Semana de Cinema da UFSC segue até 2 de outubro

29/09/2015 09:00

11987092_1265811776777703_7979206907924907772_nO curso de Cinema da UFSC realiza, de 28 de setembro a 2 de outubro, a 9ª Semana de Cinema com o tema “Cinema vivo: ativismo e sociedade”. Estão programados cinco dias de atividades com palestras, rodas de conversa, oficinas, exibição de filmes e debates. O evento é gratuito e aberto à comunidade.

A partir das perguntas “Qual a relação de cinema e mobilização social?” e “Como a cultura pode ajudar no processo de transformação social?”, será discutido de que forma a produção cinematográfica pode causar mudanças na sociedade. Questões como machismo, preconceito racial e de gênero, pornografia e movimentos sociais também serão debatidos. A Semana de Cinema tem o objetivo de instigar o pensamento crítico e político e também informar sobre o cenário brasileiro e as políticas da produção audiovisual. Estarão presentes realizadores e teóricos especializados no assunto.

Uma das atrações será o filme “A História da Eternidade” (2014), do diretor Camilo Cavalcante. O longa venceu, em 2014, o “21º Festival de Vitória” e o “6º Festival de Paulínia”. O enredo se passa no sertão nordestino e coloca em foco a vida de três mulheres de diferentes idades. O filme vai ser exibido na segunda-feira, dia 28 de setembro, às 18h30, no Auditório do Centro De Ciências Jurídicas (CCJ).

As inscrições para as oficinas estão abertas e podem ser feitas aqui.

Mais informações na página do evento Facebook.

Giovanna Olivo/Estagiária de Jornalismo/Agecom/DCG/UFSC

Tags: ativismocurso de cinemaSemana de CinemaUFSCUniversidade Federal de Santa Catarina

Crítica ao Crítico: Semana de Cinema discute a crítica cinematográfica

21/10/2011 17:54

A última mesa de discussão da 5ª Semana de Cinema da UFSC, que tinha como tema “As transformações da crítica cinematográfica brasileira”, ocorreu na tarde desta sexta-feira (21/10) no auditório Henrique Fontes do Centro de Comunicação e Expressão (CCE). Os convidados André Zacchi, Francis Vogner e José Geraldo Couto expuseram as mudanças do modelo de crítica aos filmes e discutiram a relação intrínseca entre crítico, filme e leitor. A mesa foi mediada pelo professor do curso de Cinema, Jair Tadeu da Fonseca.

André Zacchi é aluno do último ano do curso de cinema da UFSC e editor da revista eletrônica Punctum. André fez a leitura do ensaio em que dialoga com alguns textos de Clarice Lispector sobre a relação de pertencimento ao filme e ao crítico. “O crítico é um leitor saltito, distraído”, ressaltou. “O filme faz o crítico. A crítica não consegue ser o filme, mas chega perto”, completou. Para ele, o crítico chega a um pequeno instante do filme, mas não o consegue traduzi-lo, e é esse instante que é levado ao leitor.

O crítico de cinema e co-fundador da extinta revista Cine Imperfeito, Francis Vogner, confessa que o seu primeiro contato com a crítica ao cinema não foi por inquietação intelectual, mas por necessidade de organizar em palavras a experiência de ver um filme. Segundo ele, “A crítica precisa ser livre por natureza, ter uma relação selvagem, sem mediação”. Francis problematiza a sistematização para fazer a crítica. “A crítica não tem que ser um relatório do filme”. Ilustra, ainda: “o gesto crítico é trabalhar o pensamento com rigor”.

José Geraldo Couto, jornalista – colaborador da revista Bravo! e Carta Capital – e crítico de cinema, destacou a modificação da crítica nos jornais e revistas ao longo da sua carreira. Segundo ele, a crítica era mais hegemônica nos órgãos de imprensa. “(Hoje) é muito menos importante para o leitor as críticas que o jornal faz.” Para José Geraldo, o principal motivo dessa desqualificação é o rebaixamento do nível de análise dos filmes pelo pressuposto de angariar maior público leitor para os jornais. Para ele, a substituição do modelo de crítica utilizado é mera indicação de filmes e orientação de entretenimento. “Não é necessário e nem eficaz para os grandes órgãos de imprensa.” Enfatizou. José Geraldo concluiu que o leitor que compra jornal quer ter o desafio de pensar o filme e ser provocado pelo crítico.

Logo após as exposições, os participantes responderam a perguntas do público. Hoje (21/10) foi o último dia da Semana de Cinema da UFSC. Para encerrar a semana, está marcado para as 18h30 um bate-papo com o cineasta Eduardo Coutinho e o documentarista e jornalista João Moreira Salles.

Mais informações: www.semanadecinema.ufsc.br

Por Ricardo Pessetti / Bolsista de Jornalismo da Agecom

Tags: Semana de Cinema