Colégio de Aplicação e Núcleo de Desenvolvimento Infantil iniciam preparação para ensino semipresencial

16/08/2021 21:36

O Colégio de Aplicação (CA) e o Núcleo de Desenvolvimento Infantil (NDI) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) começarão, nos próximos dias, a preparar um retorno às atividades semipresenciais de ensino. As unidades foram autorizadas, por meio da Portaria Normativa nº 406/2021/GR, a retomar, de modo gradual e em horário integral, a partir de 20 de setembro de 2021, as atividades administrativas na modalidade presencial, na Pré-Fase 2. A Portaria foi publicada nesta segunda-feira, 16 de agosto.

A oferta de atividades de ensino deverá começar entre o final de setembro e início de outubro, após a imunização dos professores e técnicos-administrativos contra a Covid-19, bem como a adequação dos ambientes às medidas sanitárias necessárias para garantir a segurança de toda comunidade escolar.

“Estamos planejando as condições que poderemos oferecer aos estudantes de acordo com a opção deles de ficarem ainda no ensino remoto ou migrarem para o semipresencial”, diz o diretor do Colégio de Aplicação, Edson Azevedo. Dessa forma, uma parte dos alunos poderá voltar às salas de aula, respeitando o distanciamento entre as carteiras. “Possivelmente, os nossos horários serão escalonados em todos os turnos e atividades”, informa o diretor.

No Colégio de Aplicação, a preparação dos ambientes inclui manutenção de pisos, portas e pinturas de salas. Toda a escola receberá marcações para orientar o distanciamento e será equipada com totens de álcool em gel. Uma tenda de isolamento será  instalada para isolar algum caso suspeito até ser encaminhado à avaliação da Vigilância Sanitária.

Medidas semelhantes estão sendo planejadas pelo NDI, que atende 212 crianças de 0 a 6 anos e contemplará atividades presenciais, além de continuar com as propostas pedagógicas de aproximação virtual com as crianças e famílias – que já vêm sendo realizadas -, para as famílias que optarem por não retornar presencialmente. 

O NDI prevê o retorno semipresencial de forma gradual e escalonada realizando a divisão dos grupos (turmas) que irão presencialmente em dias alternados. “A escola aguarda um cronograma que deve sair nos próximos dias em relação às obras e reformas necessárias na estrutura física do NDI, que necessita de reparos relacionados especialmente à parte elétrica e hidráulica para que possa definir mais concretamente a data do retorno semipresencial”, afirma a diretora do Núcleo, Juliane La Banca.

Planos de Contingência

A Comissão Permanente de Monitoramento Epidemiológico da UFSC concluiu recentemente a análise dos Planos de Contingência do Colégio de Aplicação e do Núcleo. No documento de resposta, os especialistas da comissão sugerem um conjunto de medidas e atitudes a serem observadas para retomada de atividades educacionais presenciais, no momento em que houver “condições comunitárias” para tal. Os Planos de Contingência serão agora encaminhados à secretaria de Educação do Município.

As orientações são relacionadas aos espaços físicos, medidas de proteção individual de toda comunidade escolar e até comportamentos que garantam a segurança sanitária quando houver o retorno às salas de aula.

Impactos relevantes

A comissão reconhece que “o fechamento das escolas provoca impactos negativos relevantes na aprendizagem, na evasão escolar, na renda familiar e no aprofundamento das desigualdades sociais”. Ressalta que, apesar de os riscos de quadros graves de Covid-19 serem menores entre crianças e adolescentes, eles existem e merecem atenção. Infecções e aumento de casos graves neste grupo etário têm sido observados mesmo em países com elevadas taxas de vacinação de idosos e adultos. “Por isso é essencial que gestores e demais atores atuem fortemente para viabilizar as condições sanitárias que permitam segurança na abertura dos espaços educacionais”.

Entre as medidas para segurança na retomada de atividades presenciais, os especialistas da comissão apontaram a necessidade de vacinação completa para toda a equipe profissional das escolas, além do distanciamento físico, a ampla ventilação das salas e o uso de máscaras. As medidas ajudarão a evitar o contágio por gotículas de saliva e pelos chamados aerossóis, que se espalham pelos ambientes. Todos na sala de aula devem usar máscaras, assim como eventuais visitantes. Para os servidores, a Universidade irá fornecer máscaras de alta qualidade (PFF2 ou N95).

Aulas de música ou de educação física em ambientes fechados foram desaconselhados pela comissão neste momento. Durante a maior parte do tempo, devem ser priorizadas atividades externas. As refeições, momento em que é inevitável a retirada das máscaras, devem ser feitas preferencialmente em áreas externas, segundo a comissão. Os pais ou responsáveis pelo transporte precisarão aguardar a saída dos estudantes no espaço externo da escola.

Após o retorno semipresencial, deve-se acompanhar atentamente a evolução da pandemia na cidade (número de novos casos) e monitorar os casos suspeitos e confirmados de Covid-19 e de seus contatos no ambiente escolar. 

Medidas similares estão sendo planejadas para os demais setores administrativos e acadêmicos da UFSC, após a publicação da Portaria Normativa nº 405, que autoriza a retomada, a partir de 20 de setembro, das atividades com caráter de preparação de ambientes e identificação de necessidades de ajustes nas rotinas e procedimentos.

 

Leia também:

Administração Central da UFSC inicia a Pré-Fase 2 da Pandemia com setores abertos a partir de 20 de setembro

Tags: CEDColégio de AplicaçãoComissão Permanente de Monitoramento EpidemiológicocoronavírusCovid-19ndiPré-Fase 2UFSCUniversidade Federal de Santa Catarina