Instituto catarinense passará a ter papel chave na padronização mundial em imagens médicas

27/01/2012 11:30

O Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Convergência Digital (INCoD), sediado na UFSC, foi aceito oficialmente como primeiro representante brasileiro da área de ciência, tecnologia e inovação (C&T&I) no Comitê do DICOM, sigla para Digital Imaging and Communications in Medicine (Imagem Digital e Comunicação em Medicina). O DICOM é o orgão responsável por desenvolver os padrões mundiais para armazenamento e comunicação de imagens médicas. Segundo Aldo von Wangenheim (currículo lattes), professor da UFSC e coordenador do INCoD, o padrão DICOM deve obrigatoriamente ser seguido por todos os fabricantes de software e equipamentos de imagens médicas, como tomografia, ultrassom e ressonância magnética, além de software para telemedicina.

Professor Aldo von Wangenheim, coordenador do INCoD

A experiência dos pesquisadores catarinenses com o padrão DICOM vem desde 1995, com os projetos desenvolvidos por meio do Cyclops, grupo que fundou e que gerencia o INCoD. O Cyclops é pioneiro em serviços de telemedicina no Brasil: em 2005 desenvolveu a infraestrutura tecnológica que se transformou no atual Sistema Integrado Catarinense de Telemedicina e Telessaúde (STT/SC). O STT/SC permite o envio de exames e emissão de laudos a distância por especialistas em locais diferentes do paciente no estado de SC. O volume de exames armazenados já ultrapassou a marca de 1,3 milhão e engloba eletrocardiogramas, exames dermatológicos, análises clínicas, tomografia computadorizada, ressonância magnética, ultrassom, raio-X, dentre outros.

Uma das contribuições do INCoD para os padrões internacionais para telemedicina será a sua experiência em visualização web das imagens médicas. “O comitê DICOM espera que o INCoD possa trazer novas visões sobre a utilização do padrão e participar de seu desenvolvimento levando em consideração a realidade e a experiência de redes de telemedicina em países emergentes”, explica Richard Augusto Schafer de Martini (currículo lattes), pesquisador do INCoD.

O processo para tornar-se membro do Comitê começou a partir de um convite informal do DICOM em outubro de 2010, durante a participação do INCoD como observador em uma reunião de um dos grupos de trabalho. No primeiro semestre de 2011 o instituto enviou sua submissão para participar do comitê, que avaliou a experiência do INCoD, a relevância dos trabalhos na área de imagem médica e as contribuições que podem ser oferecidas para o desenvolvimento do padrão.

Criado em 1993, o DICOM é gerenciado pela Associação Estadunidense de Fabricantes de Aparelhos Eletro-Eletrônicos (NEMA) e seu comitê é formado por pouco mais de 50 membros de vários países. Além do INCoD, o outro representante brasileiro no DICOM é o Colégio Brasileiro de Radiologia, que faz parte do grupo de usuários médicos do Comitê.

Sobre o INCoD

Apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (FAPESC) e pelo Ministério de Ciência e Tecnologia, o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Convergência Digital (INCoD) possui experiência significativa na área de tecnologias, conteúdos e serviços para cidadãos e profissionais da área de saúde. A criação do INCoD foi uma iniciativa do Grupo Cyclops, da UFSC, em parceria com laboratórios e centros de pesquisas de Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro. O INCoD também desenvolve projetos para o Sistema Brasileiro de Televisão Digital Interativa.

Saiba mais

DICOM –  lista de membros: http://medical.nema.org/members.pdf

INCoD: http://www.incod.ufsc.br/

 

Por Laura Tuyama, jornalista na Agecom.

 

Tags: convergência digitaldicomimagens médicasincodtelemedicinaUFSC