Núcleo promove exposição ‘Herança Cultural Açoriana: arte e sustentabilidade’

31/05/2016 09:20

O Núcleo de Estudos Açorianos (NEA) apresenta, em exposição, a herança da cultura açoriana que os ilhéu deixaram a partir de sua chegada no século XVIII. A abertura será no dia 2 de junho, às 18h30, no Espaço Cultural do NEA, na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), ao lado do Museu de Arqueologia e Etnologia. A exposição funciona de 3 de junho a 1º de julho, de segunda a sexta-feira, das 9 às 12h e das 14 às 17h.
(mais…)

Tags: açorianoNEANúcleo de Estudos Açorianos (NEA)UFSCUniversidade Federal de Santa Catarina

Troféu Açorianidade 2012

14/08/2012 17:36
.

(Clique para ampliar)

Será nesta quinta-feira, dia 16, às 19 horas, no Clube 24 de Janeiro, em São Francisco do Sul, a entrega do Troféu Açorianidade 2012 a personalidades, artistas, veículos de comunicação e instituições de Santa Catarina e o lançamento do 19º Açor – Festa da Cultura Açoriana, marcado para o período de 31 de agosto a 2 de novembro na mesma cidade do norte do Estado. Entre os homenageados com o Troféu Açorianidade estão a Associação Ecomuseu Ribeirão da Ilha/Casa Rural Açoriana, a Prefeitura Municipal de Palhoça, o artesão Newton Souza, de São José, e o artista plástico Elias Andrade, de Florianópolis.

Mais informações com Joi Cletison (Núcleo de Estudos Açorianos): 3721-8605 ou 

Tags: açorianoNEAUFSC

UFSC entrega troféu Açorianidade a 12 personalidades e instituições

30/08/2011 17:37

.

Cerimônia no dia 9 de setembro, em Sombrio, culminará com o lançamento da 18ª Festa da Cultura Açoriana em Santa Catarina, a maior do gênero no País

Doze personalidades e instituições catarinenses receberão este ano o Troféu Açorianidade 2011 da Universidade Federal de Santa Catarina. A cerimônia ocorrerá no dia 9 de setembro, às 19h30, no Sombrio Tênis Clube, na cidade de Sombrio, quando serão conhecidos os nomes das pessoas, instituições e empresas homenageadas por seu esforço e atuação em prol do desenvolvimento da pesquisa, preservação e divulgação da cultura açoriana em Santa Catarina. Além da entrega do troféu, o Núcleo de Estudos Açorianos da Secretaria de Cultura e Arte da UFSC promove neste dia o lançamento da 18ª AÇOR, maior Festa da Cultura Açoriana no Brasil, que se realiza a cada ano em um município diferente do Estado.

Criada em 1996 pelo Núcleo de Estudos Açorianos, a distinção reverencia todos os anos 10 personalidades, cada uma com um troféu alusivo ao nome de uma Ilha do Arquipélago Açoriano: São Miguel, Pico, Terceira, São Jorge, Graciosa, Santa Maria, Faial, Corvo, Flores. O último troféu leva o nome da Ilha de Santa Catarina, chamada carinhosamente de 10ª Ilha Açoriana. Neste ano, uma 11ª condecoração será conferida, o “Troféu Açorianidade Especial”, proposto e aprovado pelo Conselho Deliberativo do NEA, que indica e escolhe por votação os ganhadores do Troféu, segundo o coordenador do Núcleo, Joi Cletison. Eleito por concurso público, o design da estátua é de criação do artista plástico João Aurino Dias (Dão). O 12º troféu será dado, como de costume, ao município sede da Festa Açoriana, no caso, Sombrio.

Integrado por 58 instituições (prefeituras, universidades e fundações culturais) com sede no litoral de Santa Catarina que têm a preocupação de preservar os traços da cultura açoriana, o Conselho do NEA aprovou as seguintes condecorações: como grupo folclórico, o Boi de Mamão de São Paulinho, do município de Itapema; como artista plástico, Plínio Verani, de São José; como Instituição de Ensino Superior ou cultural, a UFSC – 50 Anos; como veículo de comunicação a RIC Record – Jornal Noticias do Dia; como administração municipal, a Prefeitura Municipal de Barra Velha; como personalidade, Paulo Ricardo Caminha; como pesquisador, Rosane Luchtemberg, de Bombinhas; como Empresa de Patrocínio, a Santa Catarina Turismo (Santur); como artesão, Vilson de Oliveira, de Gravatal; como Escola de Ensino Fundamental ou Médio a Escola Modelo, de Palhoça e, como Troféu Especial, a festa a Marejada – 25 Anos.

A cerimônia culmina com o lançamento oficial do 18ª AÇOR – Festa da Cultura Açoriana do Estado de Santa Catarina, que este ano ocorrerá no município de Sombrio, de 23 a 25 de setembro. O objetivo do evento é mostrar o que há de mais autêntico e original de cultura açoriana no folclore, artesanato, danças, gastronomia e religiosidade, explica Cletison. Já foram sede do Açor os municípios de Itajaí, Imaruí, Imbituba, Penha, Içara, Porto Belo, Garopaba, São José, Araquari, Tijucas, São Francisco do Sul, Barra Velha, Laguna, Palhoça e Governador Celso Ramos.

Sob um grande pavilhão, 34 municípios e instituições do litoral de Santa Catarina vão apresentar e comercializar em estandes culturais o seu artesanato de referência regional açoriana. Estandes, gastronomia, exposições fotográficas, mostra de vídeos, apresentações culturais, palestras e lançamentos de livros fazem do Açor a maior e mais diversificada festa da cultura açoriana no País. Nos três dias de festa serão mais de 50 apresentações folclóricas e três shows musicais no encerramento das noites.

A festa abre na sexta-feira, dia 23, às 19 horas, e no sábado, às 10 horas, na avenida Central da cidade de Sombrio, ocorrerá o esperado Desfile Folclórico dos Grupos participantes da festa. No domingo dia 26, às 9h30, na Igreja Santo Antonio, será realizada a Missa do Encontro das Bandeiras do Divino Espírito Santo, com a participação de seis cantorias e 15 bandeiras do Divino Espírito Santo de vários municípios. Nos três dias uma praça de alimentação oferecerá ao público a oportunidade de saborear os quitutes e pratos típicos da culinária do litoral catarinense enquanto assiste às apresentações folclóricas e aos shows das bandas.

Realizada pelo NEA em conjunto com a Casa da Cultura de Sombrio, a Festa da Cultura Açoriana de Santa Catarina é promovida pela Universidade Federal de Santa Catarina e Prefeitura Municipal de Sombrio, com apoio cultural do Governo do Açores, Funcultural e Governo do Estado de Santa Catarina.

Mais informações pelos fones: 48 3721-8605 ou 48 35331958 ou www.nea.ufsc.br

Divulgação: Raquel Wandelli

99110524

www.secarte.ufsc.br

RELAÇÃO DOS AGRACIADOS COM O TROFÉU AÇORIANIDADE 2011

Troféu Açorianidade 2011 – Ilha Terceira

Grupo Folclórico

Boi de Mamão de São Paulinho – Itapema

Troféu Açorianidade 2011 – Ilha das Flores

Artista Plástico

Plínio Verani – São José

Troféu Açorianidade 2011 – Ilha São Miguel

Instituição de Ensino Superior ou Cultural

UFSC – 50 Anos

Troféu Açorianidade 2011 – Ilha do Pico

Veículo de Comunicação

RIC Record – Jornal Noticias do Dia

Troféu Açorianidade 2011 – Ilha do Faial

Administração Municipal

Prefeitura Municipal de Barra Velha

Troféu Açorianidade 2011 – Ilha São Jorge

Personalidade

Paulo Ricardo Caminha

Troféu Açorianidade 2011 – Ilha Graciosa

Pesquisador

Rosane Luchtemberg – Bombinhas

Troféu Açorianidade 2011 – Ilha Santa Maria

Empresa Patrocínio

Santa Catarina Turismo – SANTUR

Troféu Açorianidade 2011 – Ilha do Corvo

Artesão

Vilson de Oliveira – Gravatal

Troféu Açorianidade 2011 – Ilha Santa Catarina

Escola de Ensino Fundamental ou Médio

Escola Modelo – Palhoça

Troféu Açorianidade 2011 – Especial

Marejada – 25 Anos

Troféu Açorianidade 2011 – 18º AÇOR

18 ª Festa da Cultura Açoriana de Santa Catarina

Prefeitura Municipal de Sombrio

Tags: AçorfestaçorianoNEA

TV UFSC apresenta documentário sobre produção de balaios

06/05/2011 17:36
ddd

Documentário mostra como são feitos os balaios, desde a extração da matéria prima até a finalização do produto

Nesta semana a TV UFSC vai apresentar o documentário Embalaiá. Produzido pelo então estudante de Jornalismo da UFSC Francis Silvy, hoje repórter da RBS TV, o vídeo conta como são feitos os balaios de cipó na Ilha de Santa Catarina, desde a extração da matéria prima até a finalização do produto. O documentário tem a participação do museólogo Gelci Coelho, o Peninha, e vai ao ar na quinta, dia 12/05, às 20h30.

No domingo, dia 8, às 19h e com reprises nos intervalos da programação, a TV UFSC apresenta o Universidade Já especial sobre a Ponte Hercílio Luz, que completa 85 anos no dia 13 de maio. O programa trata da reforma que está acontecendo e também conta um pouco da história da ponte.

Também no domingo, às 19h30, vai ao ar na Sessão Cinema o filme “A Mulher na Lua”. Lançado em 1929 e dirigido por Fritz Lang, a película é sobre a história de uma equipe formada por quatro homens e uma mulher que partem para a Lua com o objetivo de encontrar ouro, mas o aparecimento de um garoto na nave, a cobiça pelo ouro, e um triângulo amoroso são alguns dos desafios que o grupo enfrenta durante a viagem. O filme tem a participação de Gustav von Wangenheim, que também atua em Nospheratu. A reprise acontece na segunda, às 18h30.

O UFSC Entrevista da semana recebe o diretor do Departamento de Cooperação Acadêmica, Paulo Emílio Lovato, que fala sobre os programas de intercâmbio disponíveis na UFSC e conta como esta experiência beneficia os estudantes e a própria universidade. O programa vai ao ar na segunda-feira, 9, às 21h30.

O programa Alcance, do Ministério Público de Santa Catarina, vai abordar os temas bullying e violência escolar. As convidadas são a promotora de justiça da Infância e da Juventude, Priscilla Linhares Albino, e a promotora de justiça do MPSC, Helen Crystine Corrêa Sanches. O Alcance vai ao ar no domingo, dia 8, às 22h30.

O Justiça do Trabalho na TV, que é exibido na quinta-feira, 12, às 19h30, vai falar sobre a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho, Anamatra. O entrevistado da semana é o presidente da Associação, Renato Sant’Anna.

Por Gian Kojikovski/ Bolsista na TV UFSC

Tags: açorianohistória

Historiador divulga origem do mito de Catarina de Alexandria

13/04/2011 12:26
Imagem representa Santa Catarina de Alexandria

Imagem representa Santa Catarina de Alexandria

A roda dentada quebrada, as palmas e o diadema fazem referência à imagem de Santa Catarina de Alexandria, padroeira do Estado, mas grande parte dos catarinenses desconhece a origem desses símbolos. Quem foi Catarina de Alexandria? De onde vem o nome do Estado? É para responder a essas perguntas simples, mas que costumam pegar os catarinenses desprevenidos, e divulgar a história de coragem e amor de Catarina de Alexandria que o historiador João Lupi fará, nesta quinta, 14/04, a palestra “Santa Catarina de Alexandria – A Padroeira dos Estudantes e do Estado de Santa Catarina”. O evento ocorrerá às 15h, no auditório do Centro de Educação (CED) da UFSC.

O interesse pela jovem que deu o seu nome ao Estado ainda é restrito. Nos últimos anos, alguns historiadores, artistas e literatos ilustres começaram a divulgar o nome da santa através da poesia, da pintura (Albertina Prates) e de quadros murais (Rodrigo de Haro). “De 50 anos pra cá, o culto à Santa Catarina de Alexandria diminuiu muito, as pessoas não sabem quem ela foi, não festejam mais a data”, confirma o professor João Lupi, Entusiasta desse mito, Lupi tem se dedicado a valorizar o conhecimento histórico-religioso das crenças responsáveis pela formação do povo catarinense, começando pela busca da origem do nome de nossa terra.

Com a intenção de levar a história de Catarina de Alexandria às escolas, João Lupi publicou dois livros, Santa Catarina: A jovem princesa de Alexandria e Santa Catarina: A origem de seu nome. Ambos foram destinados ao público infantil e editados em parceria com a UFSC e com a Secretaria de Estado da Educação no ano de 2004. Nas duas edições publicadas, o autor conta com linguagem e ilustrações encantatórias da história da vida da santa padroeira dos estudantes. Todavia, a tiragem na época foi pequena e restrita a poucas escolas.

A Grande Mártir Santa Catarina, como é também conhecida, cresceu como pagã mas depois converteu-se ao cristianismo. Após tentar convencer o imperador Maximiamo de que era um erro a perseguição aos cristãos, Catarina foi torturada, presa e então degolada. Nesse momento, um sinal divino aconteceu: no lugar de sangue, jorrou leite do corpo da jovem princesa. Catarina ficou assim reconhecida como mártir – testemunha ou defensora da fé, porque preferiu dar a própria vida a abandonar a fé cristã.

O dia 25 de novembro, dia de sua morte, passou a ser dedicado à imagem da princesa Catarina de Alexandria, que se transformou numa santa cristã. Na Idade Média, os portugueses e espanhóis começavam suas navegações pelo mundo e a devoção à Santa Catarina crescia muito. Nesse mesmo dia, em 1526, o navegador Sebastião Caboto chegou a uma ilha da costa brasileira, habitada pelos índios Carijós, que a denominavam de Meiembipe. Quando aportou na ilha, Sebastião Caboto batizou-a de Ilha de Santa Catarina. Há uma polêmica em torno da motivação desse nome. De acordo com uns, o nome homenageia a santa, enquanto para outros, faz referência a sua esposa Catarina Medrano

Mais informações: Núcleo de Estudos Açorianos (NEA) – 3721-8605.

Por Marcela Borges/ Bolsista de Jornalismo na SeCArte/UFSC

Tags: açorianoNEApalestra

Neri Andrade pinta memórias do engenho

11/03/2011 16:24
Neri convida a uma viagem pelos corredores da memória de sua infância

Neri convida a uma viagem pelos corredores da memória de sua infância

As obras de Neri Andrade não impressionam somente pelo cromatismo, mas principalmente pelo desenho poético dos casarios, os engenhos, festas religiosas, cenas rurais, lidas da roça e o trabalho da pesca. Suas pinturas naif lançam luzes para a herança cultural deixada pelos casais açorianos na hoje simbolicamente denominada “Décima Ilha do arquipélago dos Açores”. Com a exposição “Memórias do Engenho Andrade”, o espaço Cultural do Núcleo de Estudos Açorianos da Secretaria de Cultura e Arte da UFSC abre, de 15 de março a 15 de maio, o calendário de exposições de 2011 em homenagem ao artista.

Através das obras dessa exposição, Neri convida a uma viagem fascinante pelos corredores da memória de sua infância no engenho e no casarão Andrade, onde nasceu e viveu grande parte de sua vida. As telas estão expostas de segunda a sexta feira, das 9 às 12 e das 14 às 17 horas no espaço cultural do NEA, que fica ao lado do Museu Universitário. O evento tem apoio da Agência de Comunicação da UFSC e da Direção Regional do Governo dos Açores.

Com mais de 30 anos de carreira, o artista foi escolhido em 2004 para representar o Brasil no Catálogo Internacional da CFM The Power of Flinght, da General Eletric, produtora de turbinas para aeronaves. Em 2006 foi premiado na Bienal Naif de Piracicaba/SP, com as obras “Pescaria Noturna” e “Interior de Engenho”. O critico de arte Oscar D’Ambrosio escreveu sobre sua obra: “O segredo está em não oferecer o óbvio, mas criar uma visão pessoal de um universo no qual se sente à vontade por conviver com ele desde criança. A localidade que pinta não existe mais da maneira que Neri Andrade a retrata, mas é preservada pela sua memória, pela forma como transforma suas lembranças em obras bem elaboradas.”

Local: Espaço Cultural NEA – Núcleo de Estudos Açorianos – Universidade Federal de Santa Catarina

Período: 15 de março a 15 de maio de 2011.

Visitação: 2ª a 6ª feira das 9 às 12 e das 14 às 17 horas

Informações: (48) 3721.8605 ou (48) 3235.2572 ou

Fotografias para divulgação: http://www.nea.ufsc.br/ExposicaoEngenho_NeriAndrade_2011.zip
Promoção:

Universidade Federal de Santa Catarina

Secretaria de Cultura e Arte

Realização:

Núcleo de Estudos Açorianos da UFSC

Apoio:

AGECOM/UFSC

Direção Regional dos Açores/Governo dos Açores

Por Raquel Wandelli / 48 99110524

Tags: açorianoexposiçãonaif