17ª Sepex: realidade virtual simula comportamentos de pedestre para estudo sobre trânsito autônomo

19/10/2018 16:16

Matheus Zimmerman, da Technische Hochschule Ingolstadt (THI), auxilia visitante da Sepex em experiência com realidade virtual do projeto AWARE, parceria entre a UFSC, UFPR e a universidade alemã. (Foto: Ítalo Padilha/Agecom/UFSC)

Uma parceria estratégica entre a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a Universidade Federal do Paraná (UFPR) e a universidade alemã Technische Hochschule Ingolstadt (THI) trouxe para a 17ª Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFSC uma experiência em realidade virtual na pesquisa de mobilidade autônoma. O programa chama-se Applied Networks on Automotive Research and Education (AWARE) e o objetivo principal é desenvolver tecnologias para um trânsito conduzido por máquinas.

O pesquisador da THI, Matheus Zimmermann conduzia os visitantes da Sepex pela experiência de vivenciar o ambiente em realidade virtual utilizado nas pesquisas do grupo. Para participar da experiência, é necessário prender ao corpo uma série de sensores, e utilizar óculos de realidade virtual. O espaço para caminhar é pequeno, mas é suficiente para sentir-se dentro de um ambiente que congrega o trânsito de veículos, pessoas, e a interação com elementos de uma cidade.

Marcus Vinicius Silveira da Silva, 12 anos, estudante do 7º ano no colégio Virgílio dos Reis Várzea, no bairro Canasvieiras, experimentou caminhar com os sensores presos ao corpo e simulando atravessar a rua em realidade virtual. “Eu me interesso por tecnologia, gosto de estudar sobre isso e achei muito legal a simulação. Você enxerga ruas, prédios, e vai se movimentando pelos lugares,” explica.

A intenção é divulgar a parceria da UFSC com as outras universidades. A THI e a UFPR mantêm, inclusive, um mestrado com dupla diplomação nas áreas de engenharia mecânica, elétrica e automotiva. Zimmermann esclarece que o projeto está na fase de cadastrar dados, padrões de como as pessoas atravessam a rua, como reagem ao avanço de um veículo, como o pedestre se comporta em um ambiente com diferentes padrões de fluxo de carros, velocidade e distância entre veículos.  

“Nosso principal objetivo neste ano aqui na Sepex é mostrar o estudo, que consiste em entender como o pedestre se comporta ao atravessar a rua. Temos vários cenários com diferentes situações de trânsito. Já coletamos os dados no ano passado na UFSC, este ano trouxemos a tecnologia para mostrar para a sociedade um projeto que está sendo desenvolvido em parceria com a Universidade”, salienta o pesquisador. “Ainda tem muita pesquisa a ser feita, muitos anos pela frente até que se desenvolva o trânsito autônomo. Os carros autônomos, numa cidade totalmente autônoma é muito mais seguro que com motoristas. As variáveis humanas são um pouco mais complicadas”, afirma.

A Sepex segue até sábado, 20 de outubro. Confira a programação completa aqui.

 

Mayra Cajueiro Warren / jornalista da Agecom / UFSC