UFSC homenageia pesquisadora que colabora com a padronização de mapas táteis

29/08/2011 13:28

“Vamos ao mesmo tempo ensinando e aprendendo”, conta satisfeita a professora. Fotos: Cláudia Reis / Agecom

Saber interpretar um mapa é tão importante quanto ler e escrever. É uma forma de exercitar o domínio do espaço, de construir visões de mundo. Mapas tornam concreto o que é abstrato, levam conhecimento produzido por poucas pessoas para muitas.

“Os mapas fazem pensar o mundo, são modelos de realidade que podem tornar as pessoas mais seguras, têm relação com a cidadania”, defende a professor Ruth Emília Nogueira que há 20 anos faz da pesquisa, do ensino e da extensão em Cartografia o foco de seu trabalho. Docente do Departamento de Geociências, atual coordenadora da Pós-Graduação em Geografia, ela é a escolhida pelo Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH) para receber o Prêmio Destaque Pesquisador UFSC 2011.

Coordenadora do Laboratório de Cartografia Tátil e Escolar, Ruth Emília Nogueira trabalha atualmente com mapas para educação e para mobilidade. Em sua visão, a fragilidade da área de cartografia é estrutural, pode ser percebida desde as séries iniciais, em equívocos nos livros didáticos, na falta de preparo de professores de Geografia, por desconhecimento que afeta a compreensão da importância da ciência e arte de expressar o espaço graficamente por mapas.

Autora de livros, capítulos e artigos científicos na área de Cartografia, ela passou por momentos curiosos ao falar de seu campo de atuação. “Já me perguntaram se eu entregava ou transcrevia cartas”, lembra a professora que se preocupa com um “analfabetismo cartográfico”, calcanhar de Aquiles no ensino de Geografia.

Seu trabalho produz conhecimento que busca colaborar com a formação de recursos humanos, futuros professores e pesquisadores para qualificar essa área. O conhecimento gerado na universidade com apoio de órgãos financiadores como CNPq e Finep é compartilhado no site do Laboratório de Cartografia Tátil e Escolar e em publicações. Seu Currículo Lattes documenta mais de uma dezena de livros publicados ou organizados, e a autoria de outros 10 capítulos.

O livro Cartografia: representação, comunicação e visualização de dados espaciais, lançado em 2006 e já na sua terceira edição pela Editora da UFSC, é o primeiro manual em língua portuguesa que mostra como fazer mapas e está em todos os lugares onde se ensina Cartografia, de norte a sul do País.

No caminho trilhado com colegas professores, estudantes de graduação e de pós-graduação, foi estruturado também o livro Motivações Hodiernas para Ensinar Geografia – Representações do Espaço para Visuais e Invisuais. A obra que reúne 17 autores é direcionada ao professor, estimulando que reconheça suas limitações ou desafios e tenha contato com novas possibilidades para o ensino da Geografia e da cartografia escolar.

Mapas táteis
A segunda parte do livro é estruturada em seis capítulos que trazem resultados de pesquisa e ensino do espaço geográfico para pessoas cegas e de baixa visão. Vários trabalhos foram desenvolvidos em parceria com a Fundação Catarinense de Educação Especial e a Associação para Integração do Cego de Santa Catarina.

“Um dia recebi um bilhete da Fundação solicitando uma adaptação dos mapas para cegos”, lembra a professora sobre o início do relacionamento com as entidades. Era mais um desafio em sua trajetória. Ela não tinha conhecimentos sobre braille e também nunca havia pensado como os mapas poderiam ser usados por pessoas de baixa visão ou cegas.

Ficou maravilhada com a possibilidade de estudar e produzir mapas e gráficos táteis, materiais usados como recursos educativos ou facilitadores de mobilidade em edifícios públicos e centros urbanos. Pesquisou modelos usados na Europa e no Brasil. Neles observou como texturas em relevo são usadas em mapas táteis e que a padronização é um desafio. Afinal, como padronizar para invisuais? Que texturas e símbolos preferem? Como constroem sua imagem mental? Algumas respostas foram conquistadas, outras surgem com novos projetos.

“Vamos ao mesmo tempo ensinando e aprendendo”, conta satisfeita a professora que em uma de suas mais recentes pesquisas avalia a elaboração de conceitos geográficos em estudantes com deficiência visual com o apoio da cartografia tátil. É mais um passo em sua trajetória de pesquisa que já resultou em algumas propostas e busca aprimorar a padronização de mapas táteis para o Brasil.

Saiba Mais:

Trajetória:
– Natural do Paraná, Ruth Emília Nogueira nasceu em uma família humilde, terceira entre sete irmãos. O pai era carpinteiro e a mão professora, ainda que tivesse estudado somente até a quarta série. Desde pequena dizia que queria ser professora, mas quando na adolescência percebeu as dificuldades, quase desistiu.

– Começou a trabalhar cedo em uma empresa de construção como desenhista arquitetônica. No início de sua carreira profissional trabalhou com medição de terras, um contato essencial com a natureza para quem “cresceu embaixo dos pinhais” e gerenciou a produção de mapas em uma empresa especializada.

– Sempre estudou em escola pública e em busca de uma profissão, onde pudesse estar próxima à natureza, pensou em fazer geologia na Universidade Federal do Paraná. Lá descobriu a Engenharia Cartográfica, área de sua graduação.

– Durante o mestrado em Geografia na UFSC trabalhou com desenvolvimento regional e urbano, investigando a influência da exploração carbonífera nas atividades agrícolas e no desenvolvimento global de Criciúma. Estudou a desertificação da área carbonífera, realizando a primeira medição de áreas afetadas pela atividade do carvão.

– No doutorado em Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Paraná trabalhou com a estruturação de dados geográficos para a gestão de áreas degradadas pela mineração. A partir de dados de sensoriamento remoto e sistemas de informações geográficas estudou como áreas se recuperam ao longo do tempo.

Produção Científica:
Artigos completos publicados em periódicos: 20
Livros publicados/organizados ou edições: 12
Capítulos de livros publicados: 10
Trabalhos completos publicados em anais de congressos: 91
Resumos publicados em anais de congressos:

– Supervisões e orientações concluídas:
Orientações de dissertação de mestrado: 22
Orientações de teses: 4
Trabalho de conclusão de curso de graduação: 17
Iniciação Científica: 4

– Orientações em andamento:
Dissertações: 3
Teses: 2

Iniciação Científica: 1
Trabalho de conclusão de curso: 2

Mais informações: / (48) 3721-9362, Ramal: 8593

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Leia também:

UFSC busca padrão de mapas para pessoas cegas

Universidade  homenageia pesquisador dos “clones verdes”

Prêmio Destaque Pesquisador homenageia um samurai da ciência brasileira

Leia matérias sobre o Prêmio Destaque Pesquisador 2010:

Prêmio distingue professor da UFSC que tem índice de produtividade equivalente a cientistas com Prêmio Nobel

Prêmio Destaque Pesquisador ilumina competência de Ivo Barbi

Ivo Barbi é homenageado com Prêmio Destaque Pesquisador UFSC 50 anos

Centro de Ciências da Educação homenageia Leda Scheibe com o Prêmio Destaque Pesquisador UFSC 50 anos

Centro de Ciências Agrárias escolhe Jaime Fernando Ferreira como Destaque Pesquisador UFSC 50 Anos

Antônio Carlos Wolkmer é homenageado com o Prêmio Destaque Pesquisador UFSC 50 Anos

Luiz Fernando Scheibe recebe carinho e reconhecimento com prêmio Destaque Pesquisador UFSC 50 Anos

Alacoque Lorenzini recebe prêmio Destaque Pesquisador UFSC 50 Anos

Professora do Departamento de Serviço Social recebe prêmio Destaque Pesquisador UFSC 50 Anos na segunda-feira

Markus Nahas recebe Prêmio Destaque Pesquisador

Wagner Figueiredo recebe prêmio Destaque Pesquisador UFSC 50 Anos

Prêmio Destaque Pesquisador UFSC 50 Anos divulga importância da ciência básica

Raul Antelo recebe Prêmio Destaque Pesquisador UFSC 50 Anos