Professor da UFSC lança livro sobre a crise do jornalismo

17/05/2019 10:21

Desde 2012, foram extintos mais de 2300 empregos para jornalistas no Brasil. Das 100 revistas mais lidas em 2014, 35 delas já não circulam mais. Nos Estados Unidos, mais de 1800 jornais desapareceram em 14 anos. Os números impressionam e poderiam sinalizar uma sentença dramática: o jornalismo morreu. “Sim, temos uma grande crise no setor, mas é preciso compreendê-la para apontar saídas”, argumenta o professor de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Rogério Christofoletti, que acaba de lançar “A crise do jornalismo tem solução?” (Editora Estação das Letras e Cores).

“As notícias não têm sido boas para o jornalismo, mas uma indústria como esta não desaparece da noite para o dia. Só nos Estados Unidos, estamos falando de um mercado de 17,3 bilhões de dólares”, afirma Christofoletti. “Tanto lá como no Brasil, temos desertos de notícia, grandes áreas carentes de informação local e que podem ser laboratórios para testarmos soluções para o setor.”

Terceiro volume da Coleção Interrogações, dirigida por Lucia Santaella, “A crise do jornalismo tem solução?” é um livro preocupado com a profissão e o mercado, mas voltado também ao público em geral. Para o autor, a crise vai além da falência de um modelo de negócios, e contém problemas como perda de credibilidade, afrouxamento ético, e debilidade na governança das organizações de notícia. Todos são afetados por notícias, e por isso o enfrentamento da crise deve preocupar e envolver todo o mundo, raciocina.

Em cinco capítulos e pouco mais de 100 páginas, “A crise do jornalismo tem solução?” discute o financiamento da indústria, analisa remédios paliativos e soluções viáveis para o setor. Também discute confiabilidade, relevância e o papel do jornalismo nas democracias contemporâneas. “É um erro acreditar que as redes sociais nos informam hoje. Elas não produzem informação de qualidade, não apuram versões, não investigam. Os grupos de WhatsApp mais nos confundem que o contrário, e não podemos viver num tempo tão caótico como o nosso sem informação confiável”, conclui.

Segundo Rogério Christofoletti, a crise do jornalismo é um fenômeno complexo e dinâmico, de difícil enfrentamento e sem solução única ou rápida. Por isso, o autor tenta enxergar a crise em vários planos, lançando perguntas incômodas que desafiam as certezas sobre o tema e propondo autocríticas nas redações. Apoiado em dados econômicos e cenários atuais, o livro apresenta exemplos de ruína e riqueza na dinâmica dessa crise.

Christofoletti leciona e pesquisa jornalismo há vinte anos, orienta teses e dissertações no Programa de Pós-graduação em Jornalismo (PPGJOR/UFSC), e é um dos coordenadores do Observatório da Ética Jornalística (objETHOS). “A crise do jornalismo tem solução?” foi escrito durante seu período de pós-doutorado na Universidad de Sevilla, na Espanha. Este é o 12º livro que o autor escreveu ou organizou. Ele já publicou mais de 70 artigos em revistas científicas brasileiras e estrangeiras.

Serviço:

“A crise do jornalismo tem solução?” – Rogério Christofoletti

Ed. Estação das Letras e Cores – 104 páginas

Preços: R$ 30,00 (versão impressa) e R$ 22,00 (versão em ebook)

Mais informações pelo e-mail .

Tags: A crise do jornalismo tem solução?jornalismolançamentolivroPPGJorPrograma de Pós-Graduação em JornalismoRogério ChristofolettiUFSC