Pesquisas desenvolvidas na UFSC conquistam o prêmio The Newton Advanced Fellowship

16/10/2018 13:09

As pesquisas científicas realizadas na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) pelos professores e pesquisadores Natalia Vale Asari e Jean Everson Martina, a primeira vinculada ao Departamento de Física e o segundo ao Departamento de Informática e Estatística, foram reconhecidas mundialmente por meio da conquista do prêmio The Newton Advanced Fellowship, da The Royal Society. A instituição é sediada em Londres e foi fundada em 1660, sendo uma das mais antigas e renomadas do mundo.

A iniciativa visa fomentar, entre os pesquisadores em início de carreira, a parceria com instituições de ensino internacionais como forma de desenvolver pontos fortes e capacidades de pesquisa por meio de treinamento, colaboração e visitas recíprocas com um parceiro no Reino Unido.

Natalia realiza pesquisa básica sobre Astrofísica, principalmente sobre a evolução das galáxias. Jean desenvolve pesquisa aplicada sobre Segurança da Informação, em especial relacionada à certificação digital. Para ambos, o prêmio reconhece e fortalece a carreira, como também permite a colaboração entre pesquisadores, aporte financeiro, relação com o Reino Unido e o prestígio acadêmico.

Natalia Vale Asari. Foto: Ítalo Padilha

“O prêmio permite que enviemos estudantes para colaboração e experiência no exterior, a troca de conhecimento entre a UFSC e a universidade de St Andrews, além de incentivar que o pesquisador em início de carreira desenvolva a sua característica de líder. Eu, por exemplo, participarei de treinamento de liderança por meio do Programa Aurora”, revela Natalia, complementando que a conquista do prêmio representa a oportunidade da sua pesquisa ser reconhecida internacionalmente.

“É importante ter o reconhecimento deste prêmio, pois ajuda a fortalecer um laço já existente com a Inglaterra, como também proporcionar que os estudantes e o Grupo de Pesquisa tenham experiência como as que eu tive”, diz Jean, acrescentando que para a UFSC a conquista é mais uma oportunidade de projeto bilateral. “O resultado reforça o prestígio nacional que a universidade possui sobre certificação digital, agora reconhecido em nível externo”.

A parceria de Natalia começa em novembro deste ano envolvendo a pesquisadora Vivienne Wild, da Universidade de St Andrews, na Escócia. Para Jean as visitas iniciaram este ano e serão feitas em 2019 e 2020, principalmente durante o Summer School, na Universidade de Essex – Campus Colchester, na Inglaterra.

As pesquisas

Natalia Vale Asari tem experiência na área de Astrofísica, com ênfase em Astrofísica Extragaláctica, atuando principalmente nas temáticas de evolução de galáxias, atenuação por poeira, espectroscopia-3D, síntese espectral e núcleos ativos de galáxias. Desenvolveu o código BOND (Bayesian Oxygen and Nitrogen abundance Determinations).

Segundo ela, a pesquisa em astrofísica de galáxias é definida como básica e estuda como as galáxias evoluem, como as estrelas se formam e os elementos químicos que enriquecem o espaço. “Investigamos como são as relações entre as diferentes coisas que têm na galáxia como, por exemplo, o gás que forma as estrelas, a poeira e como isso se relaciona e como as galáxias ao longo da vida dela”. Esse tipo de pesquisa dificilmente apresenta contribuições para o agora, mas atua de duas formas: primeiro ao responder sobre curiosidades humanas e, em seguindo, o desenvolvimento de tecnologias que podem ser aplicadas à população. “Hoje podemos tirar fotos do nosso celular por conta do desenvolvimento de instrumentos como o CCD, feito para tirar fotos astrofísicas”, explica Natalia.

Jean Everson Martina. Foto: Ítalo Padilha

Jean Everson Martina tem experiência na área de Ciência da Computação, com ênfase em Gerenciamento de Certificados Digitais, Protocolos Criptográficos, Sistemas Embarcados, Métodos Formais e Engenharia de Software voltada à Segurança da Informação, atuando, principalmente, sobre assinaturas digitais, sistemas operacionais embarcados, execução segura de código, proteção de chaves criptográficas, computação forense, formalização de protocolos, verificação formal, modelagem de cerimônias de segurança e projeto de software seguro.

A sua pesquisa é definida como aplicada porque tem viés prático, neste caso, voltada à segurança da informação. O objetivo da pesquisa é ter uma visão em torno do entendimento de como a fraude em certificação digital acontece. “Ao invés de nos preocuparmos em bloquear a fraude, queremos entender como ela acontece. O que fizemos foi pegar um conjunto de dados do processo de emissão da certificação digital e, em parceria com a Essex, desenvolver novos algoritmos para detectar comportamentos fora do padrão no ato do cadastro do cartão, no Brasil conhecido como e-CPF”, explica ele.

Prêmio Newton Advanced Fellowship

O prêmio fornece aos pesquisadores internacionais a oportunidade de desenvolver os pontos fortes e as capacidades de pesquisa de seu grupo de pesquisa por meio de treinamento, colaboração e visitas recíprocas com um parceiro no Reino Unido. As habilidades e conhecimentos adquiridos devem levar em conta a mudança no bem-estar das comunidades e ao aumento dos benefícios econômicos. O Newton Advanced Fellowship está, atualmente, disponível para líderes de grupos internacionais em início de carreira para desenvolver suas pesquisas, ligando-os a alguns dos melhores grupos de pesquisa do Reino Unido. O prêmio é financiado pelo Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial como parte do Newton Fund.

Trata-se de uma das associações ativas mais antigas do planeta, sendo que apoiaram pesquisas de Isaac Newton e Charles Darwin.

Nicole Trevisol / Jornalista da Agecom / UFSC

*Ítalo Padilha / Agecom / UFSC