Encontro de Reitores reúne seis personagens da história da UFSC

10/06/2010 13:46

No ano em que a Universidade completa seu cinquentenário, a TV UFSC presta uma homenagem com um programa especial, o Encontro de Reitores. Nesta quarta-feira (09), seis reitores que já estiveram no comando da Universidade se reuniram no Teatro Álvaro de Carvalho (TAC) para debater sobre os principais acontecimentos de cada gestão. Um encontro anterior foi realizado pelo Curso de Jornalismo da UFSC há dez anos.

Estiveram presentes Ernani Bayer (1980 a 1984), Rodolfo Joaquim Pinto da Luz (1984 a 1988; 1996 a 2000; 2000 a 2004), Bruno Schlemper Júnior(1988 a 1992), Antônio Diomário de Queiroz (1992 a 1996), Lúcio José Botelho (2004 a 2008) e o atual reitor Alvaro Toubes Prata. O ex-reitor Caspar Erich Stemmer não compareceu por problemas de saúde. Seu filho Marcelo Stemmer foi convidado ao palco e transmitiu uma mensagem enviada pelo pai. A UFSC também teve outros dois reitores: João David Ferreira Lima (1961 a 1972), fundador da Universidade, e seu sucessor, Roberto Mündel de Lacerda (1972 a 1976), já falecidos. Foram apresentados breves depoimentos, gravados em vídeo, dos ex-dirigentes ausentes.

O TAC foi escolhido como local do debate por ter sido o local onde foi realizada a solenidade de fundação da UFSC, em 18 de março de 1962. Além dos fatos marcantes de cada época, os dirigentes que fizeram parte da história da Universidade discutiram o seu futuro. Destacaram os aspectos que devem ser aprimorados na instituição para obter cada vez mais a qualidade do ensino e as prioridades da Administração Central para os próximos anos. O encontro foi enriquecido por vídeos sobre os assuntos debatidos, produzidos pela TV UFSC, a partir dos arquivo do Curso de Jornalismo e da Agência de Comunicação (Agecom), parceira do evento.

O Encontro foi organizado pela TV UFSC, pela Comissão Executiva dos 50 anos da Universidade e pelo Departamento de Cultura e Eventos, com a colaboração da administração da Reitoria e da Agecom.

O programa vai ao ar na TV UFSC, próximo ao aniversário de criação da universidade, em 18 de dezembro, pelo canal 15 da NET.

Mais informações pelo telefone (48) 3952-1942 e no endereço www.tv.ufsc.br.

Por Marina Veshagem/Bolsista de Jornalismo na TV UFSC

Foto: Paulo Roberto Noronha/Agecom

Universidade participa do maior evento europeu de embarcações solares

10/06/2010 13:44

A equipe Vento Sul, formada por alunos e professores da UFSC e UFRJ, vai participar da terceira edição do Frisian Solar Challenge. Este é o maior evento europeu para embarcações solares, com participantes percorrendo 220 quilômetros de canais de 11 cidades da região da Frísia, no norte da Holanda. A competição, que ocorre a cada dois anos, será realizada entre os dias 4 e 10 de julho.

Em outubro do ano passado o grupo da UFSC, formado por docentes e estudantes de graduação das áreas de engenharia, design e jornalismo, além de integrantes do Laboratório de Energia Solar (Labsolar), venceu o Desafio Solar Brasil, em Paraty (RJ), na classe catamarã. Com a vitória, foi selecionado para participar do campeonato mundial de barcos elétricos abastecidos com energia solar fotovoltaica. Para este novo desafio, a UFSC fez uma parceria com o vencedor na classe monocasco, o Laboratório de Mecânica das Turbulências, da COPPE/UFRJ, e assim surgiu a equipe Vento Sul – UFSC/UFRJ.

O novo barco, que será enviado para a Europa na próxima quarta-feira (16/6), está enquadrado na Classe A, com comprimento máximo de seis metros e largura máxima de dois metros e quarenta centímetros. A UFRJ foi responsável pela construção do casco laminado a vácuo em fibra de carbono. A UFSC pelo mecanismo de propulsão – motores elétricos de alta eficiência e hélices modelados para otimização na transmissão mecânica de energia – e pelo sistema de energia, formado por painéis solares.

A equipe Vento Sul trabalha com o uso criativo de tecnologias comercialmente disponíveis, para maximizar eficiência e causar pouco ou nenhum impacto ambiental. O barco solar é um meio para estimular o desenvolvimento de novas tecnologias aliadas à energia fotovoltaica. Além disso, é uma alternativa aos atuais motores a diesel, que poluem as águas e fragilizam ainda mais os ecossistemas.

A energia de origem fotovoltaica ainda possui um custo elevado devido ao seu estágio tecnológico atual. O projeto do barco solar é uma forma de estimular a produtividade acadêmica de alunos e professores quanto às aplicações e desenvolvimento desta energia. A embarcação da equipe Vento Sul está sendo montada no Lagoa Iate Clube (LIC), na Lagoa da Conceição.

Mais informações no site www.barcosolar.ufsc.br ou:

Marília C. Freire (Coordenadoria Geral)

E-mail:

Telefone: (48) 9944-0593

Ketryn S. Alves (Assessoria de Imprensa)

E-mail:

Telefone: (48) 8452-5772

Por Fernanda Burigo / Bolsista de Jornalismo na UFSC

Abertas inscrições para intercâmbio pelo Programa Fundación Botín

10/06/2010 13:02

Estão abertas as inscrições para intercâmbio pelo Programa Fundación Botín. O projeto tem por objetivo consolidar a vocação de jovens universitários para o exercício da função pública, potencializando nos alunos atitudes e competências para desempenhar tal função. O programa se responsabilizará pelos custos de matrícula, estadia e viagem.

O curso começará no Campus da Brown University, em Rodhe Island, em outubro de 2010, e depois de duas semanas será transferido para Santander e Madri, onde terminará no final de dezembro do mesmo ano.

Interessados podem se inscrever entre os dias 10 e 21 de junho, na Secretaria de Relações Institucionais e Internacionais (SINTER). A divulgação do resultado da seleção será em 23 de junho, a partir das 17h.

Requisitos e informações sobre a inscrição: Edital nº 002 sinter.ufsc.br/files/2010/06/Edital-Fundacion-Botin0001.pdf.

Mais informações pelo telefone (48) 3721-8220, pelo e-mail ou pelo endereço www.sinter.ufsc.br.

Fonte: Secretaria de Relações Institucionais e Internacionais (SINTER)

UFSC promove festival de música da Grande Florianópolis

10/06/2010 12:27

Este é o ano da música na Universidade Federal de Santa Catarina. Depois do UFSCtok, organizado pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE), a Secretaria de Cultura e Arte (SeCarte) lança o Festival de Música da UFSC.

As inscrições estão abertas a partir desta quinta-feira, dia 10, e vão até o dia 12 de julho, das 14h às 18h, na SeCarte, que fica no prédio da Editora, 2º andar. Dentre os concorrentes, serão selecionadas 20 composições para participar da 1ª Mostra Musical em comemoração aos 50 anos da Universidade, que deverá ocorrer nos dias 28 e 29 de agosto, na Praça da Cidadania, em frente ao prédio da Reitoria. As composições vencedoras terão sua música gravada em CD e DVD alusivos à comemoração dos 50 anos da UFSC.

Poderão participar estudantes universitários, professores e técnico-administrativos dos campi de Florianópolis, Curitibanos, Joinville e Araranguá, bem como compositores, músicos, intérpretes e comunidade em geral da Grande Florianópolis, desde que satisfaçam as condições previstas no regulamento. Dos selecionados, dez vão se apresentar no primeiro dia e os outros dez no segundo. O festival tem como objetivo promover a integração e troca de experiências entre músicos e comunidade cultural e difundir a música como um dos meios essenciais de expressão cultural. “Queremos incentivar o surgimento de novos valores e propiciar a afirmação de nomes já reconhecidos no cenário musical da Grande Florianópolis”, afirma a secretária de Cultura e Arte Maria de Lourdes Borges.

Cada proponente poderá inscrever até três músicas de composição própria, sem nenhuma restrição de estilo, das quais uma será selecionada para ser apresentada no palco do festival, que será montado em lona pela organização dos 50 anos da UFSC. Para a inscrição é preciso preencher o formulário que se encontra disponível no site www.secarte.ufsc.br; um CD contendo a gravação de até três composições, incluindo letra e partitura, além do rider técnico de som. Deve ser feita pessoalmente ou encaminhada para o endereço: Secretaria de Cultura e Arte da UFSC, Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima, Prédio da Editora Universitária, 2° andar, Florianópolis, SC, CEP: 88040970. E-mail para contato:

No site da SeCarte serão divulgados os nomes dos eleitos pela comissão de seleção, presidida por Marco Valente, músico e coordenador do Projeto 12:30, do Departamento Artístico Cultural da UFSC.

Por Raquel Wandelli/jornalista na Secarte

Inscrições do Enem serão abertas no dia 21 deste mês

09/06/2010 19:40

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2010 já tem data definida. As provas serão realizadas nos dias 6 e 7 de novembro. As inscrições, via internet, começam no próximo dia 21 e vão até 9 de julho. No momento da inscrição, o aluno deve informar o número de Cadastro de Pessoa Física (CPF), obrigatório.

As provas terão a mesma estrutura do ano passado. Vão abranger as áreas de linguagens e códigos, ciências da natureza, matemática e ciências humanas. O exame terá quatro provas objetivas de múltipla escolha, com 45 questões cada uma, e redação. A novidade este ano serão as questões de língua estrangeira (inglês ou espanhol) na área de linguagens e códigos.

No primeiro dia do exame, um sábado, serão aplicadas as questões de ciências da natureza e ciências humanas. A prova começa às 13h e vai até as 17h30. No domingo, das 13h às 18h30, será a vez de matemática, linguagens e códigos e da redação.

Pessoas que necessitem de atendimento especial devem fazer o pedido no momento da inscrição. O mesmo vale para os sabatistas. No dia do exame, os que guardam o sábado devem chegar ao local de prova no mesmo horário marcado para os demais alunos, mas farão a prova somente a partir das 18h.

Segurança — De acordo com o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Joaquim Neto, os procedimentos de segurança na logística da prova serão reforçados. “Já estamos fazendo convênios com as secretarias de segurança pública de todos os estados, com a Polícia Federal e as Forças Armadas. Haverá também escolta durante o transporte do material”, ressaltou.

A aplicação do exame caberá novamente ao Centro de Seleção e Promoção de Eventos (Cespe) da Universidade de Brasília e à Fundação Cesgranrio. O presidente do Inep explicou que a contratação do consórcio será feita por dispensa de licitação, já que o Enem se tornou exame de seleção, semelhante a outros vestibulares e concursos públicos, que dispensam legalmente o processo de concorrência pública.

Neto ainda afirmou que o Inep promove processo de licitação para a contratação da gráfica que vai imprimir os cadernos da prova. “Um dos requisitos no edital da licitação é que o local tenha estrutura de segurança máxima para impressão e manuseio do material”, informou. A distribuição das provas será feita pelos Correios, como no ano passado.

A taxa de inscrição no Enem será de R$ 35, a mesma de 2009. Mais informações serão divulgadas em edital, a ser publicado na próxima semana.

Jovens e adultos — O Enem também será usado para certificação de conclusão do ensino médio de jovens e adultos. A prova substitui o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja), como já ocorreu no início deste ano. O Encceja, agora, é usado apenas para a certificação de conclusão do nível fundamental.

Os interessados na certificação devem se inscrever no Enem e fazer as provas exatamente como os demais estudantes. A idade mínima para pleitear a certificação por meio do Enem é de 18 anos. O Inep tem firmado acordos de cooperação técnica com secretarias estaduais de educação e institutos federais de educação, ciência e tecnologia, que serão responsáveis por expedir os certificados.

O Enem também será aplicado em unidades prisionais, mas em data diferente, como ocorreu na edição passada. Participarão das provas as unidades que oferecem atendimento educacional. As inscrições serão feitas por meio do coordenador de educação de cada presídio.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social do MEC – Quarta-feira, 09 de junho de 2010 – 13:35

UFSC define horários de expediente nos jogos da seleção brasileira de futebol

09/06/2010 19:28

NOTA DA ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DA UFSC

Em consonância com a Portaria Nº 491, de 07/06/2010, da Secretaria Executiva do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, visando possibilitar aos servidores públicos federais o acompanhamento das transmissões dos jogos da Seleção Brasileira de Futebol na Copa do Mundo FIFA 2010, a Administração Central comunica que as atividades da UFSC no período serão tratadas como abaixo estabelecido:

I – nos dias em que os jogos se realizarem às 15h30 (horário de Brasília), o expediente será interrompido às 14h e recomeçará às 18h, mantendo-se as atividades do período noturno.

II – nos dias em que os jogos se realizarem às 11h (horário de Brasília), o expediente será interrompido às 10h30 e recomeçará às 14h30.

Observações:

Os cronogramas dos Concursos dos Editais Nº 020/DDPP/10 e Nº 022/DDPP/10 serão mantidos, independentes do estabelecido nos itens I e II acima.

O disposto acima não se aplica nos casos de serviços essenciais de natureza contínua.

As horas não trabalhadas deverão ser objeto de compensação na forma do disposto no inciso do art. 44 da Lei No. 8112, de 11 de dezembro de 1990.

Florianópolis, 9 de junho de 2010.

Administração Central da UFSC

Núcleo de Pesquisa em Linguagens do Jornalismo Científico implanta Agência Ciência em Pauta

09/06/2010 16:54

Está no ar a versão experimental da Agência Ciência em Pauta, projeto de extensão do Núcleo de Pesquisa em Linguagens do Jornalismo Científico, ligado ao Departamento de Jornalismo da UFSC. A agência produz material jornalístico sobre ciência, tecnologia e inovação, tomando como referência a produção desenvolvida na UFSC. A publicação das reportagens por outros órgãos de comunicação é livre, desde que citada a fonte.

Entre as primeiras produções estão materiais sobre desastres naturais em Santa Catarina; projeto que colabora com a implantação de centros de apoio à agricultura; iniciativas de divulgação da astronomiana UFSC; estudos sobre petróleo e impactos ambientais, além de um especial sobre o naturalista Fritz Müller.

O portal traz também seção de notas, agenda das defesas de teses e dissertações desenvolvidas nos programa de pós-graduação da UFSC. A agência será responsável pela promoção periódica de cursos e workshops sobre divulgação científica para jornalistas e pesquisadores.

O planejamento da equipe formada por estudantes do Curso de Jornalismo, coordenados pela professora Tattiana Gonçalves Teixeira, prevê ainda que ao final de cada semestre letivo seja publicada coletânea com os melhores textos e imagens do portal. Este material será distribuído para bibliotecas públicas e para professores e alunos de ensino médio, em especial de Florianópolis onde, de acordo com o Educacenso, da Secretaria Estadual de Educação, estão matriculados 14.942 alunos no ensino médio das redes pública e privada.

”Acreditamos que este material poderá ser usado em classe, como apoio pedagógico”, explica a professora Tattiana Gonçalves Teixeira.

A agência de notícias Ciência em Pauta tem apoio do Ministério da Educação, Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão da UFSC e da Agência de Comunicação (Agecom).

Mais informações: Tattiana Gonçalves Teixeira / (48) 3721-4838 / 3721-6595 /

Sepex itinerante é reavaliada e cancelada

09/06/2010 15:22

Fotos: Paulo Noronha / Agecom

Fotos: Paulo Noronha / Agecom

Limitação de datas adequadas antes do final do semestre; necessidade de nova licitação para viabilizar estrutura adequada; prazo exíguo para tramitação de diversos passos na Prefeitura Municipal de Florianópolis, reserva de espaço no Centro e garantia de segurança; dificuldades com a agenda dos expositores para uma nova mostra; proximidade da realização da Sepex no campus da UFSC. Estas foram algumas das questões que pesaram na decisão de cancelamento da edição itinerante da Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão.

A Sepex itinerante seria realizada nos dias 19 e 20 de maio, no Largo da Alfândega, Centro de Florianópolis, integrada às comemorações dos 50 anos da universidade. No dia 18, equipamentos e materiais demonstrativos de 14 projetos da Universidade foram levados para o local, para que na manhã seguinte a mostra fosse aberta à visitação. Atrações culturais também estavam previstas. Mas, durante a noite e madrugada, a combinação de chuva e vento provocou quedas de energia, deslizamentos e alagamentos em diversos bairros, entre eles o Centro. A estrutura da UFSC montada no Largo da Alfândega foi atingida, assim como a Feira do Livro, que seria no mesmo local.

Com a chuva (o dobro do volume estimado para o mês de maio em uma única noite), a tenda da UFSC foi alagada por uma lâmina de água de cerca de 30 centímetros, equipamentos e materiais como folderes e livros ficaram comprometidos. O piso de madeira e o carpet foram danificados, inviabilizando o evento, que foi adiado.

O calendário acadêmico e diversos outros requisitos foram avaliados para definição de uma nova data. Porém, diante da série de dificuldades e do investimento necessário à realização do evento com segurança no Centro da Capital, a comissão organizadora da Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFSC decidiu pelo cancelamento definitivo. Outras estratégias de divulgação das ações da universidade continuam sendo planejadas pela Pró-Reitoria de Pesquisa de Extensão e membros de diversos setores que compõem a comissão organizadora da Sepex.

Mais informações:

Professora Débora Peres Menezes

Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão

Fone: 3721-9716 / E-mail:

Professor Nelson Canzian da Silva

Diretor do Departamento de Projetos de Extensão

Fone: 48 3721-8305 / E-mail:

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

UFSC traz Alan Pauls, autor de ´O passado`, para Florianópolis

09/06/2010 12:36

Festejado pelo mundo afora como um dos mais expressivos e impactantes escritores latinoamericanos surgidos na última década, Alan Pauls estará em Florianópolis na segunda-feira, 14/06, às 18h30, no Auditório da Reitoria da UFSC.

Autor de ´O passado`, seu romance mais famoso, levado ao cinema em 2007 por Hector Babenco, o escritor argentino é o próximo convidado do ciclo O Pensamento no século XXI, promovido pela Secretaria de Cultura e Arte (SecArte) e Pró-Reitoria de Pós-Graduação da UFSC. Sua palestra na Flip (Festa Literária Internacional de Paraty) este ano é uma das atrações mais aguardadas do evento, devendo ultrapassar o sucesso de público de sua visita ao Brasil em 2007, quando falou ao lado da psicanalista Maria Rita Kehl sobre a provocação ´O amor é uma doença`?

Em Florianópolis, Pauls profere a conferência ´Elogio do sotaque`, no quarto encontro do ciclo O Pensamento do Século XXI deste ano, que já trouxe o italiano Emanuele Coccia, a francesa Liliane Meffre e o norte-americano Christopher Dunn para debater questões emergentes da arte e do pensamento de vanguarda contemporâneos. Ganhador do conceituado prêmio Herralde, de literatura em língua espanhola, com ´O passado`, Pauls tem também ´História do Pranto` traduzido no Brasil (pela Cosac Naify, em 2008) e uma obra breve, porém muito aclamada pela crítica internacional, com 11 títulos, vários deles traduzidos para o inglês, francês, alemão e outros idiomas.

Nascido em Buenos Aires en 1959, Pauls é licenciado em letras, professor universitário, tradutor e colaborador em suplementos culturais, tanto em crítica cinematográfica quanto literária. Mantém uma coluna periodicamente na Folha de S.Paulo. Escreveu ensaios sobre literatura argentina, particularmente sobre a obra de Manuel Puig, Borges e Roberto Arlt. É autor de três novelas: “El pudor del pornógrafo”, publicada em 1984, “El coloquio”, de 1990, e “Wasabi”, 1994, todas traduzidas para o francês e outras línguas.

Neste ano, a publicação de História del Pelo (História do cabelo), pela editora Argentina Anagrama, notabilizou-o como um dos mais brilhantes escritores da nova geração e concretizou o segundo volume da anunciada trilogia sobre os anos 70, que incluem o pranto, o cabelo e o dinheiro, designados pelo autor como os grandes fósseis e obsessões da época em questão. Nesse último romance, um homem obcecado com o corte perfeito do cabelo e pelas suas reflexões capilares (epifanias eurecas) serve como metáfora para uma humorada crítica contra a literatura testemunhal que recorre aos métodos mais convencionais, à frivolidade e à política. A despeito da influência da cultura francesa, Paul confessa sentir-se tão endogâmico como todo bom escritor argentino e é sobre a relação entre o universal e o particular em sua literatura que vai abordar na conferência.

O passado gira em torno da saga de um casal que luta para se afastar e não se reduzir aos fantasmas do que foram, sobre o que o autor comenta: “Mais que a lembrança, os rastros do passado sempre assombram o presente e o futuro. Quando decretamos novos começos, ilusórios ou não, nem por isso conseguimos apagar nossa história: podemos apenas contá-la mais uma vez, quem sabe revisá-la ou corrigi-la, para pior ou para melhor”.

Contardo Calligaris, quando do lançamento da versão cinematográfica do romance, observou que os personagens de Pauls circulam por interiores abarrotados de restos do passado: livros, fotografias, quadros, os inúmeros objetos que, a cada mudança de casa, confirmam que nunca conseguimos deixar para trás os vestígios de nossa vida pregressa. “À primeira vista — diz Calligaris—, isso pode parecer estranho. Afinal, estamos acostumados a pensar que, na modernidade, os indivíduos são definidos por suas potencialidades futuras mais do que pelo passado. Não é assim? Pois é, não exatamente. A modernidade começa quando paramos de deixar que a tradição diga quem somos. Mas se o legado da tradição se torna menos relevante, é justamente porque o que me constitui é minha história – não apenas a intensidade do momento e a audácia de meus planos, mas o conjunto das experiências que vivi.

O escritor, cineasta, dramaturgo, intérprete, tradutor argentino radicado na França Edgardo Cozarinsky é o próximo convidado do Ciclo. Sua conferência está marcada para o dia 1° de julho (quinta-feira), às 18h30, no auditório do CFH.

Por Raquel Wandelli/ Jornalista na SeCarte

Contatos: (48) 99110524 – 37219459, , www.secarte.ufsc.br

Professor da UFSC expõe poemas no centro de Florianópolis

09/06/2010 12:26

O professor Marcos Laffin, do Departamento de Ciências Contábeis e ex-pró-reitor de Ensino de Graduação, expõe até o dia 30 de junho alguns de seus poemas publicados no livro ´tempo dentro do tempo` (EdUFSC, 2009). A exposição, que também leva o nome da obra, tem espaço nas Livrarias Catarinense, no centro de Florianópolis.

Sobre o evento, o autor explica que “os poemas para esta exposição foram construídos pela palavra não domesticada pelo tempo, por palavras resultantes das experiências humanas, experiências essas que se alteram no tempo e dialogam em movimentos plurais. Nesse entendimento, a leitura do mundo, das experiências humanas, é um trabalho que pode resultar em um leitor historicizado e questionador e que dinamiza no ato de ler outras experiências constituídas e constituintes da própria condição humana”.

Sua relação com as palavras, mais especificamente com os poemas, pode ser descrita a partir de extremos que se complementam. “A condição do poema é sempre antagônica entre ser eterno e ser efêmero. O poema é efêmero porque depois de lido e de ter produzido sentidos e significados deve ser dinâmico para se transformar dentro do leitor e nesse movimento colaborar para a constituição de um outro leitor. No entanto, essa condição efêmera do poema é o que constitui sua condição de perenidade, porque depois de lido, de internalizado, deve desfazer-se no sujeito leitor”.

Informações com o autor: (48) 3721-9383 ou

Sobre o autor, por Beatriz Helena Dal Molin, professora de Linguística e Mídia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste)

Para Marcos Laffin

Li o seu rosto nas palavras do seu livro na noite do lançamento do tempo dentro do tempo. Isso bastou para que eu entendesse o poeta maior que vive neste homem esguio e ágil, em seu modo de ser e de falar. Li os poemas de Laffin nas palavras que condensam o entusiasmo e a crença no ser humano. Li o cotidiano que é contraditório se refazer em possibilidades na poesia que escorre e se funde no homem-menino.

Laffin é um fluxo que se estende na tessitura de suas palavras em sinfonia que obedece a um diapasão único, especial, singular.

Seus poemas têm rostidade “sou madalena suburbana não te enganes”, apresenta-nos uma profusão de visões: “na minha cidade o vento passeia de mãos dadas com as folhas”, “o rio fez-me sangue, brotei aldeia emparedada, asas em flagelo”.

Laffin convoca-nos a ouvir melodias especiais sons únicos “mãos em açoite, miradas de carícias, desfia o tempo nu”. Pode-se dizer que ao ler seu tempo dentro do tempo estamos em sintonia com uma música e uma pintura próprias de sua escrita com efeitos de cores e de sonoridades que se elevam acima das palavras.

Obrigada, Laffin por este convite à travessia de vida que perpassa o vivível e o vivido. Continue brindando-nos com o tom de sua voz espalhada em versos que acariciam nossas almas ávidas de sons, cores, companhia e, de pão de poesia.

Leia mais sobre a obra:

Marcos Laffin lança seu primeiro livro de poesia em Joinville

Projeto Bolsista Reuni oferece minicursos, oficina e monitoria

09/06/2010 11:35

O Projeto Bolsistas Reuni de Pós-Graduação está oferecendo minicursos, oficina e monitoria. As atividades têm como objetivo contribuir para a diminuição dos índices de reprovação e de evasão escolar, e já partir desta quinta (10/06) até o dia 25/06 serão oferecidos os minicursos de acordo ortográfico e de espanhol, a oficina sobre blogs como ferramenta pedagógica e a monitoria de Física 3 e Física Teórica B.

De acordo com Janaína Santos, assessora do Projeto Bolsistas Reuni, “as atividades são voltadas principalmente para alunos que cursam da 1ª até a 5ª fase da graduação”, já que nesse período as taxas de desistência escolar são as mais expressivas, mas estudantes de qualquer fase podem se inscrever.

O Projeto Bolsistas Reuni de Pós-Graduação faz parte do Apoio Pedagógico da UFSC e existe desde 2009.

As inscrições podem ser realizadas pelo site www.apoiopedagogico.ufsc.br. Mais informações : (48) 3721-8307.

As atividades

Minicurso de acordo ortográfico teste 1

Datas
: 11,18,25/06

Horário: das 9h às 12h –

Local: Sala 208, Bloco A CCE

Ministrantes : Denise Dias Martins e Antônio José de Pinho

Oficina: uso do Blog como ferramenta pedagógica.

Data:
: 10/06

Horário:: 13h30 às 16h

Local:: Laboratório De informática do CCE

Ministrante: Leopoldo Nogueira e Silva

Minicurso de Espanhol – Textos de relações internacionais

Data:
: 10/06

: Horário : Das 12h às 14h

: Local: Miniauditório Amarelo do Colégio Aplicação

: Ministrante: Rose Lázaros

Monitoria de Física 3 e Física Teórica B

Data
: Todas as quintas, a partir de 17/06

Horário: das 14h30 às 15h30

Local; Anfiteatro A do Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas

Ministrante: Rafael Tezza

UFSC sedia seminário estadual sobre serviço social na previdência

08/06/2010 17:19

O I Seminário Estadual de Serviço Social na Previdência vai acontecer no dia 14 de junho, segunda-feira, das 9h às 17h, no Auditório da Reitoria da UFSC. O evento pretende discutir, através de mesas-redondas e debates, a seguridade social e o papel do assistente social previdenciário. Organizado pelo Conselho Regional de Serviço Social 12ª região (CRESS), pelo curso de Serviço Social da UFSC e por grupos de estudo em Serviço Social da universidade, o seminário quer apresentar o cotidiano do assistente social na previdência, expondo suas especificidades e desafios.

Entre os convidados que vão debater o tema está o economista, doutor em Política Social e professor da Universidade de Brasília (UnB), Evilásio Salvador. Ele vai ser o expositor da primeira mesa-redonda sobre “Seguridade Social na conjuntura atual”. Professores do curso de Serviço Social da UFSC e assistentes sociais do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) em Santa Catarina também vão participar do evento.

O Serviço Social existe há 64 anos na Previdência Social. Foi regulamentado pela Lei 8.213 de 1991, que define o assistente social previdenciário como alguém que deve esclarecer aos beneficiários seus direitos sociais e os meios de exercê-los e estabelecer com eles o processo de solução de problemas, tanto no âmbito interno da instituição como na dinâmica da sociedade. O atendimento do Serviço Social é realizado nas Agências da Previdência, junto às organizações da sociedade civil e entidades governamentais.

Os interessados em participar do seminário podem se inscrever gratuitamente no site www.cress-sc.org.br. As vagas são limitadas.

Mais informações pelo telefone (48) 3224-6135 ou pelo endereço www.cress-sc.org.br.

Por Ingrid Fagundez/ Bolsista de Jornalismo na Agecom

Inicia nesta sexta na UFSC o 14º Florianópolis Audiovisual Mercosul

08/06/2010 15:48

As atenções se voltam para o cinema em Florianópolis, a partir desta sexta, com o 14º Florianópolis Audiovisual Mercosul – FAM2010, pela segunda vez sediado no Centro de Cultura e Eventos da Universidade Federal de Santa Catarina. O evento, de 11 a 18 de junho, é uma realização da Associação Cultural Panvision, com patrocínio da Petrobras, por meio da Lei Rouanet, e do Funcultural do governo do Estado de Santa Catarina, e apoio do Fundo Nacional de Cultura, Secretaria do Audiovisual, Ministério da Cultura, BRDE, Estúdios Mega, Estúdios Quanta, Kodak e Canal Brasil. São apoiadores institucionais as universidades UFSC e UDESC, e a Prefeitura de Florianópolis/Fundação Franklin Cascaes.

Ao todo, o festival exibe mais de 140 produções do Brasil, Argentina, Chile, Paraguai, Colômbia, Uruguai, Cuba e Espanha. São 182 horas de exibição. Esta edição teve o maior número de inscritos da história do FAM, 551 filmes, de 14 países.

Há 14 anos consecutivos o FAM oferece ao público catarinense uma extensa programação de cinema com entrada franca e se consagrou como uma referência no debate das políticas do setor, discutidas no Fórum Audiovisual Mercosul. Este ano, além das mostras competitivas e do Extra-FAM, não-competitiva, serão exibidas quatro mostras convidadas e haverá uma série de eventos paralelos.

Cabeça a prêmio - foto divulgação

Cabeça a prêmio - foto divulgação

O principal destaque do festival, a Mostra de Longas Mercosul exibirá oito longa-metragens. As sessões serão sempre às 21 horas no Auditório Garapuvu, o palco principal, com 1.400 lugares. A mostra abre o FAM, dia 11, com a exibição de Cabeça a Prêmio, que marca a estreia do ator Marco Ricca na direção. Outras duas produções nacionais serão exibidas: Hotel Atlântico, de Susana Amaral, que teve cenas rodadas em Florianópolis, e Muamba, do catarinense Chico Faganello, vencedor do edital da Cinemateca Catarinense – Fundação Catarinense de Cultura em 2007. Dos outros cinco longa-metragens, três são argentinos: La mosca en la ceniza, de Gabriela David; La invención de la carne, de Santiago Loza; e Mentiras piedosas, de Diego Sabanés. Completam a lista o longa chileno Ilusiones ópticas, de Cristián Jiménez, e o uruguaio Mal dia para pescar, de Álvaro Brechner.

Este ano serão prestadas três homenagens especiais, aos 80 anos da produtora brasileira Cinédia, com a presença de Alice Gonzaga, diretora da companhia, a Esdras Rubim, criador do Festival de Gramado e primeiro presidente do Fórum dos Festivais, e ao Funcine, o Fundo Municipal de Cinema de Florianópolis, que receberá o Prêmio Gerlach de Reconhecimento ao Audiovisual Catarinense, oferecido pela Cinemateca Catarinense.

O FAM sedia mais uma vez o lançamento do Edital Catarinense de Cinema, edição 2009/2010, da Secretaria de Estado do Turismo, Cultura e Esporte e Fundação Catarinense de Cultura, no dia 17, às 20h45.

Nas mostras competitivas, serão exibidas 28 produções na Mostra de Curtas Mercosul 35 mm, 36 na Mostra de Vídeos, 21 na Mostra Infanto-juvenil, e 16 na Extra-FAM, não-competitiva.

Além do Auditório Garapuvu, haverá sessões no auditório da Reitoria e Teatro da UFSC (DAC/Igrejinha).

Mostras convidadas

Mostra Outros Olhares: Antologia EICTV

A Mostra Outros Olhares: Antologia EICTV, inédita no Brasil, será outro grande destaque desta edição. Trata-se de uma seleção de 12 dos melhores curtas-metragens produzidos nos últimos 23 anos da famosa Escuela Internacional de Cine y Televisión de San António de Los Baños, de Cuba. Pepi Gonçalvez, coordenadora da cátedra de produção da escola, estará presente para apresentar os filmes.

Mostra Universitária

Para prestigiar as produções de escolas de cinema catarinenses, a Mostra Universitária vai apresentar filmes produzidos por alunos de cinema de Santa Catarina.

Cinédia 80 Anos

Uma das primeiras produtoras cinematográficas do país e pioneira na industrialização do setor, a Cinédia completa oito décadas de fundação este ano. Para celebrar a trajetória deste patrimônio do cinema e da cultura brasileira, o FAM2010 realiza a Mostra Comemorativa Cinédia 80 anos, que vai exibir três dentre os maiores sucessos de bilheteria da Cinédia e do cinema brasileiro, O Ébrio, O Samba da Vida e 24 Horas de Sonho, com cópias restauradas e recuperadas pela produtora.

CINEFoot

E como o FAM ocorre junto com a Copa do Mundo, haverá uma Mostra Paralela sobre Futebol, o CINEFoot, com quatro curtas relacionados com o mundo do futebol.

Fórum Audiovisual Mercosul

Uma outra característica do FAM desde sua primeira edição, o Fórum Audiovisual Mercosul abrirá diversos espaços de debates de caráter político, econômico e cultural. O Seminário de Cinema e Televisão do Mercosul, de 12 a 17 de junho, sempre às 15 horas e com transmissão ao vivo pela internet, terá seis painéis, com a presença de representantes do setor público e da cadeia produtiva do audiovisual.

O Fórum já consolidou seu espaço na agenda do audiovisual latino-americano. Foi fundamental para a criação do Fórum de Autoridades Cinematográficas e Audiovisuais dos Países do Mercosul, Bolívia e Chile, que reúne as autoridades responsáveis pela política cinematográfica na região. No Fórum também surgiu a iniciativa de criação da Recam, a Reunião Especializada de Autoridades Cinematográficas e Audiovisuais do Mercosul.

I Encontro de Film Comissions da América Latina

Também dentro das atividades do Fórum está o I Encontro de Film Commissions da América Latina, realizado no Hotel Maria do Mar, no Saco Grande, de 10 a 13 de junho. Reunirá comissões de representantes de instituições públicas e privadas responsáveis pela criação de normas e procedimentos referentes à produção audiovisual. Para o encontro estão confirmadas participações de representantes do México, Panamá, Peru, Colômbia, Chile, Argentina e Uruguai, além de representantes das Film Commissions brasileiras, da Filmbrazil (Divisão internacional da APRO que reúne produtoras de publicidade focadas no Mercado Internacional), do Cinema do Brasil (Divisão Internacional do SIAESP que reúne produtoras de Cinema com foco no Mercado Internacional de produção), da Agência Nacional de Cinema (Ancine) e da Divisão de Promoção do Audiovisual do Ministério das Relações Exteriores.

Nas atividades Extra-Fórum, haverá o Pré-Congresso Catarinense de Cinema, promovido pela Cinemateca Catarinense, a Reunião das Entidades de Audiovisual do Sul do Brasil e o Pré-Congresso Brasileiro de Cinema.

Eventos paralelos

Lançamentos de publicações – Na programação haverá também lançamento de livros e revistas do setor audiovisual. O Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro (CPCB) lança uma edição especial da revista Cadernos de Pesquisa, importante periódico de divulgação da pesquisa cinematográfica brasileira, editado a partir dos anos 80. Myrna Brandão, presidente do CPCB e Carlos Augusto Brandão, diretor da instituição, estarão presentes no lançamento, sábado, dia 12, às 17h30, na Sala Aroeira, no Centro de Eventos.

O Centro Técnico do Audiovisual (CTAV), da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura lança o número 50 da Revista Filme Cultura, referência de leitura sobre cinema no Brasil, que circulou durante 22 anos. O evento será no domingo, dia 13, às 18 horas, no Centro de Cultura e Eventos, com a participação de representantes do CTAV.

A pesquisadora Alessandra Meleiro, que participa de um dos painéis do Fórum e coordena o Centro de Análise do Cinema e do Audiovisual (CENA), lança no dia 14, às 18 horas, três livros da coleção Indústria Cinematográfica e Audiovisual Brasileira, organizada por ela, com os títulos Cinema e Políticas de Estado: da Embrafilme a Ancine, Cinema e Economia Política e Cinema e Mercado.

Cursos e oficinas

Como nos anos anteriores, o FAM oferece espaços gratuitos de formação e troca com profissionais renomados do audiovisual. Serão oferecidos dois cursos, um de Direção de Fotografia, Câmera e Iluminação Cinematográfica com Pedro Pablo Lazzarini e uma oficina sobre a técnica de animação Flip Book, com Marão, da Marão Filmes, presidente da Associação Brasileira de Cinema de Animação.

Música

E para animar o hall do Centro de Eventos da UFSC, o FAM em parceria com a ONG Arte Movimenta selecionou grupos catarinenses de música, em estilos como chorinho, MPB e música erudita, que se apresentarão às 18h30 e 20h30, nos intervalos das mostras.

Assessoria de Imprensa 14º FAM

55 48 3721 4985

Beth Bieging 55 48 9901 9752

Coordenação e Cerimoniais

Aderbal Rosa Filho 55 48 9127 9166

Foruns e Extra-Forum(Film Commission)

Dorva Rezende 55 48 9114 4442

Mostras Competitivas/Site e blog

Barbara Pettres 5548 9926 6429

Mostras Competitivas/ Homenagens/Cinedia/Mostra Cuba/

Gabriela Rovai 55 48 99539353

Mostra Competitiva Infanto-Juvenil e Eventos paralelos

Vera Maria 55 48 9971 0400

Mostra Extra-Fam/ Homenagens/Credenciamentos

http://www.audiovisualmercosul.com.br .

http://audiovisualmercosul.blogspot.com.

http://twitter.com/famcinema

UFSC promove seminário estadual sobre educação em direitos humanos

08/06/2010 15:31

O 1º Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos de Santa Catarina (SEMEDH), será realizado nos dias 10 e 11 de junho, no auditório do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH) da Universidade Federal de Santa Catarina. O evento será aberto, às 19h30, pelo coordenador geral do projeto Theophilos Rifiotis, professor do Departamento de Antropologia da UFSC. Às 20h, a professora Nair Bicalho de Sousa, da Universidade de Brasília, realizará conferência sobre o Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos.

Na programação constam também debates e mesas-redondas. O seminário é destinado a pesquisadores, educadores, lideranças, ONGs e movimentos sociais com atuação na área de Educação em Direitos Humanos.

O 1º SEMEDH pretende contribuir para a consolidação do Comitê Catarinense de Educação em Direitos Humanos, conforme o Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos e as metas do projeto “Educação em e para os Direitos Humanos”, desenvolvido pelo Laboratório de Estudos das Violências (Levis/UFSC) desde 2006.

As inscrições estão encerradas.

Mais informações pelo telefone (48) 3721-9890, ramal 22, ou pelos e-mails e

PROGRAMAÇÃO:

Dia 10/6

18h às 19h – Credenciamento.

19h30 – Mesa de abertura dos trabalhos.

Coordenador: Theophilos Rifiotis (LEVIS/UFSC).

20h – Conferência “Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos”.

Palestrante: Nair Bicalho de Sousa (UnB/Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos).

21h – Encerramento e Informes.

Dia 11/6

8h30 às 10h30 – Mesa-redonda “Educação,Direitos Humanos e Minorias”.

Palestrantes:.Adriano Henrique Nuernberg (Departamento de Psicologia UFSC); Antonella Maria Imperatriz Tassinari (Departamento de Antropologia/NEPI/UFSC), Miriam Pillar Grossi (Departamento de Antropologia/NIGS/UFSC) e Raquel Mombelli (Departamento de Antropologia/NUER/UFSC).

10h45 às 12h – Debates

Debatedores: Siomara Aparecida Marques (Unisul/ENTRENÓS) e doutorando Felipe Fernandes (DICH/NIGS/UFSC).

14h às 16h – Grupos Trabalho – Comitê Catarinense de Educação em Direitos Humanos.

Rodas de Debate:

a) Projeto de constituição do Comitê Catarinense de Educação e Direitos Humanos;

b) Proposta de Regimento Interno do Comitê Catarinense de Educação e Direitos Humanos.

16h15 às 17h30 – Socialização dos Grupos de Trabalho.

17h30 às 20h15 – Mesa-redonda: “Direitos Humanos, Educação e Justiça: Desafios e Perspectivas”.

Palestrantes: Ana Lúcia Pastore (Departamento de Antropologia/USP, Comissão de Direitos Humanos da Associação Brasileira de Antropologia e vice-presidente da Associação Nacional de Direitos Humanos, Pesquisa e Pós-Graduação), Leda Maria Hermann (promotora de Justiça de São José) e Flávia Cunha (consultora da Secretaria Especial de Políticas para Mulheres).

Debatedores: Natália Cristina de Oliveira Meneghetti (NEPRE – Núcleo de Educação e Prevenção/Secretaria Estadual de Educação), Caio Varella (assessor Parlamentar do Senado Federal) e Toni Reis (presidente da ABGLT – Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais).

20h – Encerramento.

20h30 – Confraternização.

Realização:

LEVIS – Laboratório de Estudos das Violências/UFSC

ENTRENÓS – Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar em Gênero/Unisul

Financiamento:

Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República e Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (SECAD) do Ministério da Educação.

Apoio:

DAEX/Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão/UFSC

Por Gabriella Bridi/Bolsista de Jornalismo da Agecom

Colóquio debate movimentos artísticos e correntes intelectuais

08/06/2010 13:18

Com o tema “Movimentos Artísticos e Correntes Intelectuais”, será realizado na UFSC, entre os dias 23 e 25 de junho, o 3º Colóquio de História e Arte, no auditório do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH). A participação é gratuita.

O colóquio reunirá pesquisadores de história e áreas afins, que vão apresentar à comunidade acadêmica os resultados de pesquisas que contemplam a arte como acontecimento criativo, sob a perspectiva da estética, das práticas de escrita, da composição de visualidades, da memória, do tempo e do espaço. Entre os convidados estão os professores Durval Muniz Albuquerque Júnior, presidente da Associação Nacional de História e da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Marlon Jeison Salomon, da Universidade Federal de Goiás, e Daniel Lins, da Universidade Federal do Ceará.

A programação prevê quatro conferências e cinco mesas-redondas. A abertura acontece às 18h do dia 23, quarta-feira, com o lançamento do livro “Encantos da imagem: estâncias para a prática historiográfica – entre arte e história”. No dia 25, sexta-feira, às 19h, o professor Antônio Pedro Pita, da Universidade de Coimbra, Portugal, encerra as atividades com a conferência “O dia inicial – 25 de abril: revolução do imaginário”.

O Colóquio de História e Arte nasceu em 2008, por idealização do Programa de Pós-Graduação em História da UFSC. A primeira edição teve como tema “Trânsitos da Modernidade”, e recebeu nomes como José Emílio Burucúa, da Universidad Nacional de San Martín, da Argentina. Ano passado, Boris Kossoy, da Universidade Federal de São Paulo, foi um dos convidados do evento, que abordou o tema “Imagens da América Latina”.

A edição deste ano também comemora o 35º aniversário do Programa de Pós-Graduação em História da UFSC. O mestrado, inaugurado em 1975, já formou mais de 330 mestres, e o doutorado, implantado em 1998, já titulou mais de 50 pesquisadores.

Mais informações pelo telefone (48) 3721-8212, e-mail ou www.labharte.ufsc.br/tercolfinal.htm.

Por Vinicius Schmidt/Bolsista de Jornalismo da Agecom

Vestibular 2010: inscrições abertas para os cursos de Educação do Campo e Libras

08/06/2010 12:59

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) abriu inscrições no período de 8 a 30 de junho para o Vestibular de Inverno, destinado aos cursos de Educação do Campo e de Letras/Libras. O processo seletivo preenche vagas para o segundo semestre letivo no campus de Florianópolis.

As inscrições devem ser feitas no site da Comissão Permanente do Vestibular (Coperve): www.vestibular2010.ufsc.br. As solicitações para a isenção da taxa de inscrição devem ser encaminhadas até o dia 15 de junho. As provas do concurso serão realizadas no dia 25 de julho, das 14h às 18h.

O curso de Educação do Campo foi implantando em agosto do ano passado. Neste segundo vestibular são oferecidas 50 vagas para aulas no período diurno. O curso tem duração de oito semestres. Outras informações pelo telefone (48) 3721-9905 ou pelo site www.licenciatura.educampo.ufsc.br.

Para o curso de Letras – Língua Brasileira de Sinais (Libras) são oferecidas 40 vagas, sendo 20 para o bacharelado e 20 para a licenciatura. O curso tem duração de oito fases. As aulas começam em agosto, no período matutino. Informações adicionais pelo telefone (48) 3721-6586 ou pelo site www.libras.ufsc.br.

Informações sobre vestibular da UFSC pelos telefones (48) 3721-9200 e 3721-9953 ou www.vestibular2010.ufsc.br.

Encontro de Reitores da Universidade Federal de Santa Catarina será gravado nesta quarta-feira

08/06/2010 11:10

Acontecerá nesta quarta-feira, 9 de junho, às 19h, a gravação do programa ´Encontro de Reitores da Universidade Federal de Santa Catarina`, com a presença do atual reitor Alvaro Prata e de ex-reitores que estiveram no comando da Universidade nos 50 anos de história da Instituição.

O local escolhido para a filmagem foi o Teatro Álvaro de Carvalho, com o intuito de remeter à solenidade histórica de instalação da UFSC, no ano de 1962.

A ideia é dar sequência à produção desse programa, cuja última edição aconteceu no ano de comemoração dos 40 anos da Universidade, sempre promovendo um debate sobre os principais fatos e os acontecimentos relevantes das diversas gestões, cada uma com suas características. O programa fará parte da grade de programação e será exibido na TV UFSC, no canal 15 da NET.

Agravação do programa integra a agenda de comemorações dos 50 anos da UFSC.

Projeto 12:30 Acústico recebe os projetos de extensão Madrigal e Orquestra de Câmara da UFSC

07/06/2010 16:47

Madrigal da UFSC

Madrigal da UFSC

O Projeto 12:30 Acústico desta quinta-feira, dia 10/6, recebe os projetos de extensão Madrigal da UFSC e Orquestra de Câmara da UFSC. O espetáculo será no Teatro da UFSC, às 12h30mim. Gratuito e aberto à comunidade.

Os projetos iniciaram em 2009 e têm por objetivo fomentar e difundir a música vocal e instrumental, proporcionando aos músicos em potencial, que fazem parte dos cursos de graduação da UFSC, um espaço para desenvolverem seus potenciais artístico-musicais. Além disso, visam divulgar a música erudita e popular, através de apresentações, e com isso incentivar a formação e a cultura local.

O Madrigal da UFSC é composto por quatro naipes vocais: soprano, contralto, tenor e baixo. A Orquestra de Câmara é composta por violinos, violas, violoncelo e contrabaixo. Os trabalhos do Madrigal e da Orquestra de Câmara são coordenados por Miriam Moritz, regente do Coral da UFSC desde 2004.

Sobre a regente Miriam Moritz

Miriam Moritz formou-se em música pela Udesc em 1987, onde estudou flauta transversal, canto e canto coral. Em 2003, concluiu pós-graduação em musicoterapia pela Unisul. Foi nomeada Regente do Coral da UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina, após concurso público realizado em fevereiro e março de 2004, dando início às suas atividades em maio do mesmo ano. Desenvolveu os Projetos “Reconstruindo a Escuta do usuário de Implante Coclear”, com equipe multidisciplinar, e “Canto para Comunidade”, do Projeto Caeira 21.

Além da regência do Coral, desenvolve os seguintes Projetos de Extensão na UFSC: “Música para Pessoas com doença de Parkinson”, dirigido à comunidade e à Associação Parkinson de Santa Catarina, “Orquestra de Câmara da UFSC”, “Madrigal da UFSC” e “Iniciação ao Canto em Grupo”.

Projeto 12:30

O Projeto 12:30 é realizado pelo Departamento Artístico Cultural (DAC), vinculado à Secretaria de Cultura e Arte da UFSC, e apresenta semanalmente atrações de cunho cultural de música, dança e teatro. As apresentações acontecem todas as quartas-feiras, ao ar livre, na Concha Acústica, e, quinzenalmente, às quintas-feiras, no Projeto 12:30 Acústico, no Teatro da UFSC.

Artistas e grupos interessados em se apresentar no projeto dentro do campus da UFSC devem entrar em contato com o DAC através dos telefones (48) 3721-9348 / 3721-9447 ou por e-mail, enviando mensagem para

Serviço:

O QUÊ: Show com Madrigal da UFSC e Orquestra de Câmara da UFSC

QUANDO: Dia 10 de junho, quinta-feira, às 12h30min.

ONDE: Projeto 12:30 Acústico, no Teatro da UFSC, em Florianópolis.

QUANTO: Gratuito, aberto à comunidade.

CONTATO: , (48) 3721-9348 ou 3721-9447

Fonte: Stephanie Pereira – Acadêmica de Jornalismo, Assessoria de Imprensa do Projeto 12:30: DAC: SeCArte: UFSC, com material institucional e da Banda.

Vale Abraão de Manoel de Oliveira será exibido nesta terça na UFSC

07/06/2010 16:18

Vale Abrãao - de Manoel de Oliveira

Vale Abrãao - de Manoel de Oliveira

Acontece nesta terça-feira, dia 8/6, no Teatro da UFSC, a sessão do filme “Vale Abraão” (1993) que integra a mostra “Grandes Diretores – Manoel de Oliveira”, premiado diretor português, homenageado no Festival de Cinema de Cannes, em 2008.

A mostra é uma atividade de caráter didático-cultural, realizada pelo Departamento Artístico Cultural da UFSC, e vai até 30 de novembro deste ano. As exibições são feitas sempre às terças-feiras, às 12h, seguidas ou antecedidas de eventuais debates. As sessões serão interrompidas para o recesso escolar, IV FITA, 14º FAM e feriados. A mostra tem entrada gratuita e é aberta à comunidade.

A exibição será a partir de DVD, utilizando projetor de alta resolução e uma tela apropriada para projeção e equipamentos especialmente instalados para esse fim no teatro da universidade. Os filmes dessa mostra fazem parte da coleção “Grandes Autores – Manoel de Oliveira”, contendo os DVDs e um livro, editada pela Lusomundo Audiovisuais.

Acesse no site do DAC:

www.dac.ufsc.br

o link do blog onde estão publicados os nomes e as sinopses de todos os filmes da mostra.

Sobre o filme Vale Abraão (1993)

Ema é uma mulher de beleza ameaçadora. Para o marido, Carlos – com quem casou sem amor – “um rosto como o seu pode justificar a vida de um homem”. O gosto do luxo, as ilusões que assume, o desejo que inspira aos homens, vale-lhe o epíteto de “A Bovarinha”. Conhecerá três amantes, mas esses amores sucessivos não conseguem suster um crescente sentimento de desilusão, que a leva a se definir como “um estado de alma em balouço”. Ema morrerá – acidentalmente? Quem sabe? – num dia de sol radioso, depois de se ter vestido como se fosse para ir a um baile.

A partir do romance Vale Abraão de Agustina Bessa-Luís

Duração: 210 min

Elenco: Leonor Silveira, Luís Miguel Cintra, Cecile Sanz de Alba

Festival de Cannes 1993 – Menção Especial da Quinzena dos Realizadores

Organização da mostra

A mostra no Teatro da UFSC é organizada por Zeca Nunes Pires e Camila Casseano Damazio, numa realização do Departamento Artístico Cultural, da Secretaria de Cultura e Arte/UFSC, com o apoio da Pró-Reitoria de Infraestrutura da UFSC.

SERVIÇO

O QUÊ: Apresentação do filme Vale Abraão” (1993), da Mostra de cinema Grandes Diretores – Manoel de Oliveira.

QUANDO: Dia 8 de Junho , terça-feira, às 12h.

A mostra acontece até 30 de novembro de 2010, em todas as terças-feiras às 12 horas, seguida ou antecedida de eventuais debates. As datas das sessões serão interrompidas para o recesso escolar, IV FITA, 14º FAM e feriados.

ONDE: Teatro da UFSC, ao lado da Igrejinha, Praça Santos Dumont, Trindade, Florianópolis-SC

QUANTO: Gratuito e aberto à comunidade

CONTATO: Departamento Artístico Cultural – DAC (48) 3721-9348 e 3721-9447 ou www.dac.ufsc.br e

Fonte: José Wilson O. Fontenele, Acadêmico de Jornalismo da UFSC – Assessoria de Imprensa do DAC – SECARTE – UFSC, com material da coleção de DVDs e dos organizadores da mostra.

Ano Internacional da Química é oficialmente aberto no Brasil

07/06/2010 14:59

Foi realizada durante a 33ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química, de 28 a 31 de maio, a abertura oficial no Brasil do Ano Internacional da Química. O AIQ será comemorado em 2011, em homenagem aos 100 anos da concessão do Prêmio Nobel de Química à Marie Curie (1867-1934).

O Ano Internacional da Química foi declarado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e será organizado internacionalmente pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e pela União Internacional de Química Pura e Aplicada (IUPAC).

O objetivo é celebrar as contribuições da química para o bem-estar da humanidade. Este campo é fundamental para a compreensão do mundo e do cosmos. As transformações moleculares são centrais para a produção de alimentos, medicina, combustíveis e inúmeros produtos manufaturados e naturais.

No continente americano, várias associações, como a American Chemical Society, a Federação Latino-Americana de Sociedades/Associações de Química e a Sociedade Brasileira de Química já estão envolvidas na promoção de atividades voltadas à popularização dessa área do conhecimento.

Na Assembléia Geral da 33ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química foi empossado o novo presidente eleito para o biênio 2010-2012, o professor César Zucco, do Departamento de Química da UFSC, diretor de Pesquisa Científica e Tecnológica da Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica do Estado de Santa Catarina (Fapesc).

Também foi designada a nova Diretoria Nacional, o Conselho Consultivo e os Secretários Regionais. Pela Secretaria de Santa Catarina foram empossados os professores Nito A. Debacher-UFSC (secretário), Jair Juarez João-Unisul (vice-secretário) e Hugo Galhardo-UFSC (tesoureiro).

A 34ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química, em 2011, será realizada em Florianópolis, de 25 a 28 de maio, no Costão do Santinho. O evento será organizado conjuntamente pela SBQ e uma comissão do Departamento de Química da UFSC. Várias ações serão planejadas para divulgar a contribuição da ciência Química para o bem-estar da humanidade.

Mais informações sobre o Ano Internacional da Química:

www.unesco.org/science

www.sbq.org.br/

http://noticias.bol.uol.com.br/ciencia/2010/05/29/pressao-por-pesquisa-aplicada-estrangula-a-ciencia-diz-nobel.jhtm

http://boletim.sbq.org.br/n7.php

http://www.sbppc.org.br/site/index.php?option=com_content&task=view&id=413&Itemid=26

http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=71194

http://www.agencia.fapesp.br/materia/12253/noticias/reuniao-da-sbq-prepara-ano-internacional-da-quimica.htm

Mais informações na UFSC com o professor Nito A Debacher /

Tel (48) 3721-6846 R206 /

Evento discute situação das doenças tropicais e controle das epidemias no Brasil

07/06/2010 13:51

Panorama da Influenza H1N1 no Sul do Brasil; situação da dengue em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná; expansão das leishmanioses no Sul do Brasil; coinfecções HIV/hepatites, doenças do viajante. Estes são alguns dos temas que serão debatidos no II Encontro Catarinense de Medicina Tropical Joaquim Alves Ferreira Neto. O evento marca também os 100 anos da descoberta da doença de Chagas e será realizado no Hotel Cambirela, em Florianópolis, no período de 11 a 13 de agosto. As inscrições estão abertas.

Os temas da programação foram propostos em conjunto por pesquisadores e administradores da área de saúde, levando em conta a importância e atualidade regional. O evento vai reunir especialistas nas áreas de medicina tropical e gestão em saúde, gestores estaduais e municipais, estudantes de graduação e de pós-graduação.

A promoção é da Regional de Santa Catarina da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical e da Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina, com apoio da UFSC, SUS e Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina.

Mais informações: http://www.proto.ufsc.br/sbmt/index.htm / e-mail:

Na UFSC: Laboratório de Protozoologia / fone (48) 3721-5164

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

<programação:

quarta-feira / 11/08

13h30min– Redes de Pesquisa em Doenças Tropicais no Sul do Brasil

Sociedade Brasileira de Medicina

19h30min: Conferência 1

Papel da Pesquisa e do Ensino da Medicina Tropical nos Desafios para o

Controle e Diagnose de Doenças Endêmicas

Palestrante: Pedro Tauil (UNB/DF)

Moderador: Bruno Rodolfo Schlemper Jr (UNOESC/DIVE/SES/SC)

quinta-feira / 12/08

8h30min Conferência 2

Políticas Governamentais para o Controle de Endemias/Epidemias

Palestrante: Eduardo Hage (SVS/MS/DF)

Moderador: Edmundo Carlos Grisard

10h Mesa-Redonda 1

História das Doenças Tropicais no Sul do Brasil

Doença de Chagas – Dr. Mário Steindel (UFSC/SC)

Malária – Dr. Pedro Tauil (UNB/DF)

Filariose Linfática – Dr. Bruno R. Schlemper Jr. (UNOESC/DIVE/SES/SC)

Esquistossomose – Dra. Marília Siriani de Almeida (FIOCRUZ/UFSC/SC)

Coordenador: Dr. Nelson Grisard (UFSC/SC)

10h Mesa-Redonda 2

Doenças Tropicais e Meio Ambiente

Alterações Ambientais e Doenças Tropicais – Fernando de Ávila Pires

(UFSC/SC)

Hantavirose – Sonia Mara Raboni (ICC/PR)

Leptospirose – Oswaldo Vitorino de Oliveira (UFSC/SC)

Febre Amarela – Alessandro Pecego (SVS/MS)

Coordenador: Alcides Milton da Silva (UFSC/SC)

14h15 Mesa-Redonda 3

Dengue na Região Sul do Brasil: Padrão Epidemiológico, Diagnóstico e

Perspectivas de Controle Vetorial

Diagnóstico Laboratorial da Dengue – Juliano Bordignon (ICC/PR)

Situação da Dengue em Santa Catarina – Suzana Zeccer (DIVE/SES/SC)

Panorama da Dengue no Estado do Rio Grande do Sul – Laura Londero Cruz,

(CVS/SES/RS)

Epidemiologia da Dengue no Estado do Paraná – José Lúcio dos Santos

(SVS/PR)

Coordenador: Alex Onacli Moreira Fabrin (CCZ/FLN)

14h15 Mesa-Redonda 4

Acidentes por Animais Peçonhentos

Experiência do SES Paraná no controle de escorpiões – Emanuel Marques

da Silva (SES/CIT/PR)

Aspectos clínico-epidemiológicos e tratamento de acidentes causados pela

aranha marron – Marlene Entres (HC/PR)

Papel dos Centros de Informação Toxicológica no suporte ao diagnóstico e

tratamento dos acidentes por animais peçonhentos – Dra. Marlene Zannin

(CIT/UFSC/SC)

Aspectos clínico-epidemiológicos e tratamento do acidente Botrópico – Maria da

Graça Bolsinha Marques (CVS/CIT/RS)

Coordenador: Margarete Grando (DVS/SES/SC)

17h Conferência 3

Panorama da Pandemia de Influenza H1N1 no Sul do Brasil

Palestrante: Luis Antônio da Silva (DIVE/SES/SC)

Moderador: Dr. André Bafica (UFSC/SC)

Sexta-feira – 13/0

8h30min Conferência 4

Doenças do Viajante: Regulamento Sanitário Internacional

Palestrante: Maria Aparecida Shikanai-Yasuda (USP/SP Presidente da SBMT)

Moderador: Dr. Fernando Dias de Ávila Pires (FIOCRUZ/UFSC/SC)

10h Mesa-Redonda 5

Expansão das Leishmanioses no Sul do Brasil: Vetores, Epidemiologia,

Diagnóstico e Controle

Aspectos Epidemiológicos da LTA em Santa Catarina – Maria Ernestina

Makowieck (DIVE/SES/SC)

Coinfecção HIV/Leishmania Clínica, Diagnóstico e Tratamento – Marise

da Silva Mattos (HNR-SC/FIOCRUZ-RJ)

Leishmaniose Visceral no Rio Grande do Sul – Dr. Celso dos Anjos

(CVS/SES/RS)

Situação Epidemiológica da LTA no Paraná – Enéas Cordeiro de Souza Filho

(SES/PR)

Coordenador: Eida Maria França (DIVE/SES/SC)

10h Mesa-Redonda 6

Zoonoses Emergentes e Re-emergentes: Epidemiologia, Diagnóstico,

Tratamento e Controle

Cenário atual do complexo teníase/cisticercose e a notificação obrigatória no

Paraná – Natal Jataí de Camargo (SES/PR)

Condutas diagnósticas e terapêuticas da epilepsia na NCC – Paulo T.

Bittencourt (HU/UFSC/SC)

Epidemiologia e diagnóstico da Hidatidose na Região Sul do Brasil – Arnaldo

Zaha (UFRGS/RS)

Situação Epidemiológica e Controle da Raiva no Sul do Brasil. Alda Rodolfo da

Silva (DIVE/SES/SC)

Coordenador: Suzana Zeccer (DIVE/SES/SC)

14h15min Mesa-Redonda 7

Coinfecções HIV/Hepatites: Epidemiologia, Tratamento e Perspectiva Vacinal

Situação Epidemiológica e Tratamento atual do HIV/AIDS – Dr. Luis Gustavo

Escada Ferreira (HRSJ/SC)

Perspectivas de vacina para o HIV – Dirceu Grecco (UFMG/MG)

Situação epidemiológica das hepatites no Sul do Brasil – Rosalie Knoll

(UNIVALI/SMS/Itajaí/SC)

Acesso ao Diagnóstico e Tratamento das Hepatites virais – Fábio Gaudenzi

(DIVE/HNR)

Coordenador: Aguinaldo Roberto Pinto (UFSC/SC)

14h15 Mesa-Redonda 8

Tuberculose e outras micobacterioses de importância médica: Diagnóstico,

Resistência e Tratamento

Panorama da Tuberculose no Brasil – Draurio Barreira (SVS/MS)

Perspectiva da Tuberculose Multi-Resistente – Sérgio Mendonça

(DIVE/SES/FURB)

Micobactérias não Tuberculosas na Região Sul do Brasil – Maria Luiza

Bazzo (UFSC/SC)

Pesquisa da Tuberculose em Santa Catarina – André Báfica (UFSC/SC)

Coordenador: Elma Fiord da Cruz (DIVE/SES/SC)

17 Conferência de Encerramento

Biotecnologia em Saúde: impacto no controle das doenças tropicais

Palestrante: Samuel Goldenberg (ICC/PR)

Mediador: Álvaro José Romanha

MEC destaca conquistas no ensino obrigatório

07/06/2010 13:28

Agenda inclui debates sobre o bulling nas escolas

Agenda inclui debates sobre o <i>bulling</i> nas escolas

O ensino obrigatório dos quatro aos 17 anos foi o tema da palestra de abertura do I Seminário de Educação da Undime Região Sul. A Secretária de Educação Básica do MEC, Maria do Pillar Lacerda de Almeida e Silva, representando o Ministro da Educação Fernando Haddad, falou das novas conquistas da educação brasileira possibilitadas pela emenda constitucional nº 59, que prevê a obrigatoriedade da matrícula dos quatro aos 17 anos e amplia a rede pública educacional.

O ano de 2016 é o prazo limite para que todos os municípios atendam à faixa etária obrigatória, estipulada pela emenda criada em 2009. Os municípios terão que adaptar-se estruturalmente para atender à educação infantil de forma apropriada, com professores capacitados para atuarem nesse segmento. “Isto significa um trabalho e um esforço enormes dos prefeitos e secretários municipais, porque contempla crianças de quatro e cinco anos é diferente de atender as de 15 e 17”, explica Maria do Pillar.

Maria do Pillar citou como exemplo o sistema educacional alemão para falar da necessidade de inclusão de uma maioria a quem até então era negado o direito básico à educação.

O encontro, que segue até 8 de junho no Centro de Cultura e Eventos da UFSC, conta com a presença de cerca de 600 secretários municipais de educação de toda a Região Sul do Brasil e é uma realização da Undime/SC – União dos Dirigentes Municipais de Educação – com apoio da Undime/RS e Undime/PR.

Além do ensino obrigatório, serão tratados temas como alimentação escolar, as diretrizes da educação infantil, transporte escolar, o Plano Nacional de Educação e bulling na escola.

Mais informações no site www.undime-sc.org.br, ou pelo telefone 48-3251-6129.

Por Felipe Luiz da Costa – Bolsista de Jornalismo na Agecom

Foto:Paulo Roberto Noronha/Agecom

UFSC constrói centro avançado de petróleo, gás e energia no Sapiens Parque

02/06/2010 18:01

Expectativa é de finalização até dezembro

Expectativa é de finalização até dezembro

A Universidade Federal de Santa Catarina UFSC está implantando no Sapiens Parque, no Norte da Ilha, o Instituto do Petróleo, Gás e Energia (INPetro). O avançado centro de pesquisa e desenvolvimento atuará em projetos, prestação de serviços e formação de recursos humanos.

Apresentado no final de 2009, o instituto é resultado da parceria entre a UFSC e a Petrobras e soma investimentos de R$ 32 milhões. A expectativa é de que a construção seja finalizada em dezembro deste ano e o INPetro entre em operação em março de 2011. Até o final do segundo ano, espera-se gerar cerca de 150 empregos e, em longo prazo, contratar 500 pessoas e envolver cerca de 300 pesquisadores.

Focado nas áreas do petróleo, gás e energia, o instituto tem a intenção de consolidar as pesquisas na área, trazendo visibilidade nacional e internacional para a UFSC e Santa Catarina. Também criará em seu entorno oportunidades para que empresas de base tecnológica sejam constituídas para explorar as aplicações em desenvolvimento.

A iniciativa está sendo viabilizada através de termo de cooperação entre a Fundação de Ensino e Engenharia de Santa Catarina (Feesc), UFSC e Petrobras, com recursos disciplinados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O coordenador de implantação, professor Armando Albertazzi Gonçalves, deixa claro que embora os recursos para a construção tenham vindo da Petrobras, o INPetro será um instituto da UFSC, com autonomia para decidir que projetos contratará.

Reconhecimento

A UFSC é a uma das universidades do país que mais recebe recursos da Petrobras, parceria que se fortalecerá com a instalação do INPetro. A estatal, que está sempre buscando cooperação com grupos de pesquisa capazes de responder à altura suas demandas, pois sabe que para desenvolver pesquisas de elevado nível são necessários recursos, laboratoriais e humanos, e que isto depende de alto investimento. “O fato da UFSC ter sido bem contemplada com recursos da Petrobras é fruto do reconhecimento de médio e longo prazo, da competência e seriedade de muitos grupos de pesquisa que por aqui atuam”, reconhece Albertazzi.

Para o coordenador, o INPetro permitirá a ampliação da quantidade, da qualidade e da abrangência das pesquisas que se faz na universidade. A operacionalização de laboratórios equipados e as instalações permitirão abrigar, com qualidade, pesquisadores em quantidade suficiente para atender a uma demanda que deve naturalmente se ampliar.

Segundo Albertazzi, uma das maiores contribuições do INPetro será o desenvolvimento da cultura de trabalho multidisciplinar e em equipe. “Ele funcionará como um ponto de convergência, aproximando vários grupos que atuam em áreas distintas que se complementam, permitindo que projetos de maior amplitude e impacto possam ser desenvolvidos”.

Sete grupos dos departamentos de Engenharia Mecânica, Automação e Sistemas e Química da UFSC participam de sua implantação e trabalharão juntos, reunindo competências complementares essenciais no desenvolvimento de projetos avançados.

Estão envolvidos o Laboratório de Metrologia e Automatização; Laboratório de Soldagem; Laboratório de Simulação Numérica em Mecânica dos Fluidos e Transferência de Calor; Laboratório de Controle e Automação; Laboratório de Combustão e Engenharia de Sistemas Térmicos e o Laboratório de Corrosão.

De acordo com o coordenador, dificilmente um projeto de engenharia pode ser bem resolvido se o foco da solução ficar restrito a uma área delimitada por um domínio especializado.

“Soluções muito mais ricas, e de maior impacto, podem ser encontradas se grupos com formações e culturas diferentes trabalharem de forma coordenada e integrada. Poderemos atuar com desafios muito maiores e de grande impacto para o país e para o mundo”, esclarece Albertazzi. Para ele, essa é uma forma de trabalho que deve ser valorizada no INPetro, facilitada pela proximidade física.

Além disso, para o coordenador, é necessário fortalecer a capacidade de trabalho em grupo. “Estamos cientes que este é o nosso maior desafio. As equipes que estarão reunidas no instituto são experientes. Certamente aprenderam o que funciona bem e o que não funciona em pesquisa. Ao inaugurar um novo instituto temos uma chance de levar conosco aquilo que consideramos bom e ‘barrar’ o que já percebemos que não funciona. Não queremos perder a oportunidade de começar bem para poder preservar a cultura do que é bom”, destaca Albertazzi.

A UFSC no Sapiens Parque

No início, foi considerada a ideia o implantar o INPetro no Campus da UFSC na Trindade. No entanto, como o complexo é amplo (8.800 metros quadrados de área construída), não foi encontrado um terreno amplo o suficiente.

Em função dos problemas logísticos decorrentes da distância de 24 km do parque ao campus da Trindade, a construção na área doada à UFSC trouxe um posicionamento contrário de alguns grupos da universidade. No entanto, segundo Albertazzi, esta dificuldade será amenizada com a disponibilização pelo Sapiens Parque de um transporte regular entre universidade e o instituto.

Nas conversas com os dirigentes do Sapiens Parque, o reitor Alvaro Prata conquistou a doação de uma área no parque com potencial construtivo de 250 mil metros quadrados, para abrigar futuras unidades avançadas de pesquisa da UFSC. O INPetro é a primeira, mas já há uma segunda em desenvolvimento: o Instituto de Fármacos.

“Em breve, o INPetro estará cercado por vizinhos de alto nível, contribuindo para a criação de uma aura de alta tecnologia, que é uma das componentes perseguidas na concepção do Sapiens Parque”, antecipa.

Para Albertazzi, a construção nesse local tem dois outros aspectos positivos que devem ser destacados: a possibilidade de expansão e a criação de empresas. “A disponibilidade de área física para a construção de novas unidades, por exemplo, motivadas por demandas específicas do pré-sal, é uma possibilidade para a qual não devemos fechar as portas. Não pretendemos ampliar o INPetro a curto prazo, mas do futuro, ninguém sabe”, afirma.

O outro elemento importante para o coordenador é estar no ambiente propício para a criação de novas empresas de base tecnológica. “O Sapiens Parque tem naturalmente essa vocação. A proximidade do INPetro certamente será mutuamente benéfica”, lembra o coordenador.

Segundo ele, a expectativa é motivar e dar apoio a alunos para constituírem novas empresas de base tecnológica a partir dos trabalhos que desenvolvam no INPetro.

“Este processo se afina com o modelo de trabalho da Petrobras, fortemente baseado na terceirização. Uma nova tecnologia desenvolvida no âmbito de um projeto de pesquisa pode se tornar a âncora para a criação de uma nova empresa, envolvendo os alunos, que irá licenciar e explorar comercialmente um produto na forma de prestação de serviços ou fornecimento de novos equipamentos. É uma mão dupla que favorece os dois lados.”, comemora o professor.

Mais informações: Telefone: (48) 3239-2030 /

Por Natália Izidoro / Bolsista de Jornalismo na Agecom

Saiba Mais:

Espaço físico

Concebidos com elevados padrões de eficiência energética, os “prédios verdes” têm como características o aproveitamento da ventilação e insolação natural e o reaproveitamento da água da chuva.

Serão quase 9 mil metros quadrados divididos em uma área principal de laboratórios leves, que não envolvem a movimentação de equipamentos de grande porte, e outra de laboratórios pesados. Cerca de 520 metros quadrados estão reservados para laboratórios multidisciplinares, uma biblioteca especializada, um auditório e salas de reunião e de trabalho para acomodação de 50 pesquisadores permanentes e cerca de 120 temporários (alunos de graduação e pós-graduação).

O prédio de laboratórios leves terá quatro andares e um ático. Serão abrigados 20 laboratórios, dentre eles os de instrumentação, visão computacional, sensores ópticos, corrosão, combustão, escoamento, automação, sensores inteligentes e robótica. Já o prédio de laboratórios pesados abrigará dez salas, para ensaios de dutos, soldagem robotizada, soldagem a laser e uma grande área para projetos multidisciplinares.

Será também montado um tanque experimental, para desenvolvimento de um sistema de visão submarina para monitorar estruturas e auxiliar no reparo de cascos de navios. Estão ainda previstos três poços secos com 120 metros de profundidade, para testar técnicas de bombeamento de petróleo.

Livro divulga trabalho com kit de sementes crioulas adotado por agricultores de Santa Catarina

02/06/2010 17:56

A capa do livro e agricultores parceiros da iniciativa

A capa do livro e agricultores parceiros da iniciativa

Um livro que está em fase final de edição vai compartilhar a experiência de produção e distribuição de sementes crioulas de espécies como feijão, arroz e milho entre famílias de agricultores de Santa Catarina. ´Kit Diversidade – Estratégias para Segurança Alimentar e Valorização das Sementes Locais` conta como nasceu a proposta, como a ideia foi viabilizada e que resultados foram alcançados. Traz também depoimentos de agricultores que participam da iniciativa e uma discussão sobre a legislação que trata das sementes crioulas no país.

“O livro se dirige aos agricultores em primeiro lugar, mostrando a importância da organização deles, pois esse trabalho só foi possível porque eles quiseram. Depois a políticos, como um documento que tem argumentos para formulação de políticas públicas”, explica o professor do Departamento de Fitotecnia do Centro de Ciências Agrárias da UFSC, integrante do Núcleo e Estudos em Agrobiodiversidade (NEABio), Antonio Carlos Alves. Ele divide a organização da publicação com Adriano Canci (técnico facilitador do Programa Microbacias 2 da Epagri, também coordenador do Instituto de Agrobiodiversidade) e Clístenes Antônio Guadagnin, (doutorando do Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar da Universidade Federal de Pelotas, também extensionista da Epagri de Guraraciaba).

O kit

O projeto kit diversidade foi implantado e continua sendo desenvolvido no município de Guaraciaba, localizado no extremo oeste de Santa Catarina. Um dos objetivos é melhorar as condições de vida dos agricultores da região. A implantação aconteceu a partir de necessidades levantadas junto às famílias e foi incentivada por diagnóstico realizado em 2005, a partir do projeto Microbacias 2. Esse levantamento revelou dados sobre a agricultura familiar em Santa Catarina que preocuparam: 75% dos agricultores haviam deixado de cultivar arroz e 50% não plantavam mais feijão para o seu consumo.

Na mesma época, durante um curso de agroecologia oferecido pelo Núcleo e Estudos em Agrobiodiversidade da UFSC, as famílias ouviram o relato de um caso interessante do Nepal (Ásia), onde comunidades e técnicos desenvolviam um trabalho de resgate de sementes e conhecimentos locais para consumo dos agricultores, chamado de kit diversidade. Inspirado nessa experiência, nasceu o Kit diversidade de Guaraciaba.

O Kit é uma caixa com pacotes de sementes. A composição foi definida em encontros com os agricultores, de acordo com suas preferências e a disponibilidade das plantas. As sementes são produzidas pelos próprios agricultores que ainda possuem variedades locais e conhecimento sobre seu cultivo.

A seleção levou em conta aspectos como importância alimentar e vontade das famílias de trabalhar com determinada espécie ou variedade. Em alguns casos pesaram características positivas da planta, como produtividade, resistência, simplicidade de cultivo e armazenamento, adaptação às condições locais e aos métodos simples de seleção, e a possibilidade de cultivar sem venenos.

A proposta foi implementada em reuniões do projeto Microbacias 2, desenvolvido em processo participativo com os agricultores. O kit foi discutido e colocado em prática numa parceria entre UFSC, extensionistas da Epagri, técnicos do Microbacias 2 e agricultores. O trabalho contou com o apoio de estudantes de graduação e de pós-graduação, professores e pesquisadores do Centro de Ciências Agrárias da UFSC que integram o Núcleo e Estudos em Agrobiodiversidade (NEABio).

Resultados

A publicação mostra que a partir da implantação do kit diversidade o percentual de agricultores que recorria ao mercado para obtenção de arroz baixou de 75% para 42%. Para o feijão a redução foi de 50% para 23%. A avaliação do projeto demonstra também que o impacto dessa mudança representa, no mínimo, 30% da renda bruta da maioria das famílias.

“Muitas famílias voltaram a cultivar alimentos que tinham deixado de lado há mais de 20 anos. O kit também resgatou hábitos alimentares saudáveis que haviam sido perdidos, como o consumo da fava e da ervilha”, lembram os organizadores do livro. Produzir comida em abundância e com qualidade está voltando a ser prioridade para muitos agricultores, destacam na edição.

A experiência também foi importante na aproximação entre o conhecimento acadêmico e das comunidades. A publicação destaca que as famílias de agricultores detêm conhecimentos sobre as sementes, as etapas e componentes do processo produtivo. Esses conhecimentos normalmente são aperfeiçoados a cada safra e na troca entre redes familiares e comunitárias de sementes e de saberes. Para os participantes da iniciativa, o kit fortalece essas redes comunitárias, sem desprezar o apoio da universidade.

“A busca da superação da falsa dicotomia estabelecida

entre o moderno e o tradicional e entre o conhecimento informal dos agricultores e o conhecimento formal acadêmico também pode ser verificada no projeto do kit diversidade”, destaca o professor Antonio Carlos Alves.

Soberania alimentar

“O kit diversidade envolve agroecologia, autosuficiência na produção de alimentos pelos agricultores, segurança alimentar e o resgate da auto-estima dos agricultores”, complementa o pesquisador. O projeto também cria oportunidades para discussões sobre a segurança e a soberania alimentar, a valorização da região e o desenvolvimento sustentável.

Segundo Alves, o cultivo de diferentes espécies vegetais e cultivares manejadas pelos agricultores é essencial para a conservação e ampliação da agrobiodiversidade. Também favorece a preservação do equilíbrio natural entre os inimigos naturais e os agentes causadores de danos às culturas. A distribuição e troca de sementes entre as famílias serve também de estímulo à manutenção e ampliação das relações sociais nas comunidades.

Mas, salientam os editores, os dados levantados nas avaliações e os depoimentos das famílias agricultoras revelam também que

a iniciativa deve ser associada a políticas para a agricultura familiar. “Conservar a agrobiodiversidade em posse dos agricultores

familiares servindo a estes e ao povo urbano pela oferta de

alimentos de qualidade é muito mais que lutar pelas sementes

crioulas e, certamente, vai além da promissora experiência do

kit diversidade”, alertam. Quando o livro estiver concluído, será comercializado e a renda revertida para os agricultores que participaram do trabalho.

Mais informações com o professor Antonio Carlos Alves, e-mail: / Telefone: (48) 3721-5323

Por Arley Reis / Jornalista da Agecom

Saiba Mais:

O meio rural de Santa Catarina

De acordo com o levantamento do IBGE (1997) (Censo Agropecuário 1995/96), o estado de Santa Catarina conta com cerca de 203 mil estabelecimentos agropecuários, que correspondem a aproximadamente 4% do total de estabelecimentos no Brasil. O Estado caracteriza-se pelo predomínio da agricultura familiar. De acordo com os critérios de classificação do Pronaf, em 2002 a agricultura familiar catarinense representava um universo de cerca de 180 mil famílias, envolvendo mais de 90% da população rural.

A estrutura fundiária do Estado é caracterizada pelo predomínio de pequenas propriedades rurais, com 18% dos estabelecimentos com área inferior a 5 ha, 47% entre 5 e 20 ha, 24% entre 20 e 50 ha, 6% entre 50 e 100 ha e apenas 4% com áreas maiores que 100 há. Embora a agricultura familiar catarinense ocupe apenas 41% da área rural, é responsável por mais de 70% da produção agrícola e pesqueira do estado.

Causas de abandono dos cultivos

Nas reuniões comunitárias para implantação do kit diversidade foram discutidos os motivos que levaram as famílias a deixaram de cultivar variedades mantidas basicamente para a alimentação de autoconsumo.

Entre eles estão:

– diminuição do tamanho das famílias pelo abandono da atividade agrícola;

– dedicação a atividades produtivas de maior expressão econômica como a cultura do fumo e a expansão da bovinocultura de leite;

– perda de determinadas variedades em função de adversidades climáticas;

– possibilidade de aquisição de produtos nos mercados locais

– diminuição das trocas de sementes entre as famílias

Variedade genética

O trabalho com o kit mostrou também a diversidade genética existente entre as 34 principais espécies vegetais crioulas cultivadas para a alimentação pelas famílias rurais do oeste catarinense. Entre estas espécies há mais de 200 variedades locais diferentes, mantidas pelos agricultores familiares. São cerca de 150 variedades de milho, incluindo o milho pipoca; 50 de arroz, em torno de 120 de feijão, centenas de mandioca e dezenas de hortaliças.

Cores

As variedades possuem diferentes tamanhos, cores e sabores. Há o milho roxo, branco, amarelo, laranja, multicolorido e rajado. O arroz preto, vermelho, branco e creme; o feijão mouro, preto, vermelho, branco e verde. Favas com vagens compridas e curtas; ervilhas beges e verdes, lisas e rugosas. Há espécies e variedades cultivadas somente pelos agricultores, sem similares no mercado, como o tradicional porongo, utilizado para fabricação da cuia para o chimarrão, e a esponja, utilizada para lavar louça e tomar banho.

Sabor especial

São espécies e variedades selecionadas e mantidas pelas famílias ao longo de gerações, por apresentarem sabor especial, por tradição mantida ao longo do tempo, por herança repassada através de gerações, para reduzir os custos de manutenção da propriedade. Por não serem transgênicas e serem saudáveis devido ao modo como são produzidas

Restrições a sementes crioulas

A publicação que divulga a experiência com o kit diversidade também reserva espaço para discutir os entraves que a legislação brasileira impõe para a produção de sementes de variedades crioulas. Um dos capítulos traz análises sobre a atual legislação de sementes e mudas no Brasil e seus impactos.

O material destaca dificuldades para a atuação da agricultura familiar em relação à aplicabilidade da Lei de Sementes e Mudas (Lei 10.711/03), de 2003. Uma delas é que sua formulação está em boa parte baseada nas atividades das grandes empresas

do setor agrícola-industrial e no mercado das commodities, o

que gera problemas quanto ao uso de sementes crioulas.

Entre eles:

– Recusa de acesso ao seguro agrícola, pois o mesmo exige que as sementes utilizadas estejam cadastradas no Zoneamento

Agrícola de Risco Climático do MAPA o que só é possível para cultivares registradas no Registro Nacional de Cultivares;

– Em caso de optar pelo Registro Nacional de Cultivares, o formulário pressupõe um alto nível de uniformidade genética, que não existe nas variedades crioulas;

– Proibição da comercialização de sementes produzidas por organização de agricultores da agricultura familiar;

Além de abordar o assunto, a publicação traz sugestões para superação dos impasses legais.

Fonte: Publicação ´Kit Diversidade – Estratégias para Segurança Alimentar e Valorização das Sementes Locais`