Doutorado em Administração

20/06/2002 18:32

Fotos: Paulo Noronha/Agecom

Fotos: Paulo Noronha/Agecom

O reitor da UFSC em exercício, professor Pedro da Costa Araújo, recebeu em audiência nesta quinta-feira, 20/5, o presidente do Conselho Federal de Administração, Rui Otávio, o presidente do CRA/SC, José Sebastião Nunes, além de professores dos cursos de graduação e mestrado em Administração da UFSC. O grupo veio pedir o apoio da universidade para a implantação de um curso de Doutorado em Administração.

UFSC recebe em Brasília Diploma de Valorização da Vida

19/06/2002 19:00

O Vice-Reitor da UFSC, Professor Lúcio Botelho, representou a Universidade na abertura da Semana Nacional Antidrogas, nesta quarta-feira, em Brasília. Ele recebeu o Diplomas de Mérito pela Valorização da Vida, conferido à UFSC pela Secretaria Nacional Antidrogas, em reconhecimento às várias ações desenvolvidas pela Instituição na área de prevenção e tratamento de dependentes. A UFSC mantém uma Comissão contra o uso indevido de drogas, além de abrigar um grupo de recuperação e um programa de atendimento aos usuários de drogas e álcool.

A linguagem do Corpo – palestra e vivência

19/06/2002 18:18

Nesta sexta-feira, dia 21 de junho, no auditório do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH) às 19h, acontece a palestra e vivência sobre “A linguagem do corpo” – uma abordagem da Análise do Movimento, com a professora Cecéu M. Kingshill.

A análise do movimento é um sistema desenvolvido pelo bailarino e pesquisador Rudolf Laban, que nasceu na Brastilava, pertencente a Hungria, em 1879 e morreu em 1958.

Laban, a partir da idéia de que o movimento humano é sempre constituído dos mesmos elementos, seja na arte, no trabalho, no quotidiano, codificou o movimento, criando um sistema de notação ( como há para a música) : o “Labanotation”. Este sistema dá ênfase tanto à parte fisiológica, quanto à parte psíquica que levam o homem a se movimentar.

Como seu legado é muito amplo, nesta palestra/ vivência o foco principal será a noção de ESFORÇO por ele desenvolvida, ligada a 4 fatores do movimento: peso, espaço, tempo e fluxo ( ou fluência). Através destes fatores pode-se analisar se a pessoa tem predominantes ATENÇÃO, INTENÇÃO ou DECISÃO. Estes três componentes seriam os estágios de preparação para uma ação externa. Esta ação externa aconteceria quando o fluxo do movimento encontrasse sua expressão concreta no corpo.

Se alguém consegue perceber em qual deles age mais, e a natureza de seus esforços, poderá se relacionar melhor em todas as áreas e tomar melhores decisões na suas ações.

Laban criou um novo tipo de dança, que ele chamava, Dança Coral, trabalhando com várias pessoas, até 1000, ao mesmo tempo. O método Laban é hoje um dos mais utilizados nos Estados Unidos e Europa. É de fácil compreensão, versátil, universal e flexível podendo ser aplicado nas artes como a dança e o teatro e na educação.

Informações 331 9330

Coordenadores de projetos no Morro da Cruz querem continuidade dos trabalhos

18/06/2002 18:21

Professores e estudantes da UFSC responsáveis por projetos que vêm sendo desenvolvidos no Maciço do Morro da Cruz realizaram nesta terça-feira, 18/6, um novo encontro. O objetivo é garantir a continuidade dos projetos. Alguns já foram concluídos, mas a maioria ainda está em desenvolvimento.

Os trabalhos foram levantados durante o simpósio `O Maciço Central do Morro da Cruz e a UFSC`, realizado no dia 4 de junho. Durante o encontro foram apresentados quase 20 projetos desenvolvidos pela universidade em parceria com as comunidades do Maciço, em busca de qualidade de vida para os moradores da área. Os trabalhos integram as áreas de segurança pública; educação, cultura, esporte e lazer; meio-ambiente.

A área do Maciço do Morro da Cruz apresenta uma série de problemas, entre elas, construções irregulares, predominância de população de baixa renda e tráfico de drogas. Devido à irregularidade das construções, a comunidade não tem direito a serviços públicos, como o recolhimento periódico do lixo, calçamento e asfalto nas ruas. Os moradores também não têm nem endereço e as casas não são numeradas.

O objetivo do trabalho junto ao Maciço é trazer melhorias na urbanização e promover uma preservação da área através de projetos que contem com a participação dos moradores. Com isso, espera-se conseguir a regularização urbana das construções localizadas no Maciço.

O Seminário mostrou que autores dos projetos estudaram a arquitetura do maciço; os desastres naturais da área; saneamento básico; lixo; moradia e educação ambiental nas escolas do Maciço, como na Escola de Ensino Básico Jurema Cavallazzi, que fica no Bairro José Mendes.

Um dos trabalhos, desenvolvido pelos professores do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFSC, Luiz Fugazsola Pimenta e Margareth de Castro Afeche Pimenta, que integram o laboratório Cidadhis, foi realizado junto à comunidade da Caieira. Com o título “Diagnóstico sócio-espacial do maciço central de Florianópolis – plano comunitário de urbanização e preservação”, o trabalho incluiu entrevistas com os moradores, levantamento das moradias e participação dos alunos da sétima e oitava série da Escola Básica Lúcia do Livramento Mayvorne. O estudo deve se estender a outras áreas do morro.

Segundo um dos coordenadores do projeto “O Maciço Central do Morro da Cruz e a UFSC”, professor Fernando Scheibe, os trabalhos têm reforçado a identidade das pessoas que vivem na área, além de fazer crescer o sentimento de cidadania. Mais informações com o professor Fernando Scheibe, fone 331 9286

Semana da Geografia acontece até sexta-feira

18/06/2002 17:45

‘A Busca da Interdisciplinaridade da Ciência Geografia’ é o tema da a XXIII Semana da Geografia da UFSC (XXIII SEMAGEO) deste ano, que começou na segunda-feira, dia 17, e vai até sexta-feira, dia 21. O objetivo é mostrar as relações da Geografia com outras disciplinas como a Biologia, Antropologia, Química e Economia. Participam do evento cerca de 350 pessoas entre estudantes da UFSC e da UDESC e professores da rede estadual e municipal de ensino de Santa Catarina.

A novidade deste ano são as saídas de campo realizadas durante os minicursos. Em seis dos 13 minicursos oferecidos, os participantes poderão ver na prática as teorias aprendidas através de visitas a locais como Parque Ecológico do Córrego Grande, praia dos Ingleses, Lagoa da Conceição e Planetário da UFSC. Além de minicursos, serão realizadas conferências e mesas redondas.

O professor Doutor Aziz Ab’Saber, que já foi presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), participa de conferência de encerramento sobre ‘Interdisciplinaridade na Ciência Geográfica’, que acontece na sexta-feira, às 14 horas, no Auditório da Reitoria. Na quinta-feira, o diplomata brasileiro Amaury P. de Oliveira, especialista em relações entre o Brasil e o Extremo-Oriente, profere a palestra ‘As relações entre Brasil e China’, às 18h30, no Auditório do CFH.

Segundo os organizadores do evento, a SEMAGEO é uma oportunidade para os alunos complementarem o que aprenderam em sala de aula e entrarem em contato com palestrantes de nível internacional. Para os professores, é uma oportunidade de aperfeiçoamento em temas atuais.

A SEMAGEO é uma promoção do Departamento de Geociências da UFSC. As inscrições podem ser feitas até quarta-feira, dia 19, no hall do CFH. O valor para estudantes é R$10 e para profissionais, R$20, com desconto de 25% para sócios da AGB-Fpolis. Informações 331 9286.

Convênio entre Universidade e Eletrosul vai certificar equipamentos elétricos

18/06/2002 12:31

O Convênio pretende viabilizar o projeto “Certificação de equipamentos utilizados na transmissão e monitoramento da energia elétrica”. Pelo termo de compromisso a Eletrosul irá repassar R$ 96.096,00 para o desenvolvimento do programa, previsto no Plano Nacional de Ciência e tecnologia do Setor Elétrico – CETENERG – da Finep. Os recursos são do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

UFSC mais uma vez entre as melhores universidades do país

17/06/2002 17:58

A última edição do Guia Abril, uma das publicações de referência na avaliação dos cursos superiores do Brasil, destaca a Universidade Federal de Santa Catarina na quarta posição entre as instituições com maior porcentagem de cursos estrelados.

Este ano a UFSC teve seis cursos com conceito excelente, que receberam cinco estrelas: Enfermagem, Engenharia de Controle e Automação, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Engenharia Sanitária e Jornalismo. Outros 19 cursos ficaram con quatro estrelas (conceito muito bom) e nove cursos com três (conceito bom).

No caso da UFSC houve três cursos que melhoraram o desempenho com relação ao ano passado: Agronomia, Arquitetura e Psicologia. Outros quatro caíram no ranking: Biblioteconomia, Computação, Ciências Contábeis e História.

A posição dos cursos da UFSC, quanto aos conceitos excelente (5 estrelas), muito bom (4 estrelas) e Bom (3 estrelas) ficou assim:

Cinco Estrelas

Enfermagem

Engenharia De Controle E Automação

Engenharia Elétrica

Engenharia Mecânica

Engenharia Sanitária

Jornalismo

Quatro Estrelas

Educação Física

Administração

Agronomia

Arquitetura

Biologia

Ciências Sociais

Direito

Engenharia de Alimentos

Engenharia Civil

Engenharia de Produção

Engenharia Química

Geografia

Letras

Matemática

Nutrição

Pedagogia

Psicologia

Química

Serviço Social

Três Estrelas

Biblioteconomia

Computação

Ciências Contábeis

Farmácia e Bioquímica

Filosofia

Física

História

Medicina

Odontologia

Templo Ecumênico da UFSC recebe jornalistas para ato em memória de Tim Lopes

17/06/2002 16:43

Foto: Jones Bastos/Agecom

Foto: Jones Bastos/Agecom

O ato em memória do jornalista Tim Lopes foi promovido pelo Sindicato dos Jornalistas, Agência de Comunicação da UFSC e várias outras entidades sindicais na manhã desta segunda-feira. A celebração foi conduzida por um padre católico, um pastor luterano e um representante da doutrina espírita. Durante pouco mais de 30 minutos houve manifestações de protesto pelo assassinato do jornalista da TV Globo, com forte crítica às ações do governo no combate ao poder paralelo do narcotráfico.

Foram lembradas noções como o não-conformismo diante de situações de violência, a construção da paz e a importância do jornalismo como espaço de difusão de informações fundamentais para a construção da liberdade do homem. Foram lembradas as centenas de mortes de jornalistas em todo o mundo e o papel do repórter, nas palavras de Zuenir Ventura: “Quando a barbárie o transforma em vítima para silenciá-lo é a civilização que perde os sentidos. E o sentido”.

2ªSEPEX: Evento encerra com a visita de 25 mil pessoas

14/06/2002 17:34

Fotos: Agencia de Comunicação/UFSC

Fotos: Agencia de Comunicação/UFSC

A 2ª Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFSC, que terminou nesta sexta-feira,14/6, recebeu a visita de 25 mil pessoas. Mais de 30 escolas trouxeram cerca de 1300 alunos, do ensino fundamental e médio, para conhecer os projetos desenvolvidos na UFSC. De 11 a 14 de junho, a comunidade conheceu os animais que vivem na fazenda da universidade, fez peças de cerâmica, participou do teste do nariz e assistiu à simulações de acidentes de trânsito com atendimento a vítimas e procedimento dos bombeiros. O público também aprendeu como cultivar plantas sem usar o solo, como imobilizar uma vítima de acidente de carro e como acontece um parto.

De acordo com o reitor da UFSC, professor Rodolfo Pinto da Luz, a SEPEX é uma oportunidade para que a instituição mostre sua diversidade, tanto em relação a projetos que desenvolve diretamente para a comunidade, como em relação à produção científica. Os projetos foram apresentados em estandes e painéis, totalizando mais de 1200 trabalhos nas áreas de Comunicação, Cultura, Tecnologia, Educação, Meio Ambiente, Trabalho, Saúde e Direitos Humanos. A SEPEX mostrou que além de produzir conhecimento de ponta, a instituição volta-se à resolução de problemas presentes no cotidiano da população. Entre os vários projetos, os visitantes puderam conhecer, por exemplo, a proposta do Departamento de Estomatologia de uso de bonecos de sucata para facilitar o tratamento odontológico de crianças portadoras de deficiência mental.

O evento também foi importante para divulgar os serviços prestados pela UFSC à comunidade, como a assistência jurídica, oferecida pelo Curso de Direito, e o aconselhamento genético para pessoas portadores de doença genética na família, realizado pelo Núcleo de Estudos em Genética Humana. Os dois são gratuitos e muitas pessoas desconhecem que podem ter esse tipo de auxílio da universidade.

Durante a semana foram realizados encontros, palestras e debates. A SEPEX trouxe para a UFSC a presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, professora Glacy Zancan. Em conferência de quase duas horas, a professora ressaltou a importância de um maior envolvimento de alunos e professores na divulgação do conhecimento gerado na universidade para a sociedade. Professores, estudantes e servidores participaram também de debates do Fórum Catarinense de Ciência e Tecnologia, sobre o financiamento para a pós-graduação e a proposta de autonomia para as universidades, entre outros. Durante o evento, a UFSC ainda concedeu ao escritor e jornalista Salim Miguel o título Doutor Honoris e recebeu a visita do sociólogo francês Michel Maffesoli, que veio à UFSC para lançar seu livro “Sobre o Nomadismo, Vagabundagens Pós-Modernas”.

A 2ªSEPEX também ofereceu minicursos (mais de 100 foram realizados durante o evento, atendendo quase 4 mil pessoas) e contou com uma vasta agenda de atividades culturais, integrando professores, estudantes, servidores e pessoas da comunidade.

Inteligência Artificial será tema do projeto `Papo Sobre Ciência`

14/06/2002 17:24

A Inteligência Artificial, campo de estudo que tem como objetivo o desenvolvimento de ‘máquinas inteligentes’, será tema do segundo encontro do projeto Papo Sobre Ciência. O encontro será realizado na próxima quarta-feira, 19/6, a partir de 10h, no auditório da Fapeu. O encontro é dirigido a jornalistas e estudantes de graduação na área de comunicação.

Em seu segundo encontro, o ‘Papo Sobre Ciência’ contará com a presença do professor do Departamento de Automação e Sistemas do Centro Tecnológico da UFSC, Guilherme Bittencourt. O professor é doutor pela Universidade Karlsruhe (Alemanha) e desenvolve suas atividades de pesquisa em Inteligência Artificial, principalmente nas áreas de representação de conhecimento, sistemas multiagentes e lógica. É também autor do livro ‘Inteligência Artificial – Ferramentas e Teorias’.

O ‘Papo Sobre Ciência’ é um projeto aprovado pela Pró-Reitoria de Cultura e Extensão da UFSC e executado pela Agência de Comunicação. A proposta é intensificar o contato do jornalista com pesquisadores da UFSC e estimular a cobertura jornalística sobre Ciência e Tecnologia. A metodologia de execução prevê a organização de encontros mensais, abordando grandes temas do desenvolvimento científico e tecnológico atual. Durante os ‘Papos’, o pesquisador tem espaço para apresentação do tema em questão e os participantes poderão colocar seus questionamentos, dúvidas, curiosidades. Mais informações no site www.papociencia.ufsc.br ou junto à Agência de Comunicação da UFSC, fone 331 9323.

Curso de Direito divulga atendimento jurídico gratuito

14/06/2002 15:43

Você sabia que pode ter assistência jurídica de graça na UFSC, se não tiver condições de contratar um advogado? Muitas pessoas ainda desconhecem o serviço que o Escritório Modelo de Assistência Jurídica – EMAJ presta à comunidade carente. Para divulgar essa oportunidade, o EMAJ está com um estande na SEPEX, onde os responsáveis explicam o tipo de orientação e assistência que o grupo tem a oferecer.

O atendimento jurídico é feito por estagiários do curso de Direito que estejam na sétima, oitava, nona e décima fases, com orientação e supervisão de professores. O EMAJ oferece atendimento nas áreas civil, penal e trabalhista a qualquer pessoa que comprove ser carente e que resida em Florianópolis.

Os alunos atendem de segunda a quinta-feira, durante a manhã e à tarde. Os interessados devem ir ao EMAJ às quintas feiras, para uma entrevista, que pode ser feita das 8h às 10h e das 14h às 16h. Após a entrevista, que avalia a situação sócio-econômica do interessado, há indicação da equipe de estagiários para o atendimento. Informações 331 9410.

2ªSEPEX: Financiamento da pós-graduação em debate

13/06/2002 17:54

Dentro da programação da 2ª Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFSC, a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da UFSC promove nesta sexta-feira, 14/6, a palestra ‘Financiamento da Pós-Graduação Lato e Stricto Sensu’. A palestra será ministrada pelo professor Valdemiro Kremski, da Universidade Federal do Paraná, presidente do Fórum Nacional de Pró-Reitores de Pesquisa e Pós-Graduação.

Após a palestra, será realizada mesa redonda para discussão do tema, com a participação de representantes do Fórum, coordenadores de pós-graduação, Associação de Professores da UFSC, Associação de Pós-Graduandos e Fundações de Ensino. O encontro acontece às 9h, na Sala dos Conselhos, Prédio da Reitoria.

2ªSEPEX: Saiba como cultivar plantas sem usar o solo

13/06/2002 17:10

Fotos: Paulo Noronha/Agecom

Fotos: Paulo Noronha/Agecom

Cultivo de plantas sem a presença do solo. Esse é o princípio da hidroponia, também conhecida como “cultivo em água”. O Laboratório de Agricultura Irrigada e Hidroponia da UFSC está mostrando ao público da 2ªSEPEX como funciona esse sistema. O estande do laboratório – o de numero 40 – trouxe para o evento um minicultivo de plantas hidropônicas, como alface e flores.

As raízes recebem uma solução nutritiva que contém água e todos os nutrientes essenciais ao desenvolvimento da planta. Os adubos utilizados são adicionados aos poucos, conforme a planta vai precisando. A água e os adubos que não forem absorvidos retornam ao reservatório, portanto não há desperdício. Outra vantagem é que esse sistema oferece melhores condições de trabalho e dispensa o uso de máquinas e implementos agrícolas. Além disso, não há uso de agrotóxico e, quando há, o uso é mínimo; a produtividade por área é maior; o clima não influencia tanto quanto no cultivo tradicional; não exige o rodízio de culturas e a produção é ininterrupta. As plantas são uniformes, oferecem alta qualidade nutricional, são limpas e mais facilmente digeridas.

O Labhidro vai promover um curso de hidroponia nos dias 20 e 21 de julho. Os participantes vão aprender a cultivar plantas hidropônicas, seja em casa ou em apartamento. O curso têm sido procurado por todo tipo de pessoas, desde donas-de-casa até produtores. As inscrições devem ser feitas na FAPEU e o preço do curso é R$ 140,00. Estudantes têm 10% de desconto. Mais informações pelos telefones 331-8767 ou 331-8976 ou pelo email

2ªSEPEX: Salim Miguel recebe título de Doutor Honoris Causa

13/06/2002 15:36

O escritor e jornalista Salim Miguel recebe hoje, às 19h30, o título de Doutor Honoris Causa. A entrega será feita na sessão solene do Conselho Universitário, no auditório da reitoria. A programação também integra a 2ª Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFSC.

Salim Miguel começou a carreira jornalística no Diário da Manhã, em 1951. Ao mesmo tempo em que escrevia crônicas para o jornal, participava da Revista Sul. Durante a ditadura, ficou preso 48 dias. Quando saiu da prisão, não tinha mais o emprego no jornal. Então foi para o Rio de Janeiro. Só 14 anos depois ele voltou à Ilha para trabalhar na assessoria de imprensa da UFSC.

Acabou assumindo a direção da editora da universidade, onde ficou até 1991, quando se aposentou. Aliás, Salim foi o grande responsável por ter conseguido verbas para a construção do prédio da editora. Com a aposentadoria, Salim começou a dedicar-se à literatura.

No início de junho desse ano, o escritor recebeu o prêmio Juca Pato 2002 de Intelectual do Ano. A obra que o levou a ganhar o prêmio foi “Eu e as Corruíras”, lançado em 2001 em comemoração aos 50 anos de carreira de Salim. O “Intelectual do Ano” é realizado todos os anos, desde 1962, pela União Brasileira de Escritores em parceria com o jornal Folha de São Paulo.

2ªSEPEX: Michel Mafesoli na UFSC

13/06/2002 15:26

O renomado sociólogo francês Michel Maffesoli estará na UFSC nesta

sexta-feira, 14 de junho, proferindo conferência e lançando seu livro

`Sobre o Nomadismo, Vagabundagens Pós-Modernas`. O encontro acontece às 11h, no Auditório da Reitoria, estando integrado à agenda da 2 Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFSC.

Maffesoli debate sobre o que ele denomina de “retorno à tendência nômade no homem”. Segundo o sociólogo, no mundo atual, não são apenas as pessoas e povos com problemas políticos e econômicos que deixam seus países de origem. Milhões de pessoas movimentam-se fisicamente, ou de maneira virtual, pela Internet, como turistas, estudantes, profissionais de diversas categorias, etc. Este componente de aventura na busca de outros sítios e da sobrevivência, encontra paralelo, para Maffesoli, na busca do mítico Graal.

Maffesoli é professor da Université René Descartes-Sorbonne-Paris V-

França; editor da Revista Societés e Cahiers du Imaginaire e autor de

diversos livros. Sua vinda à UFSC é uma promoção da PEN/UFSC, do Departamento de Enfermagem e do Núcleo de Pesquisa e Estudos sobre o Quotidiano, Imaginário e Saúde de SC (NUPEQUIS-SC), com apoio da Pró- Reitoria de Cultura e Extensão/UFSC.

Informações 331 9399 e 331 9480 ou

Estudante da UFSC será premiado pela Sociedade Humanitária dos Estados Unidos

13/06/2002 14:42

Pela segunda vez consecutiva o Laboratório de Etologia Aplicada (LETA), do Departamento de Zootecnia e Desenvolvimento Rural, do Centro de Ciências Agrárias/UFSC, vai receber o prêmio concedido pela Sociedade Humanitária dos Estados Unidos (HSUS). `Influência da idade ao desmame no comportamento de leitões criados ao ar livre` é a pesquisa premiada.

O trabalho foi desenvolvido pelo estudante Fernando Machado Wolf, com o apoio de uma equipe integrada por Maria José Hotzel, Dayane Lemos Teixeira, Renato Egert, Paula Araújo Coimbra, Patrícia Lorenzi Dinon e Luis Carlos Pinheiro Machado Filho. O prêmio levará Fernando para a Holanda, no período de 6 a 10 de agosto, com tudo pago, para participar e representar o Brasil no “36º Congresso Internacional de Etologia Aplicada”.

Os trabalhos inscritos são votados e analisados pela contribuição de bem-estar oferecido ao animal de fazenda. São concedidos três prêmios, sendo dois para os Estados Unidos e um terceiro que é disputado pelos outros países. O Brasil estará presente com a pesquisa desenvolvida no período de março/agosto de 2001, na Fazenda da Ressacada, do CCA.

No ano passado, a estudante Marcela da Silveira, da Pós-Graduação em Agroecossistemas, do Centro de Ciências Agrárias, recebeu uma bolsa da mesma sociedade por um trabalho também voltado à busca de bem-estar para os animais. O trabalho foi desenvolvido junto ao Laboratório de Etologia Aplicada do Departamento de Zootecnica do CCA.

2ª SEPEX: Oficina ‘MST e Identidade Coletiva’ no CFH

13/06/2002 14:22

Uma oficina sobre o projeto de pesquisa ‘MST e Identidade Coletiva’, desenvolvida no Núcleo de Estudos sobre as Transformações no Mundo do Trabalho (TMT), será realizada hoje, das 14 às 18 horas, no Auditório do CFH. Durante a oficina, serão apresentadas e debatidas as raízes históricas e o surgimento do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. O TMT é um grupo de estudos formado pelos programas de mestrado de Sociologia, Educação e Psicologia da UFSC.

O objetivo da pesquisa ‘MST e Identidade Coletiva’ é caracterizar e mapear o movimento dos assentados e acampados em Santa Catarina. A pesquisa foi realizada através de estudos históricos e estatísticos da realidade sócio-econômica e das trajetórias de vida das pessoas que compõem o movimento.

O TMT também desenvolve o projeto de extensão ‘Universidade Portas Abertas ao MST’, com o objetivo de integrar o MST e a UFSC. Em setembro do ano passado, na Semana da Pátria, 700 Sem-terra de assentamentos e acampamentos de Santa Catarina estiveram na UFSC para participar de oficinas oferecidas através do projeto, em áreas como agronomia, comunicação, sociologia e biologia. Além disso, houve uma confraternização e uma caminhada que também contou com a participação de grevistas da universidade.

De acordo com a pesquisa do TMT, há atualmente cerca de 3500 famílias nos 113 assentamentos de Sem-Terra de Santa Catarina. Além disso, existem cinco acampamentos de trabalhadores sem terra reivindicando assentamentos no estado. No estande do TMT que está no pavilhão da 2ª SEPEX, os visitantes recebem explicações sobre a história e a realidade do MST em Santa Catarina, além de conhecerem as atividades realizadas pelo Núcleo.

Robô inteligente em exibição na 2ª SEPEX

12/06/2002 17:41

Fotos: Paulo Noronha/Agecom

Fotos: Paulo Noronha/Agecom

Um robô inteligente programado para tomar decisões de acordo com as situações apresentadas, desenvolvido no curso de Ciências da Computação da UFSC, está em exposição na 2ªSEPEX. No experimento ‘O recolhedor de latinhas’, o robô fica sobre uma mesa branca delimitada por uma faixa preta, com latinhas verdes e amarelas. Ele deve tirar da mesa as latas verdes e deixar as amarelas, sem sair da área marcada.

O experimento, baseado no sistema nervoso dos animais, é um exemplo do que se pode fazer com a Inteligência Artificial Conexionista, um tipo de inteligência que adapta as reações de acordo com as mudanças no ambiente. Isso possibilita que o robô trabalhe tomando decisões, sem precisar de alguém para controla-lo.

No Projeto PiramidNet, foi desenvolvido o programa de computador que corresponde ao cérebro do robô. Nesse programa, foram criadas quatro redes neurais hierárquicas, cada uma delas responsável por um tipo de comportamento. A primeira rede detecta os eventos, ou seja, identifica, através de sensores, as latas verdes, amarelas e a borda da mesa. A segunda é responsável pelas decisões que o robô vai tomar de acordo com os eventos detectados na rede 1, que podem ser empurrar a lata, refugá-la ou andar pela mesa. A terceira rede faz com que o robô dê a volta quando encontrar a borda preta da mesa, e a quarta é responsável por ativar os motores para que ele execute a decisão tomada.

Robôs inteligentes podem ser úteis para executar atividades em lugares onde o homem não pode ou não consegue chegar, como em vulcões ou até outros planetas, por exemplo. A vantagem da Inteligência Artificial Conexionista, nesses casos, é que o robô não precisa ser controlado enquanto trabalha, pois é programado para tomar as decisões sozinho.

2ª SEPEX: Comissão anti-drogas entrega prêmios

12/06/2002 15:43

João Augusto Mendonça, aluno de Engenharia de Produção Mecânica venceu na categoria de ensino superior. Reginaldo da Silva, do Colégio Agrícola de Araquari, na de ensino médio. Josélia Margarida Machado, do Colégio de Aplicação, venceu na categoria reservada a alunos do ensino fundamental. A entrega dos prêmios foi feita dentro da programação da 2ª SEPEX.

Visitantes da 2ª SEPEX podem fazer peças de olaria

12/06/2002 15:25

O Núcleo de Estudos Açorianos e o Museu Universitário trazem uma mistura de culturas em seu estande na 2a SEPEX. Dois típicos manezinhos da Ilha estarão até sexta-feira fazendo cestas e balaios de cipó e renda de bilro. Ao lado deles, índios guarani expõem flechas enfeitadas com penas coloridas, chocalhos usados nos rituais de danças e cantigas indígenas, cestos feitos de taquara, esculturas de animais em madeira (tucano, tatu, coruja, onça, tartaruga) e colares feitos de sementes e penas. As esculturas são de vários tamanhos e os preços variam de quatro a quinze reais.

Mas a grande novidade desse estande é que quem passar por lá poderá fazer peças de argila no torno, a chamada olaria. O torno é a máquina onde o oleiro trabalha. Na SEPEX, ela está ao lado do estande. Durante todo o dia, o público poderá fazer potes e vasos recebendo ajuda dos funcionários do Museu da universidade.

O estande traz também uma exposição de artesanato representando a Festa do Divino Espírito Santo (o cortejo, o pau de fita) e um pescador; peças ósseas e pontas de flecha. As cestas, os balaios e as rendas também estão sendo vendidos no estande.

2ªSEPEX: público assiste simulações de acidentes

12/06/2002 14:23

Fotos: Jones Bastos/Agecom

Fotos: Jones Bastos/Agecom

Todos os dias, o público que visita a 2ª SEPEX pode assistir a uma simulação de acidente de trânsito, às 11h, do lado de fora da lona principal, com atendimento, transporte de vítimas e procedimento de bombeiros. A simulação faz parte do estande sobre emergências, que engloba o Núcleo Multidisciplinar de Estudos sobre Acidentes de Tráfego (NAT) e o Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres (CEPET). A intenção é apresentar para o público o atendimento em acidentes de trânsito, em desastres (grandes acidentes nas BRs, enchentes) e até emergências em consultórios odontológicos.

Quem visitar o estande pode assistir a um vídeo que mostra um exercício de simulação de um grande desastre na SC-401, com muitas vítimas e um carro incendiado. O exercício é uma prova prática que testa a capacidade de resposta dos hospitais aos acidentes e o conhecimento adquirido por quem faz o treinamento.

Além do vídeo, o estande tem kits de emergência e um kit usado em partos. O público pode aprender a fazer imobilização e parto com um boneco e a orientação de um instrutor. Segundo a equipe, eles seguem o lema “aprenda fazendo”.

Nas paredes, estão expostos os índices de acidentes rodoviários dos últimos anos. A UFSC fez uma parceria com o Ministério do Trabalho e lançou a campanha “Amigo da Vez”, que propõe que as pessoas façam um rodízio. Assim, em um grupo de amigos que saem, um deixa de beber pra ficar responsável pelo volante e garantir a segurança de todo o grupo. Em uma próxima vez, outro ficaria com a responsabilidade. O projeto foi lançado terça-feira, dia 11.

2ªSEPEX: Bonecos de sucata facilitam tratamento odontológico

12/06/2002 14:12

Fotos Paulo Noronha/Agecom

Fotos Paulo Noronha/Agecom

Usar brinquedos para humanizar o atendimento odontológico de pacientes com necessidades especiais é o objetivo do projeto de extensão “O Brinquedo como Recurso Mediador de Atendimento Odontológico de Pacientes com Necessidades Especiais”, do Departamento de Estomatologia, que está sendo apresentado na 2ª SEPEX. O projeto é desenvolvido há dois anos por estudantes de odontologia e já atendeu cerca de 40 crianças. A UFSC é pioneira no uso deste método no Brasil.

No ‘Método do Boneco’, como é chamado, crianças portadoras de deficiência física e mental, com ajuda dos pais e dos estudantes, constroem bonecos de sucata que serão usados para explicar para elas como será feito o tratamento. Entendendo o procedimento a ser realizado, os pacientes perdem o medo e aceitam melhor o tratamento, evitando que ele seja feito à força. Além disso, os bonecos são usados para ensinar às crianças métodos preventivos de manutenção da saúde bucal.

2ªSEPEX: Presidente da SBPC faz palestra na UFSC

12/06/2002 13:39

Fotos: Jones Bastos/Agecom

Fotos: Jones Bastos/Agecom

Discutindo o compromisso social que a universidade pública deve ter, a presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, (SBPC), Glaci Zancan, esteve na UFSC fazendo a conferência magna da 2º Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão (2ªSEPEX). Começou sua conversa lembrando dois dos mais importantes educadores brasileiros, Anísio Teixeira e Paulo Freire que, há muito tempo já falavam sobre o saber como uma atividade de espírito que deve servir para a promoção humana.

Por quase duas horas, Glaci levantou questionamentos sobre o papel da ciência e da tecnologia, lembrando que nenhuma nação pode ser soberana fazendo a importação de conhecimento. Segundo ela, é compromisso da universidade produzir um saber que tenha relação direta com a população do seu país. E, para mostrar os males que a política de ciência e tecnologia adotada pelo Brasil tem feito ao país, apresentou alguns dados como o de que o Brasil é o penúltimo no mundo no índice de tecnologia e desenvolvimento humano. Além disso, prouz duas patentes por residente, enquanto países como o Canadá produzem 32.

A professora ainda falou sobre as mudanças que estão acontecendo na área da educação em que a proposta agora não é mais a simples transmissão de conhecimento mas, a idéia de `aprender a aprender`. Lembrou que, mesmo em países ricos, esse processo ainda é precário. “Há a necessidade de uma mudança planetária de mentalidade”.

A presidente da SBPC frisou que a universidade precisa retomar sua aliança com a maioria da população, coisa que não faz com competência. “A prova foi a última greve. A gente ficou quatro meses parado e a sociedade não se manifestou. Se a universidade estivesse ao lado da sociedade ela teria saído na defesa da instituição”.

Para Glaci, um dos trabalhos mais importantes dos pesquisadores e produtores de conhecimento é justamente preparar a população para fazer o debate científico. “Estamos vendo aí a discussão do clone, dos transgêncicos, mas as pessoas não sabem lidar com os conceitos. Esse é o nosso papel. Fazer a população saber”. A pesquisadora encerrou a palestra dizendo que está mais do que na hora da universidade assumir a responsabilidade social que lhe cabe, senão estará promovendo a malversação de recursos públicos, já que quem a mantém é a população.