Aos 79 anos, calouro é aprovado em Engenharia de Controle e Automação na UFSC

26/02/2019 12:40

Ivo Klug é casado com Vera Regina e pai de Alessandra, Jamile e Pedro Ivo. Aos 79 anos é o candidato mais idoso aprovado no Vestibular 2019 da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). A partir do segundo semestre deste ano, quando estará com 80 anos, iniciará o curso de Engenharia de Controle e Automação no Campus Blumenau, sua segunda graduação.

Em duas horas e quarenta minutos de entrevista, Klug contou, em detalhes, a sua trajetória profissional e acadêmica. Os detalhes, como datas e nomes exatos de cursos e empresas, estavam metodicamente organizados em uma pasta que ele trouxe para a entrevista, “tenho ela desde o começo e consulto quando tenho uma dúvida. Acrescentei algumas coisas por causa de ti”.

A vitalidade de Ivo é visível nas expressões faciais e na tonalidade da voz ao contar histórias e feitos. Passou por diversas empresas, algumas cidades, viajou para o exterior, fez uma série de cursos e uma pós-graduação e agora, 50 anos após a conclusão do curso superior em Engenharia Mecânica na Federal do Paraná retorna aos bancos escolares para aprender, ‘com profundidade’, sobre projetar, analisar e usar sistemas de controle e automação na área de concentração Controle de Processos.

A escolha pela UFSC e pelo curso não foi um mero acaso. Todos os passos foram analisados, estudados e preparados para que a aprovação fosse possível. Ivo frequentou aulas no Campus Blumenau em 2018, quando cursou a disciplina de Física I como aluno isolado. Foi aprovado com média 7,5, se apaixonou por Controle e Automação, pela estrutura e pelos professores. Esses motivos foram suficientes para que decidisse prestar o Vestibular 2019. “A prova foi difícil, cansativa, são três dias. Fui bem em matemática, mas não consegui fazer todas as discursivas. É muito diferente da minha época”.

Quando soube que seria calouro da UFSC, após confirmação de aprovado na Secretaria do Campus, Ivo disse: “‘então quer dizer que eu estou dentro?’. Dei um berro ali fora, sabe aquele de emoção?”. “Eu fiquei muito emocionado, é uma grande alegria. Eu me senti não no céu ainda (rsrs), mas bem pertinho”, relata ele, com o Boletim de Desempenho Individual nas mãos.

A vocação para a engenharia

É notório perceber que a busca por conhecimento é constante e incansável durante a vida de Klug, mas isso parece ter sido feito com muita leveza e diversão. A caminhada escolar começou em 1948, com o primário. O ginásio foi entre 1952 e 1954, seguido pela passagem de um ano no 23° Regimento Infantaria de Blumenau (atual Batalhão de Infantaria) e a conclusão do ensino médio em 1959 no Colégio Pedro II. A decisão de ir ou não para a faculdade não aconteceu de imediato, foram necessários alguns anos e a passagem por uma companhia cervejaria, em Porto Alegre, para que a sua vocação aflorasse. “Fui para lá para trabalhar com química, tive a proposta de ir para a Alemanha me especializar na produção de cerveja, mas recusei, porque descobri a minha vocação. Foi na empresa que o meu caminho se abriu, eu nunca tinha pensando em engenharia antes, mas quando vi as máquinas tive uma vontade de pegar aquilo, entender, saber como ela funciona, seus princípios básicos”, revela Ivo, apertando as mãos no ar para ilustrar com gestos a paixão pelas máquinas.

A primeira graduação foi em Engenharia Mecânica concluída em 16 de dezembro de 1968 pela Escola de Engenharia de Curitiba. A segunda começa no segundo semestre deste ano em Blumenau. Novamente, uma universidade federal é escolhida para ser o local de descobertas e entendimentos.

 

A escolha estratégica pelo curso

A precisão é fundamental para Klug, que trabalha atualmente como responsável técnico na construção de elevadores. A confiança na educação pública e federal, a excelência dos professores, a qualidade dos laboratórios e a alta carga horária de ensino-aprendizagem da UFSC foram os principais motivos que o levaram à prova do Vestibular 2019.

‘Por que o senhor está aqui, na UFSC? Por que nos escolheu?’, pergunto eu, instigada. “Quando eu fiz engenharia era isso que se usava”, falou ele ao retirar da pasta uma régua de cálculo, usada no curso de engenharia na década de 1960. “Isso era usado para fazer cálculo – trigonometria, logaritmo, multiplicar, tudo era feito ali. É Alemã, bonitinha, é uma recordação. Eu mostro sabe, por quê? Porque eu estou desatualizado. Isso aqui não existe mais, ninguém mais usa. E se eu quiser continuar trabalhando com elevadores, como eu trabalho hoje, eu preciso me atualizar”, frisa ele, citando a consagrada frase do governo de Juscelino Kubitschek: “vão ser 50 anos em 5. Em cinco anos eu vou ter que pegar tudo isso e, ao mesmo tempo, me especializar em quadros de comando dos elevadores, uma eletrônica de altíssimo nível”.

O Censo da Educação Superior, que analisa dados educacionais de 2017, apontou que 7.792 pessoas acima dos 65 anos estão matriculadas em cursos de graduação presencial e à distância no Brasil. Destes, 2.461 têm mais de 70 anos. No Sul, são 367 matriculados acima dos 70 anos, sendo que em Santa Catarina são 62 estudantes nesta faixa etária.

A busca por atualização e profundidade são os objetivos de Ivo. Quando se formou o diploma foi emitido em pergaminho. “Os microcomputadores só vieram anos depois de eu estar formado. Agora, eu sinto essa dificuldade de acompanhar o avanço tecnológico, principalmente nos elevadores. Eu vou pegar essa base firme aqui, com vocês”.

Com um largo sorriso no rosto, os olhos do calouro brilham quando ele fala da expectativa de voltar aos bancos escolares. “Eu quero aprender pra valer, para projetar, entender o projeto, acompanhar uma construção na área eletrônica e isso a gente aprende aqui, no curso de Controle e Automação. Indo a fundo eu terei condições de abrir um painel elétrico e saber o que acontece lá dentro. Hoje, alguma coisa eu sei, mas não tudo”.

 

A prova do vestibular

Durante três dias, candidatos dos mais diversos estados adentram em uma sala de aula para responderem a questões sobre matemática, biologia, primeira e segunda língua, física, química, ciências humanas e sociais, redação e quatro questões discursivas. A prova do Vestibular UFSC é intensa, cansativa, mas é a etapa primordial para alcançar uma vaga em um dos cursos superiores da universidade.

A experiência de Klug com provas de vestibular iniciaram na década de 1960, que permitiu acesso ao primeiro curso superior. Mais de 50 anos depois, o candidato passou novamente por essa etapa, na mesma escola em que concluiu o Ensino Médio: Colégio Pedro II. “A prova foi cansativa, é muito assunto. Quando me dava aquela ‘canseira’ durante a prova, aquela dúvida, eu olhava para fora, olhava o céu azul, buscava calma e focar na prova”.

Paralelamente, Klug fez cursos de informática, NR 10 (Segurança em Instalações e Serviços com Eletricidade) e Eletrônica Básica. Na visitas realizadas aos laboratórios de Sistemas Embarcados e Robótica e de Informática Industrial, na semana de matrícula, Ivo estava curioso sobre cada uma das máquinas. Lá, conheceu Pedro Arthur Cogliatti, estudante do mesmo curso que ele ingressará no segundo semestre. Enquanto um terminava o projeto que seria apresentado para Conclusão de Curso (TCC) em 11 de fevereiro de 2019, o outro observava atentamente os equipamentos que serão usados nas aulas práticas. “Eu gosto de estudar e sei estudar”, diz ele, ao recordar de como foi estimulado a prestar o vestibular. “Comecei a estudar aqui como aluno especial para sentir o potencial da universidade. Senti que é muito bom, desde o momento que fala com alguém, na sala de aula, as instalações, acho isso aqui fora de série. Não tem comparações, professores e estrutura. Eu me vejo em condições de realizar os sonhos da minha vida, de trabalhar com firmeza em cima de uma ou duas especialidades, eu quero ter o domínio completo”, frisa ele.

 

Passado e futuro

Ivo Klug tem muita bagagem. Trabalhou em bancos, escritórios de contabilidade, esteve no exército, passou pela indústria química, mexeu em caldeiras, turbinas e geradores no setor de energia elétrica, foi para a Alemanha entender de equipamentos para porcelana, esteve no sul do estado catarinense para trabalhar com companhias carboníferas, atuou na indústria têxtil, fábricas de caldeiras e para a indústria de papel, fundição de aço e ferro. Se aposentou em 2003, ano em que começou a lecionar, até ano passado. “Estavam precisando de engenheiro formado para dar o curso de Operações de Caldeira. Lecionei para mais de 40 turmas”, salienta ele.

Experiência profissional que contou, ainda, com um estágio sobre Geração Elétrica na França. Ufa! As vivências profissionais e acadêmica de Klug são, realmente, de tirar o fôlego. Incansável pode ser uma boa definição para este homem que não aparenta ter a idade que tem, segundo ele, “graças a prática da Ginástica Calistenia”.

Quando já estiver completado 80 anos começará as aulas na UFSC. E o que dizer às pessoas que dizem não conseguir fazer um curso superior? O segredo está em descobrir a sua vocação. “A minha eu descobri trabalhando numa área que não era minha: fabricar cerveja. Eu poderia estar fabricando cerveja há mais de 50 anos, mas eu resolvi fazer engenharia, porque eu descobri na cervejaria que a minha vocação eram máquinas. E nessa área eu tive a oportunidade de atuar com elevadores, termelétricas, tudo na área de mecânica. Então eu não preciso ser motivado, porque eu tive essa sorte, mas nem todos tem. Por isso, digo, comece a trabalhar em alguma coisa e, quem sabe lá, você descobrirá a tua vocação”.

Ivo fará todas as disciplinas, não pensa em validar nenhuma delas, porque quer aproveitar todo o conhecimento disponível nas 4.400 horas do curso. “Eu digo para todos: entre numa Federal porque lá é tudo coisa boa, bem feita e séria. Olho para tudo isso e sinto orgulho. Se estiver difícil, estude, porque depois de entrar você não vai se arrepender. Eu não me arrependo. Vou fazer tudo bem feito e sair daqui com o diploma na mão dizendo assim: ORGULHOOOO!”, cantarola Ivo Klug diante da expectativa de conquista futura do diploma.

Leia mais sobre os calouros 2019 da UFSC na reportagem Longe de casa, perto de um sonho: calouros deixam cidade natal em busca do curso superior.

Nicole Trevisol / Jornalista da Agecom / UFSC

Fotos: Eduardo Amorim / Comicom / Campus Blumenau

Tags: Campus BlumenauCurso de Engenharia de Controle e AutomaçãoEngenharia de Controle e AutomaçãoUFSC