Ações Afirmativas e Permanência Estudantil são temas de Fórum na UFSC

12/11/2018 18:13

Na manhã desta segunda-feira, 12 de novembro, foi realizada a abertura do “I Fórum de Ações Afirmativas e Permanência Estudantil da UFSC”. O evento, organizado pelo Comitê Institucional de Ações Afirmativas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), propõe-se a promover um espaço de debate sobre questões centrais de acesso e permanência dos estudantes da UFSC e construir propostas de consolidação de uma política institucional que agregue as ações afirmativas e a permanência, mais aproximada da realidade dos estudantes.

A mesa de abertura do evento contou com a participação do reitor Ubaldo Cesar Balthazar, dos pró-reitores, Pedro Luiz Manique Barreto (PRAE) e Alexandre Marino Costa (Prograd), da secretária, Francis Solange Vieira Tourinho (SAAD), da presidente do Comitê Institucional de Ações Afirmativas UFSC, Claudia Priscila Chupel, e da representante dos estudantes indígenas, Débora Priprá. “Estamos passando do momento de discutir essas políticas, precisamos institucionalizá-las. Temos que trabalhar na universidade com uma política que não dependa do governo”, ressaltou o reitor. Para Ubaldo, essas políticas não podem estar atreladas a um governo, elas devem ser ações de Estado.

Reitor, Ubaldo Cesar Balthazar, participou da mesa de abertura do Fórum. Foto: Jair Quint/Agecom/UFSC

O pró-reitor Pedro Luiz Manique Barreto (PRAE) também enalteceu a necessidade de institucionalização da assistência estudantil, que atualmente é regulada por decreto e precisa de uma regulação mais sólida. Barreto destacou os quatro objetivos do Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES) (I – democratizar as condições de permanência dos jovens na educação superior pública federal; II – minimizar os efeitos das desigualdades sociais e regionais na permanência e conclusão da educação superior; III – reduzir as taxas de retenção e evasão; IV – contribuir para a promoção da inclusão social pela educação;) e 10 ações para consolidá-los (I – moradia estudantil; II – alimentação; III – transporte; IV – atenção à saúde; V – inclusão digital; VI – cultura; VII – esporte; VIII – creche; IX – apoio pedagógico; X – acesso, participação e aprendizagem de estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades e superdotação;).

Fórum marca os 10 anos de ações afirmativas na UFSC

Alexandre Marino destacou os 10 anos de ações afirmativas na UFSC e a necessidade de espaços de debate para aprimorar os resultados das políticas implementadas pela universidade ao longo dos anos. “Precisamos demonstrar o que temos de bom, o que temos de referência, são 10 anos, o que podemos identificar nesses 10 anos”, disse. Para o pró-reitor as conquistas e os impactos sociais das ações desenvolvidas devem ser evidenciadas e socializadas.  A secretária Francis Solange Vieira Tourinho (SAAD) descreveu o trabalho fundamental desenvolvido pelo Comitê Institucional de Ações Afirmativas da UFSC e do controle social desempenhado por representantes externos. “O comitê é formado por pessoas que pensam ações afirmativas na universidade”, explicou.

Diretor administrativo da SAAD, Marcelo Henrique Romano Tragtenberg ministrou a palestra “10 anos de ações afirmativas na UFSC”. Foto: Jair Quint/Agecom/UFSC

A representante dos estudantes indígenas Débora Priprá falou sobre a importância do evento para manifestação dos estudantes relacionada a questões que os afetam diretamente. “Vamos juntos construir uma universidade que seja realmente diversa e para todos”, exclamou. Conforme a presidente do Comitê Institucional de Ações Afirmativas UFSC, Claudia Priscila Chupel, o fórum é um momento de discussão ampla e de escuta dos interessados nas ações desenvolvidas no que diz respeito ao dia-dia da universidade. “Esse é um esforço institucional integrado e conjunto, o que é necessário quando pensamos em permanência. Permanência não é só assistência, permanência envolve muitas questões que perpassam a vida dos estudantes”, destacou.

Após a abertura do evento o diretor administrativo da SAAD, Marcelo Henrique Romano Tragtenberg, ministrou a palestra “10 anos de ações afirmativas na UFSC”. Por meio de uma abordagem cronológica, Tragtenberg ressaltou momentos importantes, dificuldades e conquistas das políticas atreladas a ações afirmativas na UFSC. A partir do relatório “Avaliação do período 2008 – 2012 e Proposta de revisão” apresentou resultados e métricas do Programa de Ações Afirmativas (PAA).

Grupos de Trabalho irão ocorrer no segundo dia do Fórum

O evento terá continuidade nesta terça-feira, 13, com atividades realizadas por três Grupos de Trabalho: Acesso ao Ensino Superior e Ações Afirmativas na UFSC; Permanência Estudantil – auxílios da UFSC; Questões didático-pedagógicas e contribuições para a permanência estudantil. Os GTs irão debater propostas e questões que servirão de apoio para os diferentes setores ligados ao tema na UFSC.

Informações relacionadas ao tema: link 

Ricardo Torres/Agecom/UFSC