Doutorando da UFSC premiado pelo segundo ano consecutivo em conferência internacional de acupuntura na China

26/06/2014 15:55

O doutorando do Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva da UFSC, Ari Moré, participou do International Symposium on Acupuncture Research (Simpósio Internacional de Pesquisa em Acupuntura), realizado de 30 de maio a 01 de junho, em Pequim, China. Esta conferência reuniu os principais pesquisadores do mundo na área da acupuntura.

Ari foi convidado para participar como representante do Brasil no painel de discussão “Impacto da Pesquisa em Acupuntura nos Cuidados à Saúde no Século XXI.” Também participaram do painel representantes de outros países, com destaque nessa área, como Cláudia Witt, da Alemanha; Chris Zaslowski, da Austrália; Richard Hammerschlag, dos Estados Unidos; e Zhao Baixiao, da China. Cada representante apresentou a perspectiva da prática e pesquisa da acupuntura em seu país, abordou a forma como ela está inserida no sistema público de saúde e debateu prioridades de pesquisa para a área. O doutorando Ari Moré, em sua palestra, falou sobre os principais marcos da pesquisa em acupuntura no Brasil, seu uso no Sistema Único de Saúde (SUS) e explicou parte do seu projeto de doutorado, que aborda o impacto da inserção da acupuntura na atenção primária à saúde.

Além da palestra no Painel de Discussão, Ari fez uma apresentação oral, recebeu a premiação de melhor trabalho na área de ciência básica, com o tema Specificity of manual acupuncture needling on pain control: What is the difference between BL60, SP6 and a non-acupoint?. Esse trabalho foi desenvolvido em parceria com o Laboratório de Neurobiologia da Dor e Inflamação da UFSC e demonstrou que os pontos de acupuntura tem especificidade na modulação de diferentes sistemas endógenos de controle da dor.

Este foi o segundo ano consecutivo em que um trabalho do Grupo de Pesquisa Translacional em Acupuntura da UFSC é premiado em um congresso internacional. “Fiquei muito contente com a oportunidade de falar sobre a acupuntura brasileira no congresso e surpreso em ganhar o prêmio outra vez este ano, justamente no local onde nasceu a acupuntura. Havia trabalhos muito bons no congresso, mas acho que a originalidade e relevância dos achados do nosso estudo fizeram o avaliadores votarem nele. De forma geral, percebo que o Brasil está crescendo bastante nesta área e acho que aqui na UFSC estamos no caminho certo para evoluir nas pesquisas”, relatou Ari.

Ainda em Pequim, Ari foi convidado a visitar e discutir projetos em colaboração com o Centro de Medicina Baseada em Evidências da Universidade de Medicina Tradicional Chinesa de Pequim; em seguida, viajou para a cidade de Zhengzhou, província de Henan, para participar do 8th Symposium on Evidence-Based Chinese Medicine and Integrative Medicine, onde ministrou a palestra Challenges for Acupuncture Practice: a translational perspective, na qual abordou diferentes formas de promover troca de informações entre os estudos de ciência básica, as pesquisas clínico-epidemiológicas e a prática clínica.

Foto 1:  Representantes do Painel de Discussão

Foto 2: Apresentação sobre Acupuntura no Brasil

Foto 3: Premiação de melhor trabalho

Foto 4: Foto de grupo no Congresso em Zhengzhou

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tags: acupunturaPrograma de Pós Graduação em Saúde ColetivaUFSC