Laboratório de Camarões Marinhos recebe Certificado ISO 14001

24/11/2003 14:17

Vista aérea do laboratório

Vista aérea do laboratório

O Laboratório de Camarões Marinhos da UFSC recebeu na semana passada o Certificado ISO 14001. Considerado um dos mais importantes do mundo na área ambiental, o Certificado atesta que o sistema de produção é operado de forma ambientalmente correta. Segundo os coordenadores, o Laboratório é o primeiro de produção de pós-larvas de camarão no Brasil a receber este certificado. Ele foi obtido após uma auditoria feita pela empresa norueguesa Det Norske Veritas, credenciada pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro). Localizado na Barra da Lagoa, o Laboratório dedica-se ao cultivo de pós-larvas de camarão (fase intermediária a fase larval e adulta), mas também atua nas áreas de ensino, pesquisa, planejamento e transferência de tecnologia.

O certificado é resultado da implantação de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA), através da parceria firmada com o Laboratório de Gestão de Qualidade Ambiental, vinculado ao programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da UFSC, que prestou o serviço de consultoria na implementação da Norma ISO 14001. Entre as medidas tomadas pelo Laboratório, estão o estabelecimento de uma política ambiental, a redação e padronização dos procedimentos para a produção de pós-larvas, o levantamento e a identificação de possíveis impactos ambientais causados pelas atividades realizadas no Laboratório e o estabelecimento de objetivos e metas ambientais.

Segundo o responsável pela gestão ambiental do Laboratório, Lamartine Richard Jr., além do atendimento de toda a legislação ambiental aplicável ao setor, o sistema proporcionou melhorias como a redução no consumo de energia elétrica, a substituição de produtos químicos por outros menos impactantes, a eliminação do escape de organismos exóticos (não nativos) para o meio ambiente e a ampliação e melhoramento do sistema de tratamento de resíduos líquidos do processo produtivo. Em todas as unidades do Laboratório, as lâmpadas fluorescentes, baterias e rejeitos químicos estão sendo enviados para empresas especializadas na reciclagem desses materiais. Também foi instituído um sistema de coleta seletiva de lixo, que separa semanalmente dezenas de quilos de materiais recicláveis que são doados para empresas de reciclagem. Todos os funcionários do laboratório receberam treinamento a respeito de suas atividades e com relação às situações de emergência.

“Nós fomos além do que a Norma exigia. A redação de todos os procedimentos operacionais, por exemplo, não era requisito obrigatório. Mesmo assim achamos interessante que fosse realizada” afirmou Lamartine Richard Jr.

Tanque de larvicultura

Tanque de larvicultura

Criado em 1984, o Laboratório dedicou-se durante 17 anos ao desenvolvimento de tecnologia para reprodução e cultivo das espécies nativas de camarão. Mas apesar dos ótimos resultados na reprodução, essas espécies apresentaram um tempo de crescimento muito longo, tornando o cultivo inviável em escala comercial. Em 1998, A UFSC e a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Estado de Santa Catarina (EPAGRI) introduziram no Estado a espécie Litopenaeus vannamei, originária do sul do Pacífico. Com o rápido crescimento e facilidade de adaptação apresentados pela espécie, o Laboratório triplicou sua produção de pós-larvas, atualmente estabelecida em 60 milhões por mês. O Laboratório fornece as pós-larvas para as fazendas de cultivo de camarões marinhos do Estado de Santa Catarina e do Paraná.

A UFSC e a EPAGRI também participaram da criação do Programa Estadual para o desenvolvimento do Cultivo de Camarões Marinhos, destinado ao treinamento de técnicos, alunos e de pequenos e médios produtores. Só na comunidade de Campos Verdes, no município de Laguna, foram beneficiadas 42 famílias de pescadores artesanais, que participam da COOPERSANTA – Cooperativa de Produção. No Programa, o Laboratório de Camarões Marinhos é responsável pela produção de pós-larvas, pelo treinamento de pessoal e pelas ações de planejamento. Segundo o coordenador do Laboratório, Elpídio Beltrame, a estreita vinculação da UFSC com a EPAGRI, que realiza o trabalho de extensão, propicia a transferência de tecnologia de forma contínua e atualizada.

Em 1998 a empresa Yakult S/A doou à UFSC uma área com 19 viveiros. A Estação Experimental Yakult/UFSC é utilizada como centro de treinamento para empreendedores, técnicos e trabalhadores das fazendas de produção, e também para os alunos dos cursos de Graduação em Engenharia de Aqüicultura, Agronomia, e Mestrado em Aqüicultura. A Estação Experimental possui ainda um banco de reprodutores que são utilizados para a produção de larvas no Laboratório. “Isso significa a independência no processo produtivo, pois já não precisamos mais importar reprodutores”, explica Elpídio Beltrame.

Entre os anos de 1991 e 1997, grande parte do Laboratório foi usado para programas sociais, através do repovoamento de lagoas costeiras. Durante esse período foram liberadas cerca de 70 milhões de pós-larvas na lagoa de Ibiraquera, no Município de Imbituba. “O projeto beneficiou diretamente cerca de 800 famílias de pescadores. Porém, devido à falta de organização dos pescadores e a dificuldade de controle da pesca nos ambientes repovoados, com este sistema não foi possível reverter parte do resultado da captura em larvas para novo repovoamento. A grande conquista do repovoamento foi com o investimento na educação ambiental, mostrando aos pescadores o potencial natural destes ambientes”, explica Elpídio Beltrame.

Mais informações com o responsável pela gestão ambiental do Laboratório, Lamartine Richard Jr., fones 48 232 3013 ou 231 3422, e-mail: