Site aproxima comunidade acadêmica e sociedade

15/02/2002 15:33

O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas (PPGEP) da UFSC lançou um novo site sobre Ciência e Tecnologia. Trata-se do Núcleo de Mídia Científica- MIC, que, entre outros objetivos, pretende popularizar as teses e dissertações defendidas por alunos do Programa. Entre as matérias publicadas nesta primeira edição, está o projeto da geóloga Efigênia Soares Almeida, 43 anos. Ela propõe a construção de obras como túneis, reservatórios de água e estações de tratamento de esgoto no subsolo de Florianópolis para expandir o espaço urbano da cidade e preservar o meio ambiente.

“A proposta é divulgar os trabalhos de conclusão de curso não só junto aos alunos da universidade mas também para toda a comunidade”, esclarece o professor Roberto Pacheco, coordenador do Laboratório de Desenvolvimento de Sistemas- Grupo Stela do PPGEP, que desde 1995 vem mantendo o Banco de Teses e Dissertações http://teses.eps.ufsc.br na rede.

Outro destaque do site é a implantação nas universidades brasileiras da Plataforma Lattes Institucional, um sistema de informação curricular capaz de mapear o perfil e a produção bibliográfica, artística ou tecnológica de professores, alunos e funcionários em fração de minutos. A Universidade do Vale do Rio dos Sinos- Unisinos ffoi a primeira instituição de curso superior a adotar o produto no seu campus, em São Leopoldo, distante 30 quilômetros de Porto Alegre (RS).Depois da Unisinos, mais sete estão na fila para implementar a novidade acadêmica. Entre elas, a USP, a Unicamp, a PUC do Paraná, a Universidade da Bahia, a UFRGS e a UFSC.

Além das brasileiras, as portuguesas também já sinalizaram interesse em gerenciar seu patrimônio intelectual. Para isto, um grupo de representantes da Universidade do Minho virá dia 15, sexta-feira a Santa Catarina para conhecer o produto criado pelo grupo catarinense- o Stela.

No site www.mic.ufsc.br o usuário poderá ter acesso ainda a um gigantesco banco de dados on line, a Plataforma Lattes, onde professores, pesquisadores e estudantes brasileiros depositam seus currículos e a produção técnica, científica e cultural. Uma simples consulta pode tirar do sufoco, por exemplo, jornalistas que estejam procurando o maior especialista de uma determinada área. Já os empresários dispõem na Plataforma de um imenso cadastro de profissionais altamente qualificados. De parte dos pesquisadores, o sistema é indispensável para quem quiser concorrer a bolsas e recursos para o desenvolvimento de projetos lançados pelas agências de fomento.

INFORMAÇÕES: Professor Vinícius Kern, coordenador do MIC