Confira a agenda das aulas magnas da UFSC: semestre 2022.2

30 de agosto – 15h – Ritualizacão e religiosidade em campos de refugiados palestinos no Líbano
Ministrante: Leonardo Schiocchet

Promovida pelo Curso de Graduação em Antropologia da UFSC

 

O Curso de Graduação em Antropologia da UFSC recebe o pesquisador Dr. Leonardo Schiocchet, da Academia Austríaca de Ciências (ÖAW) e membro do Refugee Outreach & Research Network (ROR-n), para a abertura do semestre 2022.2 com a palestra “Ritualizacão e religiosidade em campos de refugiados palestinos no Líbano”. A atividade acontecerá no dia 30 de agosto 2022 às 15h no Auditório do CFH/UFSC. Aberto ao público em geral. Mais informações: https://antropologia.paginas.ufsc.br/


31 de agosto – 19h – Por que esquecemos a universidade?
Ministrante: Nildo Ouriques

Promovida pelo Centro Acadêmico Livre de Arquitetura da UFSC

Para dar as boas vindas aos novos graduandos que se somarão conosco no próximo semestre, o CALA convida todos os estudantes a participarem da aula inaugural de 2022.2. que terá como tema “Porque esquecemos a universidade?”. […] Sendo assim, discutiremos questões como a dependência científica e intelectual brasileira; o debate acerca do fim do sistema de vestibular; a falência do academicismo e do atual modelo universitário; a relação da universidade com o desemprego, e a falta de perspectivas com o futuro que afeta os recém formados.


2 de setembro – 9h – Arrastados: os bastidores do rompimento da barragem de Brumadinho, o maior desastre humanitário do Brasil
Ministrante: Daniela Arbex, escritora, jornalista e documentarista

Promovida por Curso de Jornalismo, o Programa de Pós-Graduação em Jornalismo e o Centro de Comunicação e Expressão (CCE)

O Curso de Jornalismo, o Programa de Pós-Graduação em Jornalismo e o Centro de Comunicação e Expressão (CCE) promovem nesta sexta-feira, 2 de setembro, às 9h, no Auditório da Reitoria, a Aula Magna de abertura do semestre 2022.2. A convidada é uma das maiores repórteres investigativas do país: Daniela Arbex, escritora, jornalista e documentarista. Ela vai falar sobre jornalismo, reportagem e metodologia de investigação jornalística, além de falar de seu livro mais recente Arrastados: os bastidores do rompimento da barragem de Brumadinho, o maior desastre humanitário do Brasil, lançado no início de 2022. O evento é aberto ao público e os participantes receberão o certificado de participação.

Quem é Daniela Arbex

Daniela Arbex, 48 anos, é autora do best-seller Holocausto brasileiro, eleito Melhor Livro-Reportagem do Ano pela Associação Paulista de Críticos de Arte (2013) e segundo melhor Livro-Reportagem no prêmio Jabuti (2014). Com mais de 300 mil exemplares vendidos no Brasil e em Portugal, a obra ganhou as telas da TV, em 2016, através de um documentário. Em 2015, lançou Cova 312, vencedor do Prêmio Jabuti na categoria livro-reportagem (2016). A obra aborda a ditadura de uma forma que a história oficial nunca fez.

Em Todo dia a mesma noite, sua terceira obra publicada, Daniela Arbex reafirma seu lugar como uma das jornalistas mais relevantes do país, veterana em reportagens de fôlego ao reconstituir de maneira sensível e inédita os eventos da madrugada de 27 de janeiro de 2013, quando a cidade de Santa Maria perdeu de uma só vez 242 vidas na boate Kiss.

Em 2020, a escritora lançou sua primeira biografia. Os dois mundos de Isabel narra a história da brasileira centenária Isabel Salomão de Campos que ergueu a voz para ajudar milhares de pessoas. O livro é, sobretudo, uma narrativa de coragem.

Das páginas para as telas de TV. Em 2021, a série Colônia, foi livremente inspirada na obra Holocausto Brasileiro. A história é uma obra de ficção que retrata um Brasil onde cabem todas as exclusões. Um verdadeiro mergulho no Brasil profundo no qual a esperança nunca morre.

Daniela é uma das jornalistas mais premiadas de sua geração, tem mais de 20 prêmios nacionais e internacionais no currículo, entre eles três prêmios Esso, o americano Knight International Journalism Award (2010), o prêmio IPYS de Melhor Investigação Jornalística da América Latina (2009) e o Natali Prize, que ela recebeu na Bélgica em 2002. Foi repórter especial do Jornal Tribuna de Minas por 23 anos. Atualmente dedica-se à literatura.


9 de setembro – 14h – Utopia, Memória e Trauma: Escrever o Impossível
Ministrante: Edson de Sousa, titular do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Promovida pelo Centro de Filosofia e Ciências Humanas e o Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

As inscrições são limitadas e devem ser feitas no link. Após a aula, haverá sessão de autógrafos. O evento ocorre no auditório do CFH.

Psicanalista, analista membro da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, com doutorado e pós-doutorado pela Universidade de Paris VII e pós-doutorado pela Ecole des Haute Etudes en Sciences Sociales, ele é foi professor visitante na Deakin University (Melbourne), Instituto de Estudos Críticos (Cidade do México), De Paul University (Chicago), University of Limerick (Irlanda). Atualmente, coordena, com Maira Brum Rieck, o Museu das Memórias (Im)possíveis.

O palestrante é autor dos livros Furos no Futuro: psicanálise e utopia (Artes & Ecos, 2022), Imaginar o Amanhã (Diadorim, 2021) em co-autoria com Abrão Slavutzky, Sigmund Freud: ciência, arte e politica (L&PM, 2009) em co-autoria com Paulo Endo, Uma invenção da utopia (Lumme Editora, 2007), entre outros.