Mais orgânicos na Universidade

25/05/2011 20:21

Fotos: Cláudia Reis/Agecom

A oferta de alimentos orgânicos no Restaurante Universitário e no Núcleo de Desenvolvimento Infantil (NDI) da UFSC deu um passo à frente nesta terça, 24/05. Comissão formada por professores, servidores técnico-administrativos e alunos viajou até Santa Rosa de Lima para a primeira visita após o início do fornecimento dos produtos pela Associação dos Agricultores Ecológicos das Encostas da Serra Geral (Agreco), que tem sede no município.

Com processo de licitação homologado desde dezembro de 2010, o RU iniciou o ano com alimentos orgânicos no cardápio, como batata, chuchu, aipim, banana, beterraba, cenoura, tempero verde, frango e alface. Apesar da variedade, menos de 10% das refeições oferecidas são orgânicas. Já no NDI 100% da merenda, composta por frutas (laranja, abacaxi, banana, kiwi, morango, maçã), bolos (fubá e laranja), geléias, suco de butiá, mel, além dos produtos sem lactose (iogurte de soja, pães, bolos e bolachas) não contêm agrotóxicos.   A reunião teve como objetivo analisar as possibilidades de se aumentar as quantidades fornecidas ao Restaurante e compartilhar os resultados dos primeiros meses de implantação da nova alimentação.

Crise abriu espaço para se pensar em alternativas
Adilson Lunardi, coordenador da Coperagreaco (que trabalha especificamente com a produção e comercialização dos orgânicos), ressaltou a disposição dos associados – atualmente cerca de 100 famílias, tendo ainda mais 200 em processo de certificação – de aumentar a produção e o consequente fornecimento à Universidade. “Por meio do contrato com a UFSC, os agricultores têm condições de iniciar o plantio, já que têm crédito”. O coordenador salienta que o momento é de crise para o setor fumageiro. “A Agreco foi fundada em 1996, quando passávamos por situação semelhante. “Hoje, 90% dos que plantavam fumo produzem verduras, frutas e legumes orgânicos. É tempo de oportunidades para a sustentabilidade”, comemora. Adilson enfatizou ainda que é necessário ponderação no início desse processo. “Não adianta assumirmos grandes contratos, frustrarmos a entrega e no próximo ano não renová-los porque perdemos nosso maior patrimônio, que é a credibilidade”.

Os agricultores têm se mostrado satisfeitos, de acordo com o coordenador, que ratifica ainda a vocação da região em produzir alimentos livres de agrotóxicos. “Temos mais nascentes que moradores, e a área possui um relevo que dificulta a pulverização aérea”, esclarece.   O coordenador do Centro de Ciências da Educação (CED), professor Wilson Schmidt, entende que o papel da UFSC é fundamental para impulsionar essa produção. “Organizar a cadeia produtiva inteira, da plantação ao consumo, é o grande desafio. Para que esse ciclo se fortaleça, é necessário dar continuidade ao trabalho por meio de políticas públicas, e a Universidade pode ser indutora desse desenvolvimento territorial”.

“A UFSC está assumindo a vanguarda da revolução não-armada”, defende o professor Cláudio Amante, da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE), concordando que a Universidade pode estimular o consumo de orgânicos em larga escala.  O pró-reitor destaca a necessidade da institucionalização de todo o processo. “Vamos fazer a coisa certa, a fim de multiplicar os resultados: precisamos documentar os dados e as experiências”.

E as experiências das quais o professor fala já foram relatadas na reunião. Marilene Dandolini Raupp, diretora do NDI, conta que a hora do lanche se transforma em momento pedagógico. “As crianças ficam sabendo que o suco que tomam vem das frutinhas que os sabiás ajudaram a plantar”, explica, se referindo aos frutos da palmeira de juçara, que originam uma bebida de cor semelhante à do suco de uva.

“É orgânico?”
Cecília Hobopd, enfermeira no NDI, pensa que a introdução dos orgânicos na alimentação, principalmente dos pequenos, é essencial. “Acho que este é o momento de reeducar nossas crianças para que elas tenham melhor qualidade de vida”. “Tudo indica”, continua, “que a incidência de câncer está associada aos pesticidas”.  Marilene relata que a nova alimentação tem sido bem aceita, com poucas exceções – tanto de alunos quanto de pais – mas comprova que os benefícios já vem sendo propagados e defendidos fora da sala de aula, indicando que a reeducação mencionada por Cecília já teve início. “Muitas crianças chamam a atenção dos pais, dizendo não querer mais suco de caixinha. Uma delas perguntou em casa ‘é orgânico?’”. Os recursos do Ministério da Educação (MEC) destinados à merenda cobrem apenas 30% dos custos com os orgânicos no NDI. O restante vem da PRAE.

Alcides Milton da Silva, do Departamento de Saúde Pública e gestor de Assistência à Saúde do Estudante da UFSC, entende que o consumo de produtos sem agrotóxicos é uma forma de prevenção. “É melhor evitar a doença do que tratá-la depois. Queremos os alunos bem nutridos para que possam dispender seu tempo com os estudos”, salienta.

A disseminação dos orgânicos nas escolas de Florianópolis teve início em 2001 com o projeto Saber e Sabor.  Distribuído nas instituições de ensino estaduais, os alimentos melhoravam a qualidade das refeições de crianças que, muitas vezes, tinham pais egressos do mesmo campo de onde os vinham os produtos. O projeto não teve continuação, mas desde 2010 a PRAE busca, através da compra dos orgânicos, transformá-lo em programa.

Beatriz Martinelli, chefe de Divisão Administrativa do RU, é suspeita em falar. “Sou apaixonada pelo projeto, e acho que a relação que temos com os agricultores é de confiança”, atesta, relatando que recebeu alguns produtos sem etiqueta e que, apesar de considerar uma falha pontual, em momento algum teve dúvidas de que os alimentos não eram orgânicos.

Cardápio no facebook e no twitter
O cardápio no RU não tinha incluído até esta semana a palavra “orgânico” porque, além de a quantidade desses alimentos ainda ser pequena, o Restaurante está em período de transição com a construção da nova ala. Deise de Oliveira Rita, diretora do restaurante, teme que a novidade aumente ainda mais o tamanho das filas na hora do almoço. “Sei que nos dias em que servimos camarão os alunos se mobilizam através das mídias sociais, como o facebook e o twitter, para avisar a todos do prato”, relata, rindo. “Nesses dias, o Brasil inteiro fica sabendo que a UFSC terá camarão”, intervém Claudio, também divertido com a repercussão.

O RU serve, em média, sete mil refeições por dia – somando almoço e jantar -, funcionando inclusive nos fins de semana e feriados. O inusitado “frango orgânico” que será servido na quinta e vem sendo divulgado no site do restaurante desde a segunda, já causou alvoroço e divide opiniões: “alguns alunos receiam que o gosto não seja bom, mas já comi galinha orgânica e  acho que o prato preparado pelo RU deve ser uma delícia; quero muito experimentar”, atesta a estudante de Jornalismo Gabriele Duarte.

Orgânicos contra o êxodo
O prefeito Celso Heidemann, que também esteve presente na reunião, lembra que em 2012 o Santa Rosa de Lima completa 50 anos. “Um dos fatos mais marcantes de todo esse período foi a reunião que os agricultores fizeram em 1996, para debater o êxodo. A solução apontada foi a produção de orgânicos, e quem estava praticamente deixando o município acabou ficando”, relembra. Hoje, Santa Rosa de Lima também investe no turismo rural.

Siuzete Baumann é professora, vereadora do município e também mestranda em Educação no Campo na UFSC, e defende que o intercâmbio entre os moradores de Santa Rosa e a comunidade universitária é profícuo. “Lembro na escola daqui quando recebíamos a merenda fechada, industrializada. Nós nos perguntávamos do que era feito aquele lanche. Imagino que isso pode acontecer também com quem recebe os alimentos que enviamos para a Universidade”. O professor Claudio concorda com Siuzete e quer levar, em breve, os funcionários do RU para conhecerem a região e a forma como os alimentos são feitos.

Andreia Martins e Suellen Dias Pessoa são bolsistas do NDI e estão na primeira fase de Nutrição. Elas contam que lidar com os limentos sem agrotóxicos fez com que repensassem a profissão e também a própria alimentação.

“Depois que entrei no NDI, como mais verduras e legumes, principalmente orgânicos, às vezes até coisas que eu nem sabia que existiam”, atesta Andréia.”Estou encantada com os orgânicos. Cheguei na Universidade com uma visão diferente, achando que o foco do curso era mais clínico, e vejo que podemos começar pela prevenção”, completa Suellen.

Por Cláudia Schaun Reis/ Jornalista na Agecom

Leia mais:
Restaurante Universitário estuda a compra de produtos orgânicos

Tags: agriculturaorgânicosPRAErestaurante universitário