Jogos Universitários: participação diminui e qualidade aumenta

18/09/2012 17:10

UFSC recebe título de campeã geral da 56ª edição dos Jogos Universitários Catarinenses

Em cerimônia realizada em Joaçaba, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) recebeu o título de campeã geral da 56ª edição dos Jogos Universitários Catarinenses (JUCs). A Universidade, que não ganhava o Troféu Eficiência desde 2009, somou 326 pontos, à frente da Unochapecó em segundo, com 195 e da Unoesc, com 169, em terceiro. A UFSC obteve pontos nas oito modalidades esportivas disputadas, tanto no masculino, quanto no feminino. A premiação aconteceu na quarta-feira, 12 de setembro.

Com a diminuição no número de participantes e a ausência da principal adversária, a Udesc, que não enviou delegação por problemas financeiros, a UFSC conseguiu uma diferença de 131 pontos para a segunda colocada. A presença em todas as modalidades foi determinante para a conquista. No handebol feminino, por exemplo, a equipe terminou na última colocação, mas como havia apenas três equipes, a UFSC somou 20 pontos. Cinco a menos em relação ao primeiro lugar. Somente em duas das oito modalidades a universidade chegou em primeiro lugar: xadrez feminino e atletismo masculino.

Ano a ano diminui o número de equipes participantes em todas as modalidades. Em 2010, a competição distribuiu 1844 pontos entre as instituições, no ano passado 1618 e em 2012 apenas 1535. Há dois anos, 113 equipes estavam presentes nas oito modalidades principais. Em Joaçaba esse número caiu para 82.

A queda no número de participantes prejudica os atletas e o esporte. Em alguns casos, um time se classifica para a final com apenas uma vitória. Modalidades tradicionais como vôlei e handebol tiveram em 2012 apenas três equipes em competição. Times que antigamente eram separados por grupos e faziam semifinais quase não possuem adversários.  “Na primeira vez que eu fui, em 2009, tinha cerca de dez equipes, agora tem três“, reclamou Luiza Cembranel Etges, atleta do handebol feminino da UFSC.

O presidente da Federação Catarinense do Desporto Universitário (FCDU), Manoel Obdulio Rebelo, está buscando soluções para o problema. Segundo ele, as instituições de ensino superior carecem de motivação para participar dos Jogos, principalmente por falta de dinheiro. “As universidades estão sofrendo com a crise da Acafe (Associação Catarinense das Fundações Educacionais) e cortaram alguns gastos. Um deles foi com o esporte“. A Acafe negociou recentemente uma dívida com o Governo Federal que beirava R$ 1 bilhão. A FCDU realizará visitas às universidades a fim de incentivar o investimento em atletas para tentar mostrar o esporte como prioridade.

Elitização

Dinheiro não é a única causa da diminuição no número de atletas. Até 1999, a equipe que representava Santa Catarina nos Jogos Universitários Brasileiros (JUBs) era formada por uma seleção estadual. Mas a partir daquele ano, um decreto definiu que o time representante seria a universidade campeã. As instituições particulares reconheceram o desporto universitário como uma chance de divulgar sua marca pelo país e consolidar uma equipe qualificada no cenário nacional. Foi o que aconteceu com a Unisul na última década. A equipe de vôlei masculino sagrou-se campeã da Superliga quatro vezes.

O reflexo dessa mudança atinge as quadras. Times quase profissionais disputam os Jogos e incentivam a desistência dos demais. “Ninguém viaja 10, 12 horas pra perder. Quem vê que não tem chances de ser campeão nem vai“, revela Mario Barroso, treinador do time feminino de vôlei da UFSC. Ele considera injusto treinar duas vezes por semana enquanto os adversários têm mais tempo pra se dedicar. “Para o aluno que é atleta, a principal preocupação é o estudo. Já para o atleta que é aluno, a prioridade é treinar “. Mario diz que o JUCs está esvaziado ultimamente e que uma das soluções seria separar a competição em profissional e amadora. No entanto, para enfrentar um time superior, afirma que, independentemente da vitória, é possível estabelecer metas. “Ano passado, perdemos todos os jogos e não vencemos nenhum set. Em 2012, também perdemos todos os jogos, mas ganhamos um set“. Uma das alternativas, segundo Rebelo, seria realizar o JUCs em duas ou três séries diferentes, separando as equipes em divisões para equilibrar a disputa.

Jogos brasileiros

O número de atletas diminuiu, porém a qualidade cresceu. Em 2005, Santa Catarina terminou os Jogos Universitários Brasileiros (JUBs) no 5ª lugar da classificação geral. No ano seguinte foi sexta e, em 2007 e 2008 foi vice-campeã. Ficou com o primeiro lugar em 2009.

O crescimento de equipes de ponta participando da competição contribui para elitizar o campeonato. Algumas instituições montam times para disputar campeonatos nacionais. É o caso da Esucri, do município de Morro da Fumaça, no sul do estado. A equipe de vôlei masculino participou da Superliga B, campeonato que dá acesso à elite do esporte no Brasil. Além deles, os Jogos abrigam atletas que disputaram campeonatos mundiais e olimpíadas.

No balanço final do JUCs 2012, a UFSC enviou cerca de 210 atletas para oito modalidades: atletismo, natação, vôlei, handebol, basquete, futsal e judô. Além do futebol, que não contou pontos para os Jogos. Ficaram definidos os representantes da UFSC para o JUBs, que será realizado em Foz do Iguaçu (PR) em outubro:

– Felipe Sales (atletismo)
– Barbara Locks, Fernando Prochnow e Yuri Wagner (natação)
– Cinthia Ramos, Eduardo Lorenzon e Karoliny Taiane da Cruz (xadrez)

Murici Balbinot / Estagiário de Jornalismo na Agecom / UFSC

Foto: Wagner Behr/Agecom

Tags: CDSjogos universitáriosJUCsUFSC