detalhamento.

A pesquisa será realizada na linha Mogno – uma linha de luz de imagem de raios X especializada em zoom-tomography, segundo o CNPEM uma técnica em que uma amostra pode ser estudada em baixa e alta resolução, e em experimentos in-situ resolvidos no tempo, a partir dos quais é possível observar um material sob condições específicas. “É a tecnologia dando dados para que nós possamos ter um aprimoramento científico de um problema físico”, finaliza Fernandes.

Imagens para aperfeiçoar algoritmos

A pesquisa também será executada por uma equipe de cientistas da UFSC Joinville, do Grupo de Pesquisa em Meios Porosos, o Poro. “Nós vamos poder interagir com pesquisadores que estão aplicando esse conhecimento dentro da indústria e também com pesquisadores no exterior que se debruçam sobre esses problemas”, destaca o professor Diogo Nardelli Siebert, ressaltando que o projeto envolve diferentes áreas da indústria.

Siebert também reforça que a interação com o laboratório nacional onde está o acelerador de partículas vai permitir que a equipe da UFSC tenha acesso a dados inéditos no mundo. Os pesquisadores de Joinville trabalham no desenvolvimento de algoritmos para prever dados como a quantidade de óleo residual depois da exploração petróleo e a permeabilidade das rochas – que influencia também na quantidade de energia necessária para extração do óleo.

“Esse tipo de previsão pode ser feito se a gente consegue simular como a água consegue retirar o óleo de dentro da rocha. Essa simulação depende de vários fatores: primeiro depende de a gente conseguir imagens de como são essas rochas e também de a gente entender como é que é a física da interação entre essas duas fases, que a água e óleo, e a rocha”, explica.

Segundo o professor, essa física é mais inacessível justamente pela dificuldade de se conseguir dados de como isso está ocorrendo e qual a influência de cada fenômeno. “Isso vai poder ser feito com base nesses experimentos que a gente faz em microtomógrafo, onde a gente pode repetir esse processo que acontece no interior da rocha e ter uma imagem 3D do que ocorre ali para entender melhor como se dá essas interações”, pontua.

Essa nova dimensão da compreensão física de como os diferentes fatores afetam o resultado final do processo de extração poderá ser incorporado aos algoritmos do Poro. “O nosso grupo desenvolve métodos para simular a física microscópica no interior das rochas”, sintetiza.

Outros ganhos científicos devem surgir a partir dessa parceria, já que, com base nessas informações, será possível aprimorar os resultados de modo que beneficie outras áreas além da indústria petrolífera. “A gente pode usar esse conhecimento para aprimorar os algoritmos e aplicá-los em outros problemas, pois há questões de impacto na sociedade que também então ligados a isso”. Um exemplo seria o escoamento ou a contaminação de lençóis freáticos, que também poderia ser prevista a partir do algoritmo.

“Essa infraestrutura do Sírius vai permitir a gente enxergar esse processo ocorrendo no tempo com uma resolução temporal, com uma quantidade de imagens por segundo que é impossível com qualquer outra técnica. A gente sabia, com base em conhecimentos teóricos que os processos ocorriam, mas agora a gente vai conseguir enxergá-los, medi-los e vai poder analisar se os nossos métodos de simulação estão prevendo esses fenômenos corretamente”, finaliza o professor.

Para o professor Jacques Mick, pró-reitor de Pesquisa e Inovação da UFSC, a parceria com a Equinor, a Unicamp e o CNPEM reforça o compromisso da UFSC com o desenvolvimento de ciência e tecnologia de alta qualidade e suas aplicações na indústria, marca importante na identidade de nossa universidade. “Este projeto é especialmente relevante pela elevada internacionalização, ao nos conectar com uma multinacional atuante em um setor estratégico da economia brasileira e com pesquisadores de vários outros países”, salienta

Amanda Miranda, jornalista da Agecom/UFSC

Tags: Centro Nacional de Pesquisa em Energia e MateriaisEquinorGrupo de Pesquisa em Meios PorososLaboratório de Meios Porosos e Propriedades TermofísicaspetróleoSírius

Petróleo e gás são tema da nova edição da revista da Pós-Graduação em Engenharia de Automação e Sistemas

14/10/2021 08:45

Está no ar a terceira edição da Revista PPGEAS, produzida pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Automação e Sistemas (PPGEAS) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). A publicação semestral reúne as principais notícias do programa, artigos científicos, informações sobre participação em eventos nacionais e internacionais e biografias. O tema do novo número é Petróleo e gás.

Voltada a estudantes, interessados em ingressar no programa, professores da UFSC e de outras instituições do país e à comunidade científica em geral, a revista é fruto do planejamento estratégico do PPGEAS e foi criada para estabelecer um canal de comunicação e divulgação das ações realizadas pelo programa. Sua primeira edição foi publicada em outubro de 2020 e apresentou pesquisas que auxiliam no combate à covid-19. Já o tema do segundo número foi a indústria 4.0. A próxima edição da Revista PPGEAS tem seu lançamento previsto para o primeiro semestre de 2022 e tratará de energias renováveis.

A comissão editorial é composta por pelos professores do PPGEAS Felipe Gomes de Oliveira Cabral e Julio Elias Normey-Rico e pelos servidores técnico-administrativos Enio Snoeijer (PPGEAS) e Lívia Sheffer (Departamento de Automação e Sistemas).

Todas as edições estão disponíveis no site do PPGEAS.

Tags: GáspetróleoPrograma de Pós-Graduação em Engenharia de Automação e SistemasRevista PPGEASUFSCUniversidade Federal de Santa Catarina

Webinário aborda a caracterização de rochas reservatório de petróleo

26/04/2021 17:04

Técnicas de rocha digital aplicadas à caracterização de rochas reservatório de petróleo é o tema do próximo webinário do Ciclo de Palestras do Programa de Formação de Recursos Humanos da ANP para o Setor de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (PRH-ANP). O professor do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) será o palestrante da atividade, que ocorre nesta quarta-feira, 28 de abril, às 13h, pelo canal do PRH-45-ANP no Youtube.

 

Tags: livepetróleoPRH-ANPUFSCUniversidade Federal de Santa Catarinawebinário

AAPG UFSC Day: palestras sobre geologia de petróleo e gás são tema de evento

28/03/2019 17:23
 No dia 29 de março, no auditório do bloco E do anexo do Centro de Filosofia e Ciências da UFSC (CFH) o Student Chapter American Association of Petroleum Geologist (AAPG) UFSC promove o evento AAPG UFSC Day, um dia de palestras voltadas para Geologia de Petróleo e Gás. Organizado com o intuito de aproximar estudantes e profissionais de Geologia e áreas afins, o AAPG UFSC Day conta com a presença confirmada de profissionais de diversas empresas e órgãos renomados no mercado como AAPG, Chevron,  Halliburton, Ecopetrol, Panoro Energy, Society of Petroleum Engineers (SPE) e Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP). As vagas são limitadas e as inscrições são realizadas no formulário disponível aqui.
Tags: AAPG UFSCCentro de Filosofia e Ciências da UFSC (CFH)GásgeologiapetróleoStudent Chapter American Association of Petroleum Geologist (AAPG) UFSCUFSCUniversidade Federal de Santa Catarina

UFSC pesquisará petróleo em conjunto com universidade norte-americana

05/07/2011 17:45

O reitor da UFSC, Alvaro Prata, assinou na segunda (04/07) o primeiro acordo com a Pró-reitora de Pesquisa da Universidade de Rice, Vicki Colvin, dos Estados Unidos. Acompanhou o acordo Phil Magurn, gerente de Projetos Tecnológicos do BG Group, empresa de petróleo que tem uma join venture (empreendimento conjunto) com a Petrobras.

A assinatura é um convênio geral entre a UFSC e a universidade norte-americana juntamente com instituições britânicas e brasileiras para troca acadêmica de graduandos, pós-graduandos, mestrandos, doutorandos e professores. O intercâmbio será para pesquisa nas áreas de água, sustentabilidade e nanotecnologia. O projeto de parceria será financiado pelo BG Group, empresa britânica, com recursos de royalties gerados pelo petróleo.

Também participaram da assinatura Carlos Alberto Schneider, da Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (Certi); o professor Faruk Nome Aguilera, do Departamento de Química; Paulo Emílio Lovato, diretor do Departamento de Cooperação Acadêmica (Decad); e José Carlos Cunha Petrus, Chefe de Gabinete do reitor.

O BG Group conversa ainda outras cinco universidades pelo Brasil para firmar acordo de troca de pesquisadores. O próximo passo da UFSC para consolidar a parceria é a preparação de uma proposta mais detalhada para ser entregue ao BG Group.

Por José Fontenele / Bolsista de Jornalismo na Agecom

Tags: parceriapesquisapetróleo