UFSC na Mídia: Café ajuda a combater depressão, aponta estudo com pesquisadores da UFSC

21/07/2015 11:49

O cafezinho diário, além de ajudar a despertar, pode ter outros efeitos benéficos para a saúde. Uma pesquisa internacional divulgada neste mês no 9º Congresso Mundial de Neurociência da Organização Internacional de Pesquisa do Cérebro (Ibro, na sigla em inglês) mostra que a cafeína pode auxiliar a combater os sintomas da depressão.

O estudo teve participação de pesquisadoras da UFSC e defende que o consumo de até três xicaras de expresso por dia pode ajudar principalmente na memória e no humor.

O trabalho, que envolveu estudiosos do Brasil, Portugal, Estados Unidos e Alemanha, consistiu em expor camundongos a situação de estresse crônico, que é o principal fator de risco para desenvolvimento da depressão.

O estudo, que iniciou há seis anos, sob coordenação de Rodrigo Cunha, da Universidade de Coimbra, constatou que os animais que passaram pelo estresse, assim como os indivíduos com depressão, apresentaram problemas de memória, aprendizado, sinais de ansiedade e prejuízo no humor.

– Tanto os animais que tomaram cafeína antes do estresse com um efeito preventivo, como aqueles que tomaram durante o período apresentaram benefícios, principalmente em relação ao humor e à memória – explica a pesquisadora da UFSC Manuella Pinto Kaster, que iniciou o estudo.

A cafeína atua sobre os receptores A2A, que controlam a comunicação entre os neurônios. Agora os pesquisadores pretendem fazer testes em pacientes para verificar como será a resposta.

– Em seres humanos a cafeína pode ter efeitos diferentes, porque geneticamente as pessoas podem apresentar metabolização distinta da substância – diz Manuella.

A pesquisadora ressalta ainda que os efeitos só são sentidos com o consumo contínuo da cafeína e sem exageros, no máximo três xícaras de expresso por dia.

Outros efeitos benéficos do cafezinho já foram comprovados. Manuella cita que a cafeína impede o prejuízo na memória principalmente da doença de Alzheimer, alivia sintomas motores da doença de Parkinson e evita o declínio cognitivo do envelhecimento.

Texto: Karine Wenzel

Publicado no Diário Catarinense

Tags: Manuella Pinto KasterUFSCufsc na mídiaUniversidade Federal de Santa Catarina

UFSC na mídia: catarinenses recebem prêmio que incentiva mulheres na ciência

23/10/2014 10:20

Duas pesquisadoras catarinenses receberam nesta quarta-feira, em evento no Rio de Janeiro, o prêmio “Para Mulheres na Ciência”, uma parceria da L’Oréal com a Unesco no Brasil e a Academia Brasileira de Ciências (ABC). Em sua nona edição, o programa reconheceu o projeto de sete pesquisadoras, concedendo uma bolsa-auxílio no valor de US$ 20 mil para cada.

As pesquisadoras Manuella Pinto Kaster e Patricia de Souza Brocardo, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), foram comtempladas e ressaltaram a importância da premiação. Para Patricia, o prêmio vem coroar o trabalho de pesquisa:
(mais…)

Tags: Manuella Pinto KasterPatricia de Souza BrocardoUFSCufsc na mídia

UFSC na Mídia: prêmio para ciência contempla pesquisas catarinenses

21/08/2014 12:30

As pesquisadoras Manuella Pinto Kaster e Patricia de Souza Brocardo, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), ficaram entre as sete vencedoras da etapa brasileira do concurso da 9ª edição do Prêmio For Women in Science (Para Mulheres na Ciência). O prêmio oferece bolas de US$ 20 mil a projetos desenvolvidos por mulheres e é promovido pela L’Oréal, Unesco e Academia Brasileira de Ciências (ABC).

O projeto de Kaster examina como a avaliação de parâmetros bioquímicos pode facilitar o diagnóstico de transtornos psiquiátricos, que hoje são realizados com base apenas na observação de sintomas. Inicialmente, a pesquisa é feita em cerca de 200 pacientes com depressão atendidos no Ambulatório de Psiquiatria do Hospital Universitário da UFSC. O prazo previsto de conclusão é de dois anos. Kaster faz parte do Departamento de Bioquímica.

Brocardo é do Departamento de Ciências Morfológicas. Ela estuda a capacidade de reação e adaptação do cérebro diante de desafios. A pesquisa baseia-se na descoberta da neurogênese, processo de nascimento de novos neurônios em adultos. A atividade física é uma das intervenções utilizadas para estimular a neurogênese no hipocampo, região do cérebro relacionada a memória, emoções, comportamentos sociais e navegação espacial.

Duas pesquisadoras catarinenses ganharam destaque nacional na 9a edição do Prêmio For Women in Science (Para Mulheres na Ciência). Manuella Pinto Kaster e Patricia de Souza Brocardo, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), ficaram entre as sete vencedoras da etapa brasileira do concurso.

Promovido pela L’Oréal, Unesco e Academia Brasileira de Ciências (ABC), o prêmio dá bolsa de US$ 20 mil para projetos desenvolvidos por mulheres.

— O prêmio é importante tanto financeiramente, porque são projetos muito caros, e para dar visibilidade e reconhecimento para a pesquisa — diz Manuella, 31 anos, que nasceu em Florianópolis.

A pesquisadora é formada em Biologia pela UFSC e depois se dedicou a estudar neurociências. O curso de pós-doutorado na área foi concluído no Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos. Atualmente, ela é professora do departamento de Bioquímica da UFSC e pretende iniciar a pesquisa para aprimorar o diagnóstico de depressão.

— Hoje a doença não é identificada com base biológica, genética ou neuroquímica. E isso faz com que a depressão seja muito mal diagnosticada, não por culpa dos profissionais, mas dos instrumentos — afirma a pesquisadora.

A professora do departamento de Ciências Morfológicas da UFSC Patricia de Souza Brocardo, 38 anos, é formada em fisioterapia e chegou a ter uma clínica na área. Mas acabou levando a carreira em outra direção:

— A academia acabou me conquistando quando fiz o mestrado em neurociências — diz Patricia, que nasceu em Curitibanos.

As pesquisas não pararam até um pós-doutorado no Canadá. Neste período, pesquisou os impactos do álcool durante a gestação nos neurônios em desenvolvimento, tema que deve ser aprofundado nesta nova pesquisa, que deve analisar os benefícios da atividade física diante dos impactos.

Desde 2006, o Prêmio For Women in Science distribuiu mais de US$ 1 milhão em bolsas-auxílio e sete representantes catarinenses foram premiadas. Simone Nogueira, diretora de comunicação corporativa da L’Oréal Brasil, reforça que o concurso é fundamental para promover o desenvolvimento de jovens cientistas que, em alguns casos, acabam desistindo por falta de incentivo.

Conheça o trabalho das catarineneses
Manuella Pinto Kaster
Pesquisa: A avaliação de parâmetros bioquímicos pode facilitar o diagnóstico de uma série de doenças. Nos transtornos psiquiátricos, como a depressão, o diagnóstico é feito apenas com base na observação dos sintomas relatados pelos pacientes e muito pouco se sabe sobre as causas biológicas da doença. A pesquisa irá verificar, por exemplo, níveis de alguns hormônios ligados ao estresse e outros alterações bioquímicas periféricas em pacientes com depressão, o que poderá auxiliar no diagnósticos e tratamento da doença. Pesquisa deve levar dois anos para ser concluída e deve ser realizada inicialmente em cerca de 200 pacientes com depressão atendidos no Ambulatório de Psiquiatria do Hospital Universitário da UFSC.

Patricia de Souza Brocardo
Pesquisa:  Tema central da pesquisa é a neuroplasticidade. Ou seja como o cérebro reage e se adapta perante desafios. O objetivo geral do projeto é estudar os efeitos benéficos da atividade física em neurônios expostos durante a gestação aos efeitos nocivos do etanol em roedores. O consumo de álcool durante a gestação causa danos no desenvolvimento da criança e pode ocasionar alterações anatômicas, anormalidades cognitivas e comportamentais. Desde a descoberta de que novos neurônios nascem (neurogênese) em cérebros de adultos cada vez mais cientistas buscam intervenções que possam estimular o nascimento destas novas células. A atividade física é uma das intervenções que tem sido usadas com sucesso para estimular a neurogênese hipocampal

Tags: Departamento de BioquímicaDepartamento de Ciências MorfológicasHospital UniversitárioManuella Pinto KasterPatricia de Souza BrocardoUFSCufsc na mídia