Desnutrição de pacientes em hemodiálise é avaliada em pesquisa

12/12/2012 09:40

Estudo desenvolvido junto ao Programa de Pós-Graduação em Nutrição da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) analisou a precisão diagnóstica da força do aperto da mão e do ângulo de fase em casos de desnutrição de pacientes submetidos à hemodiálise, em duas clínicas da Grande Florianópolis. Devido à escassez de estudos nesse sentido, foi realizada uma pesquisa pela mestranda em Nutrição Monique Ferreira Garcia, sob orientação da professora Elisabeth Wazlawik, colaboração da professora Yara Maria Franco Moreno, ambas do Programa de Pós-Graduação em Nutrição, e autorização do Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da UFSC.

A alta prevalência da desnutrição nesses pacientes é um importante fator de risco para complicações e mortalidade. Atualmente, na prática clínica, para a avaliação do estado nutricional, são necessários parâmetros simples, acessíveis, confiáveis e de baixo custo. Várias ferramentas têm sido utilizadas para este monitoramento, porém, discute-se muito a respeito da validade de cada uma delas.

Para a pesquisa foi utilizada como padrão de referência a avaliação subjetiva global, pontuação de desnutrição-inflamação e rastreamento de risco nutricional 2002. Além disso, foi realizada a avaliação nutricional pelo índice de massa corporal, porcentagem de gordura corporal, massa livre de gordura, circunferência do braço e circunferência muscular do braço, para verificar a associação com estes parâmetros.

Foram avaliados 138 pacientes, sendo 85 homens (62%), com idade de 24 a 84 anos e tempo de hemodiálise de três meses a 23 anos. O estudo mostrou que tanto a força do aperto da mão como o ângulo de fase apresentaram resultados mais precisos nas mulheres. Entretanto, nos homens, estes dois indicadores nutricionais, foram associados com a maioria dos antropométricos.

Segundo Monique, a redução da massa muscular pode ser verificada pela força do aperto da mão, sendo um resultado importante, considerando que esta técnica é simples, de fácil aplicação, de baixo custo, e pode ser um indicador precoce da desnutrição. Já o ângulo de fase pode refletir a integridade das membranas celulares, ou seja, detectar um aspecto importante do organismo que pode ser afetado pela presença da desnutrição.

Outro resultado importante foi a obtenção do ponto de corte para a classificação da desnutrição, que foi de < 18 kg da força do aperto da mão ou < 6,1° do ângulo de fase, para as mulheres; e < 28,5 kg e <6,5°, para os homens. Os pontos de corte propostos apresentaram alta probabilidade de um correto diagnóstico, principalmente nas mulheres. Este resultado é de grande importância para a área clínica, pois a identificação dos pacientes em hemodiálise que estejam desnutridos é fundamental para que sejam tratados o mais rápido possível.

Segundo Monique, ainda são necessários novos estudos para avaliar o valor prognóstico destes parâmetros na detecção de alterações laboratoriais, complicações clínicas e de mortalidade nesses pacientes. Refere-se ainda que o presente estudo é inovador, particularmente em Santa Catarina. As informações advindas deste tipo de estudo propiciarão uma melhor qualidade de vida aos pacientes, uma vez que a apropriada avaliação do estado nutricional propiciará uma intervenção nutricional adequada.

Mais informações:
Elisabeth Wazlawik
Professora do Departamento de Nutrição e do Programa de Pós-Graduação em Nutrição da UFSC

(48) 3721-5070 – 37212281

Tags: aperto da mão e do ângulo de fasedesnutriçãohemodiálisePrograma de Pós-Graduação em NutriçãoUFSC