5º Ciclo de Palestras em Geociências homenageia alunos, professores, técnicos e parceiros

20/11/2018 17:27

O foco da abertura do V Ciclo de Palestras em Geociências, na manhã desta terça-feira, 20 de novembro, no auditório do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH), foi agradecer as muitas pessoas que colaboraram, direta e indiretamente, com a iniciativa. Os resultados têm sido tão positivos que os próximos eventos terão um formato itinerante, com realização também no exterior. E em 29 de maio de 2019, no “Dia do Geógrafo”, será lançado o livro que reúne toda a trajetória do Ciclo. As boas notícias foram reveladas pela professora Angelita Pereira, a maior entusiasta deste projeto que integrou a Geografia, a Geologia e a Oceanografia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

De aluna a professora, Angelita construiu sua história na Universidade desde 1993. Conduziu a homenagem com o cuidado de não esquecer nenhum nome, de toda e qualquer participação, seja aluno, professor, técnico-administrativo, parceiro, que segundo a pesquisadora “lhe proporcionaram um grande aprendizado. Sou muito grata a essas pessoas e à UFSC”. Ressaltou que não foi obteve recursos financeiros e o que fez a diferença foram os muitos apoiadores que se somaram ao longo dos anos. Entre os homenageados da UFSC: Reitoria, departamentos, Agência de Comunicação (Agecom), Imprensa Universitária (Gráfica) e Ouvidoria.

Fizeram parte da mesa a vice-reitora Alacoque Lorenzini Erdmann, o chefe do Departamento de Geociências Norberto Olmiro Horn Filho, o coordenador do curso de Geografia José Messias Bastos, o representante da Coordenadoria Especial de Oceanografia, Jarbas Bonetti Filho, a professora do Centro de Ciências Biológicas (CCB) Maria Risoleta Freire Marques, o vice-diretor do CFH Rogério Luiz de Souza, e o presidente da Cooperativa de Crédito dos Profissionais do CREA-SC (CredCrea) Gelásio Gomes.

Angelita Pereira (centro)

A vice-reitora cumprimentou todos que fazem com que “a universidade implemente ações desta natureza que traz estímulo ao conhecimento, ao avanço e ao aprofundamento de assuntos que são fortemente significativos para o saber da sociedade. Este é, sem dúvida, um momento especial em que se pode discutir problemáticas como também refletir sobre contribuições necessárias para o melhor viver humano.”

Norberto, na sequência, mencionou as três subáreas que compõem a Geociências na UFSC e as pessoas que compõem as mesmas. “A tradicional, a que nasceu com a UFSC, foi a Geografia, depois se criou a Oceanografia e, mais recentemente, a Geologia.” Fez um agradecimento especial à Angelita pela atuação desde o início do Ciclo de Palestras, pela sua trajetória acadêmica e pelo esforço pessoal e coletivo para a concretização deste momento.

Rogério demonstrou em sua fala a satisfação “de estar em um ambiente acadêmico em que haja o envolvimento, de fato, de estudantes e professores na tentativa contínua de estimular e aprimorar a produção do conhecimento”. Reforçou que um ciclo de palestras ou de debates alcança este objetivo, o de dar visibilidade à produção científica produzida ao longo de tantos anos. O que muitas vezes fica restrita aos laboratórios, em momentos como este, proporciona à divulgação tão necessária dentro e fora da Universidade.

Para Jarbas iniciativas como essa mostram que o conhecimento não tem fronteiras rígidas e, além disso, contribuem para que a sociedade perceba de que a ciência é construída de maneira pluridisciplinar. “Apesar de se ter o foco na formação de base, mas no momento em que se explica à sociedade a solução de algum problema prático ou ambiental, é a interação do conhecimento que nos faz lograr sucesso”.

Messias, que coordena o curso de Geografia, destacou em sua fala “a visão estratégica do professor Henrique Fontes, que deu origem na década de 50 à Faculdade Catarinense de Filosofia, hoje CFH, e por sua luta para a construção da Universidade. A Geografia, por ser um dos cursos pioneiros da UFSC, teve o privilégio de fazer parte deste processo”. Também citou outro nome de relevância para a área, o do professor Carlos Augusto Figueiredo Pompeo, que será homenageado nesta quarta-feira, 21 de novembro, no auge dos seus 92 anos.

O entusiasmo de Angelita também foi lembrado pela professora Maria Risoleta. Colocou que o CCB é parceiro do CFH em projetos que visam trazer a visão conjunta do biólogo, do geógrafo, do geólogo e do oceanógrafo para assim poder analisar complexos problemas ambientais. “Não tem como este conhecimento chegar à sociedade e, talvez subsidiar decisões institucionais para a melhoria da qualidade de vida, sem que haja este tipo de debate. Neste sentido agradeço e reconheço a contribuição dos discentes das Ciências Biológicas” para o sucesso da ideia que, hoje, faz parte da memória da Universidade.

A última fala ficou por conta do professor e engenheiro civil Gelásio Gomes. O CredCrea, cooperativa de crédito que preside, é parceira do Ciclo de Palestras desde a primeira edição. Para ele, “Angelita é uma sonhadora realizadora”. E como este projeto está ligado à educação, sua essência se encaixa no 5º dos sete princípios do Cooperativismo no mundo inteiro – “Educação, formação e informação  – Todos ensinam e aprendem” -, e por este motivo que a entidade não poderia deixar de apoiá-lo.

No final, o espaço foi aberto às homenagens a todos os envolvidos no V Ciclo de Palestras em Geociências.

Rosiani Bion de Almeida/Agecom/UFSC

Fotos: Jair Quint/Agecom/UFSC