Telemedicina reforça parceria entre governo do Estado e Universidade

25/05/2011 10:27

Fotos: Pâmela Carbonari/Agecom

A exibição de exames feitos em Lages e Porto União pouco antes de uma cerimônia realizada no centro administrativo do governo do Estado, em Florianópolis, com a imediata emissão dos laudos médicos, foi o ato simbólico que marcou uma grande conquista do Sistema Catarinense de Telemedicina e Telessaúde. Embora o registro de um milhão de exames tenha sido alcançado em abril, foi nesta terça-feira, 24/05, que a façanha reuniu os protagonistas desse avanço – o governo estadual e a Universidade Federal de Santa Catarina – para comemorar o feito e consolidar uma parceria que rendeu bons frutos para a saúde dos catarinenses.

Por meio do sistema, os exames realizados nos municípios cadastrados são disponibilizados para análise imediata dos especialistas, nas cidades onde há estrutura para isso. Logo após o laudo, o resultado pode ser visualizado pelo médico e pelo próprio paciente no local de origem. Com isso, além de permitir ganho de tempo, a rede – baseada numa infraestrutura tecnológica desenvolvida na UFSC – possibilita a redução do custo dos exames e evita viagens desnecessárias. Os coordenadores do sistema estimam que somente com os eletrocardiogramas realizados de 2005 até janeiro de 2011 os pacientes deixaram de viajar 13 milhões de quilômetros.

Histórico dos pacientes – Na solenidade de terça-feira, o coordenador estadual do sistema, professor Aldo von Wangenheim, destacou que na maior parte dos municípios catarinenses é possível realizar eletrocardiogramas e exames de ressonância magnética sem obrigar os pacientes a viajarem para centros maiores, onde a oferta de serviços de saúde é mais completa.

“Mais de 20 mil pessoas deixaram de se deslocar, reduzindo substancialmente a ‘ambulancioterapia’ que é uma característica do Estado”, afirmou o professor. Ele ressaltou que o sistema está criando uma base de dados com o histórico dos exames de milhares de pacientes, implantando “um registro eletrônico de que nem as clínicas privadas de outros estados dispõem”.

Para o coordenador de Telemedicina da Secretaria da Saúde, Luiz Felipe Nobre, a grande vantagem do sistema é que ajudou a reduzir as filas nos hospitais dos grandes centros e permitiu, além da realização de exames, a educação de saúde a distância no Estado. “Hoje, contamos com um sistema de informações atualizado, que facilita o trabalho dos profissionais médicos de atuação básica no interior”, afirmou.

Papel social – O secretário de Estado da Saúde, Dalmo Claro de Oliveira, aproveitou a solenidade para reafirmar a disposição do governo de equipar os cerca de 100 municípios que ainda têm carências para realizar os exames, especialmente na questão da digitalização de imagens. Presente no ato, o governador em exercício, Eduardo Pinho Moreira, festejou a coincidência de estar respondendo pelo governo no lançamento do sistema, em 2005, no município de Quilombo, e também na comemoração de um milhão de exames, em 2011.

Já o reitor da UFSC, Alvaro Toubes Prata, falou sobre a “belíssima parceria” da instituição com o governo e afirmou que a universidade, sendo pública, utiliza o sistema para atender a sociedade numa área crucial como a saúde. Também esteve no centro administrativo, acompanhando o reitor, o vice-reitor Carlos Alberto Justo da Silva, que é médico e já foi diretor do Hospital Universitário.

Mais informações sobre o Sistema Catarinense de Telemedicina e Telessaúde com Marina Veshagem, pelo fone (48) 3721-8000 ou pelo e-mail

Por Paulo Clóvis Schmitz/Jornalista na Agecom

Tags: informáticamedicinasaúde