Obesidade desregula células especializadas do tecido adiposo, aponta pesquisa

10/04/2019 09:00

Capa do Journal of Experimental Medicine com imagem da pesquisa realizada pelo Laboratório de Imunobiologia da UFSC em parceria com a New York University e a Rockefeller University.

A caracterização detalhada de uma população de macrófagos (células de limpeza do organismo) presentes no tecido adiposo e como ela se adapta às condições de obesidade induzida por dieta, incluindo sua desregulação. Uma imagem desta pesquisa, realizada por pesquisadores do Laboratório de Imunobiologia da UFSC, em colaboração com a New York University e Rockefeller University, ilustra a capa do Journal of Experimental Medicine, onde o artigo sobre as descobertas foi publicado. Vinculados ao Laboratório de Imunobiologia da UFSC André Báfica, Gabriela Flavia Rodrigues-Luiz, Daniel Augusto G.B. Mendes e Daniel Santos Mansur integraram o estudo.

O trabalho, Vasculature-associated fat macrophages readily adapt to inflammatory and metabolic challenges, apresenta uma descrição ampla das células presentes no tecido adiposo. “Há vários tipos de macrófagos nos tecidos e nós encontramos uma população no tecido adiposo, que é regulada rapidamente, tanto quando há excesso de gordura como em situações de jejum”, explica André Báfica, professor do Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia (MIP). “No ensino médio, a gente aprende que os macrófagos são as ‘células de limpeza’ do organismo. Os macrófagos são encontrados em qualquer tecido do corpo e se você é exposto a infecções ou a produtos como proteínas e carboidratos, eles ‘comem’ praticamente tudo”, diz Báfica, lembrando que o processo é chamado de fagocitose.

Uma das descobertas importantes do artigo é a proximidade dos macrófagos com o sistema vascular. “Quando nosso grupo olhamos a gordura mais a fundo, o macrófago está bem íntimo com esse vaso, todo enrolado nele”, conta Báfica. A regulação dos processos é realizada rapidamente, aponta o estudo.  “Se você ingere proteína, cinco minutos depois, as proteínas já estão dentro destes macrófagos chamados VAMs (Vasculature-associated macrophages, do inglês). Observamos também que eles são importantes na defesa contra alguns tipos de bactérias. Se tem bactéria circulando no sangue, eles fagocitam rapidamente”.
(mais…)

Tags: Departamento de Microbiologia Imunologia e ParasitologiaLaboratório de ImunobiologiaMIPUFSCUniversidade Federal de Santa Catarina