Pesquisadores estudam mosquitos na Ilha de Santa Catarina

29/02/2012 15:54

Ovo de Aedes scapularis, mosquito comum em áreas alagadiças em Florianópolis, incluindo o Parque do Córrego Grande e o campus da UFSC

Com suporte da microscopia eletrônica de varredura, tecnologia que permite a ampliação de amostras e a produção de imagens em alta resolução, equipe do Laboratório de Entomologia da UFSC estuda ovos de mosquitos coletados em diferentes locais da Ilha de Santa Catarina.

A pesquisa passa por etapas de coleta de mosquitos, obtenção de ovos, estudos sobre a biologia dos ovos, análise do material por microscopia eletrônica de varredura, redação de trabalhos e relatórios. As análises dos ovos, que têm dimensões entre 500 a 700 micrômetros (um micrômetro ou mícron equivale à milésima parte do milímetro), são realizadas em microscópios do Laboratório Central de Microscopia Eletrônica da UFSC e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), instituição parceira do projeto. A pesquisa tem apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

“O estudo permitirá, quando se encontrar ovos de mosquitos numa coleção de água, identificá-los corretamente”, explica Carlos Brisola Marcondes, coordenador do projeto, pesquisador com 37 anos de trabalhos em entomologia médica. De acordo com o professor, apenas 12% das 3.600 espécies de mosquitos do mundo tiveram seus ovos descritos. Com trabalhos realizados desde 2000, a equipe da UFSC já encontrou mais de 60 espécies só na Ilha de Santa Catarina, entre 460 documentadas no Brasil – e supõe haver ainda muitas outras a serem encontradas.

Tubérculos de mosquito que se cria em bromélias

Neste novo projeto, a meta é obter e caracterizar por microscopia eletrônica de varredura ovos de pelo menos 10 a 15 espécies de mosquitos das tribos Aedini e Sabethini, obter dados sobre sua biologia e variações regionais. As tribos Aedini e Sabethini têm grande quantidade de espécies (respectivamente 1.255 e 423), várias com importância médica, pois são vetores de agentes causadores de doenças como dengue e febre amarela.

“O conhecimento sobre a morfologia externa de ovos de mosquitos é importante para a identificação de material de criadouros, para a compreensão de sua biologia e da sistemática do grupo, e poucas espécies, especialmente das tribos Sabethini e Aedini, tiveram seus ovos caracterizados”, destaca o professor, autor do livro Entomologia Médica Veterinária, que reúne informações sobre insetos nocivos à saúde animal e humana, além de outros dois livros sobre o assunto e 80 artigos científicos.

Os mosquitos têm sido coletados na Unidade de Conservação Ambiental Desterro, na região próxima da Reserva Carijós e na praia de Jurerê. Serão também obtidos ovos de mosquitos silvestres em outros estados, em regiões com vários graus de preservação.

Em saídas de campo recentes, o grupo esteve em numa área de Jurerê Internacional e observou centenas de mosquitos. Alguns foram capturados e estão sendo identificados como de espécies agressivas e potencialmente perigosas, como Psorophora ferox (“causadora de feridas feroz”). As capturas prosseguem em meio à vegetação, com um coletor de sucção adquirido recentemente pela UFSC.

Mais informações: professor Carlos Brisola Marcondes  / / (48) 3721-5208

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Leia também:

Livro reúne informações sobre insetos nocivos à saúde animal e humana

Tags: mosquitosparasitologiapesquisa