Aquisição de alimentos saudáveis para a família é tema de pesquisa na UFSC

06/12/2013 15:00

Nutricionista Caroline C. Moreira pesquisou a percepção sobre alimentos saudáveis pelos responsáveis pela aquisição para as suas famílias.

A nutricionista Caroline Camila Moreira, do Programa de Pós-Graduação em Nutrição (PPGN) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), sob a orientação da professora Giovanna M. R. Fiates, realizou, para sua dissertação de mestrado, uma investigação acerca da percepção sobre compra e consumo de alimentos saudáveis por quem os adquire para a família. Da pesquisa – realizada entre os meses de outubro e novembro de 2011 – participaram 215 pais de escolares de 7 a 10 anos, de nove escolas públicas de Florianópolis (SC). A pesquisa integra o projeto“Estudo intergerações familiares: hábitos alimentares na interface entre o estado nutricional e o comportamento do consumidor”, financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Em um único dia, realizam-se inúmeras escolhas alimentares, que, repetidamente, tendem a se tornar hábitos. Engana-se quem imagina que as escolhas alimentares se iniciam na primeira refeição do dia; elas começam no momento da seleção e compra de alimentos.

Constatou-se que as famílias brasileiras, de todos os estratos de renda, têm adquirido, cada vez mais, alimentos industrializados e ultraprocessados, geralmente com teores excessivos de gordura, sal e açúcar e uma quantidade insuficiente de frutas e hortaliças. Por isso, torna-se importante compreender não somente o comportamento de compra, mas também entender a percepção do que são alimentos saudáveis por parte de quem os adquire para a família.

Melhorar a qualidade nutricional da alimentação exige um esforço coletivo e a compreensão de questões como: onde os pais compram os alimentos para a família? Em quais critérios embasam suas escolhas? Quais alimentos consideram saudáveis? Qual a frequência da compra desses alimentos? Qual sua disponibilidade nos locais habituais de compra?  O preço desses alimentos é considerado caro? As respostas a essas perguntas podem nortear estratégias voltadas para o aumento do consumo de alimentos saudáveis.

Os resultados indicaram que os alimentos saudáveis estão disponíveis nos locais habituais de compra,  a sua maioria em supermercados; no entanto, muitas vezes não são acessíveis devido a seu alto preço.

Com base nas entrevistas realizadas,  pode-se afirmar que o conhecimento sobre alimentos saudáveis e a preocupação com a qualidade e o valor nutricional da alimentação ofertada nos lares não foram suficientes para proporcionar o consumo de frutas e hortaliças nas quantidades preconizadas. Desse modo, acredita-se que as estratégias tradicionais, voltadas para a educação nutricional, podem ser complementadas com outras, que facilitem a aquisição de alimentos saudáveis, sobretudo em supermercados.

Informações: professora Giovanna M. R. Fiates / / (48) 3721-9784.

 Edição: Alita Diana/Jornalista da Agência de Comunicação/UFSC
 

Claudio Borrelli / Revisor de Textos da Agecom / UFSC

Tags: Caroline Camila MoreiraGiovanna M R Fiatesnota para imprensaPPGN