Pesquisa da UFSC sobre fibromialgia é capa de revista científica internacional

20/07/2021 18:54

Uma pesquisa desenvolvida no Laboratório de Autoimunidade e Imunofarmacologia, do Departamento de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Santa Catarina – campus Araranguá (LAIF/UFSC) foi escolhida para estampar a capa da revista internacional Neural Regeneration Research (NRR). O artigo, intitulado “Efeito da ativação dos receptores dopaminérgicos no modelo experimental de fibromialgia”, é de autoria de Carlos Pereira Martins, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Neurociências (PPG NEURO/UFSC), cuja dissertação de mestrado foi defendida em dezembro de 2020 sob orientação do professor Rafael Cypriano Dutra.
(mais…)

Tags: Araranguáartigo científicoFibromialgiaNeural Regeneration ResearchneurociênciasNRRPPG NeuroPrograma de Pós-Graduação em NeurociênciasUFSC

Equipe especializada do HU-UFSC atende pacientes com Lúpus e Fibromialgia

25/02/2021 09:58

 

Ambas doenças têm como característica comum alguns sintomas e o fato de atingirem principalmente mulheres jovens e são tratadas por um médico especialista em Reumatologia. As duas enfermidades são tratadas no Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago (HU-UFSC/Ebserh) por equipes de especialistas que, considerando as características do indivíduo e de cada patologia, prestam atendimento a pacientes de todo o Estado e apresentam formas de melhorar a qualidade de vida dessas pessoas.

Para falar sobre o assunto a médica reumatologia Andressa Miozzo Soares, do HU-UFSC/Ebserh esclareceu alguns pontos como a forma de diagnóstico e orienta pacientes e familiares a prestarem atenção a sintomas para iniciar rapidamente o tratamento.

O mês de fevereiro (Fevereiro Roxo) é dedicado a doenças que não têm cura mas têm tratamento. O que há de comum no caso de Lúpus e Fribromialgia?

São duas doenças bastante distintas, desde sua origem até o tratamento. Em comum elas apresentam o fato de atingirem principalmente mulheres jovens e alguns poucos sintomas como fadiga e dores pelo corpo.

Qual é a especialidade médica para tratar destas doenças?

Ambas as doenças são diagnosticadas e tratadas pela Reumatologia.

Qual o trabalho/atendimento oferecido no HU para pacientes com Lúpus e Fibromialgia? Existe algum atendimento especializado nesta área?

No HU contamos hoje com 6 reumatologistas aptos ao atendimento de ambas as patologias. Temos ambulatórios coordenados por estes médicos que prestam atendimento especializado a todo o estado. Por sermos um hospital terciário e concentrarmos casos graves, diversos pacientes com Lúpus são referenciados e acompanhados em nosso serviço.

O que caracteriza o Lúpus?

O Lúpus Eritematoso Sistêmico é uma doença autoimune. Isso quer dizer que temos um ataque do próprio organismo do paciente direcionado a si mesmo. Os sintomas são muito amplos pois este ataque pode dirigir-se a praticamente qualquer órgão. O mais comum são os sintomas cutâneos, que se caracterizam por lesões de pele geralmente em áreas expostas ao sol, e também os sintomas articulares que consistem em dores, principalmente no período da manhã, acompanhadas de rigidez nas articulações e que costumam melhorar com a movimentação. Além da pele e das articulações o Lúpus pode acometer órgãos como os rins, fígado, cérebro, pulmão, entre outros, gerando sintomatologias específicas destas áreas. Os quadros podem ser muito leves, mas podem também mostrar importante gravidade levando a sequelas muitas vezes irreversíveis.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico deve ser feito após uma história clínica e exame físico minucioso e confirmado com exames específicos que serão direcionados conforme a queixa do paciente. Exames simples de sangue e urina podem gerar pistas do diagnóstico. O exame FAN também deverá ser solicitado na suspeita e auxilia no diagnóstico, nunca sendo a única ferramenta para tal (existem pacientes com FAN positivo que não possuem Lúpus). Caso o FAN seja positivo, outros exames específicos serão solicitados para o diagnóstico.

Que tipo de atividade/tratamento um paciente de Lúpus pode receber para melhorar a sua qualidade de vida?

O tratamento do Lúpus é bastante individual pois se baseia na manifestação da doença naquele indivíduo. Atualmente temos diversos imunomoduladores, imunossupressores e imunobiológicos que podem ser utilizados, a depender da forma com que a doença se apresenta. Cada paciente deve ter seu tratamento individualizado e acompanhado de forma regular. Além da parte medicamentosa, pacientes com Lúpus devem evitar a exposição ao sol (que acaba servindo de gatilho para algumas manifestações), além de evitar hábitos como o consumo de álcool ou cigarro. Devem ainda praticar atividade física regularmente (conforme orientação específica do seu médico) e possuírem bons hábitos alimentares.

O que caracteriza a Fibromialgia e como é feito o diagnóstico?

A fibromialgia é uma doença caracterizada principalmente por um quadro de dores difusas pelo corpo, fadiga importante, sono não reparador e muitas vezes acompanhada de sintomas depressivos ou de ansiedade. Outros sintomas como sensibilidade na pele, alterações de memória, alterações intestinais, dores de cabeça e sensação e tonturas também podem ocorrer. A causa desta doença ainda não é bem definida, mas sabemos que alguns fatores como traumas físicos ou emocionais, dores crônicas em algum sítio específico podem funcionar como desencadeantes. Vale lembrar que apesar de não se ter causa específica confirmada a dor dos pacientes é real e já comprovada. O que se entende atualmente é que o cérebro destes pacientes interpreta a dor de uma forma diferente (mais intensa) do que as demais pessoas. O diagnóstico deve ser feito por um médico com experiência na doença, a partir da história contada pelo paciente e do exame físico realizado. Não há exame de sangue ou de imagem específico para a Fibromialgia. Muitas vezes o médico solicita alguns exames para descartar outras doenças.

E no caso da Fibromialgia? Há algum tratamento que possa ajudar a melhorar a qualidade de vida do paciente?

O tratamento da Fibromialgia, apesar de não visar a cura melhora de forma importante os sintomas dos pacientes, permitindo muitas vezes uma vida sem dor. O tratamento é amplo e exige diversas abordagens. A atividade física mostra-se até hoje o tratamento mais eficaz, sendo extremamente necessária, devendo, porém, ser avaliada de forma individualizada pelo médico para o seu paciente específico, levando em consideração inclusive as preferências pessoais do paciente para que o mesmo a faça de forma regular. Além disso, uma boa alimentação, medidas de higiene do sono e acompanhamento com terapia auxiliam no tratamento. Medidas farmacológicas também podem auxiliar, muitas vezes sendo necessário o uso de medicamentos antidepressivos, ansiolíticos e anticonvulsivantes. Estas medicações acabam por atuar em neurotransmissores que regulam a dor e por este motivo auxiliam os pacientes com Fibromialgia a obterem uma melhor qualidade de vida.

Que conselho daria para uma família que identifica alguns destes sinais em seus parentes?

Sempre que identificado qualquer sintoma que gere suspeita de uma dessas doenças um médico de confiança, preferencialmente um reumatologista, deve ser procurado para iniciar a investigação. Apenas com um diagnóstico feito de forma correta o tratamento poderá ser iniciado e, então, reestabelecida a qualidade de vida do paciente.

 

Unidade de Comunicação Social HU-UFSC

Tags: Fevereiro RoxoFibromialgiaHUlupusUFSCUniversidade Federal de Santa Catarina

Campanha desenvolvida no HU-UFSC evidencia prevenção e conscientização sobre doenças crônicas

18/02/2021 09:33

O mês de fevereiro é conhecido entre os profissionais de saúde como o Fevereiro Roxo, dedicado à prevenção e conscientização sobre doenças como Lupus, Fibromialgia e Alzheimer, que são condições diferentes, mas que têm um ponto em comum: são incuráveis. Por isso, o Fevereiro Roxo foi criado com o lema “se não houver cura, que ao menos haja conforto”, aludindo à importância de proporcionar bem-estar aos portadores de doenças crônicas.

Não existe um calendário oficial de conscientização. O trabalho geralmente é feito por ONGs e, muitas vezes, apoiado por prefeituras e governos estaduais, além de hospitais públicos e instituições privadas de saúde que promovem palestras, ações de informação sobre as doenças e até mutirões de saúde. O objetivo é dar visibilidade a estas doenças e incentivar a procura por um diagnóstico.

Lúpus

De acordo com o médico Ivanio Pereira, chefe do Serviço de Reumatologia Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago (HU-UFSC/Ebserh), o Lúpus Eritematoso Sistêmico é uma doença autoimune, ou seja, ocorre quando o próprio sistema imunológico do paciente atinge os órgãos e tecidos do corpo (como se eles fossem invasores externos). Os locais mais acometidos são a pele, articulações e rins, entre outros.

“Apesar de não haver cura, muitos avanços científicos em pesquisa clínica ocorreram nos últimos anos, o que permitiu o encontro de novos tratamentos mais efetivos a estes pacientes. Outra informação relevante é que o diagnóstico desta doença tem sido mais fácil e precoce, com os novos exames laboratoriais agora disponíveis”, explicou.

Segundo ele, o comprometimento da pele, como no Lúpus cutâneo crônico ou discoide, é uma forma geralmente mais branda da doença, que não afeta outros órgãos e assim não é chamado de lúpus eritematoso sistêmico.

Fibromialgia

Sobre a Fibromialgia, Ivanio Pereira explicou que é uma síndrome dolorosa crônica que decorre de uma percepção anormal do sistema nervoso central aos estímulos dolorosos periféricos. Esta é uma condição que além da dor difusa e crônica se associa a fadiga e distúrbio do sono, como insônia ou sono não reparador.

Outros achados frequentes nestes pacientes são cefaleia crônica, depressão, síndrome do intestino irritado e dor pélvica crônica. Estudos novos sobre a fisiopatologia desta síndrome permitiram o reconhecimento de alterações em neurotransmissores que regulam dor crônica. Estes estudos também possibilitaram a utilização de novos tratamentos com medicações mais efetivas.

Em relação a fibromialgia, é importante tentar restaurar um bom sono e estimular atividade física regular, o que pode ajudar a restaurar o desequilíbrio dos neurotransmissores nesta condição. A maioria dos portadores é composta por mulheres entre 30 e 60 anos de idade, mas a síndrome pode surgir mais cedo, inclusive na infância e na adolescência. Sabe-se que há fatores genéticos envolvidos, ou seja, quem tem um familiar com Fibromialgia é mais propenso a apresentar a doença.

Alzheimer

O Alzheimer, causa mais comum de demência no mundo, se caracteriza clinicamente por declínio lentamente progressivo de habilidades cognitivas, principalmente da memória, prejudicando a capacidade do indivíduo realizar suas atividades cotidianas (esse prejuízo da capacidade de realizar atividades cotidianas causado por declínio cognitivo é o que chamamos de demência).

“Geralmente se inicia por problemas de memória (como esquecimento, dificuldade em gravar informações, repetir muitas vezes as mesmas coisas), mas com o tempo é comum surgirem outras dificuldades: problemas comportamentais, depressão, alterações da compreensão, dificuldade para reconhecer familiares”, explica o professor voluntário e neurologista do HU-UFSC, Eduardo de Novaes Costa Bergamaschi.

Unidade de Comunicação Social / Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago (HU-UFSC)
Tags: alzheimerEmpresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh)FibromialgiaHospital UniversitárioHUlupusUFSCUniversidade Federal de Santa Catarina