17ª Sepex: projeto ensina propriedades medicinais de plantas para crianças e adultos

19/10/2018 19:03

No estande 27 do setor Educação da 7ª Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão (Sepex/UFSC), o Programa de Pós-Graduação em Farmacologia (PPGFARMACO) apresentou o “Projeto Fritz Müller – Uma Farmácia na Floresta“. A iniciativa leva o nome do naturalista e botânico alemão que morou parte de sua vida no Brasil, trabalhando em descobertas que contribuíram para a teoria da evolução das espécies por seleção natural, de Charles Darwin. Ministrada pelo professor Carlos Rogério Tonussi, a exposição apresenta um trabalho que está sendo realizado desde 2015, que tem como objetivo promover a divulgação científica da botânica para alunos de Ensino Fundamental e Médio, da rede pública.

“A forma que encontramos para ensinar farmacologia para crianças foi falar de propriedades medicinais de plantas da mata atlântica. Montamos um roteiro, que vai da identificação da planta até o desenho técnico da mesma, assim como faziam os naturalistas do século 19”, explica Carlos Tonussi, um dos coordenadores do projeto.

Professor Carlos Rogério Tonussi na direita. Foto: Henrique Almeida / Agecom / UFSC

Em 2017, o trabalho foi ampliado graças a um convite da polícia militar ambiental. A ideia de identificar plantas e árvores foi incorporada ao Parque Estadual do Rio Vermelho, localizado na costa lesta da ilha e sendo a primeira reserva ecológica do estado a ter uma trilha farmacobotânica. “O local já tinha uma trilha para conhecer os animais do parque, mas ninguém falava das árvores, então criamos placas de identificação, contendo informações em português, espanhol e inglês, para também servir aos turistas, além das escolas que frequentam a região. Já colocamos cerca de 30 placas. Assim o visitante olha para uma árvore e não vê só verde, mas também compreende a individualidade de cada uma, conhecendo suas características biológicas e bioquímicas. Isso gera uma reflexão sobre preservação, pois o leitor percebe a importância de cada espécie”, destaca Tonussi.

 

 

O estande também contou com amostras de folhas de boldo, úteis para situações como ressaca. Segundo Tonussi, o projeto também ensina como manusear certos tipos de plantas medicinais, e assim a pessoa pode aprender a criar seus próprios medicamentos naturais.

Mais informações sobre o projeto na página.