Poeta e jornalista Carlos Damião é o convidado do Círculo de Leitura

24/08/2011 10:51

O poeta e jornalista Carlos Damião Werner Martins é o convidado da edição de agosto do Círculo de Leitura de Florianópolis. Ele falará sobre livros e leituras às 18h desta quinta-feira, dia 25, na Sala Harry Laus da Biblioteca Universitária da UFSC, no bairro Trindade, em Florianópolis. Natural de São José, 55 anos, trabalhou em vários veículos de comunicação da Capital, incluindo os jornais alternativos Desterro e Contestado, e também militou na política estudantil nos anos da ditadura militar.

(mais…)

Tags: Carlos DamiãoCírculo de Leitura

Jornalista Moacir Pereira é o convidado do Círculo de Leitura de Florianópolis

30/06/2011 08:02

O jornalista Moacir Pereira, com 48 anos de carreira e 33 livros publicados, é o convidado da edição de junho do Círculo de Leitura de Florianópolis. Ele falará de suas leituras, dos livros e autores prediletos às 18h de quinta-feira, dia 30, na Sala Harry Laus da Biblioteca Universitária da UFSC, em Florianópolis.

Formado em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina, Moacir Pereira tem mestrado em Ciência Política, mas toda a sua trajetória profissional foi construída no jornalismo. Colunista e comentarista de rádio, jornal e televisão, e agora também num blog no portal CLICRBS, já presidiu a Associação Catarinense de Imprensa, foi o primeiro coordenador do curso de Jornalismo da UFSC e recebeu vários prêmios estaduais e nacionais de jornalismo.

Pereira também fez coberturas de missões empresariais, parlamentares, culturais e oficiais na América do Norte, Europa, Ásia, Oriente Médio, extremo Oriente e Oceania. Graças a seus livros, tornou-se membro do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina e é titular da cadeira nº. 3 da Academia Catarinense de Letras.

O CÍRCULO

Criado pelo poeta Alcides Buss, o Círculo de Leitura é um projeto que permite ao convidado e aos presentes discutirem informalmente sobre os livros que estejam lendo, as leituras do passado e as influências de outros autores sobre o seu trabalho. Escritores e jornalistas como Salim Miguel, Oldemar Olsen Jr., Fábio Brüggemann, Inês Mafra, Mário Pereira, Maicon Tenfen, Cleber Teixeira, Dennis Radünz, Rubens da Cunha, Renato Tapado, Raimundo Caruso, Nei Duclós, Marco Vasques, Zahidé Muzart, João Carlos Mosimann, Mário Prata, Rogério Pereira, Celso Martins, Rosana Bond, Silveira de Souza e Tabajara Ruas foram alguns dos participantes das etapas anteriores do projeto.

BREVE ENTREVISTA

Como foram suas primeiras experiências em relação à leitura? Em sua casa, na infância e na adolescência, havia um ambiente de estímulo ao contato com os livros e o conhecimento?

Moacir Pereira – Toda minha formação está baseada na escola e nas boas leituras. Na infância, os clássicos infantis de leitura obrigatória até  nas escolas públicas. Na adolescência, tive acesso a alguns ícones da literatura brasileira e portuguesa, todos recomendados pelos excelentes professores do Colégio Catarinense e depois no Instituto Estadual de Educação, entre eles o saudoso Nereu Correa. Entre os portugueses, os conhecidos Eça de Queirós, Fernando Pessoa e Camões. Na relação dos brasileiros, Machado de Assis (a chama acesa sempre), Lima Barreto, Euclides da Cunha (por razões óbvias), José de Alencar, Graciliano Ramos e alguma coisa de Guimarães Rosa. Curioso é que num determinado período me encantei com os romances policiais e li quase toda a coleção do francês Maurice Leblanc, pela criatividade de seu personagem principal, o lendário Arsena Lupin.

Que livros e autores mais o atraíram naquela fase e na juventude?

Moacir –  Foram vários autores em momentos distintos e quase sempre com a motivação escolar. Alexandre Dumas bem jovem, depois Maurice Leblanc, uma fase forte de quadrinhos, e depois no segundo grau o clássicos.

Num tempo tantos apelos (na mídia, na internet), como vê a relação dos jovens de hoje com os livros e a leitura?

Moacir – Vejo com preocupação, pois sinto falta de motivação nos jovens para as boas leituras. As livrarias vendem mais hoje em dia, mas percebo que muito para o público adulto. A digitalização e a internet estão tirando aquele prazer insubstituível do livro impresso.

Na mesma linha, de que forma seleciona suas leituras, diante de tantas possibilidades e da avalanche de edições de livros no Brasil?

Moacir – A seleção se dá quase sempre pelo tema. Opto em primeiro lugar por obras que possam me enriquecer profissionalmente. Depois entro na linha dos livros de informação geral, descobertas, avanços tecnológicos. E na terceira prioridade, algo mais leve.

Com a possibilidade de acessar a leitura por meio de outros suportes, estaria o livro, de alguma forma, ameaçado?

Moacir – A ameaça é real para o livro e para jornais e revistas impressos. Mas tenho esperanças de que as mídias se completem, como ocorreu com o jornal no surgimento do rádio e com o rádio na descoberta da TV. Se os jornalistas tiverem competência, manterão a mídia impressa bem viva, complementando a digital.

Que tipo de leitura prefere hoje e o que está lendo no momento?

Moacir – As preferências hoje são para obras ligadas ao jornalismo, à política e à comunicação. Acabei de reler “Minhas viagens com Heródoto” do jornalista polonês Kapuscinski, recentemente falecido. E estou terminando “O Lulismo no Poder”, de Merval Pereira.

Fale um pouco de sua carreira e dos livros que publicou.

Moacir – Estou com 48 anos de jornalismo. Comecei como rádio-escuta da antiga rádio Anita Garibaldi e logo me encantei com a reportagem. Costumo dizer que nasci repórter, vivo repórter e morrerei repórter. Tive experiências em diferentes atividades e empresas jornalísticas. Comecei com a RBS em 1979 e retornei ao grupo 20 anos depois, onde atuo como multimídia, uma experiência fascinante, rica e inédita que dá muito trabalho, mas também é gratificante.

Devo minha condição de autor ao saudoso Odilon Lunardelli. Assistiu uma palestra minha sobre “liberdade de imprensa” e insistiu para que a transformasse em livro.  Nasceu “Comunicação e Liberdade”, prefaciado pelo amigo Cesar Valente. Vieram depois obras acadêmicas, livros de pesquisa histórica, biografias diversas, títulos de grandes entrevistas e trabalhos que resultaram de viagens internacionais.

Foram 33 livros até agora.  Pesquisar, escrever livros e receber o primeiro exemplar da editora são emoções que só os autores podem avaliar e festejar.

LIVROS PUBLICADOS

1. Jornalista: Orientação Profissional. Ioesc/Sindicato dos Jornalistas, 1976

2. Comunicação e Liberdade. Editora Lunardelli, 1976

3. Imprensa: um Compromisso com a Liberdade. Editora Lunardelli, 1979

4. Imprensa: um Caminho para a Liberdade. Editora Lunardelli, 1980

5. Aspectos da Realidade Política de Santa Catarina. CNBB, 1980

6. A Imprensa em Debate. Editora Lunardelli, 1981

7. O Golpe do Silêncio. Global Editora (São Paulo), 1984

8. O Poder da Constituinte. Editora Lunardelli, 1986

9. A Democratização da Comunicação. Global Editora, 1987

10. Imprensa e Poder: a Comunicação em Santa Catarina. Editora Lunardelli, 1992

11. O Profeta da Esperança. Editora Lunardelli, 1992

12. O Direito à Informação na Nova Lei de Imprensa. Global Editora, 1993

13. O Golpe das Letras. Editora Insular, 1997

14. Ivo Silveira: um Depoimento. Editora Insular, 1998

15. Adolfo Zigelli. Jornalismo de Vanguarda. Editora Insular, 2000

16. Kleinubing: uma Trajetória de Coerência. Editora Insular, 2001

17. Santa Catarina, Padroeira: Tesouros no Sinai. Editora Insular, 2002

18. Jornalismo, Cultura e Cidadania. Editora Insular, 2003

19. Senhor dos Passos: o Protetor de Florianópolis. Editora Insular, 2004

20. A Primeira Viagem: o Índio Carijó que Virou Príncipe Francês. Editora Insular, 2004

21. Novembrada: um Relato da Revolta Popular. Editora Insular, 2004

22. Manual do Jornalismo e da Comunicação. Editora Insular, 2005

23. Pedro Ivo: um Coronel Democrata. Editora Insular, 2006

24. Victor Fontana: Percorrendo Caminhos. Editora Insular, 2006

25. Colombo Salles: o Jogo da Verdade. Editora Insular, 2007

26. Crea-SC: 50 Anos Orgulhando Santa Catarina. Editora Insular, 2008

27. Gustavo de Lacerda: Catarinense, Fundador da ABI. Editora Insular, 2008

28. Um Catarinense Visionário: Gustavo de Lacerda e o Centenário da ABI. Editora Insular, 2008

29. Dakir Polidoro: a Hora do Despertador. Editora Insular, 2009

30. História do Fisco Catarinense: Construindo uma Santa Catarina Melhor. Editora Insular, 2009

31. Carlin, Volnei Ivo et Pereira, Moacir. Alcides Abreu: o Construtor do Futuro. Editora Insular, 2009

32. Altino Flores: Fundador da ACI. Editora Insular, 2010

33. Aderbal Ramos da Silva. Editora Insular, 2011

Contatos com Moacir Pereira podem ser feitos pelo e-mail

Por Paulo Clóvis Schmitz/jornalista na Agecom

Tags: Círculo de Leitura

Jornalista Moacir Pereira é o convidado do Círculo de Leitura de Florianópolis

27/06/2011 13:25

O jornalista Moacir Pereira, com 48 anos de carreira e 33 livros publicados, é o convidado da edição de junho do Círculo de Leitura de Florianópolis. Ele falará de suas leituras, dos livros e autores prediletos às 18h de quinta-feira, dia 30, na Sala Harry Laus da Biblioteca Universitária da UFSC, em Florianópolis.

Formado em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina, Moacir Pereira tem mestrado em Ciência Política, mas toda a sua trajetória profissional foi construída no jornalismo. Colunista e comentarista de rádio, jornal e televisão, e agora também num blog no portal CLICRBS, já presidiu a Associação Catarinense de Imprensa, foi o primeiro coordenador do curso de Jornalismo da UFSC e recebeu vários prêmios estaduais e nacionais de jornalismo.

Pereira também fez coberturas de missões empresariais, parlamentares, culturais e oficiais na América do Norte, Europa, Ásia, Oriente Médio, extremo Oriente e Oceania. Graças a seus livros, tornou-se membro do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina e é titular da cadeira nº. 3 da Academia Catarinense de Letras.

O CÍRCULO

Criado pelo poeta Alcides Buss, o Círculo de Leitura é um projeto que permite ao convidado e aos presentes discutirem informalmente sobre os livros que estejam lendo, as leituras do passado e as influências de outros autores sobre o seu trabalho. Escritores e jornalistas como Salim Miguel, Oldemar Olsen Jr., Fábio Brüggemann, Inês Mafra, Mário Pereira, Maicon Tenfen, Cleber Teixeira, Dennis Radünz, Rubens da Cunha, Renato Tapado, Raimundo Caruso, Nei Duclós, Marco Vasques, Zahidé Muzart, João Carlos Mosimann, Mário Prata, Rogério Pereira, Celso Martins, Rosana Bond, Silveira de Souza e Tabajara Ruas foram alguns dos participantes das etapas anteriores do projeto.

BREVE ENTREVISTA

Como foram suas primeiras experiências em relação à leitura? Em sua casa, na infância e na adolescência, havia um ambiente de estímulo ao contato com os livros e o conhecimento?

Moacir Pereira – Toda minha formação está baseada na escola e nas boas leituras. Na infância, os clássicos infantis de leitura obrigatória até  nas escolas públicas. Na adolescência, tive acesso a alguns ícones da literatura brasileira e portuguesa, todos recomendados pelos excelentes professores do Colégio Catarinense e depois no Instituto Estadual de Educação, entre eles o saudoso Nereu Correa. Entre os portugueses, os conhecidos Eça de Queirós, Fernando Pessoa e Camões. Na relação dos brasileiros, Machado de Assis (a chama acesa sempre), Lima Barreto, Euclides da Cunha (por razões óbvias), José de Alencar, Graciliano Ramos e alguma coisa de Guimarães Rosa. Curioso é que num determinado período me encantei com os romances policiais e li quase toda a coleção do francês Maurice Leblanc, pela criatividade de seu personagem principal, o lendário Arsena Lupin.

Que livros e autores mais o atraíram naquela fase e na juventude?

Moacir –  Foram vários autores em momentos distintos e quase sempre com a motivação escolar. Alexandre Dumas bem jovem, depois Maurice Leblanc, uma fase forte de quadrinhos, e depois no segundo grau o clássicos.

Num tempo tantos apelos (na mídia, na internet), como vê a relação dos jovens de hoje com os livros e a leitura?

Moacir – Vejo com preocupação, pois sinto falta de motivação nos jovens para as boas leituras. As livrarias vendem mais hoje em dia, mas percebo que muito para o público adulto. A digitalização e a internet estão tirando aquele prazer insubstituível do livro impresso.

Na mesma linha, de que forma seleciona suas leituras, diante de tantas possibilidades e da avalanche de edições de livros no Brasil?

Moacir – A seleção se dá quase sempre pelo tema. Opto em primeiro lugar por obras que possam me enriquecer profissionalmente. Depois entro na linha dos livros de informação geral, descobertas, avanços tecnológicos. E na terceira prioridade, algo mais leve.

Com a possibilidade de acessar a leitura por meio de outros suportes, estaria o livro, de alguma forma, ameaçado?

Moacir – A ameaça é real para o livro e para jornais e revistas impressos. Mas tenho esperanças de que as mídias se completem, como ocorreu com o jornal no surgimento do rádio e com o rádio na descoberta da TV. Se os jornalistas tiverem competência, manterão a mídia impressa bem viva, complementando a digital.

Que tipo de leitura prefere hoje e o que está lendo no momento?

Moacir – As preferências hoje são para obras ligadas ao jornalismo, à política e à comunicação. Acabei de reler “Minhas viagens com Heródoto” do jornalista polonês Kapuscinski, recentemente falecido. E estou terminando “O Lulismo no Poder”, de Merval Pereira.

Fale um pouco de sua carreira e dos livros que publicou.

Moacir – Estou com 48 anos de jornalismo. Comecei como rádio-escuta da antiga rádio Anita Garibaldi e logo me encantei com a reportagem. Costumo dizer que nasci repórter, vivo repórter e morrerei repórter. Tive experiências em diferentes atividades e empresas jornalísticas. Comecei com a RBS em 1979 e retornei ao grupo 20 anos depois, onde atuo como multimídia, uma experiência fascinante, rica e inédita que dá muito trabalho, mas também é gratificante.

Devo minha condição de autor ao saudoso Odilon Lunardelli. Assistiu uma palestra minha sobre “liberdade de imprensa” e insistiu para que a transformasse em livro.  Nasceu “Comunicação e Liberdade”, prefaciado pelo amigo Cesar Valente. Vieram depois obras acadêmicas, livros de pesquisa histórica, biografias diversas, títulos de grandes entrevistas e trabalhos que resultaram de viagens internacionais.

Foram 33 livros até agora.  Pesquisar, escrever livros e receber o primeiro exemplar da editora são emoções que só os autores podem avaliar e festejar.

LIVROS PUBLICADOS

1. Jornalista: Orientação Profissional. Ioesc/Sindicato dos Jornalistas, 1976

2. Comunicação e Liberdade. Editora Lunardelli, 1976

3. Imprensa: um Compromisso com a Liberdade. Editora Lunardelli, 1979

4. Imprensa: um Caminho para a Liberdade. Editora Lunardelli, 1980

5. Aspectos da Realidade Política de Santa Catarina. CNBB, 1980

6. A Imprensa em Debate. Editora Lunardelli, 1981

7. O Golpe do Silêncio. Global Editora (São Paulo), 1984

8. O Poder da Constituinte. Editora Lunardelli, 1986

9. A Democratização da Comunicação. Global Editora, 1987

10. Imprensa e Poder: a Comunicação em Santa Catarina. Editora Lunardelli, 1992

11. O Profeta da Esperança. Editora Lunardelli, 1992

12. O Direito à Informação na Nova Lei de Imprensa. Global Editora, 1993

13. O Golpe das Letras. Editora Insular, 1997

14. Ivo Silveira: um Depoimento. Editora Insular, 1998

15. Adolfo Zigelli. Jornalismo de Vanguarda. Editora Insular, 2000

16. Kleinubing: uma Trajetória de Coerência. Editora Insular, 2001

17. Santa Catarina, Padroeira: Tesouros no Sinai. Editora Insular, 2002

18. Jornalismo, Cultura e Cidadania. Editora Insular, 2003

19. Senhor dos Passos: o Protetor de Florianópolis. Editora Insular, 2004

20. A Primeira Viagem: o Índio Carijó que Virou Príncipe Francês. Editora Insular, 2004

21. Novembrada: um Relato da Revolta Popular. Editora Insular, 2004

22. Manual do Jornalismo e da Comunicação. Editora Insular, 2005

23. Pedro Ivo: um Coronel Democrata. Editora Insular, 2006

24. Victor Fontana: Percorrendo Caminhos. Editora Insular, 2006

25. Colombo Salles: o Jogo da Verdade. Editora Insular, 2007

26. Crea-SC: 50 Anos Orgulhando Santa Catarina. Editora Insular, 2008

27. Gustavo de Lacerda: Catarinense, Fundador da ABI. Editora Insular, 2008

28. Um Catarinense Visionário: Gustavo de Lacerda e o Centenário da ABI. Editora Insular, 2008

29. Dakir Polidoro: a Hora do Despertador. Editora Insular, 2009

30. História do Fisco Catarinense: Construindo uma Santa Catarina Melhor. Editora Insular, 2009

31. Carlin, Volnei Ivo et Pereira, Moacir. Alcides Abreu: o Construtor do Futuro. Editora Insular, 2009

32. Altino Flores: Fundador da ACI. Editora Insular, 2010

33. Aderbal Ramos da Silva. Editora Insular, 2011

Contatos com Moacir Pereira podem ser feitos pelo e-mail

Por Paulo Clóvis Schmitz/jornalista na Agecom

Tags: Círculo de LeituraMoacir Pereira

Silveira de Souza é o convidado do Círculo de Leitura nesta quinta na UFSC

26/05/2011 14:36

Considerado um dos principais contistas de Santa Catarina e, para muitos críticos, do Brasil, João Paulo Silveira de Souza é o convidado da primeira edição de 2011 do Círculo de Leitura de Florianópolis, que será realizada às 18h de quinta-feira, dia 26, na sala Harry Laus da Biblioteca Central da Universidade Federal de Santa Catarina. Também cronista e tradutor, Silveira é membro da Academia Catarinense de Letras e acabou de lançar, pela Editora da UFSC, o segundo volume de “Ecos no porão”, que reúne uma seleção de contos publicados de 1980 para cá.

(mais…)

Tags: Círculo de LeituraUFSC

Silveira de Souza é o convidado do Círculo de Leitura de Florianópolis

24/05/2011 10:35

Considerado um dos principais contistas de Santa Catarina e, para muitos críticos, do Brasil, João Paulo Silveira de Souza é o convidado da primeira edição de 2011 do Círculo de Leitura de Florianópolis, que será realizada às 18h de quinta-feira, dia 26, na sala Harry Laus da Biblioteca Central da Universidade Federal de Santa Catarina. Também cronista e tradutor, Silveira é membro da Academia Catarinense de Letras e acabou de lançar, pela Editora da UFSC, o segundo volume de “Ecos no porão”, que reúne uma seleção de contos publicados de 1980 para cá.

Criado pelo poeta Alcides Buss, o Círculo de Leitura é um projeto que permite ao convidado e aos presentes discutirem informalmente sobre os livros que estejam lendo, as leituras do passado e as influências de outros autores sobre o seu trabalho. Escritores e jornalistas como Salim Miguel, Oldemar Olsen Jr., Fábio Brüggemann, Inês Mafra, Mário Pereira, Maicon Tenfen, Cleber Teixeira, Dennis Radünz, Rubens da Cunha, Renato Tapado, Raimundo Caruso, Nei Duclós, Marco Vasques, Zahidé Muzart, João Carlos Mosimann, Mário Prata, Rogério Pereira, Celso Martins, Rosana Bond e Tabajara Ruas foram alguns dos participantes das etapas anteriores do projeto.

O convidado – Silveira de Souza nasceu em Florianópolis em 1933. Aos 13 anos, junto com Carlos da Costa Pereira Filho, publicou o mensário Farrapos. Dois anos depois, editou com Hugo Mund Júnior o jornal cultural Oásis. Na década de 50, passou a integrar o Círculo de Arte Moderna, conhecido como Grupo Sul, movimento que trouxe o modernismo para Santa Catarina.

Por essa época, escreveu “Beco”, peça em um ato, e dirigiu, com Francisco José Pereira, a página Literatura e Artes do suplemento dominical do jornal O Estado. De 1960 em diante foi professor de matemática no Instituto Estadual de Educação e na Escola Técnica Federal, em Florianópolis.

Nos anos 70, trabalhou no Departamento de Extensão Cultural da UFSC e na Fundação Catarinense de Cultura, onde coordenou a edição de publicações como Boi de Mamão (1979-1981), Cadernos da Cultura Catarinense (1984-1985) e a série de fascículos Escritores Catarinenses (1990-1991).

Os livros que publicou são “O vigia e a cidade” (contos, 1960), “Uma voz na praça” (contos, 1962), “Quatro alamedas” (contos, 1976), “Os pequenos desencontros” (crônicas, 1977), “O cavalo em chamas” (relatos, 1981), “Canário de assobio” (crônicas, 1985), “Um ônibus e quatro destinos” (romance escrito em parceria com Francisco José Pereira e Holdemar Menezes, 1994), “Rumor de folhas” (poemas, 1996), “Relatos escolhidos” (1998) e “Trololó para flauta e cavaquinho” (em parceria com Flávio José Cardozo, 1999).

Também publicou, entre outros trabalhos, “Sonetos da noite” (1958), seleção de poemas de Cruz e Sousa, e “Artepoema” (1983), experiência de integração poesia-pintura, em parceria com o pintor Hassis. Participou das antologias “Este mar catarina” (1983), “Este humor catarina” (1985), “Este amor catarina” (1996), “Contistas novos de Santa Catarina” (1952), “Panorama do conto catarinense” (1974), “Assim escrevem os catarinenses” (1976), “21 dedos de prosa” (1980), “Cambada de mentiroso” (1987) e “Os dez mandamentos”.

Breve entrevista – Por ocasião do lançamento de “Ecos no porão”, Silveira de Souza deu uma entrevista à jornalista Raquel Wandelli. Abaixo, alguns trechos da conversa, nos quais ele fala de sua criação e dos autores que leu, da infância à idade adulta.

Percebe-se em todos os contos uma consciente localização do cenário de Florianópolis que vai muito além do mero retrato ou panorama da cidade visto pelo escritor. Em que tipo de intenção estética se inscreve essa presença geográfica de Florianópolis na sua ficção?

Silveira – De fato, Florianópolis é o cenário de todos os relatos. Por não se tratar de um guia turístico, mas de um livro de ficção literária, o leitor não vai encontrar descrições pormenorizadas ou exaltações entusiásticas a respeito de suas paisagens e recantos pitorescos. O que existe são apenas brevíssimas indicações dessa geografia, integradas à ação e à mente dos personagens. Foi minha intenção que esses personagens se comportassem como habitantes de uma ilha, que a ilha fosse, indireta ou inconscientemente, um componente importante de sua psicologia. Creio que isso diferencia um tanto os meus relatos dos relatos de autores de outros estados.

Você  faz uma literatura ao mesmo tempo densa e econômica, como poucos contistas. Como chegou a essa síntese e que autores o influenciaram nessa escolha estética?

Silveira – Harold Bloom escreveu que toda a escritura é uma espécie de releitura. Se ele estiver certo, devo dizer que leio desde os dez anos de idade (estou hoje beirando os 78). Em todo esse tempo, passei por períodos de leitura em que determinado autor, às vezes determinados autores, monopolizavam a minha preferência. Posso citar alguns deles: Monteiro Lobato e Hans Christian Andersen, lá entre os 10 e 12 anos. Depois, com o tempo, foram surgindo Machado de Assis, Anton Checov, Dostoievski, Clarice Lispector, Kafka, Dyonélio Machado, Joseph Conrad, James Joyce, Thomas Mann, William Faulkner, Guimarães Rosa, Cortazar, Jorge Luis Borges, H.P. Lovecraft e alguns outros. Nem vamos falar de poetas, de compositores, de alguns desenhistas e pintores, e de alguns diretores de cinema. É provável que todos eles, de algum modo, tenham deixado alguma marca, numa frase, na estruturação de uma determinada estória, na caracterização de um dado personagem. Mas essa é uma praia para os críticos literários.

Alguns autores, como Salim Miguel, o consideram o maior escritor catarinense da atualidade e um dos melhores contistas do Brasil. O que pensa disso?

Silveira – Não tenho como responder a isso. Mas devo dizer que, desde 1960, quando publiquei “O vigia e a cidade”, até agora, o propósito real ao escrever os meus relatos foi conseguir realizar algo que me satisfizesse interiormente, do ponto de vista de uma criação estético-literária. Nunca me interessou ser, como autor, maior ou menor, principalmente num momento em que Santa Catarina tem, residindo aqui e fora daqui, um conjunto de poetas e escritores de primeira linha, como o próprio Salim.

Mais informações com Alcides Buss, coordenador do Círculo de Leitura, pelo fone (48) 9972-3045. O telefone de Silveira de Sousa é 3249-3517

Tags: Círculo de Leitura
  • Página 2 de 2
  • 1
  • 2