UFSC na Mídia: Hábitos alimentares e comportamento de consumo infantil

17/10/2012 14:44

Como agem crianças de diferentes níveis de renda familiar em relação à alimentação, comportamento consumidor e hábito de assistir à TV? Em busca de respostas a essa questão, uma dissertação desenvolvida junto ao Programa de Pós-Graduação em Nutrição da UFSC, da  nutricionista Vanessa Mello Rodrigues, comparou a postura de estudantes de uma escola pública e de uma escola particular de Florianópolis. A Revista de Nutrição da Pontifícia Universidade Católica de Campinas publicou um artigo sobre a pesquisa em sua edição de maio/junho de 2012.

Hábitos alimentares e comportamento de consumo infantilinfluência da renda familiar e do hábito de assistir à televisão 

Rev. Nutr. [online]. 2012, vol.25, n.3, pp. 353-362. ISSN 1415-5273.  http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732012000300005.

Abstract

RODRIGUES, Vanessa Mello  and  FIATES, Giovanna Medeiros Rataichesck.

OBJETIVO: Comparar hábitos alimentares e comportamento de consumo de crianças de diferentes níveis de renda familiar de Florianópolis (SC), Brasil, relacionando-os com o hábito de assistir à televisão.

MÉTODOS: Estudo qualitativo com análise de conteúdo de manuscritos originados de 23 grupos focais, realizados em uma escola pública e uma escola particular de Florianópolis (SC), compostos por 111 estudantes de 7 a 10 anos. Para verificar a renda familiar dos estudantes, dados sobre a ocupação dos pais foram classificados pela Classificação Brasileira de Ocupações. Os estudantes da escola particular pertenciam a famílias de maior renda em relação aos da escola pública.

RESULTADOS: Nas duas escolas, a maioria das crianças entrevistadas referiu assistir à televisão sempre que possível, sem sentir controle dos pais sobre esse hábito. Além disso, afirmaram ter dinheiro para gastos independentes e vontade de comprar os produtos anunciados nas propagandas de televisão. Estudantes da escola pública relataram ingerir e adquirir guloseimas mais frequentemente e ter maior liberdade para fazer compras do que os estudantes da escola particular, que revelaram sentir-se controlados pelos pais em relação aos seus hábitos alimentares e compras realizadas.

CONCLUSÃO: O fato de os estudantes da escola particular sentirem-se mais controlados por seus pais pode ter reduzido uma provável influência da televisão sobre seus hábitos alimentares e de compras. Evidencia-se a importância da formulação de estratégias para auxiliar os pais a reduzirem os efeitos da televisão sobre os hábitos de seus filhos e de políticas públicas que incentivem o consumo saudável, além da regulamentação do marketing de alimentos pouco nutritivos para o público infantil.

Keywords : Criança; Grupos focais; Hábitos alimentares; Propaganda; Televisão.

Outras informações pelo e-mail .

Fonte: Revista de Nutrição – Print version ISSN 1415-5273

Núcleo de Editoração SBI – Campus II
Av. John Boyd Dunlop, s/n. – Prédio de Odontologia
13059-900 Campinas – SP Brasil
Tel./Fax: +55 19 3343-6875
Tags: CampinasCCSnutriçãoRevista de NutriçãoUFSCVanessa Mello Rodrigues