Calendário

mar
20
ter
Debate Coletivo Floripa com candidatos a reitor – Hall da Reitoria
mar 20 all-day

O Coletivo Floripa contra o Estado de Exceção, em parceria com o Sindicato dos Servidores da UFSC (Sintufsc) e o Diretório Central dos Estudantes (DCE) além de outros apoiadores promovem um debate, nesta terça-feira, 20 de março, com os três candidatos a Reitor da UFSC. O debate ocorrerá a partir das 18h30 no Hall da Reitoria da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

O evento foi formalizado junto à Comissão Eleitoral e tem a presença confirmada dos três candidatos.

 

Mais informações:
Página do Coletivo no Facebook 

jun
26
ter
DCE convida: Cinedebate LGBT+ ‘Depois do Fervo’
jun 26 @ 18:30

Diretório Central Dos Estudantes (DCE) convida todas e todos para, no mês do Orgulho LGBT+, participar de um Cinedebate sobre o documentário “Depois do Fervo”, de Matheus Faisting, que aborda a realidade da população LGBT+ na cidade de Florianópolis. Participarão do debate o diretor do documentário, Matheus Faisting, a estudante de geografia Azânia Nogueira, a estudante de jornalismo Eduarda Pereira e o militante pelos direitos da população LGBT+, Matheus Martins.

Mais informações no evento do Facebook.

ago
30
qui
Cinema Mundo realiza sessão comentada de “Gattaca: experiência genética”
ago 30 @ 18:30

A próxima sessão do Projeto Cinema Mundo exibirá “Gattaca: experiência genética”,  ficção científica dirigida por Andrew Niccol. A sessão, de entrada franca, acontecerá no dia 30 de agosto, quinta-feira, às 18h30, no Auditório Elke Hering da Biblioteca Universitária da UFSC, e contará com os comentários Luiza Mazzola e Rafael Muniz.

Sinopse:

E se você pudesse ser controlado por sua genética? Se para arrumar emprego você precisasse ter um certo genótipo? Para entrar em Gattaca, uma corporação que desenvolve pesquisa e tecnologia avançada em astronomia, é necessário uma propensão genética favorável à saúde física e psíquica de um indivíduo. Para aqueles que não possuem dados genéticos favoráveis, sobram os empregos dados a classe social mais baixa nessa nova estratificação social, a classe daqueles que não possuem um genótipo saudável e produtivo intelectualmente. Vincent Freeman foi concebido biologicamente, isto é, não se escolheram os “melhores” genes para sua concepção dentro de um laboratório. Destinado a viver como um faxineiro, Vincent faz uma escolha perigosa para viver seu sonho de trabalhar como astronauta, por meios ilegais finge ser quem ele não é, um membro da elite.

Sobre os comentaristas:

Luiza Salgado Mazzola

Bacharela em Letras Francês pela UFSC, possui mestrado em Literatura e é, atualmente, doutoranda na mesma área, no PPGLit (UFSC). Estuda Crítica Genética e Estudos de Processos Criativo, com enfoque na criação literária, sobretudo, mas também na criação musical e fílmica. É integrante do NUPROC, Núcleo de Estudo de Processos Criativos (UFSC). Atua como professora de francês, tradutora e revisora.

Rafael Muniz de Moura

Graduado em Museologia pela Unirio, em 2007, atuou como museólogo no Projeto Ciência Móvel, vinculado ao Museu da Vida, Fiocruz, entre 2007 e 2008, e no Ecomuseu de Itaipu, de 2008 a 2010. Desde então é Técnico em Assuntos Culturais no Museu Victor Meirelles, Ibram. Tem experiência no setor de Museus e Patrimônio, com ênfase em gestão, comunicação e documentação museológica. Graduando em Letras-Português na Ufsc desde 2016.

set
13
qui
Cinema Mundo apresenta ‘O homem duplo’
set 13 @ 18:30

O Projeto Cinema Mundo continua sua temática distópica exibindo o filme O homem duplo (A scanner darkly, EUA, 2006), animação dirigida por Richard Linklater. O filme ganhou visibilidade pelo efeito de animação computadorizada em cima de gravações originais. O enredo é baseado no livro homônimo escrito por Philip K. Dick., icônico autor de ficção científica. A sessão, de entrada franca, será realizada no dia 13 de setembro, quinta-feira, às 18h30, no Auditório Elke Hering da Biblioteca Universitária da UFSC, e contará com os comentários de Chris Mayer e Daniel Serravalle de Sá.

Sinopse:

Num futuro próximo, a guerra do governo norte-americano contra as drogas se juntou à guerra ao terror. Numa sociedade cada vez mais policiada, foi desenvolvido um novo sistema de disfarce, sob o qual trabalha o policial Bob Arctor (Keanu Reeves). Enquanto investiga seus amigos mais próximos, ele acaba recebendo ordens para investigar sua própria vida e embarca num estranho pesadelo, no qual identidade e lealdade não parecem mais ter um sentido claro.

Sobre os comentaristas:

Chris Mayer

Fotoarteira – fotógrafa, escritora e fotopoeta -, editora de fotografia e colunista do catarinas.info.

Daniel Serravalle de Sá

Professor do Departamento de Língua e Literatura Estrangeiras da Universidade Federal de Santa Catarina. PhD em Latin American Cultural Studies (University of Manchester). Desenvolve pesquisa na área de literatura e outras artes, atuando principalmente nos seguintes temas: teoria e crítica literária e cultural, literatura e história, análise de filmes.

 

out
9
ter
Cinema sem Fronteiras exibe filme Kini e Adams (Burkina Faso, 1997) @ Auditório Elke Hering
out 9 @ 19:00

Cinema sem Fronteiras exibe o filme Kini e Adams (Burkina Faso, 1997) no dia 9 de outubro (terça-feira), às 19h, no auditório Elke Hering, na Biblioteca Universitária.

nov
13
ter
Cine Clube Sessão de Arte exibe Ran, de Akira Kurosawa
nov 13 @ 14:30
O Cine Clube Sessão de Arte exibe Ran, de Akira Kurosawa, no  Laboratório de Projeção, Bloco D do CCE, 1º andar, nesta terça, dia 13, às 14h30.
Sinopse
Japão, século XVI. Hidetora (Tatsuya Nakadai), o poderoso chefe do clã dos Ichimonjis, decide dividir seus bens entre os três filhos: Taro Takatora (Akira Terao), Jiro Masatora (Jinpachi Nezu) e Saburu Naotora (Daisuke Ryu). Com o primeiro fica a chefia do feudo, as terras e a cavalaria. Os outros dois ficam com alguns castelos, terras e o dever de ajudar e obedecer Taro. Saburu, prevendo as desgraças que viriam, se mostra contrário à decisão paterna. Expulso do feudo e acaba sendo acolhido por Nobuhiro Fujimaki (Hitoshi Ueki), de quem se torna genro. Hidetora vai ao seu antigo castelo, que agora é de Taro, e não é bem recebido. O mesmo acontece ao visitar Jiro e, isolado em seu ex-império, Hidetora se aproxima da insanidade
Este projeto é realizado por meio do bolsa cultura da SeCArte – Secretaria de Cultura e Arte da UFSC. Tem o apoio do LABORATÓRIO DE ESTUDOS DE CINEMA – LEC – Cinema UFSC , e é coordenado pelo professor Luiz Fernando Pereira do Departamento de Arte do Centro de Comunicação e Expressão – CCE.