Atlas de línguas da Unesco revela risco de extinção de milhares de idiomas

16/02/2016 10:08

Estima-se que existam 7 mil línguas faladas no mundo, com 50% da população utilizando apenas 50 delas, e a outra metade falando 6.950 idiomas diferentes. O Atlas of the World’s Languages in Danger (Atlas Mundial das Línguas em Perigo) da Unesco foi pensado para reunir informações sobre as línguas mais usadas e classificar as que correm perigo de extinção. O professor Gilvan Müller de Oliveira, do Departamento de Língua e Literatura Vernáculas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), participou de um evento em Londres, no final de 2015, cujo objetivo foi discutir medidas para a elaboração de um novo quadro de avaliação de risco desses idiomas.

Essa ação da Unesco partiu do pressuposto de que existe a necessidade de desenvolvimento de novas iniciativas de políticas linguísticas e um melhor compartilhamento dos recursos linguísticos disponíveis.O Atlas é baseado no Índice de Vitalidade das Línguas, que estuda o que leva um idioma a ser ameaçado, as políticas de Estado em relação a ele, seu uso nos meios de comunicação, e o fato de ele ter registros na internet. O índice divide as línguas em cinco categorias: vulneráveis; seriamente em perigo; severamente em perigo; absolutamente em perigo; e extintas.

Também há a categoria de línguas revitalizadas, ou seja, as que foram extintas, mas, por um processo de regeneração, voltaram a ser utilizadas. Um dos meios utilizados para a recuperação de línguas é o de ninhos linguísticos. A proposta é de um idoso permanecer em uma creche ensinando e conversando com as crianças apenas na língua falada por ele, para, assim, não deixar parte fundamental da cultura de um povo morrer. Um exemplo é o caso do idioma córnico, da Cornuália (Inglaterra), que havia praticamente desaparecido, mas que, por meio de políticas de revitalização como essa, atualmente possui cerca de 300 falantes.

Um concurso de redação da ONU debaterá a importância que a habilidade multilíngue tem no estímulo à cidadania global e ao entendimento cultural.Os 70 selecionados irão participar do Fórum Global de Juventude do Impacto Acadêmico da ONU, em julho, em Nova Iorque. O professor Gilvan de Oliveira defende a importância de promover a diversidade linguística. “A Declaração dos Direitos Humanos de 48 diz que você é livre pra expressar suas ideias, mas você é livre pra expressá-las desde que seja na língua do Estado. Não é possível democratizar a informação em quatro ou cinco línguas apenas.”

No encontro em Londres, foi discutida a revisão dos descritores sociolinguísticos que traçam a vida de um idioma: como, onde, quem e por que o usam. Os pesquisadores também debateram a presença da língua no mundo digital: a ideia de que é preciso uma avaliação da vitalidade digital da linguagem, pesquisar se para cada língua existem referências na Wikipédia, corretores ortográficos, além de blogs e noticiários produzidos no idioma.

Segundo o professor Gilvan, o desafio agora é como coletar informações sobre os idiomas; por isso, a Unesco realiza encontros regionais, para formar uma rede de cooperação. Um dos dados do estudo revela que, das 7 mil línguas do mundo, só 700 têm tradição escrita, e dessas, apenas 70 possuem literatura.

Historicamente, com a expansão da Europa no ocidente, alguns idiomas se tornaram tão dominantes que acabaram com a possibilidade de reprodução das tradições linguísticas entre as gerações. No Brasil, o português reduziu o uso das línguas indígenas – atualmente, apenas 19 municípios no país têm outras línguas oficiais. São Gabriel da Cachoeira (AM) é o único município a ter três idiomas reconhecidos oficialmente, além do português.

Fernanda Felizari /Estagiária de Jornalismo/Propesq/DGC/UFSC

Revisão: Claudio Borrelli/Revisor de Textos da Agecom/DGC/UFSC