Projeto 12:30 apresenta Banda ‘Brass Groove Brasil’ no Experimenta UFSC

29/10/2019 10:39

A banda “Brass Groove Brasil” traz seu som para o palco do Projeto 12:30, que integra a programação da quarta edição do Experimenta UFSC. A apresentação será nesta quarta-feira, 30 de outubro. O repertório do show traz uma mistura de gêneros musicais como o samba, o funk, o ijexá, o baião e o maracatu. O evento é gratuito e aberto à comunidade, e acontece ao lado do Centro de Cultura e Eventos da Universidade Federal de Santa Catarina, em Florianópolis, às 12h30. 

O Experimenta é a semana de arte da UFSC, e busca mostrar as produções dessa área realizadas dentro da Universidade. Sua quarta edição tem como tema “Experimenta: (n)a luta”, ressaltando a luta em defesa pelo ensino superior público, gratuito e de qualidade.

A banda

A “Brass Groove Brasil” surgiu com o objetivo de colocar os instrumentos de sopro em destaque. Em geral, eles apenas compõem bandas, mas nesse grupo compacto e contemporâneo, assumem papel principal. A identidade musical vem da reunião dos sons do samba, funk, ijexá, baião e maracatu, e de grandes nomes da música, como Pixinguinha e Moacir Santos. Suas músicas autorais e releituras promovem um diálogo entre melodia e contraponto.

Desde 2014, participaram de diversos festivais e concursos, como o Jurerê Jazz Festival, o 1º Festival Internacional de Vinho e Jazz e a 16ª Mostra SESC Cariri de Culturas. Em 2015, o grupo foi escolhido pelo Circuito SESC de Música para realizar apresentações em 25 cidades catarinenses. Durante a turnê, desenvolveram o projeto “Estrada Criativa”, compondo uma música para cada localidade visitada.

Também foram contemplados com o Edital Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura 2014/2015. O prêmio permitiu a gravação do seu primeiro CD, “Sopro Brasileiro”. A produção foi considerada “Melhor Álbum Instrumental” de 2015 no 3º Prêmio da Música Catarinense.

Integrantes

Jean Carlos (trompetista, compositor e arranjador) — Natural de Imaruí (SC), o estudante de Música da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) foi o idealizador dos primeiros arranjos da banda. Atua, há dez anos, como professor da Sociedade Musical União Josefense. Ele ganhou o prêmio de melhor composição no Festival da Música e da Integração Catarinense (FEMIC). Fez participação na gravação de CD’s e DVD’s de Luiz Gustavo Zago, Marco Oliveira e Sociedade Soul, por exemplo. Também se apresentou com Linsey Alexander, J.J. Jackson e a Camerata de Florianópolis.

Rafael Calegari (compositor e contrabaixista) — Nascido em Tubarão (SC), graduou-se em Música pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Trabalhou com artistas consagrados, como Luiz Melodia, Elza Soares, Paula Lima, Sandra de Sá, Luciana Mello e Max de Castro. Em estúdio, já participou da gravação de mais de 70 discos. Atualmente, ministra workshops sobre contrabaixo e prática de conjunto. E faz parte dos grupos: Brass Groove Brasil, Trama Trio, e Rivo Trio Samba Jazz.

Braion Jhonny (saxofonista alto, barítono e clarinetista) — O músico, natural de Blumenau (SC), começou a se envolver com a música aos seis anos, através da Banda Municipal de Blumenau, em que permaneceu até os 16. Indo do Pop ao erudito, fez parte da banda Urubules, do grupo Estatura Mediana, com o qual rodou o Brasil, e fez parte da orquestra de bailes Volare’s Band. Foi o primeiro clarinetista da banda Sinfônica da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI). Hoje, além de participar da Brass Groove Brasil, toca com o Quinteto de Saxofones PercuSax e com a trupe vocal Cantando Por Aí. Também é um dos idealizadores do projeto DAFAIA.

Fábio Mello (instrumentista (saxofonista]e compositor) — Seu contato com a música foi aos oito anos, e o levou a cursar Música na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), em 2000. Quatro anos depois, entrou para o Conservatório Musical de Tatuí (SP), para cursar Saxofone/MPB e Jazz. Já fez parte de vários conjuntos, como o grupo Ritmos Brasileiros, o Quebrando Galho e a Orquestra Sinfônica de Santa Catarina (OSSCA). No ano de 2008, junto com João Francisco Corrêa, realizou uma pesquisa das técnicas interpretativas no Choro. Já em 2013, seu projeto “Choro a Quatro” recebeu o Prêmio Funarte de Música Brasileira e o apoio do Edital Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura (SC). Atualmente, faz parte do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID), criando arranjos e composições baseados em ritmos brasileiros e investigando o conceito de Paisagem Sonora no contexto da educação musical. Além de participar de um projeto de pesquisa (CNPq) que investiga estratégias de notação para música contemporânea, orientado pelo professor Acácio Piedade.

Marco Aurélio (trombonista) — Natural de Florianópolis (SC), participou da Orquestra Sinfônica de Santa Catarina (OSSCA), da Orquestra Sinfônica de Florianópolis, da Camerata Florianópolis e do Septeto Instrumental Metal Brasil, por exemplo. Além de ter tocado com artistas como Moacyr Luz, Toninho Gerais, Nelson Sargento e Elza Soares. Em 2013, participou como trombonistas de gravações da novela “Gabriela”, da Rede Globo. Recentemente, participou da turnê brasileira da cantora norte-americana Melvia “Chick” Rodgers. Além de ministrar aulas de trombone para alunos de todo o estado de Santa Catarina.

Carlos Schmidt (trombonista, eufonista e tubista) — O florianopolitano começou seus estudos na música em 1995, na UDESC. Fez parte da Orquestra Sinfônica de Santa Catarina, da Big Band da UDESC e da Ilha Big Band. Atuou como professor da Sociedade Musical Filarmônica Comercial, como regente da Banda Marcial do Continente e da Banda de Metais e Percussão Terra Firme. Organizou a 1ª, a 2ª e a 3ª Conferência Regional-Sul de Tubas e Eufônios. Em 2013, recebeu o Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura, pelo projeto “Bombardino no Choro”.

Alexandre Damaria (percussionista) — Natural de Florianópolis (SC), atua como músico profissional desde 1996. Em 2000, foi aluno de Marcos Suzano (pandeiro brasileiro) e de Guilherme Gonçalves (baterista), na capital carioca. Fundou o grupo Tijuquera. Num período de dois anos e meio, integrou o projeto Rio Maracatu, atuando como professor. Já em 2011, lançou o livro “O Berimbau”, como coautor. Dois anos depois, fez parte do Rhythm World 23, promovido pelo Chicago Human Rhythm Project, como percussionista do grupo de sapateado Cia Trupe Toe. Hoje, cursa a Escola Livre de Música, aprendendo mais sobre percussão. Além de ministrar aulas de música e integrar grupos de chorinho, samba, salsa e maracatu.

Cristiano Forte (baterista) — Cristiano, desde 1990, é baterista profissional. É pedagogo com pós-graduação em música. Em sua carreira, recebeu vários prêmios, como 1º Batuka, Concurso de Instrumentistas do Conesul , e fez publicações em revistas brasileiras e internacionais, como a “Modern Drummer”. Sua discografia conta com a participação em mais de 50 gravações, em diversos estilos musicais. Atua como professor de bateria há mais de 20 anos. Além de ter protagonizado o projeto “FORTES” ventos, com o qual viajou por mais de 30 mil quilômetros de moto pela América do Sul, levando sua minibateria.

Edilson Forte Graciano (pianista e tecladista) — Natural de Ourinhos (SP), mais conhecido por Tatu, é formado pelo Conservatório Dramático e Musical Dr. Carlos de Campos. Participou de diversos conjuntos musicais, como o Mente Clara, o grupo de Arnou de Melo e o Quarteto Rio Vermelho. Trabalhou na empresa SP3 como diretor musical, tecladista e pianista em transatlânticos na Europa. Também participou da composição das trilhas do espetáculo Aqua do Parque Beto Carrero World. Em 2011, participou do espetáculo “Com que roupa” de Noel Rosa, como pianista, tecladista e diretor musical. No ano seguinte, fez parte do XXI Festival de Jazz em Lima, no Peru. E integrou os shows do Acústico Brognoli em homenagem à Elis Regina. Já em 2016, integrou o Torino Jazz Festival e realizou diversas apresentações na Itália e na Espanha. Atualmente, vive em Joinville (SC), onde ministra aulas de piano e práticas em conjunto pela escola “Arte Maior Joinville”, e toca com diversos músicos e conjuntos musicais, participando de festivais e turnês.

Projeto 12:30

Realizado pelo Departamento Artístico Cultural (DAC) da Secretaria de Cultura e Arte (SeCArte), da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), o Projeto 12:30 apresenta, quinzenalmente, às quartas-feiras, durante o período letivo, atrações culturais gratuitas, como música, dança e teatro, junto à Praça da Cidadania, ao lado do Centro de Cultura e Eventos da UFSC, no campus da Trindade. E neste semestre, mensalmente, estará presente também no Centro de Ciências Agrárias da UFSC, no bairro Itacorubi. Para além de atrações musicais, o Projeto 12:30 pode receber outras linguagens artísticas, como dança e teatro de rua, desde que compatíveis com a infraestrutura disponível. Artistas e grupos interessados em se apresentar no Projeto devem entrar em contato com o DAC pelos telefones (48) 3721-2497, 3721-9447 e 3721-3853 / www.dac.ufsc.br – pelo e-mail:

Serviço

O quê: apresentação da banda “Brass Groove Brasil”.
Quando: 30 de outubro, quarta-feira, às 12h30.
Onde: Em frente ao Centro de Cultura e Eventos da UFSC.
Quanto: Gratuito e aberto à comunidade.
Contato artista: http://brassgroovebrasil.com/
Contato: Projeto 12:30: Departamento Artístico Cultural (DAC) / Igrejinha da UFSC, Praça Santos Dumont, Trindade, Florianópolis / (48) 3721-2497, 3721-9447 e 3721-3853 / www.dac.ufsc.br / E-mail:

Confira a Programação do Experimenta 2019

Tags: centro de Cultura e EventosExperimentaProjeto 12:30UFSCUniversidade Federal de Santa Catarina