Obra publicada pela EdUFSC traz reflexões sobre como a sociedade vê a cultura surda

23/12/2016 08:00

Capa livro-As Imagens do Outro sobre a Cultura Surda-4.edDiferentes identidades, histórias, subjetividades, línguas, valorização das formas de viver. Em As imagens do outro sobre a cultura surda, a autora, Karin Lilian Strobel, convida o leitor para uma série de questionamentos e reflexões acerca da forma como a sociedade vê os indivíduos surdos. Nascida no Paraná, Karin tem uma longa história de envolvimento com os movimentos que lutam pelo reconhecimento da língua de sinais e com outras mobilizações que permitiram avanços na compreensão dos chamados “estudos surdos”.

Um deles diz respeito à cultura e à existência de um “povo surdo” ou de uma “comunidade surda”. A certa altura, ela afirma: “A cultura surda exprime valores, crenças que, muitas vezes, se originaram e foram transmitidas pelos sujeitos surdos de gerações passadas ou de seus líderes bem sucedidos, através das associações de surdos”.

Em seu Estado, Karin Strobel foi professora em diferentes níveis educacionais e atuou na formação de alunos surdos e de profissionais da área. A experiência da autora inclui ainda um período dentro da equipe pedagógica do Departamento de Educação Especial da Secretaria de Educação do Paraná. Trabalhou como voluntária para a Associação dos Surdos de Curitiba (ASC) e atualmente é diretora-presidente da Federação Nacional de Educação e Interpretação dos Surdos (Feneis).

Em Santa Catarina, Karin começou a carreira acadêmica com pesquisas relacionadas à história da educação de surdos. Formada em Pedagogia, com especialização na área da surdez, ela está concluindo doutorado na UFSC com o tema de tese “Surdos: vestígios culturais não registrados na história”. Atualmente, trabalha para a equipe de Letras/Libras da universidade, atuando como tutora e professora em três disciplinas. Nos anos em que ensinou professores, instrutores e intérpretes da língua de sinais, percebeu o quanto é importante ver o outro e perceber como o outro a percebe, enquanto surda.

Um dos capítulos da obra se ocupa dos vários artefatos culturais do indivíduo surdo que o diferenciam dos sujeitos ouvintes. Um exemplo é a experiência visual, que analisa o uso da percepção proporcionada por outro sentido (a visão) para ler nos movimentos dos lábios do interlocutor as palavras e frases que este articula.

O artefato linguístico é a língua de sinais, um aspecto fundamental da cultura surda, mas que abarca também os gestos denominados “sinais emergentes” ou “sinais caseiros” de sujeitos das zonas rurais ou isolados de comunidades surdas que procuram entender o mundo através dos experimentos visuais e se comunicam apontando e criando sinais próprios, pois não têm conhecimento de sons e palavras.

Há, ainda, o peso da família nessa relação, amplamente documentada a partir de casos que Karin acompanhou em sua experiência com famílias de pais e filhos surdos. Em alguns casos, pode ocorrer que crianças surdas não se achem diferentes do resto do mundo, pois acreditam que os sujeitos ouvintes é que são “estranhos” ou “diferentes” delas. Em outros, até bichos domesticados – como cachorros e gatos – se habituam a entender as ordens dadas em língua de sinais ou arranjam maneiras de ajudar os membros surdos.

Karin Strobel fecha o livro sugerindo que os sujeitos ouvintes interessados em se aproximar da cultura surda visitem e frequentem suas comunidades, ou seja, associações, igrejas, convenções, escolas de surdos, teatros e eventos esportivos onde elas se reúnem. Considera importante também conviver com os sujeitos surdos em situações formais e informais e buscar, por meio da leitura, saber sobre todos os artefatos culturais do povo surdo. Não menos importante, segundo ela, é procurar respeitar e valorizar as peculiaridades do povo surdo, investindo numa construção intercultural, na troca e na aproximação harmoniosa entre as duas culturas.

As imagens do outro sobre a cultura surda

Karin Strobel

4ª Edição

146 páginas