Professor de Cinema da UFSC estreia ficção literária

28/03/2019 17:45

Marcio Markendorf, professor do curso de Cinema da UFSC, lança no dia 4 de abril, quinta-feira, a partir das 19 horas, na Fundação Cultural Badesc, sua primeira obra literária, a novela “Soy loca, Lorca, feito um chien no chão”.

O evento é gratuito e aberto ao público. Às 20 horas, no espaço do lançamento, haverá uma pequena performance a partir de trechos da obra com a atriz Marina Bento.

Sobre a obra

A novela foca uma personagem em diálogo com o poeta espanhol Federico García Lorca, por quem está apaixonada. Encarcerada em local ignorado, sem razão aparente, a personagem pressupõe que o cárcere pode ter sido motivado por sua loucura passional. Se o amor é sair de si, essa narradora colocou-se corpo afora – eis uma conclusão possível. Oscilando entre o delírio e a lucidez, baralhando a confissão e a ficção, a personagem escrutina os fragmentos do próprio passado afetivo, não sem atingir um ponto de virada alquímico e irreversível.

Conficcional é o adjetivo que Marcio Markendorf tomou de empréstimo para caracterizar seu primeiro trabalho. Foi o poeta e tradutor Rodrigo Garcia Lopes, referindo-se à obra de Sylvia Plath, um dos primeiros a usar o termo conficção – algo que pode ser entendido como um flerte ficcional com a confissão ou como um misto de confissão e ficção.

Assinam as orelhas do livro o escritor catarinense Carlos Henrique Schroeder e a professora titular de Literatura Brasileira Tânia Regina de Oliveira Ramos. O prefácio é por conta da escritora, tradutora e ensaísta Dirce Waltrick do Amarante. O posfácio, assinado pelo poeta carioca Gabriel Resende Santos.

“[O livro é] Um poema épico, uma narrativa vertigem, onde o feminino conta um amor que nunca viu, domesticando onze mil nomes, paixões, chien e a intimidade”, Tânia Ramos

“Esta novela de Marcio Markendorf é o fiel retrato de um tempo, que bem pode ser o de agora, ou o de Lorca, ou da imagem do amor, que atravessa a vida de cada humano uma ou mais vezes na nossa existência estilhaçada”, Carlos Henrique Schroeder

“Soy loca, Lorca, feito um chien no chão é um delírio, uma espécie de carta-confissão ou “conficção”, como Markendorf se refere à sua obra, de uma personagem que se diz apaixonada pelo poeta e dramaturgo espanhol Federico García Lorca”, Dirce Waltrick Do Amarante

“Mesmo em seus momentos mais digressivos, quando suas reflexões parecem interligadas de maneira cada vez mais vaga, é curioso que a narradora esteja cristalinamente apontando sempre a mesma direção: o cerne inatingível das impossibilidades”, Gabriel Resende Santos

Sobre o autor

Formado em Letras, com doutorado em Teoria da Literatura, Marcio Markendorf atua como professor no curso de Cinema e no Programa de Pós-graduação em Literatura da Universidade Federal de Santa Catarina.

Mantém desde 2005 o blog Incorrespondencias, projeto literário epistolar inspirado em Ana Cristina Cesar. Também tem desenvolvido o projeto de microliteratura no Instagram, em parceria com o escritor Adriano Salvi, trabalho que está entre os contemplados com o edital da Fundação Cultural de Balneário Camboriú.

Possui contos publicados nas seguintes coletâneas: “, só muda a roupa”, volume organizado por Manoel Ricardo de Lima, 2010; “Todos os livros do mundo”, organizado por Tabajara Ruas e Rozi Osterreich, 2009; e “Decálogo”, organizado por Carlos Henrique Schroeder, 2008 – todas as três publicações do SESC/Florianópolis.

Tem uma contribuição narrativa no livro “Fabulações reminiscentes”, da artista plástica Juliana Crispe, publicado pela Cultura e Barbárie em 2015.

Com Andréa Figueiredo Leão Grants e Roberta Moraes Bem, organizou a coletânea “Entre estantes e entre tantos: histórias inusitadas na biblioteca”, de 2017, publicação com selo Publicações UFSC. O livro conta com dois contos de sua autoria.

Serviço

O quê: lançamento do livro “Soy loca, Lorca, feito um chien no chão”, de Marcio Markendorf
Quando: 4 de abril, a partir das 19 horas
Onde: Fundação Cultural Badesc

Tags: curso de cinema da UFSCFundação Cultural BADESClançamento livroliteraturaMarcio MarkendorfUFSCUniversidade Federal de Santa Catarina