Pesquisas científicas, tecnológicas, ambientais e sociais a bordo do Veleiro ECO

17/10/2018 17:30

Nem mesmo o céu encoberto, chuva fina e insistente, e vento característico próximo à baía desencorajaram as pessoas a estarem na manhã desta quarta-feira, 17 de outubro, no trapiche da Beira-Mar Norte, em Florianópolis, para o batismo e lançamento do Veleiro ECO – Expedições Científicas Oceanográficas -, totalmente projetado e construído pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). A bordo do laboratório marinho, pesquisadores nacionais e internacionais de diversas áreas do conhecimento realizarão pesquisas científicas, tecnológicas, ambientais e sociais, a um baixo custo.

O veleiro ficará ancorado na capital até sua partida para as primeiras expedições. Até este sábado, dia 20, é parte da programação da 17ª Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFSC (Sepex) e a população pode visitar a embarcação e o estande voltado ao combate do lixo marinho e a importância da conservação do meio ambiente.

A missão do Veleiro ECO é pesquisar, monitorar e proteger a vida dos ecossistemas marinhos, desenvolvendo ciência e tecnologia do mar, promovendo divulgação e educação para as gerações futuras. E para percorrer este mar de conhecimento, a embarcação conta com laboratório para realização de análises a bordo e equipamentos específicos para coleta de material como plâncton e lixo marinho. Também está em seu planejamento navegar por diversas mídias no papel de protagonista de importantes documentários e séries para a TV e internet.

Com 60 pés, o equivalente a 20m de comprimento e 5,3m de largura, o veleiro tem casco de alumínio soldado com quilha retrátil, o que permite a navegação com segurança tanto em águas rasas, como estuários e mangues, quanto em águas profundas. A embarcação permite a acomodação de oito pesquisadores e dois tripulantes em travessia, e um total de 20 pesquisadores em navegação costeira sem pernoite. A autonomia é de 3000 milhas náuticas com motor (200HP e 5000l de diesel) e de grandes travessias à vela, incluindo a navegação polar.

Para o coordenador e idealizador do Veleiro ECO, o professor de Engenharia Mecânica Orestes Alarcon, este momento simboliza formalmente o início das expedições. E para chegar até aqui foi um desafio muito grande e agradeceu a cada um de sua equipe, às instituições e empresas que apoiaram a ideia. “É uma satisfação poder contar com o apoio de todos esses parceiros. O agradecimento especial ao time ECO que nestes seis anos mergulhou fundo neste projeto”, enfatiza.

Entre os presentes, o reitor Ubaldo Cesar Balthazar, o pró-reitor de Pesquisa Sebastião Roberto Soares, o chefe do Departamento da Engenharia Mecânica, Sergio Gargioni, o diretor do Centro Tecnológico (CTC), Edson Roberto De Pieri, o diretor-presidente da Fundação de Ensino e Engenharia de Santa Catarina (Feesc), Raul Valentin da Silva, a representante do Ministério do Meio Ambiente, Patrícia Barbosa, o comandante da Capitania dos Portos da Marinha do Brasil, Roberto Bruno Fabiano, o presidente do Instituto do Meio Ambiente, André Adriano Dick, o superintendente da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Rodrigo Gular e o secretário municipal do Meio Ambiente, Nelson Gomes. Foi escolhida para ser a madrinha da embarcação, a professora Zelinda Leão, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), que também participou do evento.

Para o reitor “é uma alegria lançar oficialmente ao mar o nosso veleiro, construído pelos nossos pesquisadores, professores e alunos e com abertura para que outros profissionais se engajem neste trabalho de ponta. É a Universidade mostrando toda a sua capacidade, seu potencial, seus recursos humanos e sua inteligência”.

Responsável pela área de Pesquisa da UFSC, o pró-reitor Sebastião Soares vê este momento como significativo, pois “mostra a competência da Universidade em realizar pesquisas e este barco, em particular, reúne um conjunto de saberes que merece ser ressaltado, o projeto, a execução, a definição de materiais e procedimentos, o tornam completo. E na sua utilização se incorpora outra atividade de pesquisa multidisciplinar, envolvendo as pessoas que conhecem os temas relacionados ao mar como também a parte de divulgação dos resultados”, observa.

“O Veleiro ECO, na verdade, é um laboratório móvel que nos enche de orgulho por ser na sua totalidade pensado e executado na UFSC. É o que se espera da Universidade, seu protagonismo na criação e transmissão de conhecimento”, reforça o pró-reitor. Também falou da Sepex que se inicia nesta quinta, 18 de outubro. “A feira pretende mostrar um pouco do que a Universidade proporciona nos três principais eixos -Ensino, Pesquisa e Extensão. O objetivo maior é ser um momento de abertura para a sociedade como um todo, por isso neste ano ela está mais descentralizada, para proporcionar mais interação. Teremos atividades lúdicas e grandes palestras dentro e fora da UFSC. Um dos seus focos é a nova geração, incentivar o gosto dos jovens pela pesquisa e acreditamos que a Sepex nos ajuda a chegar mais próximo desta tarefa”, finaliza.

História do Veleiro

A construção da embarcação iniciou em 2012 com o objetivo de aprimorar e expandir as pesquisas oceanográficas do país, incluindo soluções em robótica, estudos sobre as mudanças climáticas no oceano, tecnologias na área de óleo e gás, monitoramento e apoio à exploração sustentável da biodiversidade e contribuições para a preservação da Amazônia Azul.

A construção foi realizada no Sapiens Park, em Florianópolis. Antes de ir para o habitat natural, o Veleiro desfilou por terra. Em uma operação durante a madrugada, o ECO cruzou as ruas de Florianópolis até chegar ao estaleiro Schaeffer, na parte continental da cidade, onde foi colocado pela primeira vez na água em 6 de setembro de 2017.

No mesmo dia, realizou a primeira viagem até a Marina Itajaí. Ainda em Itajaí, o veleiro foi protagonista do I Encontro sobre Lixo Marinho do Atlântico Sul em 2017, uma das atrações da Volvo Ocean Race 2018 e uma das estrelas do III Salão Náutico, realizado em julho deste ano em Itajaí.

No local passou ainda por etapas fundamentais como a colocação do mastro e da quilha retrátil. Após seis anos de vários testes e muito trabalho da equipe, o ECO está pronto para as primeiras expedições e incontáveis descobertas, aprendizados e conhecimento que aguardam em alto mar.

Mais informações no site do Veleiro Eco.

Rosiani Bion de Almeida/Agecom/UFSC