Universidades do Mercosul se posicionam contra mercantilização do ensino

24/04/2014 13:34

Para o professor Jorge Olímpio Bento, Tratado de Bolonha mercantiliza e desfigura universidades. Foto: Wagner Behr / Agecom / UFSC

Ao proferir a conferência de abertura do Fórum Reforma Universitária na América Latina, o professor Jorge Olímpio Bento, da Universidade do Porto (Portugal), denunciou o Processo de Bolonha, por mercantilizar e desfigurar as universidades, colocando-as a serviço da globalização e do neoliberalismo. O evento é uma promoção da Associação das Universidades do Grupo Montevideo (AUGM) e reúne 30 instituições públicas dos países do Mercosul (Brasil, Argentina, Chile, Bolívia, Uruguai e Paraguai). A conferência foi mediada pela reitora Roselane Neckel, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que sedia o evento.

O encontro  tem transmissão ao vivo.

Este é o terceiro fórum sobre reforma; os anteriores ocorreram no Uruguai e na Bolívia. Roselane Neckel manifestou preocupação com a educação dos jovens e com a formação de cidadãos. “Precisamos desconstruir o individualismo, isto é, ir além do pensamento que considera apenas o eu”, sublinhou. E, fazendo coro com o conferencista, defendeu “a indignação ativa com a pobreza humana”. A formação, na sua opinião, deve ampliar e fortalecer a solidariedade e as relações humanas.

O Fórum, além de discutir o acesso das classes populares ao ensino superior, deve estudar formas para manter os estudantes nas universidades. Jorge Olímpio Bento condena a omissão e a neutralidade, e lamenta o abandono da visão humanista e da reflexão filosófica com a implementação do processo de Bolonha. Citou, entre as consequências, a perda da autonomia, o utilitarismo e a submissão das universidades ao mercado e às demandas das empresas; convocou todos a se engajarem no combate ao modelo hegemônico da globalização em curso, que “atenta contra o pensamento ampliado e plural”; e sublinhou que é urgente romper com o processo de Bolonha, ancorado nos mercados financeiros e no modelo neoliberal. “Bolonha traiu a obrigação de formar quadros cultos”, concluiu.

Reitora Roselane Neckel manifestou preocupação com educação de jovens e formação de cidadãos. Foto: Wagner Behr / Agecom / UFSC

Organizado pela Secretaria de Relações Internacionais (Sinter) da UFSC e promovido pela Associação das Universidades do Grupo Montevideo (AUGM), o Fórum também contou com debates sobre inclusão social, democratização do acesso e da gestão, integração, internacionalização e aproximação das universidades públicas do Mercosul. Devido à greve dos trabalhadores técnico-administrativos, o evento foi realizado fora da Universidade.

A abertura, no hotel Quinta da Bica d’Agua, contou com a participação da reitora Roselane Neckel; do secretário Luiz Carlos Pinheiro Machado; dos presidentes da AUGM, Pedro Gerardo Gonzalez, e da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições de Ensino Superior (Andifes), Jesualdo Pereira Farias; e da representante do Ministério das Relações Exteriores, Tânia Alexandra Malinski. Os discursos tiveram como ponto em comum a defesa das ações afirmativas, a democratização do acesso, a integração das universidades públicas do Mercosul e a preocupação com os desafios da internacionalização.

O professor Jorge Olímpio Bento também apresentou seu mais novo livro: Corrida contra o tempo – Posições e intervenções, cujo conteúdo foi condensado na conferência intitulada “Bolonha e o mal-estar universitário”.

O evento continua na tarde desta quinta-feira, com a seguinte programação:

14:30-15:30

Oficinas Temáticas e Moderadores

1. Desafios da Inclusão Social nas UniversidadesModeradores: 1. Sergio L. Schlatter Jr, UFSC

2. Democratização da Gestão Universitária; 2. Alvaro Maglia, UDELAR

3. Integração do ensino de graduação pós-graduação;

3. Nicolas B. Maillard, UFRGS

4. Compromisso social das Universidades Públicas.

4. Waldo Albarracín, UMSA, Bolívia

15:30–15:50

Intervalo para café

15:50–18:00

Mesa Redonda: Políticas de inclusão social nas Universidades Públicas

– CHILE: Prof. Hugo Romero
– BRASIL: Frei David (ONG Educafro- SP)
– Movimento Estudantil: Fausto Moura Breda (USP)
– Moderadora: Professora Magaly Mendonça (UFSC)

18:00–19:00

Mesa de Encerramento com conclusões da oficina. 10min/grupo + 20min debate = 60min

– Moderadora: Profa. Lúcia Helena Pacheco (UFSC)

 

Serviço

O quê: fórum Reforma Universitária na América Latina

Quando: 24 de abril de 2014

Local: hotel Quinta da Bica D´Água, Rua Capitão Romualdo de Barros, 641 – Carvoeira, Florianópolis/SC (veja mapa do local)

Inscrições pelo site http://forumaugm2014.ufsc.br/inscricoes/

Mais informações:  

 

Moacir Loth / Jornalista na Agecom/UFSC
 

Fotos: Wagner Behr / Agecom / UFSC

Tags: AUGMFórum sobre Reforma Universitária na América LatinaUFSC