Protestos e clima de emoção marcam abertura do 11º Fazendo Gênero e 13º Mundos de Mulheres

02/08/2017 20:25

Professora Cristina Wolff, na cerimônia de abertura do evento.

“Se cuida! Se cuida! Se cuida seu machista! Que a América Latina vai ser toda feminista!” Com essas palavras de ordem, repetidas em coro por todo o público presente, a professora Cristina Scheibe Wolff finalizou seu discurso na abertura oficial do 11º Seminário Internacional Fazendo Gênero e 13º Congresso Mundos de Mulheres. Os dois eventos juntos, que estão acontecendo na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), receberam mais de 8500 inscrições de pesquisadoras, estudantes, trabalhadoras e militantes de todo o Brasil e de diversos outros países.

Cristina, que é docente do departamento de História da UFSC e integrante do Instituto de Estudos de Gênero (IEG), manifestou as alegrias e obstáculos na organização do evento: “O número expressivo de inscrições que recebemos reflete a importância que os estudos e as reivindicações de gênero assumiram na contemporaneidade. Por outro lado, a realização desse congresso, nesse momento político no Brasil e no mundo, é um grande desafio. O golpe de estado misógino que vivemos no ano passado, com a deposição da nossa primeira presidenta da república mulher, precipitou essa crise política, ética e econômica no Brasil.”

Segundo a professora, projetos como o “Escola Sem Partido” e o “Estatuto do Nascituro”, a reforma da previdência, a aprovação das novas leis trabalhistas, e a retirada dos conteúdos de gênero dos planos nacionais, estaduais e municipais de educação, são alguns dos aspectos dessa crise. “Mas nós estamos aqui, junto com as indígenas que abriram essa cerimônia, de punhos erguidos, de mãos dadas, com as nossas reivindicações, nosso saber, nossos gritos, nossos cantos, nossas poesias, nossas imagens, nossos corpos. Estamos aqui, no campus da UFSC, para discutir e pensar os desafios que temos pela frente nesse contexto em que direitos duramente conquistados estão sendo ameaçados e cortados, em que forças retrógradas, fundamentalistas e fascistas parecem ganhar terreno pelo mundo. Um evento como esse certamente terá muitos frutos.”

Mulheres africanas manisfestam-se durante a cerimônia.

O encontro entre a academia e os movimentos feministas de mulheres também foi ressaltado como uma das oportunidades que os dois congressos proporcionam: “O engajamento dos movimentos sociais na própria construção do evento possibilitou que as mulheres indígenas, quilombolas, negras, sindicalistas, camponesas, pessoas trans, trabalhadoras do sexo etc estejam aqui não somente como grupos que nós estudamos, mas como protagonistas desse diálogo. Essa é uma oportunidade única de trocas de saberes e também de luta pelos direitos negados historicamente às mulheres, pelo respeito à diversidade humana e social, pela superação do gênero como maneira de criar hierarquias, preconceitos, muros e territórios proibidos, pelo fim do assédio e da violência.”

Protestos

Graça Samo, moçambicana coordenadora da Marcha Mundial de Mulheres.

“Nessa noite, não posso deixar de dizer: primeiramente, Fora Temer!” O grito “Fora Temer!”, que a moçambicana Graça Samo escolheu para iniciar seu discurso, foi uma das marcas da cerimônia. Ora alguém bradava do palco, ora da platéia, e os gritos eram então repetidos com vigor por todos os demais, que clamavam também por “Diretas já!”.

Coordenadora da Marcha Mundial de Mulheres, sediada atualmente em Moçambique, Graça foi convidada à mesa para representar os movimentos sociais presentes no evento: “Minha fala não vai ser representativa de todas as vozes que escutei hoje e das vozes que estão lá fora, nas nossas comunidades. Mas o meu desafio é que cada um de vocês seja capaz de abrir seu coração para escutar as vozes de todos que não puderam estar aqui.”

Graça discorreu sobre as principais lutas dos diversos grupos sociais oprimidos. Destacou a importância da demarcação de terras indígenas: “As barragens e todo o extrativismo é destruidor de vidas humanas, é destruidor de povos indígenas”; e lamentou os resquícios da escravidão: “A escravatura do povo negro continua até hoje. Todos os dias, o colonialismo ainda se manifesta através das grandes corporações e de projetos chamados ‘de desenvolvimento’, mas que são apenas uma artifício para tomar nosso território. As pessoas são forçadas a sair de suas terras e buscar refúgio em outros lugares.”

Imagem: Joelson Cardoso/Estagiário de Jornalismo na TV UFSC.

O uso indiscriminado de agrotóxico pela indústria agropecuária brasileira também foi criticado: “Hoje as pessoas não morrem mais de velhice, mas sim de câncer. Morrem aos 20, 30, 50 anos. E morrem porque estão comendo veneno. A luta contra o agrotóxico não é uma luta só dos trabalhadores do campo. Estamos todos nos envenenando. Precisamos fazer uma reflexão em torno disso e dizer basta! Precisamos derrubar essa estrutura capitalista e neocolonialista que está aí.”

Graça ressaltou a importância de se aproveitar os espaços proporcionados pelo congresso para fortalecer essas diversas reivindicações: “Vai valer a pena ter vindo aqui se reafirmarmos nosso pacto de lutar. Lutar contra esse golpe, um golpe de direita, de extrema direita, que está gerando um retrocesso dos nossos direitos e a destruição de nossas vidas. E não adianta chorarmos o leite derramado enquanto não fizermos um compromisso para a mudança acontecer. E isso não é para ontem, nem para amanhã. É pra hoje e agora!”

Mesa da cerimônia de abertura.

Também estiveram presentes e discursaram durante a cerimônia o reitor da UFSC, Luiz Carlos Cancellier de Olivo; a deputada estadual Ana Paula Lima; a reitora do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), Maria Clara Kaschny Schneider; e a diretora do Centro de Ciências Humanas e da Educação da Universidade Estadual de Santa Catarina (FAED/Udesc), Julice Dias.

As atividades do 11º Seminário Internacional Fazendo Gênero e 13º Congresso Mundos de Mulheres seguem até sexta-feira, 4 de agosto. A programação completa está disponível aqui.

Daniela Caniçali/Jornalista da Agecom/UFSC