Espetáculo ‘A Armadilha de Medusa’ no Teatro da UFSC dias 18, 19 e 20  

18/11/2016 10:30
Armadilha de Medusa. Foto: Rodrigo Melleiro

Armadilha de Medusa. Foto: Rodrigo Melleiro

Em homenagem ao grande pianista francês Erik Satie, que em 2016 completaria 150 anos, a Elefants Companhia de Teatro encena única peça teatral do autor, “A Armadilha de Medusa”, de 1913. A peça, considerada uma das precursoras do teatro do absurdo, será apresentada nos dia 18, 19 e 20 de novembro, no Teatro da UFSC, às 20h. Os ingressos custam R$ 20 a inteira e R$10 a meia entrada e podem ser adquiridos uma hora antes do início do espetáculo, na bilheteria do Teatro da UFSC. Essas apresentações integram o Projeto Cena Aberta do Departamento Artístico Cultural da UFSC.

Sobre a peça

A Armadilha de Medusa foi escrita em 1913 pelo francês Erik Satie, grande pianista do modernismo que completaria 150 anos em 2016. Sua única peça teatral, considerada dadaísta, apresenta as aventuras dos novos-ricos e a especulação financeira como matéria-prima. O personagem central da peça é um rico investidor, chamado barão Medusa, que quer casar sua filha Frisette com um jovem recomendado pelo general. Medusa, sujeito desconfiado e um tanto paranoico, resolve testar a lealdade do pretendente de sua filha com uma armadilha. Desenrola-se então uma série de acontecimentos que parecem não levar a lugar nenhum, mas provém apenas da necessidade de aparente controle da situação pelo barão. 

Essa peça é fruto de uma época de experimentações artísticas que aconteceram no final do século XIX e início do século XX. Sua rapidez parece ter ecoado do “Manifesto dos dramaturgos futuristas” (1911), assinado por Marinetti, que defendia um teatro rápido, ágil e entusiasmado. A armadilha de Medusa é considerada uma das precursoras do que viria a se chamar, nos anos 1960, “teatro do absurdo”.

A montagem resgata o teatro francês modernista com uma encenação grotesca e cômica.A ideia principal da direção artística desta montagem é fazer com que o público se depare com uma imagem velha e antiquada, como se olhasse para uma fotografia antiga, em contraposição ao discurso contemporâneo que a peça propõe. A encenação traz ao palco o equilíbrio entre o risível e o trágico, e o grotesco tem papel fundamental nesta montagem. As músicas composta pelo autor para a peça serão executadas em piano ao vivo e dançadas por um bailarino-macaco, com coreografias de dança contemporânea.

Ficha Técnica:

Direção Geral: Márcio Cabral

Assistência de direção: Marina Bento e Willian Mario

Coreografia: Paula Dias

Assistência de coreografia: Willian Mario

Texto: Erik Satie

Tradução: Marina Bento

Elenco:

Barão Medusa: Márcio Cabral

Policarpo: Lorenzo Lombardi

Frisette: Marina Bento

Astolfo: Gabriel Guaraciaba

Pianista (Erik Satie): Felipe Soares

Macaco: Willian Mario

 

Concepção do Cenário; Concepção e Confecção dos Figurinos: Márcio Cabral

Iluminação: Gabriel Guedert

Fotografia: Rodrigo Melleiro e Fabiano Augusto

Realização: Elefants Companhia de Teatro

 

Sobre o grupo

A Elefants Companhia de Teatro é um grupo de Florianópolis constituído por artistas com experiência em atuação, direção, iluminação e dança. Tem em seu portfólio as peças Romeu e Julieta – Shakespeare para todos, que estreou em 2014, e Amor de Dom Perlimplim com Belisa em seu Jardim, de 2013. O coletivo, além de peças teatrais, oferece oficinas de teatro, concepção e confecção de figurino e cenário. 

Projeto Cena Aberta 

Como nas três últimas décadas, o Teatro da UFSC, do Departamento Artístico Cultural (DAC), da Secretaria de Cultura e Arte (SeCArte), continua abrindo suas portas para as produções teatrais de Florianópolis e de Santa Catarina. O Projeto Cena Aberta vem reforçar o caráter de socialização do espaço do teatro com a classe artística da cidade, como vem promovendo, nos últimos mais de trinta anos, o intercâmbio artístico-cultural entre a universidade e a comunidade.

Com a seleção de grupos convidados, este projeto visa estimular e incentivar a produção teatral e artística catarinense, como tornar a produção cultural local acessível à comunidade.

Os grupos são selecionados por uma equipe de profissionais de teatro do Departamento Artístico Cultural. Os critérios de seleção dos grupos contemplam a sua trajetória na área da produção teatral, o caráter investigativo da pesquisa cênica e o reconhecimento de seus espetáculos pela comunidade e público em geral. A escolha dos grupos visa mostrar as diferentes formas da linguagem espetacular, como o circo, o drama, a performance, a comédia, o teatro de animação e outras.

 

Serviço:

O quê: Espetáculo “Armadilha de Medusa”

Quando: 18, 19 e 20 de novembro de 2016 (de sexta-feira a domingo), às 20h.

Onde: Teatro da UFSC, ao lado da Igrejinha, Praça Santos Dumont, Trindade, Florianópolis-SC.

Quanto: Os ingressos custam R$ 20 a inteira e R$ 10 a meia e podem ser adquiridos uma hora antes do início do espetáculo, na bilheteria do Teatro da UFSC.

Classificação: 16 anos

Contato: DAC da UFSC (48) 3721-3853 – www.dac.ufsc.br

Contato com a Elefants Companhia de Teatro:  ou www.elefants.org

 

Clara Comandolli de Souza/Estagiária de Jornalismo/DAC/SeCArte/UFSC

 

 

Tags: A Armadilha de MedusaDACTeatro da UFSCUFSC