Núcleo de estudos promove seminário sobre escrita de mulheres negras

24/04/2017 15:10

O Núcleo de Estudos de Poéticas Musicais e Vocais (Nepom) irá promover, no dia 25 de abril (terça-feira), o seminário “A Escrita de Mulheres Negras: Experiências e Resistência”. O evento tem o objetivo de discutir o conceito de literatura afro-brasileira abordando seus aspectos formais e sua importância dentro da literatura brasileira.

O seminário será ministrado na Sala Hassis, das 13h às 15h30, pela escritora Nana Martins. Durante a apresentação serão resgatados trabalhos das principais poetas negras. A escrita de mulheres negras é um forma de resistência ao imperialismo e ao colonialismo. A poesia das mulheres deste segmento contam histórias e questionam padrões da sociedade.

O evento faz parte da programação das Poéticas Diaspóricas, que pretende discutir a diáspora africana por meio da dança, pensamento, música e literatura. As atividades serão divididas em encontros ao longo do semestre na UFSC. A participação é gratuita e renderá certificado pela universidade.

Mais informações no e-mail: 

18057177_1289451524444156_1810011897247688644_n

Tags: NEPOMPoéticas DiaspóricasUFSCUniversidade Federal de Santa Catarina

Seminário sobre a África debate a pluralidade de um continente “desconhecido”

19/11/2010 18:13

O “Seminário África: diálogos entre Literatura, História e Artes”, que tratou das representações e influências culturais africanas no Brasil, aconteceu nesta, 19/11, no Centro de Cultura e Eventos. Como palestra de abertura, o evento recebeu o professor Valdemir Zamparoni da Universidade Federal da Bahia (UFBA) com “As Imagens da África no Brasil”.

De maneira educativa o palestrante iniciou sua palestra brincando com a plateia, demonstrando como de maneira errônea caracterizamos a África como um lugar de uma cultura única. “O nó não é o que nós desconhecemos da África, mas sim o que nós conhecemos” disse Zamparoni. O professor ainda teceu uma cronologia que mostrava que desde o século XVIII e XIX, com a escravidão, o surgimento das teorias raciais e a colonização do continente africano, houve a consolidação dessa concepção homogênea na qual o mundo ocidental pensa sobre a África. “É dessa época que começam as associações de que negro é escravo e que escravo é inferior. Mesmo com a abolição da escravidão, a associação de que negro é inferior não acabou” completou o professor.

Através de fotos, Valdemir mostrou também a representação que a mídia faz entre a África e as coisas selvagens e exóticas, o que fez com que a público refletisse sobre o porquê em fotos onde posam africanos, eles estão sempre bravos ou tristes. O professor trouxe fotos de um continente que a mídia pouco explora, cidades urbanizadas, arranha-céus, jovens estudantes e alegres.

O evento, que marca o encerramento de um curso de extensão oferecido para a comunidade, principalmente para professores, para incentivar a implantação da história e cultura africanas nas salas de aula do Brasil, prestou também homenagem ao poeta e intelectual Oliveira Silveira professor e militante do movimento negro.

O seminário seguiu com mesas de discussão em que professores da UFSC, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) debateram assuntos como “Educação, Políticas e Conhecimentos na relação do Brasil com a África” e “Muitas são as Áfricas”. Lançamento coletivo de livros, leitura de poemas e um concerto musical coma Banda Batuque de Cordas também fizeram parte das atrações.

O evento tem o apoio da Pró-reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE), Programa de Pós-graduação em História (PPGH). Programa de Pós-Graduação em Literatura (PPGL) e Núcleo de Estudos Poéticos Musicais (NEPOM).

Ana Luísa Funchal/ Bolsista de Jornalismo na Agecom

Assista a matéria sobre o evento produzida pela TV UFSC:

Tags: ÁfricaNEPOMPPGHPPGLPRAE