Serviços da UFSC paralisados nesta sexta-feira, 14 de junho

13/06/2019 16:49

Em virtude da greve geral contra a Reforma da Previdência, prevista para esta sexta-feira, 14 de junho, confira os setores da UFSC que terão o atendimento total ou parcialmente paralisado.

Restaurante Universitário

O RU, campus Florianópolis, bairro Trindade, não abrirá nos dias 14, 15 e 16 de junho, devido a realização de reparos na rede hidráulica. A alimentação será servida no Restaurante Universitário do CCA, bairro Itacorubi.

Biblioteca Universitária

A BU irá divulgar em sua página, nesta sexta-feira, informe oficial sobre o seu atendimento ao público, conforme a adesão dos servidores e terceirizados. A mesma regra será aplicada às bibliotecas do sistema.

Ouvidoria

A Ouvidoria da UFSC não prestará atendimento externo neste dia.

Núcleo de Desenvolvimento Infantil

O NDI, que atende às crianças na faixa etária de 0 a 5 anos e 11 meses, não prestará atendimento nesta sexta-feira.

Colégio de Aplicação

O CA, que abrange os ensinos fundamental e médio, estará aberto à comunidade. Nos casos pontuais já entrou em contato com as famílias para avisar dos serviços que não serão prestados nesta sexta-feira.

Tags: BUCAgreve geralndiRUUFSC

Laboratório de Sociologia do Trabalho promove evento em homenagem à greve geral de 1917

14/06/2017 18:18

O Laboratório de Sociologia do Trabalho (Lastro/UFSC) promove a mesa-redonda “Cem anos da greve geral de 1917: anarquismo e lutas proletárias no Brasil”, em memória e homenagem ao centenário da greve geral de 1917. O objetivo do evento é discutir o contexto e importância dessa greve para o movimento proletário, assim como a participação dos anarquistas no seio do movimento. Será apresentado um resgate histórico, seguido de debate sobre a atualidade do papel das greves e do anarquismo para as lutas proletárias.

A atividade ocorre na quinta-feira, 22 de junho, às 19h, no auditório do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH). Os palestrantes convidados serão Christina Lopreato (UFU) e Selmo do Nascimento (Colégio Pedro II).

Mais informações na página do evento no Facebook.
Tags: Brasilgreve geralLaboratório de Sociologia do TrabalhoLASTROmesa-redondaUFSC

Aula inaugural da Associação de Pós-Graduação debate cenário político nacional

26/04/2017 18:00
Foto:  Henrique Almeida/Agecom/UFSC.

Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC.

“Estamos em um ano dramático… Mas antes de eu começar minha fala, obviamente, fora Temer!”. Assim a historiadora e professora da Universidade Federal Fluminense (UFF), Virgínia Fontes, iniciou a aula inaugural da Associação de Pós-graduação da Universidade Federal de Santa Catarina (APG/UFSC). O evento, que ocorreu na segunda-feira, 24 de abril, no auditório da reitoria, se insere em um contexto de mobilizações na universidade e no Brasil. Na sexta-feira, 28 de abril, está prevista uma greve geral contra propostas que tramitam na Câmara dos Deputados, como as reformas da previdência e trabalhista.

A professora declarou seu apoio e adesão à paralisação: “Pelo volume de catástrofes que vêm sendo propostas, isso é um desgoverno. Estamos sendo atacados em todas as dimensões. Em termos mais amplos, todas as conquistas das classes trabalhadoras do país estão sendo aniquiladas. Também estamos sendo atacados no ambiente da pesquisa e da pós-graduação, com o estrangulamento de recursos. Além das reformas educativas na escolas: ‘Escola sem partido’ é na verdade ‘Escola do meu partido’.”

Para Virgínia, este é um momento de luta. Mas essa luta imediata, mesmo sendo “tão grande, tão intensa e tão forte”, não pode apagar o horizonte mais amplo para onde a luta se dirige. “A luta imediata nos captura para uma prática que tem sido tristemente corriqueira nos últimos tempos. Ficamos focados na urgência e não conseguimos mais enxergar para onde caminhamos”, afirmou. Segundo ela, assistimos ao esgotamento do capitalismo do ponto de vista da humanidade: “O capitalismo está vivo, está ativo, segue em expansão. Mas a massa da população pode impedi-lo de se expandir se recusando a cumprir o papel que o capital exige. O limite para o sistema capitalista é quando os trabalhadores dizem ‘chega’. E é possível dizer isso de infinitas maneiras”.

Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC.

Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC.

A exploração do agronegócio e dos recursos naturais, representando a devastação humana como um todo, também foi abordada pela pesquisadora. “Essa não é uma questão apenas da terra. É uma questão da terra, das árvores, dos animais, dos alimentos. É importante combatermos o desperdício de plástico, o uso de garrafa plásticas, por exemplo. Mas mais importante ainda é enfrentarmos, publicamente, quem engarrafa a água que é pública, que deveria ser pública”, alertou.

Em diversos momentos, Virgínia enfatizou a importância de se ir além das reivindicações urgentes: “Toda luta que não se dá conta de que o que está enfrentando é maior do que a luta imediata, está fadada a perder, a se desmobilizar. Por isso nossa luta deve sempre ir além, deve garantir mais do que direitos universais. Devemos lutar por uma vida capaz de ser chamada vida”. A professora acrescentou que, durante o governo do Partido dos Trabalhadores (PT), houve conquistas, mas também muitas derrotas. “Uma delas foi o desaprendizado da luta, a deseducação de um enfrentamento que garanta o mínimo. Precisamos exigir o que consideramos necessário para uma vida digna”.

Iniciativa privada

Outro tema abordado durante a palestra foi o crescimento da iniciativa privada e sua inserção em setores públicos do país. “No Brasil, a partir da década de 1990, principalmente, e até hoje, cresceu enormemente o número das Fundações Privadas e Associações sem Fins Lucrativos (FASFIL). Temos hoje uma quantidade enorme dessa entidades, que são empresariais, pilotando educação, saúde, gestão municipal, gestão estadual, gestão da educação. Essas organizações se nutrem de contratos públicos, de vendas de programas educativos etc. Temos hoje mais de 300 mil FASFIL, que empregam mais de 500 mil pessoas”, informou.

Um dos exemplos de FASFIL citados pela professora foi o “Movimento todos pela educação” que, segundo ela, iniciou experiências de “adoção” de escolas, onde impõem medidas e reformulam toda a legislação da instituição. “Hoje, a ocupação de cargos públicos para consultores, conselheiros, peritos, etc exige a intermediação do ‘Movimento todos pela educação’. Essa apropriação do que é público, por empresas privadas, já está em curso no país há pelo menos 20 anos. Mas o desgoverno Temer acelerou isso de maneira impressionante”, afirmou.

Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC.

Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC.

Socialização do conhecimento

Virgínia também criticou a configuração atual da produção científica no país, com distribuição desigual de recursos e o favorecimento de determinadas áreas. “Não temos uma tradição de pesquisa no ensino fundamental, no ensino médio, no ensino superior e nem mesmo na pós-graduação. Por que isso? Por que essa elitização da educação, na qual só é pesquisador quem estiver em determinado núcleo?”.

O principal objetivo da pós-graduação, para a professora, deve ser a socialização da pesquisa e do conhecimento. “A pós-graduação não deve estar baseada em uma competição meritocrática alucinada. Isso tem pouco a ver com socialização. Se só uma parte da humanidade pode ter acesso ao melhor da humanidade, nós estamos em uma situação dramática”, afirmou. Virgínia explicou que a iniciativa privada, na universidade, introduz as formas do mercado dentro da pesquisa. A construção de pólos de excelência incentiva uma educação mercantil: “Isso acaba com a figura nacional do pesquisador. ‘Ganha mais quem é melhor’. A universidade pública jamais deve ser privatizada para garantir compensações salariais.”

Outra consequência do investimento de recursos privados no ensino público é a redução da reflexão crítica. “Esses pesquisadores se tornam totalmente a favor do mercado. A luta pela socialização da pesquisa, por um conhecimento pleno e humano, é uma luta pela humanidade. A pós-graduação forma, em princípio, gente comprometida com a pesquisa e com a docência. Infelizmente, hoje, não é isso o que acontece. Nossa pós conduz à hipercompetição, à fragmentação interna, à pesquisa utilitária e oportunista. A pesquisa utilitária se recusa a pensar o mundo”, afirmou.

No cenário internacional, segundo Virgínia, ocorre uma “privatização discreta” da produção do conhecimento: “Há um crescimento volumoso de entidades empresariais, aparentemente sem fins lucrativos, destinadas ao desenvolvimento científico de áreas específicas. Nos EUA, isso já é uma realidade impactante. Temos que combater a universidade pública financiada por empresas. Não se trata de apagar as opções teóricas, mas de permitir que elas se expressem coerentemente e não simplesmente pela força do dinheiro. O compromisso da ciência não pode ser com o empresariado, com a expansão do lucro. Precisamos defender essa ciência que, apesar de todas dificuldades, ainda é pública, e deve permanecer pública.”

Virgínia Fontes esteve em Florianópolis por dois dias e participou de outras atividades na universidade. No mesmo dia, ela ministrou uma segunda aula magna, do Instituto de Estudos Latino-Americanos (Iela/UFSC), com o tema “A crise brasileira e a luta de classes”. A cobertura desse evento pode ser conferida aqui.

Daniela Caniçali/Jornalista da Agecom/UFSC

Tags: APGAssociação de Pós-Graduaçãoaula inauguralgreve geralparalisaçãopós-graduaçãoUFFUFSCVirgínia Fontes

Greve Geral nesta sexta-feira, dia 28, tem adesão de sindicatos e setores da UFSC

26/04/2017 17:50

Centrais Sindicais de todo o país convocaram uma Greve Geral nesta sexta-feira, dia 28 de abril. O movimento é contrário à lei da terceirização, já sancionada, e às reformas trabalhistas e previdenciárias, que devem ser votadas nesta semana no Congresso Nacional.

Os sindicatos ligados à UFSC já se manifestaram. Os técnicos-administrativos em Educação, filiados ao Sindicato dos Trabalhadores da UFSC (Sintufsc) e os docentes filiados à Seção Sindical na UFSC do Andes-SN aprovaram a adesão em votações. O Sintufsc irá participar de diversas mobilizações, a começar pela atividade unificada prevista para o dia 27, promovida pelo Fórum Catarinense em Defesa dos Direitos, às 17h, na Praça do Sintraturb (ao lado do Terminal de Integração do Centro – Ticen). No local será montada estrutura de barracões para uma vigília. O Andes/UFSC realizará uma Assembleia Universitária na quinta-feira, dia 27, às 18h30, no Hall da Reitoria, para traçar estratégias de mobilização para docentes, técnicos e estudantes.

O Sindicato dos Professores das Universidades Federais de Santa Catarina (Apufsc-Sindical) realizou uma enquete com seus filiados para saber a opinião dos docentes sobre a paralisação. Responderam à pesquisa 495 filiados, dos quais 291 são professores da ativa e 204 são aposentados. Entre os docentes da ativa, 183 responderam que são favoráveis à paralisação, 99 contra e nove se abstiveram. Entre os aposentados, 49% afirmaram que são favoráveis ao movimento, 40,7% são contra e 10,5% se abstiveram. Depois de analisarem o resultado, os conselheiros da Apufsc decidiram convocar uma Assembleia Geral Extraordinária para o dia 28 de abril, às 9h, que decidirá sobre o posicionamento da Apufsc frente às Reformas da Previdência e trabalhista.

Outras centrais sindicais  de âmbito nacional e estadual, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Central Sindical e Popular (CSP), o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros (Setpesc), a Força Sindical, a Intersindical, a Nova Central Sindical de Trabalhadores e a União Geral dos Trabalhadores (UGT) também manifestaram adesão. Os servidores da Prefeitura Municipal de Florianópolis e da Comcap irão paralisar. O Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Urbano de Florianópolis (Sintraturb) agendou uma assembleia para deliberar a paralisação para a noite de quinta-feira, dia 27. A previsão em Florianópolis é que haja uma oferta menor do transporte público, que a coleta de lixo seja suspensa, que algumas escolas e creches não tenham aulas e que as UPAs estejam fechadas.

Conforme calendário de mobilizações divulgado nas redes sociais pelos grupos organizadores, uma agenda de atividades está sendo construída. Estão sendo planejadas atividades no centro de Florianópolis a partir das 9h de sexta-feira. Uma marcha da UFSC ao centro da cidade tem saída prevista para o meio-dia, do Varandão do Centro de Comunicação e Expressão (CCE). Um grande ato está sendo programado para as 16h, na Praça Tancredo Neves.

Administração Central

A Administração Central da UFSC não encaminhou um comunicado formal, mas, esclareceu que, conforme posicionamento demostrado em ocasiões similares, as atividades que forem mantidas devem levar em conta a observação de alternativas que não causem prejuízo aos estudantes, especialmente no que diz respeito a provas e avaliações e entrega de trabalhos.

Hospital Universitário (HU)

A superintendente do HU, Maria de Lourdes Rovaris, informou à Agecom, por e-mail, que, devido à paralisação prevista, pode ocorrer comprometimento na área assistencial. A Administração do HU reconhece que poderá haver comprometimento no atendimento dos serviços agendados – tão breve seja restabelecida a situação, estes serviços serão reagendados pelo hospital.

Restaurante Universitário (RU)

A direção do Restaurante Universitário da Trindade comunica que, em razão da informação recebida acerca da adesão de parcela de seus trabalhadores à greve, não será possível o preparo e fornecimento de refeições pela unidade. Para os estudantes isentos, o atendimento será garantido pelo RU do CCA, já acionado e mobilizado para absorção da demanda.

Núcleo de Desenvolvimento Infantil (NDI)

A diretora do NDI, Eloisa Fortkamp, comunicou à Agecom por e-mail que os professores e servidores técnico-administrativos do Núcleo irão aderir à Greve Geral.

Colégio de Aplicação (CA)

A direção do CA publicou um comunicado no site da escola, direcionado aos pais e responsáveis, informando que um número expressivo de servidores docentes dos anos Iniciais, Finais e Ensino Médio e servidores técnico-administrativos dos diversos setores da escola irão aderir à Greve Geral. Dessa forma, alerta que o atendimento aos estudantes da escola ficará fortemente prejudicado neste dia.

Núcleo de Estudos da Terceira Idade (NETI)

As atividades foram suspensas na sexta-feira.

Centro Tecnológico (CTC)

A direção do Centro informou, por e-mail, que, por se tratar de um movimento de adesão, seja por categorias ou individualmente, uma avaliação consistente da situação torna-se difícil e a margem de erro é significativa. Em vista disso, continuará monitorando a situação e, por precaução, enviará Memorando Circular aos docentes solicitando que não sejam feitas avaliações na sexta-feira e que os professores avaliem a evolução do movimento para decidir o que fazer nos diferentes períodos que ministram aulas. Os técnicos-administrativos em Educação da secretaria administrativa aderiram à greve.

Centro de Ciências Agrárias (CCA)

Haverá atividades de paralisação (professores, alunos e servidores) no hall do CCA, a partir das 7h30 . O RU-CCA irá atender os isentos do RU Trindade. Desta forma, a direção recomenda que a comunidade se organize em relação aos horários para evitar filas. A direção também pede compreensão a todos para dar direito de ir e vir a toda comunidade do CCA que necessite manter atividades essenciais e que foram marcadas com antecedência (bancas de mestrado, doutorado, concursos e outros). Para as aulas que ocorrerem, a ausência de transporte público também é condicionante para que a frequência dos alunos nas disciplinas desenvolvidas nas sextas-feiras não seja prejudicada. Como a paralisação ocorre na sexta, a direção lembra que será a terceira semana consecutiva sem conteúdo e recomendamos os meios cabíveis para não prejudicar a formação dos acadêmicos.

Centro de Comunicação e Expressão (CCE)

A direção do CCE manifestou-se em um comunicado, publicado nesta quinta-feira, dia 27, afirmando que, na medida do possível, manterá a Unidade em funcionamento para atendimento de atividades previamente agendadas como, por exemplo: bancas de defesas, eventos e atividades relacionadas ao cumprimento de editais em andamento. As demais atividades, sob a responsabilidade de outros setores do CCE, seguirão o deliberado em suas respectivas instâncias, ouvidas as partes interessadas. Esclarece que, considerando o indicativo de paralisação do transporte coletivo, é recomendado que não sejam realizadas avaliações e não haja registro de ausência. “Temos consciência da importância de manifestações dessa natureza quando clamam pela ética, justiça social e respeito aos direitos da nação brasileira. Acreditamos na voz dos brasileiros e a ela nos irmanamos na busca de uma sociedade mais consciente de seu papel como agente na construção de um país mais ético, melhor representado politicamente e com uma educação sólida e responsável, bases indispensáveis na edificação de um futuro digno”, declara.

O Conselho de Unidade do CCE publicou nota após reunião na quarta-feira, dia 26, apoiando a Greve Geral. O Colegiado do Departamento de Jornalismo emitiu um comunicado e o curso de Jornalismo emitiu uma nota, assinada por estudantes e docentes, ambos em apoio à greve geral.

Centro de Ciências da Educação (CED)

As aulas e atividades não foram suspensas. A direção alerta, porém, que “será difícil mantê-las em sua plenitude”.

 

** Esta notícia será atualizada à medida que mais informações forem divulgadas pelos setores da Universidade **


Equipe Agecom/UFSC

Tags: AndesApufsc-Sindicalgreve geralparalisaçãoSintufscUFSCUniversidade Federal de Santa Catarina